A arte de ser nojento

Eduardo Cintra Torres assina um texto — publicado neste 13 de Setembro no P2, caderno do Público — com o título Achtung! Habituem-se! Gulag! Trata-se de um repto dirigido aos jornalistas, a toda a sua classe. Podemos lê-lo a partir de um ponto de vista clínico, e reconhecer nas palavras os sinais da paranóia em grau psicótico. Ou podemos lê-lo pelo lado da responsabilização, e concluir que o autor domina a arte de ser nojento. É esta última a minha opção, posto que não tenho autoridade psiquiátrica.

Comecemos com calma, pela moda mais popular entre publicistas com dificuldades na ligação à Internet:

Habituem-se a ler uns “anónimos” profissionais em blogues dizendo as “opiniões” da central de propaganda. Habituem-se a criticar a oposição e a não criticar o governo.

Estas duas frases constituem um parágrafo. Um parágrafo, convém lembrar, corresponde a alguma unidade de raciocínio. O mesmo acontece numa frase, onde diferentes elementos conceptuais são postos em relação, sendo essa operação que dá azo à substância do pensamento. Munidos destas noções básicas, podemos constatar, com infalível certeza, que ECT pensa e afirma publicamente o seguinte:

Há profissionais contratados para veicular como “anónimos”, em blogues, “opiniões” favoráveis aos interesses do Governo.
Os jornalistas não possuem os mecanismos para detectar esses profissionais “anónimos”, nem possuem os recursos para resistir a essas “opiniões” oriundas de uma central de propaganda. Ou, caso os possuam, por alguma razão não estarão a dar uso a essas capacidades.
Os jornalistas, ao conhecerem as “opiniões” dos “anónimos” contratados para emitirem em blogues as directivas da central de propaganda, passam a criticar em exclusivo a oposição, nunca mais criticando o [sic para a caixa baixa] governo.
A leitura de blogues é, assim, causa de falhas no profissionalismo, deontologia e ética dos jornalistas.

Repito que se trata apenas de um dos parágrafos do texto, e logo o mais curto. Todavia, consegue o notável feito de reduzir a classe dos jornalistas a um corpo lobotomizado ou escravizado ou cobarde ou vendido, ou tudo isto à vez e à molhada. E faz acusações genéricas, vagas e confusas — na verdade, primárias e grotescas — sem apresentar uma única prova ou pista, sequer local do suposto crime. Tudo indica que ECT ignora que os blogues políticos com mais audiência são os da direita, onde se inclui o do seu mentor Pacheco Pereira, o qual até já veio admitir que o Abrupto vale mais do que uma secretaria de Estado. E também parece altamente provável não ter ninguém avisado ECT da existência de blogues muito frequentados à esquerda do PS, onde a crítica ao Governo é ainda mais feroz e erosiva do que nos blogues de direita. Somando os blogues com mais audiência, ou audiência relevante, à direita e à esquerda, não fica nenhum — atente-se: nenhum — onde apareçam “anónimos” com “opiniões” a cheirar a central de propaganda. Ou será que ele se refere a eventuais comentários nas caixas dos ditos, sendo aí que actuariam os agentes a soldo do Governo? Enfim, de que estará este louco a falar?


Mas que todo o mal se limitasse a fantasias lunáticas e asininas relativas à blogosfera. O texto faz outras acusações que comprometem todas as instituições do poder político e judicial ao mais alto nível. Pasme-se:

Os membros da central de propaganda ameaçam e maltratam jornalistas, tentando controlar o máximo número de órgãos de informação de modo a fazer passar as suas “informações”.
Quem criticar o Governo, ou o PS, pode perder o emprego e/ou ir parar ao tribunal.
Os órgãos de informação de “referência” servem no concreto os interesses diários da agenda governamental.
O ERC diminui a liberdade.
Há legislação feita contra a liberdade de informar.
Sócrates age como mafioso, manipula e faz chantagem ao nível dos maiores negócios da comunicação social.
A RTP está reduzida a Futebol, Fátima, Pimba e Governo.
A Agência Lusa está ao serviço do Governo.
A Polícia Judiciária realiza escutas e vigilância à margem da lei.
Em certos casos, os jornalistas serão ameaçados de morte para que não investiguem.
O Governo imita Putin, e essa prática aumentará com a proximidade das eleições.

Que tal? Acaso será possível publicar um texto com estas denúncias e acusações e não se iniciar, de imediato, um processo de investigação por parte da Procuradoria? Será que o completo desinteresse público, mediático, policial, até sindical, por este texto prova que ECT tem razão ou que já a perdeu irremediavelmente? A chave hermenêutica está no último parágrafo:

Eu, por mim, ainda não me habituei. Da outra vez, já íamos em 48 anos de “habituação” e eu, um miúdo, já sentia a mesma comichão da Liberdade. Defeito meu.

Cá está: a tal habituação é metáfora para salazarismo, ditadura, fascismo. Ou seja, isto é, quer-se dizer: a Presidência da República, o Parlamento, os Tribunais, as Forças da Autoridade, os partidos, o meio académico, os órgãos de comunicação social, as associações públicas, os empresários, as instituições religiosas e os trabalhadores são todos cúmplices do fascismo instaurado em 2005 através das eleições que levaram à formação de um Governo PS. São cúmplices porque não o denunciam, porque se calam, porque fingem. Mas o nosso ECT vem avisar a malta de que ele, pelo menos ele, já sente uns comichões que se relacionarão com a Liberdade. E daí ter tido o trabalho de explicar aos jornalistas que eles, de facto, já nem existem enquanto tal, foram triturados e feitos em papa pela central de propaganda. Que cada um tire as suas conclusões sobre as conclusões tiradas por esta luminária.

Para mim, só o título do seu artigo verdadeiramente me interessa: Achtung! Habituem-se! Gulag! E foi só para chegar até ao que o autor nos pôs à frente que eu escrevi o que ficou para trás. Ora, temos lá um Gulag!, o qual remete para o análogo entre Sócrates e Putin, Portugal e a Rússia, Judiciária e KGB. Temos lá um Habituem-se! que vem de António Vitorino e vai para António Salazar, passando por José Sócrates. E, com honras de abertura, encontramos um Achtung! Curiosamente, no texto não se consegue descortinar uma só palavra que se ligue de forma evidente a esta tristemente célebre expressão da língua alemã. É bem possível, pois, que o autor nos esteja a indicar que todas as palavras do seu texto estarão, de alguma forma, a ilustrar as alusões, imagens e símbolos que Achtung!, denotativa e conotativamente, convoca. Daí a singela pergunta com que me despeço de qualquer réstia de consideração e respeito por Eduardo Cintra Torres:

Achtung, meu cabrão?!

29 thoughts on “A arte de ser nojento”

  1. Caro Valupi,
    A campanha com vista para o descrédito deste governo, está em pleno.
    Depois de centenas de Foruns provocatórios na TSF, de homilias anti tudo e alguma coisa, após a organização corporativa contra as reformas na Educação, na Justiça, na S.Social e na Saúde, ganha a batalha contra o défice excessivo, o que é que resta à desesperada Oposição, nomeadamente à de Direita?
    Resta-lhes atacar a própria democracia, o contraditório.
    Resta-lhes meter medo à populaça.
    Receio que não estamos lonje duma campanha bombista, tal é o desespero político desta Direita que já sabe que vai perder as próximas eleições.
    Agora querem fazer crer à turba-multa que afinal as campanhas de desinformação em curso pela Comunicação Social, pelos Comentadores Oficiais e agora, pasme-se, até nos blogs, não passa de uma manobra do Governo para limitar a liberdade.
    Que devemos ir todos a correr votar neles que são os garantes da democracia.
    O truque é velho.
    Já não se discutem as políticas; Já não estão nesse terreno, Ocupam-se agora do boato , do vem aí o papão!
    Atiram a pedra e escondem a mão.
    Quem é que pode explicar o tom e a desfaçatez do Juiz Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha do Nacimento, que acaba de dar uma entrevista à TSF/SIC a exigir aumentos de salários, ou não responde pela aplicação da lei de forma independente?
    Onde é que já chegámos?
    Também diz, que eu ouvi, que aos Juizes não agrada serem rsponsabilizados pessoalmente pelas arbitrariedades e injustiças que cometam e dá o exemplo do Paulo Pedroso e do Pinto da Costa…
    Definitivamente este país está a transformar-se num local de muito má frenquência
    Até o cadáver adiado do Portas quer um debate …com o 1º Ministro a quem acusa de ser responsável pela onda mediática de crimes…
    MFerrer

  2. o artigo do ECT é um exagero, claro. nem o jornalismo nem a blogosfera têm culpa deste mau hábito socrático de propagandear e de “controlar” tudo e todos…

    mas também te digo, Valupi, sem qualquer rodeio, que nunca vi um governo tão hábil a dominar os meios que tem ao seu dispôr (visiveis e invisiveis), para deitar cá para fora, diariamente, doses maciças de demagogia e propaganda.

    queres exemplos, gostas sempre de exemplos não é? ai vai um: é fácil inaugurar uma escola modelo, onde existe tudo do melhor, ignorando a existência de largas dezenas, onde não existem funcionários suficientes nem instalações com condições minimas para os alunos e professores. sabes qual é a prática de algum jornalismo? dão uma página para o exercicio de corta fitas governamental e um cantinho para a escola que continua fechada, sem funcionários…

  3. O Cintra mete dó, mas o tom é o da casa liderada por Fernandes e telecomandada por Belmiro. Num país em que toda a gente diz constantemente mal do governo, em que é preciso andar de candeia pelos jornais, blogosfera ou tv para encontrar alguém a defendê-lo, aparece-me este paspalho lambedor de botas do patrão a recriminar os anónimos bloguistas (o gajo deve querer nomes, como a PIDE) por não criticarem o governo! Ao que chegou a histeria anti-governo…

    Ao Cintra: se queres saber o meu nome, vou estar hoje às 19:30 sentado na esplanada da Brasileira, no Chiado, a ler o Diário de Notícias e a fumar uma cigarrilha.

    A chatice toda, Pacheco Pereira, é que se não pode apelar à queima de blogues! Não ardem, caraças…

    Duas escolas foram remodeladas, gastaram-se nelas mais de 10 milhões de euros. A comunicação social noticiou ontem as inaugurações, que se incluem num programa de remodelação de 320 escolas no país em que se vão gastar várias centenas de milhões até 2015. luis eme acha que esse facto ilustra o domínio (!?) da informação pelo governo (!?), porque não se deu destaque igual ao facto de haver uma escola qualquer que não tem pessoal suficiente (!?). luis eme, eu também gosto muito de exemplos, sem exemplos não vale a pena fazer acusações como as suas. Mas este seu exemplo não vale um caracol. É ridículo. A demagogia, neste caso, é toda sua, e de péssima qualidade. Tomara você fazer demagogia de nível semelhante ao deste governo. Diga-me: então você acha que um governo não deve fazer inaugurações? não deve ter planos de remodelação e reconstrução de escolas? não deve informar a comunicação social e, através dela, o país, do que anda a fazer nessa área de governação? Então você acha que quando se dá uma notícia de algo que o governo fez, se deve pôr por baixo outra notícia de igual destaque a sublinhar o que o governo não fez? Ora porra, luis eme!

  4. No mesmo jornal do Cintra, li há tempos a prosa desinibida e descarada de uma figura influente lá da casa a “aconselhar” os jovens jornalistas e estagiários do jornal a não acreditarem em nada do que o governo diz e a escreverem contra ele.

    O tal controle ou domínio da informação de que se tem acusado o governo (vide tb as acusações vagas e improvadas da Manela Leite) é exactamente isso: é dizer aos jornalistas o que eles hão-de escrever e contra quem. Se não for suficiente, puxa-se as orelhas aos estagiários, que aprendem depressa. Como eles lá no Público fazem isso, depois medem o governo por bitola igual. Se aparece uma notícia de qualquer acto positivo do governo, é porque foi o governo a puxar as orelhas aos estagiários…

  5. Comigo esse «pobre» não tem sorte nenhuma. Porque trabalho desde os 15 anos e desde essa idade pago impostos. Porque nunca me escondi atrás de pseudónimos nem nos jornais onde escrevo desde 1978 nem nos livro de poemas que publico desde 1981, muito menos na blogoesfera. Vale mais perder um amigo do que uma boa resposta – esse é um dos meus lemas. Safa!

  6. Nick,

    não costumo responder aos comentadores, mas como te dirigiste, directamente à minha pessoa, informo-te que:

    não é apenas uma escola que não abriu na data oficial, sem funcionários ou condições minimas de funcionamento… são dezenas, de Norte a Sul.

    escolas modelos? foi inaugurada uma em Óbidos, mas atenção, foi fundamentalmente um investimento da Autarquia local na educação, nos seus habitantes…

  7. luis eme, o meu nick é Nik, como o Kershaw. Pena é não dizeres quanto tempo é que estiveram fechadas essas «dezenas» de escolas sem condições mínimas para abrir. E se ainda continuam fechadas. Ou se foi só um atraso na abertura de algumas escolas, quiçá devido à actuação ultra-zelosa de alguns conselhos directivos, como forma de pressão para obter melhorias, algo que acontece invariavelmente todos os anos. Achas mesmo que é possível garantir o mesmo nível de instalações e de condições de trabalho em todas as escolas do país ao mesmo tempo? E não seria um caso flagrante de manipulação demagógica tentar obnubilar os actos positivos de um governo ou de uma autarquia com pseudo-notícias de igual destaque sobre tudo o que ainda está mal ou por fazer?

    Não precisas de responder, contrariando o teu hábito aristocrático de não responder a reles comentários. Isto é só para tua reflexão, não estou curioso da tua resposta, sobretudo se for igual à anterior.

  8. Eu, pecador, me confesso: também deixo frequentemente comentários anónimos em diversos blogues a dizer bem do Sócrates e do Governo e a dizer mal, às vezes muito mal (quase sempre) da “oposição”. Apenas porque me apetece. Porque é assim que eu penso. E porque, graças ao 25 de Abril, vivemos num País LIVRE!

    O que diz Eduardo Cintra Torres não me merece qualquer ponta de credibilidade, nem me atinge sequer o umbral das meninges. É lixo. Não presta. E tenho a sensação de que muita, mesmo muita gente pensa como eu. Relativamente à suposta influência do “público”, digo. Que eu não leio e muito menos compro.

    E quer-me parecer que toda esta histeria e o desespero galopante desta gentinha significa que, ou me engano muito, ou já estão todos DESENGANADOS quanto ao que vai ser a triste sorte da “oposição” nas próximas legislativas: MINORIA ABSOLUTÍSSIMA!

    E não é que não se habituam?

  9. Mas depois lá virá a “federstroika” alegar que a maioria absoluta do PS não vale, porque foi conquistada com os votos anónimos de eleitores pagos, para votar no Sócrates, pelas agências de “comunicação”…

  10. MFerrer, não posso concordar mais. Estas acusações conspirativas, e infundadas (mas que só depende dos denunciantes fundamentar, posto que reclamam ter o conhecimento), são um ataque à democracia. Nem mais.
    __

    Z, é mais do que espirro, é gripanço completo.
    __

    luis eme, o Nik já te deu uma boa resposta, e eu vou por outro lado, começando por concordar contigo: também «nunca vi um governo tão hábil a dominar os meios que tem ao seu dispor (visíveis e invisíveis)». Só que a minha interpretação é outra quanto à intenção e modo. Enquanto tu defendes que se trata de uma prática que visa, meramente, a manutenção do poder pelo poder, eu penso que se trata de uma metodologia que visa obter os melhor resultados governativos, tanto do ponto de vista da eficácia como também da eficiência.

    Não sei se concordas com esta ideia: Portugal é um Estado de direito onde vigora um regime constitucional de democracia parlamentar. É importante saber se concordas com esta afirmação, pois no caso de discordares não valerá a pena discutirmos. Como ensina Aristóteles, só se deve dialogar com quem aceita princípios lógicos. Se discutires com alguém que insista em te dizer que tanto pode usar “sim” ou “não” para significar “talvez”, rapidamente concluis pela impossibilidade lógica de interpretar o seu discurso. O caso é igual nesta questão: se para ti não está em vigor um Estado de direito a suportar uma democracia constitucional e parlamentar, terás de provar porquê e definir a situação então existente. Como antecipo que não o vás fazer, parto já para o corolário deste raciocínio.

    Para se dar algum crédito a estas teorias da conspiração nascidas da arrogância e desespero de Cintra Torres e Pacheco Pereira, agora juntos a tantos outros analfabrutos que ora dizem que estamos no fascismo como a seguir louvam Salazar, temos de provocar um curto-circuito neuronal. Responde lá, faxavor:

    – Se o Público pode ir até à Covilhã vasculhar o passado profissional de Sócrates nos anos 80, e se pode ir desencantar faxes enviados ao domingo, não poderia investigar esta operação gigantesca de coerção e ameaça a todos os órgãos de comunicação e a todos os jornalistas, a qual está a acontecer neste preciso momento e é denunciada por figuras públicas de referência?

    – Acaso algum partido da oposição, à direita ou à esquerda, ou sindicatos e demais entidades corporativas e cívicas, iria desaproveitar a oportunidade de agarrar em material tão demolidor que até levaria à imediata exoneração do Governo e ao definitivo enterro político de Sócrates?

    – Será crível que haja neste momento centenas de profissionais de comunicação a viverem o cenário de indignidade e pânico que ETC descreve, e não aparecer ninguém a apresentar um queixa formal em qualquer uma das inúmeras instâncias nacionais e internacionais onde o poderia fazer?

    Foda-se, senhores ouvintes. É que, nesse caso, o nosso Sócrates conseguiu mesmo algo nunca visto em qualquer parte do Mundo, em qualquer época. Coitadinho do Putin, que não passará de um tosco aprendiz. Mas, atenção, vamos admitir que os paranóicos e ressabiados têm razão, e que não há fumo sem fogo. Então, é do meu maior interesse, como cidadão, ver essas denúncias fundamentadas. Se existem provas e não se mostram, para que raio se fazem as acusações? Explica lá isso à malta, por favor.
    __

    Sofa Surfer, tens muita razão.
    __

    Marco Alberto Alves, no alvo. É esse ódio à liberdade de expressão que está subjacente nestas manifestações de completa desorientação. Que vergonha.

  11. “Coitadinho do Putin, que não passará de um tosco aprendiz”.

    Gostei desse pastel de nata.

    Lê e depois passa ao ECT (ElectroCardioTrama, que o rapaz também precisa de aprender:

    “…Vladimir Putin is the foremost figure on the world stage today. He will remain so after George W. Bush leaves the White House disgraced.

    Putin is heir to an epochal movement of patriots who began in the 1970s to take back Russia from within. It started with a base of operations within the KGB and the Orthodox Church, led to Gorbachev’s glasnost in the 1980s, and culminated in the Second Russian Revolution of 1991. At that point, the Western financiers gleefully rushed in to support an assault from the Russian “oligarchs” who were looting Russia of everything it owned.

    The oligarchs were the shock troops of a financier assault that had already begun to overlap in the West with the Russian Mafia. Cheered on by the Washington Post and aided by academic advisors from places like Harvard, this international syndicate nearly destroyed Russia during the 1990s. But when Putin was appointed interim president by Boris Yelstin in 1999, and after winning the presidential election of 2000 in his own right, he began to fight back.

    From the mid-1970s to today, thousands of Russian gangsters, along with many hard-line Bolsheviks/Stalinists, were allowed to emigrate. Many settled in the U.S. and are here today, and many more settled in Israel. In fact, one reason the price of condos in New York, Miami, Tel Aviv, and elsewhere has inflated so much reportedly is the flood of cash from racketeering.

    The crooks have allied themselves with the Colombian drug cartels and have heavily infiltrated the world’s financial systems, even setting up their own banks for laundering money and speculating in the commodities markets.

    Today, Putin is cleaning out the remaining gangster class. His efforts reached a milestone in January with the arrest in Moscow of Semion Mogilevich, called “the world’s most dangerous man.”

    http://www.marketoracle.co.uk/Article6259.html

  12. upi,
    coisa poderosa, este opinanço. Porquê? Porque vai a jogo, porque não ‘deixa lá’. E isso é motivo de espanto e nota? É, passo a explicar porque acho.
    ECT diz o que diz como diz de modo a que não tenham discussão as questões que ele pretende que passem como verdades de pedra, como se já universalmente aceites. Por isso deixa espalhadas umas questiúnculas paralelas e secundárias, milho aos pardais, conquanto os seus alvos reais fiquem pintados, na passada, com as cores que lhes quis dar e que o leitor mais desprevenido (curvado à eminência parda do autor, uma referência da profissão, a julgar por estas palavras) tomará como boas e verdadeiras. Ou seja:
    Semi-parafraseando o próprio, este ataque aos blogues é, assim, causa de falhas no profissionalismo, deontologia e ética, não dos jornalistas em geral mas desta ave rara em particular.

    Por isso dá-lhe Falâncio! Nunca as mãos te doam. E muita achtung, santinho.

  13. LOL, lá voltamos nós ao mesmo.

    Em meu entender o único pecado do ECT é apontar baterias num só sentido!

    O que eu acho muito curioso é fazerem exactamente aquilo que criticam no dito Sr. Um exemplo do que digo

    “O Cintra mete dó, mas o tom é o da casa liderada por Fernandes e telecomandada por Belmiro. Num país em que toda a gente diz constantemente mal do governo, em que é preciso andar de candeia pelos jornais, blogosfera ou tv para encontrar alguém a defendê-lo, aparece-me este paspalho lambedor de botas do patrão a recriminar os anónimos bloguistas (o gajo deve querer nomes, como a PIDE) por não criticarem o governo! Ao que chegou a histeria anti-governo…

    LOL

    Pois parece-me que só temos moral para criticar-mos quando não fazemos exactamente o mesmo que os visados ;-) Nik, cuidado com as cigarrilhas, isso tira anos de vida!

    outro exemplo

    O Marco Alberto Alves, começa por dizer que ele próprio deixa comentários anónimos e depois diz que o cometário do ECT nada vale, LOL.

    Do texto do Valupi retiro uma coisa “Pacheco Pereira, o qual até já veio admitir que o Abrupto vale mais do que uma secretaria de Estado” Eu não iria tão longe, mas seguramente valerá mais do que algumas secretarias de Estado ;-)

    Quanto às dores do Valupi por mensagens não endereçadas, sem sujeito como, Nik gosta de dizer. também me parecem exageradas. Independente do ECT ter ou não razão.

  14. Olha, outro macaco de fusca apontada (também) aos blogues?
    Eu oferecia-te a espingarda, Val, mas neste caso acho que só lá vai de bazuca…
    Ainda assim, acho que lhe deste demasiada importância. E não o avisaste para largar o vinho, o que nem parece teu.

  15. Por que carga d’água havia de ser, Ibn?
    Tenho por hábito chamar nomes de animais às pessoas sem mais nem menos?
    Estou a comentar o post e não os comentários…

  16. Caro Valupi,
    Este Luis Eme que anda por aí a envinagrar os blogs sobre a a Educação e as reformas que este Governo levou à prática em apenas 3 anos é um caso clínico.
    Além do que aqui escreve, diz o seguinte, todo contente consigo próprio, aí noutro blog da direita:
    “são mais os problemas que as soluções no nosso ensino.
    fecham-se escolas, empurram-se professores para o desemprego, até descobrimos na TV uma menina, a primeira portuguesa a frequentar o ensino básico espanhol!
    poderia dar tantos exemplos práticos, da má política educativa, mas para quê?”

    Eu começo já por propor uma gargalhada geral: Então a filha de um espanhol, que vive em Portugal e trabalha em Espanha, não pode por a criança numa escola espanhola sem que isso constitua um atestado da incompetência deste Ministério?
    Foi o próprio pai que explicou ao venenoso jornalista que ele tinha decidido que a filha devia aprender castelhano…
    Nem há centenas de espanhóis em todos os graus do nosso ensino!
    Só na cabecinha reduzida desse cavalheiro.

    Esse Luis Eme ainda está convencido que o Ministério da Educação é uma Agência de trabalho e que devíamos admitir todos os candidatos a professores que aparecessem, vindos aliás de toda a UE?
    Ainda não percebeu que se devem racionalizar custos e exigir resultados? Ainda não sabe que temos umas das mais reduzidas taxas de nº de alunos/professor?

    Depois., como já não tem mais argumentos para atacar as reformas vem com essa da falta de meia dúzia de auxiliares, noutra meia dúzia de escolas entre 3000, para nos fazer acreditar na maldade da Ministra!
    É que ele não compreende que se reformam uns tantos empregados é necessário dar início a um processo de admissão. Não sabe ou não percebe?
    Claro! É a Ministra que distribui as auxiliares e até mesmo os professores!
    Este Eme nem fala do programa de descentralização já assinado com mais de 95 autarquias…que vão exactamente ser responsáveis pelo pessoal auxiliar e pela manutenção dos edifícios abandonados durante décadas por governos de todas as cores.
    Não se dá conta ou a sua reduzida honestidade não o deixa ver a realidade?
    É que ao nível da Educação o que se está a fazer em Portugal é uma verdadeira revolução em todos os sectores!
    Sabe por acaso quantas orquestras, repito, orquestras musicais, se formaram num único ano? sabe quantas estão já em formação? Sabe que já não há professores de música para tanta iniciativa e que apenas há um ano andavam aos papeis?
    E não são orquestras com tambores ou com ferrinhos. São orquestras com centenas de instrumentos, violinos, violoncelos, contra-baixos, pianos…nas mãos de crianças de 6,7,8 anos…Não sabia, não é?
    Tudo isto a funcionar nas mesmas escolas enas mesmas instalações.
    Só um ceguinho é que não compreende a extrema dificuldade só em coordenar todas as novas actividades dentro duma escola, muitas das vezes ainda com más instalações. Mas do alto da sua soberba, exige que todas as escolas públicas tenham tido obras profundas durante os 30 dias de Agosto, e de norte a sul!
    E, claro, tudo o que não lhe agrada agora e de que nunca se queixou, é da responsabilidade deste Governo! Tá-se mesmo a ver!

    Não sabe! mas bota postas de pescada e arrogância ao nível da sua ignorância!
    Sabe que é a Faculdade de Arquitectura do Porto que está a preparar as intervenções em 330 Esc. secundárias que vão receber mil milhões de euros de investimento e que se vão tornar um case study na Europa quanto à organização, aos equipamentos e métodos de ensino?
    Sabe quantas bibliotecas escolares foram equipadas em dois anos?
    Sabe quantos cursos profissionais estão actualmente em funcionamento no Ensino Secundário? Ourivesaria, Marcenaria, Serralharia, Electricidade, Computação, artes gráficas. Não sabe? Só vê o tele-jornal, não é?
    Coitado!
    MFerrer

  17. o número de entradas no ensino superior neste ano é inegavelmente um sucesso do governo, sobre isso não há que escamotear o elogio,

    e o sucesso no combate aos fogos florestais, mesmo com o meu coração apertado vai que não vai a pedir chuva, é uma alegria,

    Portugal vai ser colonizado por uma massa significativa de imigrantes, ao mesmo tempo que se lança de novo no mundo, é a lusofonia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.