A crise chegou ao Ponto G

O Ponto G desapareceu, foi o que uma investigação britânica descobriu fazendo perguntas a gémeas, pelo que se levanta um problema político: aceitarão as mulheres ficar espoliadas do misterioso e andarilho ponto?

Dr Petra Boynton, num inglês que qualquer português entende desde que saiba inglês, explica que a ela não lhe vão tirar o Ponto G. Porquê? Porque a sexualidade feminina continua a ser essa ilha dos amores, onde

Milhor é exprimentá-lo que julgá-lo;
Mas julgue-o quem não pode exprimentá-lo.

(não, não consta que a senhora tenha alguma vez lido Camões)

13 thoughts on “A crise chegou ao Ponto G”

  1. …. “e o culpado é o pinto de sousa”.
    de quem é a afirmação?
    possibilidades:
    1-ds
    2-eça de querós
    3-alberto joão
    4-outro pinto-sousista

  2. Tantos anos de procura do graal e agora isto? Ora, o ponto G existe, sim. Mas andam a procurá-lo no sítio errado.
    Aqui vai então a revelação: o ponto G é onde uma mulher quiser.

  3. Camões na Ilha dos Amores

    ………………………………………
    Elas mais velozes que gamos,
    Se lançaram a correr pelas ribeiras.
    Fugindo as Ninfas vão por entre os ramos,
    Mas, mais industriosas que ligeiras,
    Pouco a pouco, sorrindo, e gritos dando,
    Se deixam ir dos galgos alcançando.

    A corrida continua até serem apanhadas num ponto algures no Equador, como este mede quarenta mil quilómetros, e qualquer ponto ali, em 24 horas dá uma volta completa, então Camões deve ter atingido o ponto R ( de rebuçado) a mais de mil e seiscentos quilómetros por hora. 1600km/h.

  4. Confesso: a afirmação que o assis colocou aí em cima é mesmo minha. O Pinto de Sousa é mesmo o culpado por a crise ter chegado ao ponto G, ou ponto Gay. E já expliquei porquê noutro post. A razão é simples: o Pinto de Sousa impôs disciplina de voto aos deputados do PS, enquanto o PSD decidiu entrar no jogo em que o tipo se especializou, e que é jogo em que interessa mais parecer do que ser. Aquilo que se preparava para ser uma (mais uma) estratégia de afirmação do Pinto de Sousa (de afirmação de que seria de esquerda e tolerante), transforma-se assim num acontecimento em que o aldrabão surge como menos liberal, menos tolerante e menos democráico nos costumes (mas não só) do que os PSDs conservadores. O tiro saiu-lhe, assim, pela culatra…

  5. O Sr Val porque não opina sobre isto

    Unidades de tratamento do cancro com menos de 250 doentes em risco de fechar
    06.01.2010 – 08:03 Por Catarina Gomes
    Reorganização da rede de Oncologia, ontem discutida no parlamento, vai alterar a cobertura dos serviços em várias zonas do país.

  6. hum…e não será que só as gemeas é que não têm ponto G ? afinal nasceram de um só óvulo ( se forem gemeas a sério ) e já se sabe e muito e bem não há quem.

  7. Acho que o nome do ponto varia com os tempos e com as pessoas.É tambem uma questão cultural do léxico amoroso anglo-saxónico, e ao facto de hoje já não se utilizar muito expressões como “Oh! Gee…ou oH! Jesus” que originaram a respectiva catalogação. ÉW evidente q

  8. Pingback: COAST TO COAST

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.