A doença que a direita espalhou para conseguir meter as beiçolas no pote

Neste domingo, Sócrates voltou a reafirmar que convidou Passos para um Governo de coligação em 2010, e que esse convite foi recusado várias vezes, apesar da evidente vantagem para o interesse nacional em atravessar a crise das dívidas soberanas com o máximo de estabilidade política possível. Disse mais: desafiou Passos a desmenti-lo e aos factos que apresentou. Estas últimas declarações de Sócrates não tiveram rigorosamente nenhum eco na imprensa, creio. Todavia, a serem aceites apaticamente pela sociedade o corolário é o de toda a gente saber que o primeiro-ministro é um mentiroso que já nem perde uma caloria a tentar defender-se de quem o expõe como o traste que é, primeiro, e o de toda a gente se estar a marimbar por ter como primeiro-ministro um traste que já nem perde uma caloria a tentar defender-se de quem o expõe como o mentiroso que é, depois. E este espectáculo com o alto patrocínio de Sua Excelência o Senhor Presidente da República.

Do PCP ao CDS, das universidades às celebridades, o que se contempla é uma comunidade moralmente destruída.

22 thoughts on “A doença que a direita espalhou para conseguir meter as beiçolas no pote”

  1. Parece que agora o PS é imprescindivel no dizer do pr, antes não ineterssava!
    Agora era preciso um acordo blá blá antes não teve tempo do patrocionar antes até desconhecia (ainda vamos saber que ele sabia até demais)

  2. a doença da indolência de outros perante a arrogância e prepotência de uns. estes textos tinham de estar expostos, cáspite! na tv, na rádio, nos jornais, nos restaurantes, nos bares das escolas, no continente, no pingo doce, nos cabeleireiros e na AR. nas redes sociais não adianta muito – estão viciadas em coisas rápidas. a impotência dói. :-(

  3. Claro que, não vai perder um minuto que seja a falar no assunto, volta a fazer
    o que fez, aproveitando uma pergunta mal formulada para negar o ocorrido!
    Por esta atitude, se pode ver o carácter do personagem e a sua dificudade
    em lidar com a verdade, está na política como podia estar na revista do Lá Fé-
    ria, nos discursos que vai debitando é notório que, por vezes, não entende o
    que lhe sai da boca, se é improviso enrrola-se e quase não se percebe!
    Se é assim por S.Bento, não estamos melhor servidos em Belém que, resolveu
    hoje dar mais uma ajuda ao des-governo, ralhando e não sendo rigoroso de-
    fendeu que os mandatos são para cumprir, tal como acontece na Europa !?
    Esqueceu que, a Bégica esteve mais de um ano sem Governo, quantos já teve
    a Itália? Eleições antecipadas na Holanda a coligação “berrou”!
    Tudo desculpas de mau pagador, para manter em funções o seu governo e
    acenando com o poder parecer mal aos mercados … o que vale é que a
    Grécia até tem um presidente!!!

  4. Sócrates tinha que ser derrubado.
    E foi.
    Nem é preciso explicações.
    Estes agora não prestam?
    Pelo menos parou aquela do aeroporto, do TGV…!

  5. A liderança do PS, que tem colocado o partido à margem dos desafios do país. De facto, as duas propostas mais conhecidas dos socialistas (pedir uma revisão do défice para 5% no próximo ano e a baixa do IVA na restauração) são assumidamente populistas, não estruturais e implicam o aumento da despesa pública. Sobretudo, sendo oportunistas, permitem ao PS fugir à sua verdadeira responsabilidade, que é participar na resposta às difíceis questões para o longo prazo – onde cortar na despesa pública, como melhorar a eficiência da administração pública, como modernizar a máquina do Estado?
    De resto, em inúmeras intervenções públicas, António José Seguro garantiu que, “quando” for primeiro-ministro, deixará de haver cortes. Mais recentemente, informou que o seu partido votará contra o OE2014, sem antes ter lido o documento que, aliás, nem sequer foi finalizado pelo governo. Ou seja, o que neste momento separa Seguro dos outros líderes da extrema-esquerda é apenas o fato e a gravata.

  6. A atitude merece censura, pelas implicações gravosas que impõe ao país, tanto no presente como no futuro. Sendo que o ajustamento financeiro de Portugal demorará mais alguns anos, é muito provável que, até lá, o PS assuma a governação – daqui a um, dois ou mais anos. Todos já o anteciparam. E, forçosamente, perante as promessas de Seguro, é compreensível que os mercados sejam atingidos pela incerteza: então, quando o PS governar, Portugal abandonará o seu compromisso com o ajustamento financeiro? Uma dúvida desnecessária, que só prejudica o país pelo impacto que tem nos juros da dívida. Mas uma dúvida que Seguro cultiva por motivos políticos – para não perder o controlo do partido e para ganhar apoio eleitoral para vencer as eleições legislativas (até agora, com manifesto insucesso em ambas).

    Seguro é, de momento, o agitador político dos mercados. As suas posições poderão aproximá-lo do eleitorado insatisfeito com a situação do país, e eventualmente permitir-lhe o acesso a São Bento, mas também afastarão Portugal dos seus objectivos. Um risco que ele parece disposto a correr, mas a um preço demasiado elevado para nós pagarmos.

  7. ò Rural que satisfeito que estás! És tão idiota que não percebeste que na realidade quem foi derrubado foi Portugal. Por uma cambada de camelos como tu. Agora é que isto está óptimo. Nem Aeroporto, nem TGV, nem nada nadinha. Miséria por todo o lado e austeridade neo-liberal a mata cavalos.

  8. Total da dívida de exclusiva RESPONSABILIDADE de José Sócrates: 155 mil milhões €.
    Foi o que deixou aos Portugueses este megalómano. O que ele fez foi dramaticamente penoso e gravoso, para 10 milhões de Portugueses. Não TENHO conhecimento de nenhum político, convencido, presunçoso, prepotente, desmedidamente insolente, mentiroso, vendedor de banha-da-cobra, que tenha levado Portugal à falência, como este mentecapto. Deve ser acusado, incriminado e condenado. Vamos TODOS os democratas, patriotas, criar 1 movimento nesse sentido. Sou apartidário e apolítico, nem socializante nem fascizante, vivo a 8 000 km de Portugal.

  9. “Sou apartidário e apolítico, nem socializante nem fascizante, vivo a 8 000 km de Portugal.”

    então estás no sítio certo, continua a cavar na vertical mais 8 000 km e depois puxa o autoclismo.

  10. “Pelo menos parou aquela do aeroporto, do TGV…!”

    oh rústico, não percebeste que o aeroporto e o tgv só foram problemas enquanto a iniciativa foi do socras. depois do van zellina encomendar o estudo que duplicava o preço e dos amigos do cavaco (bpn) terem açambarcado os terrenos (alcochete) à volta do estudo, tudo passou a ser consensual, mas era necessária nova campanha de marketanga para relançar as virtudes da novas localizações de ambos projectos e um governo de direita que em nome dos compromissos anteriormente assumidos pelos socialistas, assegurasse o comissionamento das obras que iriam salvar o psd da falência.

  11. Ó Ignatz, como sabes tanta coisa, parece-me que queres dizer que outros queriam aproveitar-se das ideias do Sócrates para se governarem com as grandes obras.
    Se assim é, espero que se lixem todos.
    E tu Artur Agostinho, lembra-te que é melhor viver na miséria no meio de sobreiros a guardar porcos, do que na miséria à beira de uma linha de TGV.

  12. miserável a doença que também já contraíste, Rural: a de que a simples ideia de prosperidade a alta velocidade e conforto, pode atropelar o país puxado a carroças de fora. ando corada de tanta vergonha dessa febre macabra.

  13. “… parece-me que queres dizer que outros queriam aproveitar-se das ideias do Sócrates para se governarem com as grandes obras.”

    a ruralidade a trabalhar a lenha e a fazer faísca com 2 pedras. o socras não inventou nada, só quis resolver dois problemas nacionais que se arrastam há anos e o psd só quis fazer aquilo que faz há anos, amanhar-se com as obras. não tiveram tempo, nem graveto, adiaram os projectos (não convém matá-los, amanhã podem ser úteis), partiram o porquinho do tgv para pagar as dívidas da parpública e receberam as comissões de venda ou aluguer dos aeroportos.

  14. Ignatz, afinal os terrenos de Alcochete não eram do Soares? Pelo menos era o que se fazia constar por Lisboa inteira. Os boateiros do PSD sempre foram muito eficientes. Será que todos receberam as devidas contrapartidas? Fico preocupado se houve alguém esquecido.

  15. O palermóide que diz que o Seguro “é, neste momento, o agitador político [sic] dos mercados” e que as suas posições irão “afastar Portugal dos seus objectivos” (certamente “os seus” dele, o palermóide…) devia era estar agradecido ao Seguro.

    Enquanto ele estiver à “cabeça” do PS, está o palermóide bem seguro. O palermóide e todos os crápulas, os gatunos, os imbecis, os incompetentes, os irresponsáveis e os FACÍNORAS que se alaparam ao Poder em Portugal, entre Janeiro de 2006 e Junho de 2011.

    Mas um dia a mama acaba. E nesse dia, olaré, choné!

  16. Pobre rural, que bem merece este Brutogal.

    Pobres josés, que acreditam em tudo o que “se faz constar” por “Lisboa inteira”!

    E pobre parolo, o que vive a 8 000km daqui. Sem dúvida numa nuvem.

    De poeira, de ignorância e de estupidez sem limites…

    Meteis-me dó, carago.

  17. Parabéns ao ignatz, o comentador mais assertivo, mais contundente quando se trata de rebater os ingénuos, os lacaios deste governo, e os palermas que estão enterrados a 8.000 kms de profundidade. A resposta acutilante do ignatz serve para desarmar (ou esclarecer) o discurso dos dissimulados. Força na verve.

  18. Não percebo esta guerra contra os TGVs. Nenhum foi executado mas QUEM ASSINOU COM OS ESPANHÓIS 5 (CINCO) PERCEBERAM? 5 LINHAS DE TGV FOI A MANELA FERREIRA LEITE. QUAL FOI A PALAVRA QUE NÂO PERCEBERAM SEUS IGNORANTES?

  19. Ó Tobias, só eu Rural ignorante é que faço a guerra contra o TGV, todos os outros não são ignorantes, pois todos gostam do TGV (e do aeroporto).

    Portanto só a mim me chamas ignorante, logo penso que também gostas de andar a 500 à hora.

    Enquanto isso, é bom repôr o uso da carroça!

  20. Valupi e o que é que nos interessa o que Sócrates repete incessantemente até ver se a mentira se torna verdade? E a ser verdade, onde é qe Sòcrates quer chegar? QUe quis salvar o País convidando o lider da oposiçao? QUe piada. Ele até disse em campanha eleitoral que convidou todos e ninguém quis fazer coligação com ele. E já agora, qual é o mal de PPC ter recusado. Só ficaria muito mal perante o povo português se PPC desse a mão a um governo que continuava a destruir Portugal endividando gerações sem limites como se não houvesse amanhã. Por isso não sei porque é que sócraes e os seus socretinos seguidores continuam a insistir nessa mentira. Sabemos bem que os socialistas têm uma máxima: dizer uma mentira muitas vezes para ver se ela se torna verdade. Mas olhe que não, olhem que não. A mentira é sempre mentira e a verdade vem sempre ao de cima, mesmo que haja quem tente com mentires criar essa verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.