A direita quer a cabeça de Ivo Rosa

A noite televisiva do “abalo”, em que a comunicação social de “referência” pediu a cabeça de Ivo Rosa, pode ser resumida numa anedota ocorrida na RTP3 (para quem não saiba, trata-se de um canal público). Falo do 360º. A opção editorial do programa achou que o serviço público nesta matéria da Operação Marquês consistia em reunir as seguintes figuras: Vítor Gonçalves, Francisco Teixeira da Mota, António Ventinhas e Luís Rosa. Ana Lourenço foi a jornalista presente em estúdio.

Escuso de apresentar quem é quem, tantas vezes por aqui comentados todos eles. Mas registe-se que, para além da unanimidade a priori assim garantida sobre o conteúdo das intervenções dos convidados, a própria Ana Lourenço revelou estar totalmente alinhada com o grupo. Sim, o 360º é um programa da RTP, e a RTP é um canal público.

Pois apesar da osmose de fanatismo tribal a favor da acusação e linchamento de Sócrates, algo a tanger o milagre aconteceu. E por obra e graça do Luís Rosa. Este cão de fila do Observador, embriagado de ódio, exigiu que Ivo Rosa fosse castigado e afastado. Não sei se estes dois Rosa são primos, e se há querelas com heranças ou se o jornalista emprestou uma chave de fendas ao juiz e este ainda não a devolveu, o certo é que a violência insana despejada em directo levou Francisco Teixeira da Mota a defender Ivo Rosa e a dar uma lição de literacia judicial e mera decência ao taralhouco que tinha acabado de se bolçar. Começa no minuto 41:10, e, isso sim, foi serviço público do melhor.

Marcelo e Costa não quiseram falar sobre o contributo de Ivo Rosa para a salvação da Justiça portuguesa – logo, para a segurança da vida social. Com isso as duas figuras cimeiras do Estado contribuíram para que neste momento haja milhares ou milhões que gostavam de ver Sócrates ir a julgamento e ser condenado mesmo que não exista qualquer prova de actos ilícitos. Com isso, caso nada digam hoje ou breve, estarão também a ser cúmplices do que igualmente se passou na SIC, em frente ao Ricardo Costa: José Gomes Ferreira a dizer que Ivo Rosa “tem de ser posto no seu devido lugar, que é o que ele precisa“.

Isto está a acontecer. Está mesmo a acontecer. A direita dos impérios mediáticos a renegar o Estado de direito e a ultrapassar o Ventura por baixo.

É, em simultâneo, um espectáculo hipnótico e repulsivo.

47 thoughts on “A direita quer a cabeça de Ivo Rosa”

  1. “Quem se julga Ivo Rosa para se arrogar no direito de, por um lado, usar um tom jocoso, com adjetivos absolutamente deslocados para aquilo que seria uma consideração sobre o trabalho de parceiros da Justiça, e para desmantelar completamente uma acusação que ele sabe que só pode ser feita por prova indireta?”, interroga, acrescentando que – “em bom português” – o juiz Ivo Rosa “gozou com Ministério Público, e mais do que isso, gozou com os portugueses que pagam impostos”.

    Olha a azia deste Zé !
    – Não, ele não gozou com os portugueses que pagam impostos, quem gozou foi o Calex, o Rolex, e o gajo dos impostos de Braga.
    – Não, o problema da “prova indirecta” é a sua inexistência.
    – Não, o caso dos “comentários jocosos” foi o caso das “cabras e dos cabritos”.
    – E isso de “meter um juiz no seu devido lugar” é o quê ?” … assim de repente, pressão e condicionamento da independência do poder judicial ! é capaz de ser crime, ó Zé !
    Se calhar quem tem de ser metido na ordem é este Zé.

  2. Como 1o Ministro Sócrates foi um bom 1o Ministro como pessoa Sócrates teve um modelo de comportamento que se desviou do honesto. O que ele fez foi viver a custa de um amigo e acima dos seus rendimentos. Isto não é crime só o é na medida em que o fisco desconhecia estes seus rendimentos logo não os taxou. É a estes valores que Ivo Rosa se refere quando fala em branqueamento de capitais? Pois não sei só sei é que a falta de melhores títulos já vi mais do que um que fala na pena de 12 anos a que pode ser condenado pela prática do crime. Para os fabricantes de fastfood informativa isto é uma chatice pois queriam ver Sócrates a espernear e a afogar-se com 3 dezenas de crimes imputáveis. Os media têm com esta sentença a possibilidade de conseguirem milhares de euros e para isso continuarem a chafurdar. O visado tem , assim tenha vida para isso, o direito a defender-se.

  3. Mjp
    O alegado crime de corrupção que teria dado origem ao branqueamento pelo qual é pronunciado, para além de prescrito, tem moldura penal máxima de 3 anos, e a pena pelo referido branqueamento não pode exceder 1/4 da pena do crime a montante, ou seja 9 meses.
    Assim sendo, não há lugar a prisão efectiva mas sim a pena suspensa, ou em seu lugar ao pagamento de uma multa, se o tribunal assim o entender.
    Mais ainda, este crime de branqueamento pode entretanto prescrever, se o MP insistir em continuar a perder com o recurso para o tribunal da Relação.
    Por isso, em termos penais este processo terminou.

    Á canalha enraivecida resta continuar a espumar o ódio pela boca.

    Pelos vistos alguns querem ir atrás deste juiz, como foram atrás do outro que acabou estraçalhado na Operação Lex, mas se calhar não é boa ideia porque este parece não ter rabos de palha, conforme mostra bem com a lança que espeta no coração do outro, o Calex, e do seu inestimável companheiro RóRó … a tal certidaozinha extraída para investigar a distribuição do inquérito !!!

  4. mas não deveria querer . sendo o juiz do agrado das viúvas , ouvindo as suas decisões como se fossem os 10 mandamentos , eu acredito piamente que o zézito lava mais branco e vendeu o cargo de pm ao amigo ( pelo menos) , e assim todo o país ficou a saber , pela boca de moisés ivo , juiz à maneira , infalível, que fomos governados por um bandido , ainda que não se posso julgar por isso….
    ainda não percebi porque estão tão contentes com uma vitória de pirro.

  5. yo

    O meritíssimo Ivo Rosa, juiz cujas práticas não estão sujeitas a violações do segredo de justiça (enapá !), faz uma acusação nova e que o MP não tinha feito (nunca lhes tinha ocorrido, porque será ?), porque considera que há suspeitas que devem ser esclarecidas em sede de julgamento em relação aos movimentos de dinheiro entre Sócrates e o amigo. Levanta a sua hipótese e faz a sua acusação/pronúncia, mas a mesma também teria (terá de ser) provada em tribunal.
    Convém lembrar que como esta acusação nunca tinha sido feita, o arguido ainda não teve a oportunidade de se defender dela nos termos em que está formulada agora. Não admira, estava preocupado em defender-se das outras frentes muito mais graves e perigosas.
    Eu gostava mesmo que o MP ganhasse vergonha na cara e não recorresse, para que o caso fosse assim a julgamento e num prazo curto pudéssemos aclarar este caso.
    Se assim não for, é mais UMA prova de que a motivação desde processo sempre foi exclusivamente política, porque jamais terminará com qualquer consequência penal, uma vez que o arrastar mais com recursos fará prescrever também esta pronúncia por branqueamento.

  6. pois, isto tem de durar mais 5 ou 10 anos, não vá o mafarrico candidatar-se à presidência do condomínio e correr com os porteiros e pessoal das limpezas políticas.

  7. Estou em crer que estes tipos como este Rosa jornalista deviam ter sido muito massacrados, pelos colegas e, principalmente, pelas colegas, quando andavam na escola secundária. Basta olhar para aquela trombinha (um pouco na linha do outro que estava na mesa, o sorridente Vitor Gonçalves) para se perceber que ali moram excrementíssimos pensamentos raivosos de quem se convence de que está muito bem com a vida porque, finalmente, a televisão lhes deu um palco que eles, provável e exclusivamente, sempre aspiraram. E, maravilha das maravilhas, têm-no, no abraço da televisão pública.

  8. Yo
    Será preciso fazer prova da autoria da falsificação dos documentos do mesmo modo que será preciso provar o branqueamento. Nada é garantido.

  9. dona sandra vanessa y olinda,

    recebemos o seu catálogo de molduras penais mas continuamos sem saber qual prefere para encaixilhar a sua acusação de falsificação.
    agradeciamos que nos informasse o número do artigo em causa para prosseguirmos com o trabalho, se existir em stock ou para encomendarmos os perfis caso necessário.
    sem outro assumpto de momento aguardamos a s/resposta e ficamos ao seu inteiro dispor para qualquer esclarecimento adicional.

  10. Além disso, a falsificação de documentos também prescreve.
    Não sei que juizes da Relação vão querer fazer a má figura de mandarem para julgamento crimes já prescritos.
    E também não sei que juizes de que comarcas vão querer julgar crimes já prescritos.
    Aí sim, aí é que vai ser o lindo enterro da Justiça.

  11. falsificação de documentos??????
    ahahahahahahah… só se for o testamento da hipotética conta do sócras que o róró viu num cofre na suiça. parece que meteu uma fotocópia no processo, mas aquilo era tão tosco que o alex mandou substituir por suspostas declarações do canales ou coisa parecida. o ivo rosa poderia mandar averiguar o que se passou e dizer à malta na próxima audiência pública. de caminho explicavam tamém a cena do bataglia mudar o depoimento , quanto custou em viagens & ajudas de custo, o que lhe prometeram e quem negociou.

  12. Pela primeira vez neste processo, as pessoas foram informadas sobre o processo do Sócrates pelo próprio juiz, não tendo havido fugas de informação para o correio da merda. Isto prova que o Carlos Alexandre é que promovia as ditas fugas. Se o Ivo Rosa as consegue evitar, o outro também conseguiria, se quisesse. E essas fugas demonstram – pelo menos desde o espectáculo da prisão do Sócrates, mostrado em directo pelas televisões – que, reconhecendo-se incompetentes para provarem a sua culpabilidade por corrupção, o objectivo do Carlos Alexandre e do Rosário Teixeira era acabar com a carreira política do Sócrates. Nesse sentido, apesar de os fins não justificarem os meios, até foi um bom serviço prestado ao País. Um vígaro daqueles não deve ocupar cargos de poder político. E como o povo português não tem discernimento para decidir estas coisas em eleições (como se viu no caso do corrupto que, depois de cumprir pena de prisão, voltou a ser eleito presidente da Câmara de Oeiras), assim pelo menos deste já estamos livres.
    Agora a direita, que não se conforma com a decisão de não pronúncia da esmagadora maioria dos crimes de que o Sócrates era acusado, diz que o Ivo Rosa é amigo dele. Se escreverem na busca da Wikipedia “Ivo Rosa”, aparece “Melhor amigo de José Sócrates”. Ou seja, seguindo a doutrina maniqueísta que os americanos têm imposto ao mundo, a sociedade (ou a comunicação social) portuguesa passa a dividir a justiça em bons (Carlos Alexandre) e maus (Ivo Rosa) promovendo o primeiro a uma espécie de “herói nacional”, porque sempre decidiu contra ele, e o outro a uma espécie de vilão, porque aparentemente decidiu a favor dele.
    Falta espaço na sociedade portuguesa para a análise dos factos, não à luz da convicção que provocam na opinião pública, mas sim daquele princípio fundador do direito que se chama in dubio pro reo. Condena-se quando há provas, absolve-se quando não as há, mesmo que a convicção de toda a gente seja de culpabilidade.
    Felizmente, esta decisão do Ivo Rosa é passível de recurso para o Tribunal da Relação, em que um colectivo formado por outros juízes vai tomar uma decisão final sobre se há ou não matéria factual para julgar o Sócrates por corrupção – a ele e à outra cambada toda, como o Salgado, o Bava, o Granadeiro e o Vara. Assim, se a decisão desse colectivo confirmar a do Ivo Rosa, já não será tão fácil insistir nesta estupidez dos juízes bons e maus.
    Em vez de as pessoas se indignarem por o Sócrates não ser acusado de corrupção, deviam era indignar-se com o facto de não termos legislação que puna o enriquecimento ilícito. A argumentação de que uma lei sobre o enriquecimento ilícito viola o princípio do ónus da prova é correcta, mas também é muito conveniente, não só para o Sócrates, mas para toda a cambada de chulos que se enche à nossa custa. Eu não teria qualquer problema em conviver com uma lei dessas, pela simples razão de que consigo facilmente demonstrar que tudo o (pouco) que tenho foi conseguido de forma honesta, com trabalho. Mas há milhares de pessoas em Portugal que não o conseguiriam fazer. Por isso, quem quer realmente uma justiça mais justa tem que parar de se atirar ao Sócrates, como se a sua condenação resolvesse o problema da corrupção em Portugal, e exigir uma alteração da lei, para punir todos aqueles que não conseguirem demonstrar que o que têm foi conseguido honestamente. E eles estão no PS, mas também no PSD e no CDS. No fundo, nos partidos que partilharam o poder em Portugal desde o 25 de Abril. Talvez também no PCP, que tem sido um partido com forte implantação autárquica, porque o poder corrompe. Da corrupção que existia antes do 25 de Abril nem vale a pena falar. Ao contrário do que alguma direita nos quer fazer crer, existia e de que maneira, sendo protegida pelo próprio regime.
    É absurda esta campanha dos media para tentar convencer a opinião pública de que o PS é um partido de corruptos e no PSD, CDS e, agora, no Chega, toda a gente é honesta. As sondagens demonstram-no com clareza. Apesar de estar profundamente convencido da culpa do Sócrates, o povo continua a acreditar na seriedade da actual liderança do PS. Por isso, os media deviam parar de descer ao nível das redes sociais e, por uma vez, começarem a fazer o seu trabalho de investigação com competência, seriedade e isenção.

  13. O Juiz Ivo Rosa revelou-se a pessoa mais corajosa da sociedade portuguesa actual. Um homem só contra multidões em fúria pastoreadas pelos profissionais da insinuação caluniosa. Alivia pensar que, no lugar onde nascemos e crescemos, entre as hordas de bárbaros, há homens com esta envergadura moral.

  14. eu gostei do juiz , confirmou que há provas do arguido ser corrupto , ainda que não possa ser julgado.. é bastante castigo ficar com corrupto escrito na testa pelo corajoso juiz.

  15. Tem piada, ainda não percebi as provas infalíveis da culpabilidade do Sócras.
    Também não vi nada, na sua governação, que justificasse a raiva assassina que vejo em alguns indivíduos.
    Bem, quis avaliar os professores. Ok
    Acabou com acumulações e mordomias de deputados e outros detentores de cargos políticos. Pode ser.
    Reduziu férias judiciais e cortou benesses aos juízes. Está bem.
    Enfrentou o poderoso grupo Sonae na OPA à PT Certo.
    Por acaso até foi dito, no acórdão, que este grupo quis que o PM intercedesse a favor deles, mas já se esqueceram (tentativa de corrupção?).

    É verdade ( parece) que o gajo recebeu guita do amigo para viver à grande.
    Algo que qualquer tuga faria sem problemas de consciência.

    Até acredito que tenha metido umas cunhinhas, aberto umas portas ou dado contactos ao Santos Silva.
    Acham que isso não é feito pela maior parte dos agentes políticos ou empresários?
    Até o Zé Povinho o faz constantemente. Faz parte da nossa natureza. São as “connections” de que todos se gabam. Dá pála.

    Não é que ache piada à pelintrice que revela o modo de vida do Sócras. Mas creio que o assassinato de carácter de que ele foi vítima, revela mais sobre o verdadeiro poder que está infiltrado em todas as instituições ,públicas e não só, do que se está a querer que pareça. Inclusive chegou a servir para o tornar responsável pela crise do Subprime.
    Isto teve intenções políticas e até se viu como nos distraiu enquanto eramos roubados pelos bancos e pela troika . Deu tão má imagem ao PS que o Passos ainda conseguiu “ganhar” as eleições depois de ter deixado o país muito pior do que estava.

    Se quiserem continuar a acreditar que jornalistas e juízes não cumprem agendas nem são corruptos e o mal do mundo está nos Xuxas com o Sócrates à cabeça, boa sorte.

  16. Yo, dizes isso e depois vais assinar a peição pela deportação do Juiz. Sem a Operação Marquês desconheceriamos o estado de podridão cívica de uma grande parte da sociedade portuguesa

  17. Mário Soares visitou José Socrates na prisão sete vezes, no espaço dos nove meses em que este esteve preso.
    O desassombro do lutador democrata compara com a cobardia dos desentendidos e dos que assobiavam para o lado…
    Sabe bem lembrar que nesse tempo estávamos ao lado do velho leão que,em assuntos críticos,nunca se enganava.
    Vergonha para os cobardes,temerosos de uma nódoa na sua túnica angelical.

  18. A estação pública de televisão, paga por mim e mais alguns milhões de portugueses, continua a prestar um miserável serviço de informação. Depois da desmontagem por parte o Juiz Ivo Rosa da acusação engendrada pelo Ministério Público., nos serviços noticiosos seguintes primou por um descarado parcialismo informativo. Os comentadores de direita preencheram todo o espaço. Pergunto o que tem feito e para que serve o Conselho Geral Independente?
    Espero que a nova Administração e o novo Conselho Geral Independente presidido por José Vieira Andrade consigam despartidarizar a estação pública de televisão dos partidos que ainda a têm ao seu serviço (PSD, CDS). Há que tornar o ar mais respirável naquela casa e acabar com os “Dinossauros Excelentíssimos” que por lá ainda andam…

  19. “… reconhecendo-se incompetentes para provarem a sua culpabilidade por corrupção, o objectivo do Carlos Alexandre e do Rosário Teixeira era acabar com a carreira política do Sócrates. Nesse sentido, apesar de os fins não justificarem os meios, até foi um bom serviço prestado ao País.”

    portanto foi uma perseguição e assassinato político consumados, o que tu aprovas.

    “Um vígaro daqueles não deve ocupar cargos de poder político.”

    primeiro tens de provar que é vígaro e até ver as vigarices e atropelos conhecidas foram praticados pelo ministério público

    “E como o povo português não tem discernimento para decidir estas coisas em eleições (como se viu no caso do corrupto que, depois de cumprir pena de prisão, voltou a ser eleito presidente da Câmara de Oeiras), assim pelo menos deste já estamos livres.”

    tadinho do povo, além de te passar procuração para o representares ainda “não tem discernimento” para votar. o isaltino cumpriu pena, elevadíssima por sinal e foi maltratado pela direcção dos serviços prisionais, que saiba não lhe foram confiscados os direitos de cidadania. tens um belo conceito de democracia e para aumentar os teus conhecimentos de democracia justiceira informo-te que o carlos alexandre quis fazer umas obras clandestinas numa casa que comprou em oeiras, correu com a fiscalização e jurou vingar-se do isaltino e mais umas cenas que costuma chamar de provas indirectas quando o cu é dos outros.

    https://expresso.pt/dossies/IsaltinoMorais/nao-ha-nenhum-acto-que-motive-suspeicao=f251358

    “Falta espaço na sociedade portuguesa para a análise dos factos, não à luz da convicção que provocam na opinião pública, mas sim daquele princípio fundador do direito que se chama in dubio pro reo. Condena-se quando há provas, absolve-se quando não as há, mesmo que a convicção de toda a gente seja de culpabilidade.”

    exacto, mas é totalmente contrário às afirmações e palpites que aí escreveste.

    “Felizmente, esta decisão do Ivo Rosa é passível de recurso para o Tribunal da Relação, em que um colectivo formado por outros juízes vai tomar uma decisão final sobre se há ou não matéria factual para julgar o Sócrates por corrupção – a ele e à outra cambada toda, como o Salgado, o Bava, o Granadeiro e o Vara. Assim, se a decisão desse colectivo confirmar a do Ivo Rosa, já não será tão fácil insistir nesta estupidez dos juízes bons e maus.”

    aqui ainda melhor, se a relação decidir contra o parecer do ivo rosa, já tá tudo bem e o povo já pode votar novamente.

    “Em vez de as pessoas se indignarem por o Sócrates não ser acusado de corrupção, deviam era indignar-se com o facto de não termos legislação que puna o enriquecimento ilícito. A argumentação de que uma lei sobre o enriquecimento ilícito viola o princípio do ónus da prova é correcta, mas também é muito conveniente, não só para o Sócrates, mas para toda a cambada de chulos que se enche à nossa custa.”

    o que indigna é o direito à estúpidez e asneira serem lícitos, não pagarem taxa de poluição e permitirem idiotas como tu escrever merdas sem qualquer sentido.

    “Eu não teria qualquer problema em conviver com uma lei dessas, pela simples razão de que consigo facilmente demonstrar que tudo o (pouco) que tenho foi conseguido de forma honesta, com trabalho.”

    o fado da desgraçadinha, tão honrada e pobrezinha, letra & música do meu mano, vai por mim que não te engano

    o resto é mais do mesmo.

  20. Choca-me a tremenda hipocrisia de quem neste caso se queixa da “morosidade” da justiça, mas que assobiou para o lado perante o facto de o Teixeira, com o assentimento e apoio activo do Alexandre, terem gasto anos para parir um megaprocesso paranoico, materializado em toneladas de papel. Eles provavelmente esperavam que ninguém lesse ou analisasse aquelas prateleiras recheadas de dossiers e rezavam para que, caso fosse pedida a instrução, voltasse o Alexandre a ser o escolhido para a piedosa função de, em meia dúzia de dias, assinar de cruz aquilo que o Teixeira e ele próprio haviam parido durante anos.

    Ora a origem deste megaprocesso, muito para além da ideia tabernária e conspiracionista de que “isto anda tudo ligado”, radicou sobretudo no facto consabido de os acusadores se debaterem, desde o início, com a grande escassez ou inexistência de matéria probatória substancial, a que eles chamam “provas directas”. Pudera, tudo partira de uma fezada nascida do ódio político a Sócrates, que depois se desmultiplicou em sub-fezadas e fezadinhas, todas brotadas do mesmo reles sentimento.

    Para ultrapassarem o pequenino problema de terem de provar aquilo para que não tinham provas, engendraram um cenário inquisitorial gigantesco, assente numa miríade de alegadas provas “indirectas”, vulgo suposições, conjeturas e fantasias, destinadas a afogar o acusado num mar de suspeição. O objectivo era não só o de criar na opinião pública e nos próprios meios judiciais um clima de condenação apriorística de Sócrates (julgamento de rua), mas também o de, pela multiplicação de acusados, inquiridos e testemunhas, aumentar a probabilidade de algum “elo fraco” da imaginada conspiração “quebrar” e meter a boca no trobone, mediante até possível chantagem – como parece ter acontecido no caso da mudança de depoimento do mafioso Battaglia, que o juiz Ivo Rosa achou, justamente, altamente suspeita.

    Se houve morosidade, foi porque ela era absolutamente forçosa, nas circunstâncias do megaprocesso por que a própria acusação optou, e também porque não tinham provas e esperavam que, com tempo, as obteriam. Andaram anos a devassar a vida de milhares de pessoas, na esperança de conseguir alguma coisinha.

    As carpideiras da morosidade não chorariam agora se a estratégia da mega-acusação tivesse resultado. Fazem-me lembrar as carpideiras da demora na apresentação dos resultados das últimas eleições americanas. Tanto tempo a contar votos? É muito suspeito! Se o macaco tivesse sido reeleito, todos os dias gastos a contar votos teriam sido abençoados.

    Choca-me também a tremenda hipocrisia da canalha que ignora absolutamente o que seja elegância e que agora se queixa da alegada “deselegância” e dos “termos jocosos” do texto da decisão instrutória de Ivo Rosa. Essa canalha nunca se queixou ou sequer reparou, e muitas vezes até alinhou nas insinuações, suspeições, acusações e pressões exercidas publicamente sobre o mesmo juiz desde que ele foi sorteado para a instrução (realmente sorteado, ao contrário do Carlos Alexandre, que foi escolhido por alguém nas vielas escuras da Magistratura para encaixar no que se pretendia e que, apesar disso, ainda teve o descaramento de pôr em causa a validade do sorteio de Ivo Rosa).

  21. o mega processo surgiu para embrulhar no mesmo pacote a falência do bes, que rendeu bués de liquidez e ainda rende à direita das comissões liquidatárias, mas nesta parte da coutada os alexes não entram porque há um alarme ligado entre o convento do santíssimo sacramento e o tribunal do santo ofício.

  22. A entrada do Salgado no pacote do Marquês pretendia recrutar a fúria dos “lesados do BES” para a multidão ululante que exigia a condenação, se não o linchamento do “homem que levou Portugal à bancarrota”. (A Ana Gomes, uma das actuais líderes dessa turbamulta, diz bancarróta, com ó aberto).

    A entrada do Salgado no processo contra Sócrates pretendia também despertar na mente do vulgo a associação, tão cara às corjas populistas de direita e de esquerda, entre o “banqueiro ladrão” e o “político corrupto”. Salgado servia maravilhosamente para conotar negativamente Sócrates e vice-versa.

  23. Palpita-me que, e não me espantaria que até a conselho do astuto Dr João Araújo, Sócrates não venha ainda mostrado todas as cartas que poderá possuir para se defender na história da “corrupção” pelo amigo.
    Depois de uma divagação delirante e insana das mentes doentes do RóRó, do Calex, e do gajo de Braga, voltaremos ás origens desde processo e teremos algumas surpresas sobre as coisas que podem acontecer entre amigos ?. E pode aquele alarve do Pacheco Pereira vir a ter de engolir aquele desplante do: “mas eles amavam-se ?”. Toda a gente já se esqueceu da senhora que vive na Suíça com a criança ? (á conta dessa foram contabilizados mais de 100 000 aérios). Enfim, quem viver verá como se farão as contas certas no final.

  24. Aqui chegados, verifica-se um desnorte que, roça a acefalia dos profissionais
    da calúnia que, se vestem de comentadores julgando-se uns fazedores de opi-
    nião dos portugueses que, felizmente, já os vão topando!
    Com efeito, foi um dia negro para a Justiça pois, o Juiz Ivo Rosa para lá de indi-
    car a prescrição de algumas acusações deu-se ao trabalho de explicar que, mes-
    mo que isso não se tivesse verificado, tudo não passava de meras “balelas” sem
    verdadeira sustentação probatória!
    Fazem “baixo assinados” contra o Juiz que deu uma lição de como se deve fun-
    cionar num Estado de Direito mais, as Leis são para ser cumpridas algo que pa-
    rece ter sido esquecido pela dupla dos superes que conduziram o processo até
    à instrução final estes sim, ensombram a Justiça bem como os outros que lhes
    assinaram de cruz as decisões rejeitando sempre os recursos da defesa, estes
    é que estão a dar cabo da Justiça pela falta de isenção!!!

  25. Vieira 15:22.
    Last but not least, convém acrescentar à lista que o mafarrico extinguiu, julgo que em 2006, a Caixa de Previdência dos Jornalistas, excentricidade que, como é natural, lhe granjeou um enorme capital de boa vontade, tolerância e simpatia, para não dizer carinho, entre a classe (ou falta dela, demasiadas vezes).

  26. Yo

    Para começo de conversa vai ser preciso passar a fino essa quantia e ver se o montante é mesmo esse.
    As surpresas podem começar aí. E se bem me lembro o Sócras até já devolveu para cima de um dinheirão ao amigo, ou não ?
    Quanto ás coisas surpreendentes é preciso ter paciência e saber esperar.

  27. Maria Antónia Palla, mãe de António Costa e ex-presidente da dita Caixa de Previdência dos Jornalistas, que na época criticou violentamente José Sócrates, aborda o assunto em entrevista ao Expresso de Abril 2017. Nas suas respostas dá para perceber, no entanto, a enorme distância que separa uma pessoa decente, honesta e isenta e a cambada de ressabiados, malfodidos e malfodidas que infestam o ambiente, seja aqui seja nas petições pidosas e piolhosas com que tentam executar Ivo Rosa.

    “Pergunta: Esteve no Sindicato e na antiga Caixa dos Jornalistas, cujo subsistema de saúde acabou durante um Governo de José Sócrates, com Correia de Campos como ministro da pasta. Já fez as pazes com eles?

    Resposta: Com o Correia de Campos fiz, numa situação muito ridícula. O Hélder Costa [ator e dramaturgo] faz uns diálogos improváveis, em que pessoas de épocas diferentes contracenam umas com as outras. E um dia convidou-me a mim e ao meu marido. Eu era a viúva do Carlos da Maia, o meu marido era o Bismarck e ele o Erasmo. Estávamos todos mascarados, achei ridículo continuar zangada.

    P: E com José Sócrates?
    R: Quando se começou a prolongar o prazo do processo, eu e uma amiga, Ana Sara Brito, ex-vereadora da CML, fomos visitá-lo a Évora. Encontrei um lutador, tinha vindo do exercício e falámos imenso.

    P: Ele e o seu filho eram rivais.
    R: É uma das coisas em que discordamos. Sinceramente, não sei o que é que o António devia fazer. Acho que Sócrates não tem sido bem tratado pelo partido. Esta coisa de que as pessoas são o máximo — nunca acho isso, talvez o Soares fosse o máximo — e depois não são… Fiquei muito contente quando o meu filho convidou Sócrates para a inauguração do túnel do Marão. Acho que as pessoas, independentemente do que fizerem na vida, se alguma vez mereceram a nossa amizade, merecem-na também numa situação difícil. Não sei, nem quero discutir ou saber se é inocente ou culpado, mas acho que tem sido tratado de uma maneira ignóbil. E isto é muito grave para o país, porque qualquer pessoa passa a ver a sua vida dependente de um juiz que gosta ou não gosta do nariz da pessoa. É que nem a PIDE fazia estas coisas. Revolto-me imenso com isto, é das tais coisas sobre as quais não escrevo para não prejudicar o meu filho.”

    Chapeau!

    Tirado daqui: https://expresso.pt/sociedade/2017-04-09-Maria-Antonia-Palla-Socrates-nao-tem-sido-bem-tratado-pelo-partido

  28. Ó argolas, vai para a puta que te pariu. Nem vou discutir contigo, porque és tão chaparro que não vale a pena. Quando aprenderes a discutir ideias sem te armares em parvo, diz alguma coisa. Até lá, vai para o caralho.

  29. Excelente contribuição, Camacho. Maria Antónia Palla está deste lado da barricada. Somos poucos. Por esses jornais, televisões e twitters afora, a sequela dos acontecimentos de ontem faz pensar que o Aspirina B é dos poucos lugares dessa terra onde ainda se respira o ar puro dos que amam a liberdade e desprezam a tirania. Somos poucos mas não nos incomodamos com isso. Só enobrece a causa.

  30. se a direita quer a cabeça de ivo rosa vá lá o diabo esclarecer para quê, no tempo do portas e quando freitas integrou o governo de socrates, tiraram-lhe o retrato do caldas e entregaram na sede do ps, a meu ver, só pode ser para enviar o busto do rosa para o largo do rato .
    Assim como o salgado não tinha dúvidas de que nunca tinha corrompido ninguém ( mas não se comprometeu em garantir que não tinha mandado corromper ) e também não tinha dúvidas de que a banca porruguesa não tinha sido minimamente afectada pela falência do lehmann brothers, então porque motivo vieram consignados 4,5 k em pacote especial só para a banca no ambito do resgate ?
    o descalabro aconteceu e os descalabradores estão todos na maior ( eles e os repsectivos advogados ) mas as empresas foram pro carvalho, BES, Banif, Pt, etc, etc, etc, isso foi no tempo da mafia socialista-socratica & grandes empresários de direita e consórcios de esquerda, depois veio a mafia liquidadora socialdemocratócrstã e deu passos, no sentido da obediência ao princípio da CONTINUIDADE DO ESTADO e assim sendo pagou para vender a quem não tinha dinheiro para comprar, a TAP, os Correios, estaleiros, e tudo o mais, restaram os pobres das zonas degradadas das duas principais cidades, que até eles, foram centifugados para darem lugar a empreendimentos de luxo ( com empréstimos contraídos em bancos nacionais que não aprenderam nada, porque, queimados com a sopa, apenas deduziram que teriam que passar a soprar no iogurte ) e a residentes estrangeiros com impostos a 10 % .
    Destituídos de tudo, honra, bens, trabalho, salários, humilhados internacionalmente, por fim, até da sua terra os portugueses foram expulsos .
    Perante este dantesco scenario, porque exultais ?
    Por terdes o direito de casar com seres do mesmo sexo, de beber cerveja em esplanadas quando os vossos pais bebiam vinho nos tascos, por, para os vossos filhos e netos, ter por garantido o precariado no call center e a servir estrangeiros à mesa – muito útil o ensino do inglês desde tenra idade introduzido por socrates – entremeado por periodos de subsidio-dependencia no período de desemprego por alma e caridade do sub-sistema assistencialista ???
    É que se fordes dessa cepa, não dou 20 anos e estareis também a celebrar o orgulho pedófilo.

  31. prenderam para investigar.
    não acharam nada e contrataram uma testemunha falsa, que o ivo mandou pró lixo.
    agora só têm acusado e não sabem qual é o crime nem o que fazer ao processo e filme que o joão miguel tavares tinha feito para a estreia do julgamento.
    é muito mau para ser verdade. num país com 10 milhões de habitantes, em que “todos sabemos que o sócras é culpado”, não há um gajo capaz de inventar uma estória credível para o condenar. ponham anúncios no correio da manhã, entrevistem pessoas, recrutem nos forums, nas juventudes & séniores partidários, associações da verdade, movimentos anti-corrupção, petições antivorosa, sessões esclarecimento sobre as primeiras páginas do manholas nos últimos 20 anos, contratem estrelas da política portuguesa tipo rangel, velha leiteira, pachonso pereira, cavacoise, vidaleira e tantos outros do mesmo calibre, mas façam qualquer coisa se não ainda um dia destes ainda aparece para tomar posse como presidente da república.

  32. Este relevante episódio do processo jurídico-mediático “Operação Marquês” deixou a pairar a possibilidade de um regresso de José Sócrates à vida política.
    “Temerário” ou “impossível” dirão, entre outras coisas, muitos opinantes da nossa praça . Não estou tão certo de que tenham razão. Afinal, estamos num país que acolhe complacente a ideia do regresso, sob o manto diáfano do sebastianismo político, do zeloso executante da austeridade troikista Passos Coelho ou que dissolve na espuma dos dias as verdades inúteis e temperadas de ressentimento que lhe são trazidas em cada aparição da múmia de Boliqueime.

  33. Entretanto há 140 000 atrasados mentais que assinaram uma petição dirigida à Assembleia da República a pedir a destituição do juiz Ivo Rosa.
    Os imbecis querem que os deputados (políticos) tenham o poder de escolher os juízes !!!!!
    Pelos vistos a separação de poderes é uma cena que não lhes assiste !!!!!
    E deixa ver se eu percebi o raciocínio daquelas cabeças de gado. Querem destituir o juiz porque ele “salvou” um político (corrupto). E a quem é que eles pedem para destituir o juiz ? aos deputados (políticos) da AR e que por inerência nas cabeças deles são todos corruptos. Faz imenso sentido, sem dúvida.
    O que vale é que se tomarem as gotas a coisa passa-lhes.

  34. “Lucho contra tres gigantes, querido Sancho; estos son: el MIEDO, que tiene fuerte raigambre y que se apodera de los seres y los sujeta para que no vayan más allá del muro de lo socialmente permitido o admitido; el otro es la INJUSTICIA, que subyace en el mundo disfrazada de justicia general, pero que es una justicia instaurada por unos pocos para defender mezquinos y egoístas intereses; y el otro es la IGNORANCIA, que anda también vestida o disfrazada de conocimiento y que embauca a los seres para que crean saber cuando no saben en realidad y que crean estar en lo cierto cuando no lo están. Esta ignorancia, disfrazada de conocimiento, hace mucho daño, e impide a los seres ir más allá en la línea de conocer realmente y conocerse.
    Contra estos tres gigantes lucho, querido Sancho, y es buena causa digna de encomio.”

  35. Agora é Marques Mendes num monólogo de louco.
    Quer ser Presidente da República e tem medo de Sócrates. Isto não é normal.

  36. Isto ainda vai dar que falar …

    Código de Processo Penal
    PARTE II
    LIVRO VI – Das fases preliminares
    TÍTULO III – Da instrução
    CAPÍTULO III – Do debate instrutório
    ———-
    Artigo 303.º – Alteração dos factos descritos na acusação ou no requerimento para abertura da instrução

    1 – Se dos actos de instrução ou do debate instrutório resultar alteração não substancial dos factos descritos na acusação do Ministério Público ou do assistente, ou no requerimento para abertura da instrução, o juiz, oficiosamente ou a requerimento, comunica a alteração ao defensor, interroga o arguido sobre ela sempre que possível e concede-lhe, a requerimento, um prazo para preparação da defesa não superior a oito dias, com o consequente adiamento do debate, se necessário.
    2 – Não tem aplicação o disposto no número anterior se a alteração verificada determinar a incompetência do juiz de instrução.
    3 – Uma alteração substancial dos factos descritos na acusação ou no requerimento para abertura da instrução não pode ser tomada em conta pelo tribunal para o efeito de pronúncia no processo em curso, nem implica a extinção da instância.
    4 – A comunicação da alteração substancial dos factos ao Ministério Público vale como denúncia para que ele proceda pelos novos factos, se estes forem autonomizáveis em relação ao objecto do processo.
    5 – O disposto no n.º 1 é correspondentemente aplicável quando o juiz alterar a qualificação jurídica dos factos descritos na acusação ou no requerimento para a abertura da instrução.

  37. o meu comentário desapareceu, mas como não vale € 5.000 não posso recorrer para a relação.

  38. Pois, a saga irá continuar desde pedirem a cabeça do Juiz Ivo Rosa até ao des-
    virtuar do seu despacho tudo serve, agora , como o xavier consultor de dezenas
    de empresas, jurista da opus dei afirma que, o Juiz Ivo chamou corrupto a José
    Sócrates quando “descobriu” os crimes de branqueamento e fraude coisas para
    dar uns 20 anos de cana e, pelos quais irá ser julgado!?!
    Todavia, o problema da canalhada está está, como diz o povo, na sua pobreza e
    incapacidade política, os que mais espumam são os derrotados e vencidos pelo
    chamado Animal Feroz sofrendo assim da dita dor de corno! Por isso, há mais de
    15 anos que, andam a inventar sobre a personalidade do ex P. Ministro, desde
    o seu caso com o Diogo Infante, Freeport, Face Oculta, atentado contra o Estado
    de Direito, claustrofobia democrática, vida de fausto, etc. etc.etc. só que, a narra-
    tiva é aceite pelos ditos de bem e, lhes provoca um enorme horror… claro que,
    pelo caminho fazem a cabeça aos mais fracos e menos dotados de neurónios!!!

  39. esse não interessa e é d’ontém. o que falta é a desmontar a petição do ventrujas e tem bué de links.

  40. Pois, a petição é do melhor que há.
    Uma chusma de carolas muito preocupados em eliminar políticos corruptos pede aos políticos (corruptos até prova em contrário) que eliminem um juiz que segundo eles não quis eliminar um político (corrupto).
    Pelo meio passam por cima do Estado de Direito com aquela coisa da separação de poderes. Uma cena que não lhes assiste.

  41. não sabes metade da missa:
    o gajo que lançou a petição é o mesmo pedinte do chega que pediu a extradição da joacine e outrs pedinchices do genero. avaliando pelo que fizeram na legalização do chunga , 80 % das assinaturas devem ser falsas se alguma vez forem conferidas. o gajo das petições concorreu à formação de agente da judiciária e foi rejeitado. fiz um comentário a desmontar esta merda com links para as coisas mais graves mas estes caralhos não publicaram, perderam-no ou estão com medo da ventrujice infiltrada na corporação da justiça.

  42. João Adelino Faria, Telejornal da RTP-1, hoje, 20:44:

    “É inevitável. Depois da decisão de Ivo Rosa sobre a Operação Marquês, cresce a indignação e a revolta na sociedade portuguesa.”

    Há quem chame jornalismo a esta merda. Os mesmos que se espantam, e se indignam como madalenas, por Sócrates, além do Ministério Público, da direita merdosa e dos cagarolas que dominam o seu antigo partido, criticar também os jornalistas. Que desaforo! Raios partam o mafarrico, que não entende o conceito de vacas sagradas! Não baixa a bola, não se cala, não morre! Foda-se, o que é feito da justiça divina? Por onde anda Deus?

  43. A direita quer a cabeça de Ivo Rosa ?
    Mas ela já teve a cabeça e o resto do bem fornecido Ivo Rosa !
    Ainda querem mais ? E porquê essa fixação só na cabecinha? Gostos esquisitos dessa maralha estranha…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.