A nova política de Seguro já tem uns aninhos

Nós temos de derrotar a velha política e substituí-la pela nova, que é falar verdade aos portugueses e dizer que só podemos prometer aquilo que temos a certeza de podermos cumprir.

Seguro, 2014

É fundamental falar verdade aos portugueses, porque falando verdade eles têm comportamentos que são consistentes com os objectivos que queremos alcançar. Tendo uma boa informação, cada um comporta-se e tem uma atitude coerente.

Cavaco, 2010

Eu acho que aquilo que falta efectivamente é falar verdade às pessoas. Provavelmente, o engenheiro Sócrates, neste momento, não fala verdade nem com ele próprio.

Manela, 2009

Não faço promessas que não tenciono cumprir.

Manela, 2009

9 thoughts on “A nova política de Seguro já tem uns aninhos”

  1. Assim se vê a força do Jerónimo: não consegue notar qualquer diferença entre o Seguro e o Costa. Nem qualquer diferença entre o nefasto PS e a direita que está no governo, tendo à cabeça o coerente Cavaco. E vai daí, é preciso falar verdade e não fazer promessas.

  2. Como saí da minha zona de comforto vai para 10 anos (sou, no fundo, um visionário), não acompanho diariamente o que se passa no rectângulo, mas hoje ao ler o Pedro Marques Lopes a 1a coisa que me ocorreu é que o Cavaco está ilegal. Haja alguém que apresente uma providência cautelar ou processe o Estado, qq coisa – parece-me haver aqui uma oportunidade de dar a volta à tristeza que é a CRP no que a destituir o PR diz respeito.

  3. a bomba, pode rebentar se acontecer o que ontem foi levantado no programa ” eixo do mal.” como este modelo de primarias,pode ser facilmente contestado por quem as perder,por causa da mais que provavel participaçao de submarinos,se seguro for derrotado, o que é o mais provavel,vai levantar suspeitas sobre a validade de alguns votantes.como é o secretario geral, vai remeter para o final do mandato as eleiçoes no partido.aguadermos.

  4. eu conheci um gajo que vendeu a mesma corda 12 vezes. pediu ao primeiro comprador a corda para mostrar a outro possivel cliente.a todos desta forma vendeu a corda!

  5. “Isto é um debate entre dois camaradas, que devem, cada um por si, expor as suas ideias, convencer os camaradas e os simpatizantes do PS das suas qualidades, das suas propostas e porque é a melhor opção. Eu não direi nada sobre o actual secretário-geral do PS que o diminua se ele no futuro vier a ganhar.”
    http://www.publico.pt/politica/noticia/seria-um-privilegio-para-o-pais-poder-ter-o-engenheiro-antonio-guterres-como-presidente-da-republica-1663449?page=-1

  6. Se rebentar a bomba, e acredito que possa rebentar (se o país não rebentar até lá por causa do GES/BES) o PS, todo o PS, Costa e apoiantes incluidos, têm o que merecem: o esfrangalhamento do partido. Porquê? Porque os homens lúcidos e corajosos do PS, se lá os houvesse, teriam rejeitado, liminarmente, neste contexto actual de emergência nacional, a inovação aventureira das primárias. Aventureira apenas pelo contexto em que se terão de realizar. A falta de “estofo” da gente de todos os quadrantes do PS veio ao de cima. Costa e os seus apoiantes fraquejaram na hora em que não podiam ter fraquejado. Repito: o país pode não aguentar até 28 de Setembro. Pergunte-se a António Costa: se isso acontecer, e ele sabe melhor do que eu que pode acontecer, Seguro será chamado a formar um Governo de Salvação Nacional. E depois para que vai servir a “merda” das primárias?

  7. A diferença é que o António Costa e os que o apoiam já estiveram no poleiro. O Seguro e os que o apoiam nunca lá estiveram. Por isso eu sou a favor do Seguro e os seus apoiantes porque estes precisam mais de tratar das suas vidinhas do que os que já lá estiveram. Isto é que é xoxxialismo

  8. São farinha do mersmo saco e

    Nem um nem outro, com toda a certeza, porque não têm respostas nem soluções, basófias apenas, responderiam com verdade a algumas perguntas como estas:

    Se você fosse 1º ministro como renegociaria as compensações às parcerias publico privadas?
    Que fundações extinguiria?
    Que cortes orçamentais faria em lugar deste governo? Nas pensões e nas verbas para o SNS ou:
    Deixaria para depois as pinturas para as viaturas e os polos novos para os agentes da PSP?
    Ou a redução do orçamento da AR?
    Ou a substituição de viaturas oficiais que fazem à vontade 300.00 kms
    Ou o financiamento ao Banif?
    E como renegociaria a dívida em termos de capital, juros e prazo de pagamento?
    E que alterações faria legislação laboral, no que toca à contratação colectiva e precariedade?
    E que política de emprego promoveria?
    E que faria para facilitar o acesso à justiça?
    E para combater a desertificação do interior?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.