Não pretendo imitar o talento do João Pedro para títulos mas cada um faz o que pode

A desarrumação é a primeira das minhas qualidades. Recordo-me de a conhecer ainda antes da desorganização e dos lapsos de memória (quase uma afasia) relativos às obrigações mais chatas. Sem dúvida terá sido uma das principais motivações de diálogo entre a minha mãe e eu. Conversas que desenvolveram uma capacidade argumentativa redutora, nos outros, da paciência para me aturarem.
Mas, dizia eu, sou desarrumada, dizem. Por isso, quando carrego a bateria do meu telemóvel, prefiro deixar o carregador no seu lugar apropriado: ligado à ficha. Vendo bem, até sou arrumada, pois faço questão de o deixar sempre no sítio. O certo.
Aí ficou, em casa dos meus pais, na última ocasião em que o carreguei. Por um mistério ainda por resolver, o carregador desapareceu. Para mim o enigma há-de esconder alguma nefasta arrumação: com essa mania de arrumar depois nunca sabem onde puseram as coisas.
Reduzida à dependência do isqueiro do meu bólide, desloco-me amiúde à rua. Pareço um marido adúltero, a fazer telefonemas do carro, por vezes depois da meia-noite. Já imaginei a imaginação de algum indiscreto observador de janela. Bem sei que a conexão é arrevesada, mas vinha a pensar nisto, ontem, quando fui do carro à pastelaria comer um folhado misto. Foi lá que encontrei o vídeo que mostro abaixo. Não porque me preocupe a vigilância policial (alguém investiria na seca de me espiolhar?), mas porque a animação é gira.

11 thoughts on “Não pretendo imitar o talento do João Pedro para títulos mas cada um faz o que pode”

  1. O vídeo está um mimo de bom gosto, excelente trabalho em Motion, mas é também primariamente demagógico. O que só lhe dá graça, de resto. Até abandalham com a “chuva dourada”, e isso revela bem que estamos perante um pândego a querer aproveitar a onda.

  2. Se fores como eu, não és desarrumada, mas só pouco ortodoxa nas tuas arrumações. E o que está bem desarrumado, arrumado está. Também percebo esse desespero a que nos levam os arrumados, que escondem e não arrumam, que quando é preciso nunca se sabe onde guardaram.
    Mas queres uma solução para carregares o telemóvel? Carregadores do chinês. Tenho dúzias. Um por cada vez que o meu foi tirado da ficha e devidamente arrumado.

  3. e convencer a minha maezinha desta tão cristalina verdade: «com essa mania de arrumar depois nunca sabem onde puseram as coisas.» nunca consegui… :-)

  4. renato, para títulos, quando não há títulos. mas tens razão, o joão tem mais talento para outras coisas.
    até já! (achas que a tmn também me paga uma avençazita?)

    leãzinho, combinado. mesmo sem carregador. mesmo sítio?

    ernesta, sou desarrumada (mesmo). e heterodoxa.

    sininho, simpatia tua.

    mana, sério?! não me digas que então aquilo era crítica… :p

    sem-se-ver, a verdade é que a minha mãe sabe quase sempre onde pôs as coisas, eu é que se arrumo nunca mais encontro. sou também uma desgraça a procurar coisas, escapam-me mesmo debaixo do nariz.

  5. Tenho um problema semelhante: coisa que não arrume, não perco; coisa que arrume, nunca mais a encontro.
    Eu estava na dúvida se aquilo era a ASAE lá deles se o Grande Irmão. Na altura certa, fui informado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.