71 thoughts on “A puta da crise”

  1. É A PUTA DA ASSIMETRIA! Triste merda para te gabares…

    300M/10M = 30€

    Leste a notícia das viagem ou só olhaste para o título?

    «A marca alemã conseguiu aumentar as suas vendas em tempo de crise, quando as marcas de luxo têm registado quebras nas vendas face ao ano transacto. »

    Volta a criticar a demagogia do louça, volta…

  2. Façam o favor de juntar os 6,7 mil milhões transferidos para o paraíso papal. perdão, fiscal.
    E o ALgarve está cheio até à ponte do Guadiana,
    E o aeroporto d eFaro já só tem disponibilidade nocturna…
    E os casinos, totolotos e euromilhões facturam como nunca, fora ainda os milhões diários nas compras na net…
    Ah!, antes que me esqueça:
    O Varapau já sabemos faz contas de dividir razoavelmente. Pena que inclua os vivos, os que cá não estão, as criancinhas, os padres, os doentes acamados mais os velhinhos dos centros de dia, e assim, lá vão as divisões pro carapau.
    Azares, digo eu…

  3. Lê o Jornal de Negócios de amanhã “desemprego só recua daqui a 1 ano”.

    600 e tal mil sem emprego (oficial) mais os não oficiais e ainda gozas….

  4. Ó génio MFerrer, se as contas de 300 M gastos são feitas tendo em conta a totalidade da população é normal que divida pela mesma pop. de modo a obter a extravagância de 30 €/per capita, não?
    Ou então a notícia teria de dizer “cerca de 5M de portugueses gastaram mais 300 M€”.
    O problema é que se fossem rigorosos teriam de escrever qualquer coisa como “100.000 portugueses gastaram mais 300M em compras de natal, os outros foderam-se”.
    Ainda lhe dou uma ajuda, pelos vistos, só no dia 23 foram transaccionados mais de 380M€. Vê como sou amigo? Agora vá lá fazer propaganda e gozar com o raio que o parta!

    nota: leia a notícia toda «O valor médio foi ligeiramente inferior este ano, em apenas um euro (68 euros por cada levantamento e 44 euros por cada compra) mas o número total de movimentos subiu face a 2008. »

    Mais uns exemplos da maravilha em que estamos:

    «Os cerca de 400 trabalhadores da Macvila (ex-Maconde) ficaram sem receber o subsídio de Natal, ao contrário do que a administração havia prometido, confirmou à agência Lusa uma das funcionárias da fábrica.»

    «Estaleiros de Viana do Castelo precisam de novos contratos para sair de uma forte crise financeira. Desemprego ameaça trabalhadores»

    «Apesar dos sinais de recuperação, a economia mundial “não está fora de perigo”, afirmou ontem o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) .
    Em entrevista ao diário Estado de São Paulo José Ángel Gurría sublinhou que o processo de limpeza dos activos tóxicos ainda não terminou.
    “Não estamos fora de perigo”, afirmou. “A limpeza é necessária para chegar ao momento de recapitalização”, acrescentou o responsável. »

  5. Vacas dão mais leite ao som de música clássica

    Negócio de putas de luxo cresce no mundo inteiro (devido à tristeza causada pela crise)

    Benfica investe para acalmar euforia

    Al-Qaeda reivindica ataque falhado

    Dentes de tigre aumentam tesão

  6. Só não gosto de ver o Sporting Clube de Portugal metido nesta embrulhada. Anda a fazer o frete aos empresarios que só facturam quqndo os jogadores mudam de clube. Para lutar pelo 3º lugar bastam os jogadores da casa feitos na casa e basta não desprezarem o melhor guarda-redes da Servia.

  7. No último domingo havia uma fila interminável de pessoas à abertura das portas do casino de Lisboa ( a meio da tarde). No centro comercial contíguo (Vasco da Gama) as lojas estavam atafulhadas, mal se conseguia circular nas ditas…Estranha crise, de facto.

  8. Na confeitaria em frente a minha casa, a venda de bolos-rei e pães-de-ló foi de tal maneira elevada que a confeitaria teve de fechar mais um dia depois do Natal para os empregados e pasteleiros poderem descansar. Isto é que vai uma crise, hem?!?

  9. Para quem tem emprego : onde está a crise ?
    Os combustiveis baixaram, as prestações dos empréstimos bancários para casas também, a inflação idem e os apoios estatais subiram. Assim parece-me que a situação dos que têm trabalho melhorou e não foi pouco.
    O número de desempregados subiu.
    É um facto. Infelizmente. Mas porque será que continuo a ver , nomeadamente nas lojas, cartazes de “empregado precisa-se ” ? E porque será que em certos sectores ( restauração, lojas, alguns call centers , etc ) os trabalhadores são emigrantes ? Por outro lado os apoios aos desempregados subiu.
    São duas sutuações distintas mas o balanço global, parece-me ( mais uma vez ), que é positivo.
    As estatísicas são o que são e nós vivemos à base de percepções.
    A minha percepção é que há muitas pessoas a viverem bastante melhor.
    Bom dia

  10. A … da crise:

    Não critico a forma como uma grande parte dos portugueses resolvem passar esta quadra natalícia. Cada um sabe de si e goza da maneira que quer. Agora critico quando vêm para a praça pública contestar o nível de vida que, tudo está mau e afinal a cara não diz com a careta.

    A minha quadra natalícia foi igual à de sempre. O cozido com bacalhau, umas rabanadas, formigos, aletria, bolo-rei e nada mais.

    Quanto a fazer uma viagem, faço-a aqui na minha terra, a vida não dá para mais. Não censuro quem tiver posses que a faça se, estivesse na mesma situação ia fazer um cruzeiro com a minha esposa, dar a volta ao Mundo, que é o que mais ansiamos.

    Como a vida o não permite fazer e como na minha terra existe um cruzeiro (Pelourinho) damos umas voltas em volta dele e imaginamos que a minha terra é o Mundo.

    Façam como eu. E assim o sonho é concretizado.

  11. Pois…
    Mas ninguém fala desta maldita chuva que dá cabo das valetas, dos ventos que dão cabo das estufas,dos clientes de retorno absoluto, resumindo, da ruína das instituições.
    Nem que a TVI perdeu a Deusa da Caça, que o “Público” perdeu o fiel da balança, que em Belém niguém escuta o menino, que procuradores têm a pressão alta, que magistrados parem certidões de óbito, que Portugal figura em 41º lugar, entre 60 Países, em risco de falência.
    Nem que o investimento português em obras públicas deveria ser todo canalizado para fazer réplicas do “portugal dos Pequeninos”……
    Isto não está fácil…tudo obra do Engenheiro..

  12. António P.

    E ainda há a juntar o sector da panificação que tem, segundo o representante das empresas do sector, falta de alguns largos milhares de trabalhadores. Como ele diz, “o problema é que as pessoas querem um emprego das 9 às 5 e não das 5 às 9” ( da manhã, claro).

  13. Claro que há crise que se manifesta (ou não) de forma diferente nos diversos portugais.
    A questão das viagens e dos carros de luxo não serve de todo para medir a crise.Todos os anos aumenta o consumo do segmento dos produtos de luxo e afins. O que parece existir embora que tenuemente é um regresso da confiança, pois por vezes o consumir ou deixar de consumir não está directamente ligado à disponibilidade financeira mas sim à expectativa de médio longo prazo.O exemplo dos paraísos fiscais é disso evidente, quando no ano passado se temia o pior o dinheiro foi retirado e agora com melhores expectativas foi novamente recolocado e aumentado. Observe-se igualmente que nesta época existe mais dinheiro disponivel. Posso até fazer uma previsão sem medo de errar de que a próxima época de saldos vai ser extraordinária.
    Agora não nos iludamos a crise existe, o desemprego ainda poderá aumentar, existem grandes assimetrias entre a região de Lisboa e Vale do Tejo e a Região Norte, ainda existe muito para fazer na reconversão empresarial, etc..muitos problemas estruturais que não resistem a um abanãozinho, quanto mais a um sério abanão como este que passamos.
    De resto analisar o país pelos leads dos jornais é esquizofrénico. Porventura foram os mesmos que repetiram à saciedade que Sócrates era culpado no Freeport, que havia escutas em Belém, que o pais irá acabar na próxima década e o diabo a sete.

  14. Caríssima Edie,

    aprecio mesmo muito os seus comentários, são de uma pertinência brutal. No entanto, deixe-me, respeitosamente, dizer-lhe que a indústria da panificação representa uma enorme percentagem do sector alimentar e que o volume de vendas tem vindo sempre, mais e mais, a crescer desde 2006…não me parece que seja a entidade patronal que saia às nove, com farinha no cabelo…

  15. Calvo Klein,

    obrigada pelas simpáticas palavras.

    Mas…e se crescesse ainda mais?

    Eu estou mais familiarizada com o sector das TI, que tem vindo a crescer também muito (neste momento, é o único em que temos mais exportação do que importação), apesar de estar estranguladinho de todo com falta de pessoas. É certo que o motivo de falta de pessoas é diferente, mas lá que podia crescer mais ainda, podia.

  16. Ora essa! É sempre um grande prazer trocar ideias com mulheres bonitas (perdoe-me a ousadia mas consegue-se adivinhar a beleza pelo seu grau de inteligência).

    Se crescesse ainda mais…temo que nem sempre seja possível trabalhar a três turnos mesmo quando a rotatividade do posto de trabalho e a polivalência são, cada vez mais, uma realidade. Não concorda?

  17. É muito complicado, minha Cara Edie. O parque de máquinas é muito dispendioso e, como saberá, os trigos não caem do céu… mas deixe-me elogiar o seu tão rápido raciocínio! Relativamente às TI, é um mercado bem mais volátil…

  18. Edie, desconheço o sector, mas para se aumentar o número de empresas de panificação, não teriam de encerrar outras? O pão é daqueles produtos cuja produção deve ter um limite, é que não se exporta nem se armazena. Digo eu, que na verdade não faço a mínima ideia. :)

  19. e dizes bem, guidinha: o pão e a pastelaria fresca

    (salvo excepções sazonais como, por exemplo, o pão de ló e bolo rei no natal e páscoa. isto de fazer meia dúzia de elogios a uma gaja que me diz que eu não sei expôr ideias, afinal resulta). :-D ;-)

    obrigada, edie, por estes momentos de diversão. :-D

  20. guida,

    não sou eu que digo que o sector tem vindo a crescer (mesmo sem exportação de pão?) e que ainda podia crescer mais…Como também não sou especialista, não os ponho em causa :)

  21. Pois, eu sei que tem vindo a crescer, o que penso é que deve haver um limite para esse crescimento. A menos que o número de consumidores aumente (procriem!), ou que a nossa dieta passe a incluir ainda mais pão. :)

  22. guida,

    quanto ao limite, de certeza que haverá, o mercado assegura-se disso. Parece é que (ainda) não chegámos lá.

    Por mim, é só ao pequeno almoço – e quando é – mas há mais coisas, para além do pão, que esta indústria produz…

  23. O consumo de pão terá aumentado algures , mas em Portugal é que não foi.
    em duas décadas de 250 quilos anuais por pessoa ( anos 80 ) passou para 120 quilos e….nos últimos 3 anos:

    “O aumento do preço do pão, que vai voltar a sentir-se este mês em 15%, está a ter reflexos no seu consumo. Os portugueses adquirem hoje menos 50% do que há três anos, passando a compra média diária a ser de 100 a 200 gramas por pessoa. ”

    http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1002636

  24. padeiro,

    fecha-se o círculo e voltamos ao tema do post: a puta da crise.
    Então não é que o consumo de pastelaria tem disparado nos últimos anos?

    Deve ter passado despercebido, mas já tinha referido que a indústria produz outras coisas além de pão :)

  25. António P.
    Call center? Estrangeiros? Há centenas de candidatos portugueses a concorrer para vagas em call center para ganhar 200 euros, mais comissões de m. hurra. acredite. Empregos em lojas: medidas: 60/90/90, loura de olhos azuis? É seu. Subsídio de desemprego? Convém não ter sido empresário antes, não é? Quer dizer, passador de recibos verdes… e como sabe, isto é um país de empresários. Inflação: mau, por definição, obviamente. Só estariamos melhor se houvesse deflação. Juros bancários? haha, veja os spreads.
    Quanto ao valor das compras per capita…. Bem, basta três “empresários” do vale do ave comprarem três ferraris para as esposas, que um casal da cova da moura fica logo com dinheiro para comprar um pónei para o filho. Eu com números também posso fazer o que quiser, sou uma máquina.

  26. K,

    agora já não é tanto brioches, mas hamburgueres (no pão, lá está), pizzas, bolinhos vários, empadinhas e por aí. E acho bem, que não só de pão vive o homem, e esta máxima já o JC a disse numa altura em que não havia tanta diversidade na oferta :)

    Os indicadores estão todos associados, vamos ver os do colesterol e comprova-se assim o aumento deste consumo.

  27. Edie,
    Essa frase do JC já não me admira ele era mais pró vegetariano :))

    Na questão do pão e das padarias convem referir que existe cada vez mais a confecção caseira. A questão do colesterol é todo um estilo de vida que tambem passa por maus habitos alimentares.

  28. Ingredientes de um pão:
    Farinha de trigo, agua, levadura, margarina, gorduras vegetais hidrogenadas, emulgentes (E472E, lectina de soja),aromas, colorantes (beta carótenol), leite gordo em pó, sal, açucar, emulgentes (mono e digliceridos de acidos gordos, dextrosa, enzimas fúngicos, antioxidante, ácido ascórbico), agente de tratamento de laharina ( L-cisteína).

    O não consumir pão não será mais um acto de lucidez?

  29. cada vez gosto mais de pão e sopa, com queijo vá,

    mas agora fiquei a morder-me por um Ti Piedade! Hum, amanhã não sei não…

    Pois Valupi bem que me esgatanhei aqui todo contra o tricheur e promete voltar o cabrão, embora às tantas passo a bola, donde é que me veio este terrível amor pelo povo português que me arrebentou todo é que nem sei. Nem quero saber, o meu paiaçu Vieira lá saberá talvez.

  30. Carapau,
    Só agora aqui voltei e muito me surpreende a sua resposta. É que para além das contas que admiti, vc faz razoavelmente, vc lê mal.
    Em que é que eu o destratei? Para me mandar não sei aonde?
    E sobre propaganda, posso é recomendar a prática da verdade das estatísticas.
    Foi o que sugeri.
    E que confirmo : Não é responsável, nem sério, vir dizer que o aumento do valor do consumo de 300M, pode ser atribuido a 10M de portugueses.
    A seriedade impunha outros cuidados além de fazer divisões por dez. Embora reconheça mérito sempre que se acerta nisso.
    Gozar consigo?
    Valha-o deus que tenho a minha agenda ocupada para os próximos tempos. Tente mais tarde!

  31. pois é também guardei o link de K! Por que é que será que nas instituições vira tudo ao contrário dos princípios invocados como fundadores? Deve ser coisas da dialéctica do poder das estruturas piramidais, portanto sendo assim se calhar é inevitável, mas já agora venha o contrário do contrário em nome da mesma dialéctica, já passou tempo suficiente, se é o original ou um terceiro semelhante ou ainda outro conceito ficamos por ver,

  32. &,

    os princípios fundadores nem sempre servem os interesses derivados. Penso que viste o Ágora. Numa das cenas em que os soldados cristãos se preparam para dar cabo dos judeus, o Davus diz: “Mas Cristo perdoou-lhes na cruz”. Lembras-te da resposta?

  33. o que eu sei é que fazer o que lapidarem Hipatia dizendo-se seguidores de Cristo que salvou Madalena com aquela deixa ‘quem não tiver pecado que atire a primeira pedra’ é por demais obsceno. E no entanto aconteceu, pode interpretar-se em termos políticos e psicanalíticos e etc.

    também me lembro mais ou menos do que dizia o cardeal na Missão, deve ser mais do mesmo,

  34. Um dos soldados responde-lhe que Cristo era Deus e ele era homem e imediatamente entra em modo acusatório . “Ou queres comparar-te a Deus?”.

    Perverso, não? A instituição não só viola os princípios fundadores como persegue quem os segue…

  35. Evidente, não disse ele outra coisa: cá estou eu que sou deus e homem e vocês são como eu, são meus irmãos, só não o sabiam até agora.

  36. e assim se faz a revelação, afinal o apocalypse é esse, certo?

    assim fica uma história bonita, mas aposto que abre uma data de dimensões no universo

  37. Na proxima semana quero ver se vou ver o Agora. Existem muitas partes da Historia que nos são mal passadas e a parte referente à criação do cristianismo é uma delas. Acontece que Cristo viveu e morreu como um judeu.Ele era judeu. A verdadeira igreja cristã primitiva foi a do seu irmão Tiago que ainda durou uns tempos mas que depois desapareceu. Todo o contexto existente à época, o domínio romano, as revoltas e manifestações diárias, as dezenas senão centenas de Cristos e pregadores que existiam naqueles sítios, a cumplicidade dos chefes religiosos judeus com o Império, a necessidade de um Salvador conforme anunciado para fugir à opressão, os romanos chegavam a crucificar 500 judeus por dia,etc, etc, tudo isso foi como que omitido.Talvez devido à necessidade de alargar a fé ao Império houve a necessidade de não culpar os romanos mas sim os judeus pela morte de Cristo. A cena em que Pilatos pergunta à multidão qual dos dois querem salvar, Cristo ou Barrabás, e de seguida lava as mãos, é de todo inverosimil, mas serve o proposito principal iliba Roma e condena os judeus.
    A igreja catolica romana tem tanto a ver com Cristo como a sua representação nos belos quadros renascentistas. Um cristo belo, claro, por vezes de olhos azuis, um cristo falso, um cristo de hollywood, ou melhor de cinecitta, uma construção.

  38. K,

    vai ver e depois diz-me o que pensas. A mim parece-me que o ponto principal do filme é o medo como pilar de construção do poder. O medo da mulher como ponto de partida para o poder masculino, o medo do conhecimento como fundamento para o poder religioso. O medo do conhecimento na mulher como…sei lá, a cereja no topo do bolo :)

  39. Pois.
    Por falar em cerejas, vê só como elas são como as palavras…
    Começa-se aqui a falar do aumento do poder de compra dos portugueses, deriva-se para a questão da falta de procura de emprego em certos sectores, passa-se para a questão do pão e de outros produtos com farinha na sua composição, entramos nos hábitos “vegetarianos” de Cristo, o desvio do cristianismo e agora vamos ao cinema.

    Giro.

  40. Sim esse tambem &, vi a apresentação e fiquei positivamente esmagado, graficamente é poderosíssimo.

    Eddie o medo como construção do poder e como manipulação é uma arma velha como a humanidade. O que é que vendeu Bush? O que é que vende Medina embora em menor grau? e os outros ressabiados de direita? Medo, insegurança. De que é que fala PPortas quando encontra um velhote? Insegurança medo. Existem canais de Tv americanos que baseiam as suas emissões no medo a aterrorizar as pessoas, cá esse caminho já começou a ser desbravado embora em menor grau.

    O caminho que percorreu esta nossa conversa é com efeito curioso, mas se reparares bem tem lógica: De que é que precisas quando há crise ? Do básico, de comer de pão.Pão, corpo de deus, Cristo, alimento espiritual. Depois dessas necessidades saciadas, entretenimento, bem não no sentido mais genérico, mas ainda assim entretenimento. Maslow não faria melhor!

  41. o pior de tudo é que não acabou Edie, falaste em cerejas e eu sou positivamente gamado e fiquei de vibrissas no ar, mas agora só há mon chéri’s, resultado: abisma-se no horizonte um arrependimento fulcral depois de uma barrigada pançuda,

    é sim K, mas além disso digo mesmo que é belo,

    quanto a isso do medo: claro, existirá maior regulador social e político? Esses profissionais ganham bem.

    Um antídoto é a festa,

  42. Desculpa lá, &. Não sabia que também tinhas esse fraquinho. Mas vendo bem, pelo menos evitaste os hidratos de carbono abundantemente referidos acima.

    K,

    velho como a humanidade e não nos libertamos dele. Nos nossos tempos mais primitivos, era útil para combater, fugir, fazer pela sobrevivência. Agora é um simulacro que nos aprisiona. O antídoto do & parece-me muito bem.

  43. Segundo dados da SIBS, em Dezembro transacionaram-se em compras 5 mil milhões de euros (pelo menos duas pontes Vasco da Gama). Só na primeira semana de 2010 o valor já vai em mil milhões de euros. A entidade classifica estes valores como record histórico para períodos análogos do ano.

    Chamar puta a esta crise ainda é pouco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.