A imbecilidade que vem de longe

Fernando Rosas, deputado do Bloco de Esquerda, garantiu ontem à agência Lusa que o seu partido não aceitará qualquer tipo de acordo, pré ou pós-eleitoral, com o Partido Socialista (PS) nas próximas eleições legislativas de 27 de Setembro.

O deputado do BE, que ontem à noite participou numa arruada no Barreiro, afirmou que “as bases políticas programáticas do PS são completamente contrárias às do Bloco”, assinalou Fernando Rosas”, para justificar a exclusão de qualquer hipótese de entendimento com o actual partido no poder. Ferro Rodrigues, ex-líder do PS, defendeu em entrevista ao Expresso que o PS deve desafiar PCP e BE para o Governo.

16 de Agosto de 2009

Este Governo é mais perigoso do que o de Sócrates.

Louçã, 2 de Setembro de 2012

__

Louçã fez tudo o que pôde para desgastar, quebrar, dividir e derrotar o PS. Era este o seu único plano, sabendo que apenas receberia migalhas dos dissidentes do PCP e que era na radicalização do centro-esquerda que se jogava o seu napoleónico futuro. Em crescendo de agressividade, e definhamento de imaginação, ia revelando a megalómana ambição: liderar uma imperial “esquerda grande” sobre os escombros do socialismo democrático e a tolerância comunista.

Na primeira citação, numa altura em que se dava como certo que o PS iria perder a maioria nas eleições de 2009, vemos Ferro Rodrigues a tentar iniciar um diálogo que gere uma convergência à esquerda só para receber a maniqueísta resposta de um coronel do BE:

as bases políticas programáticas do PS são completamente contrárias às do Bloco

Isto é o mesmo que dizer-se que o PS é o principal inimigo do BE, que onde o BE é de esquerda o PS é direita, e quando o BE defende os trabalhadores o PS defende os patrões. De facto, projectando no PS a raiva ideológica máxima que se é capaz de conceber, qualquer acordo, nem que fosse a respeito de uma conta de somar, seria impossível. E impossível foi, com o BE a preferir que Portugal ficasse com um Governo minoritário de esquerda a partir de 2009, o qual estaria condenado a sofrer todas as golpadas da direita, quando e como ela quisesse.

Em 2012, depois de Louçã nos ter garantido que o chumbo do PEC 4 corresponderia à saída da crise, assoma um laivo de lucidez. Parece que o visionário já consegue vislumbrar que a solução política para a qual ele contribuiu diligente e entusiasticamente é pior do que a anterior. Este deslumbrado que continua a colar o PS à direita – esse mesmo PS que construiu e defendeu o Estado Social – já se esqueceu do que disse na noite eleitoral de 2009, a noite do maior triunfo da sua vida política, e não há ninguém que lhe tenha dado o voto que lhe peça agora responsabilidades depois da bela merda que andou a fazer com ele, mas aqui fica para se contemplar os malefícios da demagogia infrene:

Este é um novo dia para a esquerda portuguesa. Nada será como dantes. Teremos uma esquerda mais rigorosa, com mais capacidade de diálogo. Nenhum eleitor do Bloco de Esquerda terá qualquer dúvida de que todo o voto dado ao Bloco de Esquerda será gasto na defesa dos direitos fundamentais de uma resposta que possa transformar o país.

27 de setembro de 2009

3 thoughts on “A imbecilidade que vem de longe”

  1. Val: as opções do governo seriam diferentes se o pcp e o be tivessem-se juntado ao ps no governo?Isto é as medidas do pec IV ou os aumentos de impostos aos cidadãos seriam diferentes?

  2. Interessante o vosso artigo sobre a pedra da esquerda, capitaneada pelo Sinistro Louçã.
    Agora, acabado 0 TRABALHO SUJO, capitaneado pelo incompetente Borges, despedido da Golden Sachs por incompetência e colocado no FMI pelo entretanto destruido mulherengo, com a incumbência de deitar abaixo custe o que custar o Sócrates. Aí começou a teia de conspiração. Borges fornecia à comunicação Social estrangeira as piores noticias, para os especuladores atacarem, com o conluio do Cavaco Silva que ia dizendo INSUSTENTAVEL, EXPLOSIVO, CATROGA e o seu já aliado TEIXEIRA DOS SANTOS, AMADO etc. A célebre frase de Teixeira do limite dos 7% serviu para a machadada final, para os Banqueiros e os economistas virarem do avesso. Aí jugou LOUÇÃ O SEU PAPEL DE VINGADOR, aliando-se ao PSD, CDS E PCP, pois olhando ao espelho pensava espelho meu diz se há alguém melhor do que eu. e o espelho respondia Sócrates. Derrubado este, o adversário mole como a sua alcunha ALFORRECA, não dá brilho ao seu papelão e tem de se confrontar com o priminho Gaspar o que lhe dá problemas familiares. Resolve sair de cena, pela porta baixa, certamente para ganhar dinheiro, acumulando com o de deputado, não sei se a mãe continua como assessora no Parlamento. Enfim uma figura sinistra a menos para não atrapalhar os que ele ajudou a ir ao pote. POBRE PAÍS DA PIOLHEIRA E DA PORCA DA POLITICA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.