10 euros para quem conseguir explicar esta explicação

«Esse artigo não foi escrito tendo por base apenas uma fonte — foi escrito com recurso a várias, judiciais e políticas, todas elas bem colocadas. E essas fontes falaram ao Observador de boa fé. Simplesmente, julgavam ser portadoras de informações que não conheciam na totalidade. E aí está a origem do erro que cometemos — e que vamos trabalhar para que não se repita no futuro.»


Nova PGR: o Observador errou

15 thoughts on “10 euros para quem conseguir explicar esta explicação”

  1. Por muito bem explicado que estivesse, há um aspecto da noticia que o esclarecimento não esclarece: qual a interesse público de se saber quem era o nomeado antes de o ser ? Na falta desse esclarecimento, a explicação para a noticia de 14 set só pode ser uma: tentativa de condicionamento dos decisores politicos.

  2. Não vou concorrer aos 10 €, mas a frase “julgavam ser portadoras de informações que não conheciam na totalidade” é um absurdo que atinge niveis poéticos. Obviamente, das duas uma :

    – ou julgavam, erradamente, que a informação que transmitiram era certa e é de questionar a sua noção de certeza, o que é problematico para uma fonte de informação, e mais problematico ainda para um jornal que tem obrigação de exercer o seu sentido critico e duvidar destas “certezas”,

    -ou sabiam (o que é muito mais provavel) que a informação transmitida não era certa, e então participaram numa empresa de desinformação, o que é indesculpavel para um jornal.

    Num caso como noutro, uma falta grave.

    Boas

  3. Não deve faltar muito para se ouvir alguém dizer que foi o Costa que pôs a circular a fake para enganar os pobres jornaleiros. 6

  4. E aí está a origem do erro que cometemos — e que vamos trabalhar para que não se repita no futuro.

    é português de lei LOL
    esta maltinha nem português sabe escrever

  5. pra Lena: não falta nada ! É só ver esta “opinião vomitada” no esgoto do “I” por um tal de João Lemos Esteves

    opiniao@newsplex.p 25/09/2018

  6. A explicação mais lógica é que apanha-se mais depressa um mentiroso que um coxo. E realmente houve várias fontes. Só no Observador assinaram 5 jornaleiros.

  7. O mais tortuoso na enigmática imaginação à “Observador” está neste mal disfarçado paradoxo mental que afirma simultâneamente que “os seus jornalistas não foram manipulados nem enganados deliberadamente” e de seguida concluírem que “O Observador errou”.
    Ora se, nem deliberada nem intencionalmente, os jornalistas foram enganados e manipulados qual a origem do “erro”?
    Fica evidente que se o “erro” não é exterior aos jornalistas só pode ser, logicamente, do interior do jornal: ou do engano dos jornalistas ou da “Direcção” que enganou os jornalistas.
    E em qualquer dos casos o “erro” só pode ter sido deliberado.

  8. Melhor será pegares nos 10€ e atira-los à unica fonte real que te pode ajudar,a de Trevi, e aí formulares o desejo de que as fontes por cá não sirvam de desculpa para fins tão ignobeis. Com sorte podes reencontrar a Anita Ekberg e os…paparazzi. Nao há bela sem senão.

  9. A tese de que houve informação deficiente ou incompleta por parte das fontes em que o Expresso e o Observador dizem ter-se baseado é totalmente suspeita. Como é que “várias fontes, judiciais e políticas, todas elas bem colocadas” (no dizer do gajo do Observador) coincidiram na mesmíssima informação falsa, por sinal a mesma informação falsa que o Expresso, sempre tão bem informado em Belém, propalou na mesma altura?
    Acho mais plausível que tenha havido manipulação deliberada por parte de centros de desinformação, como forma saloia de pressionar quem teria de tomar a decisão. Também há muitos jornalistas que tomam os seus desejos por realidades, como está sempre a acontecer nos citados órgãos.
    Uma hipótese engraçada é que Marcelo estivesse indeciso e que, confrontado com o desplante das notícias do Expresso e do Observador, tivesse tomado a decisão que os desmentia, até para se vingar das merdas que os dois órgãos já publicaram sobre ele.
    Resta ainda a hipótese exótica, mas não totalmente impossível, de ter sido o próprio Marcelo o autor secreto da notícia falsa, já com a intenção de depois decidir o contrário — ou por vingança (vide acima), ou por exibição de poder ou mesmo por brincadeira perversa, que não seria a sua estreia no género.

  10. se os espreitas do observador julgam ser portadores de informações que não conhecem é porque são mentirosos, portanto o jornal deveria revelar a identidade e despedir os aldrabões para precaver estas cenas macacas. o problema é se acabarem com a publicação de notícias falsas não têm nada para publicar e acaba a razão de existirem.

  11. Valupi

    A explicação é esta:
    – Desta vez fomos nós quem comeu uma bela Vichyssoise que nos caiu muito mal na fraqueza. Daí estarmos neste estado de náusea, com ânsias de vómito, e com uma grande caganeira.

    Se depois disto ainda não perceberam falem com o Paulo Portas, ex-director do jornal “Independente”, que ele explica.

  12. eles querem dizer: “muitas vozes , poucas nozes”. em alternativa: “por a carroça à frente dos bois”.
    grande bailarico que o ti Marcelo lhes deu.

  13. Basta ler a azia toda com que hoje se atiram a Marcelo porque a pressão não funcionou. A fazer lembrar a forma absolutamente despudorada como o Pedro Santos Guerreiro também garantiu na SIC que o problema do BES era só na área não financeira poucas horas antes do último aumento de capital. Tudo gente muito séria.

  14. Hipótese 1) O Observador fez parte de um grupo que tentou condicionar, articulado com outros OCS, o Governo/PS e falhou,

    Hipótese 2) O Observador fez parte de uma grupo que tentou simular uma “pressão social”, articulado com outros OCS, o Governo/PS, julgando, de antemão, que um acordo informal para a coisa estava seguro, e o PS fez a sua jogada, atropelando todos

    Hipótese 3) O Observador fez parte de um grupo, articulado com outros OCS, que sabia de antemão que JMV não seria reconduzida, tentando criar um cenário de que o PS tem interesses paralelos na não-recondução da dita

    Hipótese 4) O Observador fez parte de um grupo, articulado com outros OCS, que foi enrolado, sem se aperceber, num esquema cujo objetivo seria dar uma imagem de força e independência decisional do PS, convicto de que estava a trabalhar na Hipótese 1/2/3.

    Ou então sou eu que estou a ficar muito cínico com a idade…

    Nota: em matéria de aplicabilidade, onde se lê “Observador”, substituir por “Expresso”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.