Vá, não custa assim tanto

Entrámos em campanha eleitoral. Sem surpresa, da parte dos partidos do Governo, a narrativa é a de que, depois de os socialistas terem levado o país à bancarrota, este governo fez o que pôde para «endireitar» as coisas, tendo-o conseguido, infelizmente através de um programa de que não gostava, mas que estava obrigado a aplicar.

Tudo isto é mentira: nem os socialistas levaram o país à bancarrota (foram muitos outros fatores, nomeadamente a inação do BCE face à especulação sobre os juros da dívida, muito ditada (a inação) pelo caso bicudo da Grécia, o aumento das falências e do desemprego na sequência de uma gigantesca crise financeira internacional e o chumbo, pela então oposição, de uma solução menos gravosa para a delicada situação financeira nacional), nem este governo endireitou, por sua ação direta, grande coisa (em muitos aspetos, pelo contrário, só agravou a situação, como na caso da dívida, das desigualdades e do panorama social), nem a aplicação do programa foi feita a contragosto – aqui também, muito pelo contrário, como abundante documentação audiovisual e escrita comprova.

Assim sendo, tem-me parecido frouxa e não suficientemente insistente a contra-argumentação de António Costa perante as patranhas da direita. É que o estribilho por eles usado, de tantas vezes repetido, acabou por se infiltrar na cabeça de muita e incauta gente. Vieram, segundo nos fazem crer, cheios de boa vontade de pôr cobro aos desmandos do Sócrates – um louco que finalmente está onde devia estar – e fizeram o melhor possível. Daí até dizerem que merecem ganhar as eleições não falta nada, como aliás já se vê nas suas peregrinações pelo país. O controlo da comunicação social (de que acusavam os outros) é quase total e a mensagem facilmente rola.

Por que não gosto da atitude da direção do PS? Porque não são capazes de se apresentar como não culpados e de «alma» limpa. E tinham todas as razões para o fazerem. Em matéria política, há muito pouco a censurar aos governos Sócrates e muito de que se orgulhar, nomeadamente o controlo do défice, que não impediu boas políticas sociais. Porque são renitentes, salvo honrosas exceções, em matraquear, como bem faz a direita com as deturpações que lhe interessam, e para seu proveito, o que verdadeiramente se passou em 2011. E incapazes de desfazerem a imagem de meninos bonzinhos com que esta autêntica corja, que domina todos os meios de propaganda, se pretende apresentar ao eleitorado.

Passos é o maior aldrabão que já passou por São Bento, os seus colaboradores e próximos idem aspas – basta ver o desplante com que a ministra das Finanças mente sobre tudo e mais alguma coisa (lembram-se dos «swaps»?), inclusivamente sobre os números. O mesmo se pode dizer do secretário de Estado Paulo Núncio a propósito da Autoridade Tributária e da famosa lista VIP, da ministra da Justiça e de Nuno Crato, um total incompetente, a que acrescem as negociatas de Aguiar Branco, e ao que tudo indica também as de Miguel Macedo, e toda a lista de falcatruas associadas a Miguel Relvas e ao próprio Passos. A lista é demasiado longa, por abranger também os amigos das direções-gerais e outras autoridades públicas. Mais a CRESAP, essa entidade que iria garantir a máxima seriedade e transparência na admissão de candidatos a cargos públicos. Nunca se viu uma ocupação do aparelho do Estado tão ousada, livre, completa e tão pouco denunciada. Este governo é um escândalo. E se, na Europa, a margem de negociação (que não é inexistente) ainda é estreita, apesar de um novo governo se poder comportar de maneira bem mais afirmativa e respeitável, a nível interno, pelo contrário, há mais do que margem para apelar ao repúdio do atual governo.

Diz o PS que não alinha em «casos». Mas que casos? Trata-se de mentiras e vigarices, muitas delas graves, que são bem reais e visíveis, de governantes pouco sérios, vingativos, incompetentes e até palhaços políticos (lá acima esqueci-me do Pires de Lima), que jamais hesitam em lançar lama sobre os seus antecessores ou adversários. Isso não importa?

Outra tendência que também censuro na oposição é a de, aparentemente à falta de melhor, acusar a direita de fazer isto ou aquilo por uma questão ideológica. Por que não explicar os prejuízos reais e concretos das políticas seguidas? Porquê este argumento? É evidente que é uma questão ideológica. Há fações da sociedade (que por vezes chegam ao poder) que entendem que vale tudo para ser rico e que não lamentam que nem todos o possam ser, repousando na ideia de que não podem nem devem fazer nada. Que o Estado não tem que interferir para assegurar iguais oportunidades para todos (sabendo que se nasce em berços muito diferentes), uma melhor distribuição da riqueza, nem para impedir que o país seja vendido ao desbarato e que a lei da selva económica se instale. É uma ideologia, à qual há que contrapor outras. Acusá-los de desmantelar o SNS por uma questão ideológica é uma estratégia totalmente ineficaz, é uma verdade de Monsieur de La Palice, para além de que a maior parte das pessoas nem percebe o que seja isso de ideologia.

Falta espírito aguerrido. A conquista de uma câmara (ainda por cima na zona mais desenvolvida do país) não é a mesma coisa que a conquista do país.

48 thoughts on “Vá, não custa assim tanto”

  1. au CONTRAIRE ma CHÉRIE Socratiniste trés malade de la raison, de la realité et de la inteligence: existe um trabalho meticuloso e presistente e uma opção clara dos XUXARIA pela amnésia selectiva e desvalorização de tudo o que tem sido feito pelos portugueses (como neste site de bovinos e caprinos ignoncios socratintas). Mas somos muitissimos que não nos esquecemos. Podem estar certos. MUITOS MESMO | Este PS, refém da pior canalha que se diz de esquerda, é não só responsável pelo descalabro orçamental que deu azo ao bailout internacional (4 PECs em menos de um ano e, no dia da demissão do delinquente criminoso, Março de 2011, os juros estavam a 8,6%) como também não pode ignorar a limitação que tal ponto de partida representou para o actual governo. Dizer que os juros estão baixos unicamente devido à acção do ECB tem tanto de desonesto como de desleal. É um enorme atropelo à mais elementar cultura democrática reconhecer, 4 anos depois, o esforço que foi feito e os resultados que começam a ser palpáveis e que se manifestam na tranquilidade que hoje se encara a divida soberana de Portugal… coisa que o governo PS de Sócrates simplesmente destruiu e, do qual Costa era SÓ le número DEUX n.º2. Como costa reconheceu, num acto falhado da sua narrativa de merda e catastrofe, Portugal efectivamente recuperou a credibilidade internacional e, dispõe nos mercados de fundos à sua disposição a preços impensáveis. Isto é algo que incomoda e muito o PS pois para eles só interessa alicerçar as suas pretensas soluções em dizer mal, em destruir o que foi feito e, em desvalorizar o esforço feito por todos os portugueses. Estejam descansados que não nos ESQUECEMOS de NADA ! Mesmo com apelos a injeccoes de Narrativas de Mentiras a Martelo para branquear a COLOSSAL MERDA em que nos enterraram !

  2. Nenhuma companhia aérea de voos regulares mostrou interesse em usar o aeroporto de Beja, porque a suspensão da maioria dos projectos turísticos previstos para o Alentejo “eliminou a relevância” do transporte de passageiros na infraestrutura, segundo a ANA.
    O aeroporto de Beja, que resulta do aproveitamento civil da Base Aérea nº 11 e custou 33 milhões de euros, começou a operar há quatro anos, a 13 de Abril de 2011, mas, desde então, apesar de aberto, tem estado praticamente vazio e sem voos e passageiros na esmagadora maioria dos dias.

    A decisão de construir o aeroporto foi tomada “num contexto em que estavam programados ambiciosos planos de investimento turístico e imobiliário, que seriam susceptíveis de gerar tráfego de passageiros” em Beja, disse à agência Lusa fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal, que gere a infra-estrutura.

    Mas, “a suspensão de grande maioria” dos investimentos “determinou, naturalmente, a eliminação da relevância da componente de transporte de passageiros” no aeroporto alentejano, reconheceu.

    Por isso, disse, “nenhuma empresa de transporte aéreo regular manifestou uma intenção séria de utilizar” o aeroporto de Beja e as operações de transporte de passageiros, “susceptíveis de concretização, deverão estar associadas a projectos específicos acordados entre operadores turísticos e unidades hoteleiras da região”, como tem acontecido até agora.

    No entanto, frisou, na área de transporte de passageiros, o aeroporto de Beja continua a ser usado pela aviação executiva e “estão em curso contactos com empresas de transporte aéreo, em especial não regular”.

    Na área da indústria aeronáutica, “há já um memorando de entendimento com um investidor” e está “em curso a emissão de licença para o efeito”, adiantou.

    Questionada sobre que balanço a ANA faz dos quatro anos do aeroporto de Beja, a fonte alegou que a decisão de construir a infra-estrutura, “um investimento estruturante que deve ser entendido como um ‘sunk cost'” (custo irrecuperável), “assentou em critérios políticos e não financeiros” e, por isso, não é “adequado”, “em momento algum”, fazer um “balanço em termos operacionais ou económicos”.

    A empresa escusou-se a indicar o número de voos e passageiros processados pelo aeroporto de Beja nos quatro anos de vida, argumentando que a enumeração é “inútil”, porque “não representa qualquer tendência ou indicador relevante”.

    A actividade do aeroporto “limitou-se a algumas operações ‘charter’ e, essencialmente, a operações de aviação executiva”, indicou a fonte, referindo que a infra-estrutura também foi usada para “operações de manutenção exterior de aviões”, enquanto as operações de carga foram “limitadas”.

    Segundo dados prestados à Lusa pela ANA no ano passado, o aeroporto de Beja processou, nos primeiros três anos de vida, 6.624 passageiros e realizou 245 movimentos de aeronaves, sendo a “maioria” de operações “charter” não regulares.

  3. “O aeroporto de Beja é o exemplo acabado de como não se deve gastar o dinheiro dos portugueses, sem previamente acautelar a rentabilização” do projecto, sublinhou Moedas, garantindo que se o PSD chegar ao Governo depois de 5 de Junho a rentabilização do aeroporto de Beja “será uma realidade”.

    http://www.correioalentejo.com/?pageNum_cmmm=0&totalRows_cmmm=2&diaria=5756&page_id=36

  4. Exactamente! É isso que falta ao PS desfazer as milongas da escumalha que
    alcançou o Pote e se tem governado! Nem é preciso mudar de caixa de co-
    mentários vejam como os avençados continuam a martelar com mentiras,
    o relvas foi-se mas, deixou as arrastadeiras a fazer o trabalho sujo de conta-
    minação do ambiente com diarreias cerebrais que lhes impingiram!!!

  5. se o relbas não se tibesse tecnoreformado tão cedo habia formação de técnicos aeroportuários in veja.

  6. hum, o 44 pode boltare, chim. ele é que cunhesse amigues que emprestem dinheiro a fundo perdido. precisamos de uns telefonemas e influenssias. bá.

  7. A razão pela qual o ps ainda não alinhou pelos argumentos aqui da tia Penélope foi porque, ao contrário do pessoal que frequenta este blog, o nível de insanidade do português mediano não permite que mxrdas como o que foi escrito neste enorme texto possam ter aparência de algo com um mínimo de credibilidade.

    De outra forma é mais to the point:

    O 44 pegou num país em 2005 que tinha um nível de endividamento de cerca de 60% do PIB. Passados 5 anos, e com ele sempre com funções executivas, o país faliu.

    Que cxralho é o responsável último pelo que aconteceu? As fadas não ?

    Não se inscrevam rapidamente num psiquiatra não, é que quando anunciarem os resultados das próximas eleições, e, surpresa das surpresas, os portugueses, não tão burros como o esperavam, re-elegem a coligação, só cortando os pulsos e que vocês se aguentam.

  8. Tenho a certeza de que se ainda há alguém decente no PS já estão com saudades do Tó Inseguro! Vocês não ? O PS do preso da cela 44 e do especialista em punhaladas pelas Costas parece um circo de bestas e feras ensandecidas e esfaimadas de poder a qualquer preço !

  9. “O desemprego baixou, as exportações aumentaram, as finanças públicas melhoraram, Portugal beneficia da confiança dos investidores, resultados que advêm das reformas e são claramente fruto dos sacrifícios dos portugueses”

    Pistas:
    – Não foi um líder socialista português a falar para chineses
    – É o primeiro-ministro do país que os socialistas achavam que ia mudar a Europa há 3 anos

  10. “Os olhares de fora percebem que o crescimento regressou a Portugal”, disse Manuel Valls, num encontro com a comunidade empresarial portuguesa.
    O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, afirmou hoje em Lisboa que “os olhares de fora” percebem que o crescimento regressou a Portugal, mas lembrou que França não seguiu uma política de austeridade, nem reduziu os salários dos funcionários públicos.
    “Os olhares de fora percebem que o crescimento regressou a Portugal”, disse Manuel Valls, num encontro com a comunidade empresarial portuguesa, com o tema ‘Agir em conjunto para o crescimento europeu’.
    O encontro foi organizado com o apoio da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da Câmara de Comércio e de Indústria Luso-Francesa e decorreu hoje no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
    Numa intervenção de quase 30 minutos, Manuel Valls abordou vários temas, respondeu a perguntas, e sublinhou que “o crescimento regressou a Portugal” e que “as perspetivas para 2015 são incentivadoras”, apontando para um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de cerca de 1,5%.
    “O desemprego baixou, as exportações aumentaram, as finanças públicas melhoraram, Portugal beneficia da confiança dos investidores, resultados que advêm das reformas e são claramente fruto dos sacrifícios dos portugueses”, afirmou o primeiro-ministro francês

  11. O Costa comeu o que ao petit dejeuner avec Monsieur Valls ? Brioches ou Croissants ? E já não o convidou pra almoçar ?

  12. o governo fez todas as reformas. só falta concluir a redução dos custos de trabalho. – regurgitação do passarólas

    guterres aguarda o fim das reformas para ser presidente dos portugueses refugiados.

  13. Sócrates não confiava nos bancos. É o argumento dos advogados de defesa para justificar que recorresse ao motorista e ao advogado para movimentar dinheiro, em envelopes – 23 milhões, diz o MP.

  14. Análise correcta e justificações acertadas.
    Sublinho: da parte do Governo, a incompetência, a mentira, a sobranceria; da parte do PS, o não saber/querer apresentar os argumentos válidos que deitam por terra a inqualificável (in)acção da maioria.

  15. Volta Salazar, para pores na ordem esta direita, muito mais à direita que tu, que invadiu os Blogues que não lhe são afetos com comentários tolos e completamente desprovidos de conteúdo, de ofensa gratuita e que à falta de argumentos para darem nas vistas escrevem à bimbo. Ainda levei com o Salazar durante 25 anos e asseguro uma coisa a estes patetas alegres que atiram baboseiras contra tudo o que não seja da linha do Governo que os alimenta, com o Salazar e com essas cabeças cheias de trampa não tinham qualquer hipótese de comentar o que quer que fosse porque ele exigia competência.
    É claro que estou totalmente de acordo com a Penélope.

  16. Concordo plenamente com Penélope. As próximas eleições só não serão ganhas se quem quer ser alternativa se ficar por falinhas mansas e não entender que a história está do seu lado e a mentira e a indigência jogam no lado contrário.

  17. É claro que estás de acordo com a Penelope , especialista ajudante e aprendiz da banha da Cobra Xuxa, mas fraquita vendedora de argumentário e narrativas redentoras NeoSocráticas, Esquerduchas Milagreiras e Competentes ! Escusas de tentar rebater os argumentos, que até o PM francês de Esquerda repete, porque, já sabemos, estas de acordo e és aluno da Vendedora lider de Mistificações e Proselitismo pra putos de tenra idade ! Não precisas de te explicar, corvideozinho rosa bébé! Põe a xuxa e dorme embalado pelos sonolentos discursos do Mestre ! Saudacoes

  18. Galuxo … podes enroscar – te no Corvinho Rosa e partilhares a Xuxa, um de cada vez sff, e desfrutarem de um xoninho redentor !

  19. Bonjour à tout le monde!
    hey everyone!

    God bless you all! How are you doing today?

    GALUCHO! oube, tu queres que eue bolte aqui a postar o que siignifica o teu nome «GALUCHO», queres? Bê lá!

    CORVO PRETO, oube, nem os xuxas desbiados gostem de tie cum esse nique de ave combatida e combalida.

    O que tu dizes pá, é conbersa de vizinhas de pátio, ressequidas, tu sim sem conteúdo e oportunidade, tás abere? O pranto dos xuxas xupistas, defensores da corrupção ou pelo menos indignados por se estar a investigar CRIMES altamente graves, é típico de IGNORANTES, BURROS e CEGOS ( stricto sensu). NÃO HÁ, não HOUVE até aqui UM ÚNICO literata do dispensário que contrapusesse VALIDAMENTE o que já debitei na matéria. TENS contra argumentos para além de presunções de inocência?! Então cala-te.
    Volta para a gaiola, vai a Évora em romaria, ou ao Rato, e põe uma vela, um ramo de flores, uma fotografia do 44 à porta, em jeito de adoração, tás a bere?

    Quanto a SALAZAR, este NUNCA permitiria que quadrados como tu andassem cá fora, nem te deixaria votar. Não tens capacidade de entendimento, logo, não podes encabeçar capacidade cívica. Compreendes?
    Bá, bolta prá gaiola e espera pela ração, pra ficares bem disposto, ó HEREJE.
    Socialismo, comunismo, é esquerdalha da pior…nem OUR LADY quer alguma coisa convosco. Sois socialistas para o POVO, andais de punho erguido na rua, mas sempre com o olho no bolso. É a vontade do capitalismo…

  20. Parabéns, Penélope , por seu judicioso artigo de opinião.
    Pelos comentários dos direitolas, que por aqui andam em missão de resgate, vejo que a cambada está a ficar desesperada. Não é caso para menos: quatro anos de austeridade “para alem da Troika”, deixam o país de rastos, com uma dívida colossal de 130% do PIB, desemprego nos 14%, empobrecimento, sem investimento e com o tecido empresarial esfarrapado. Só miséria.
    Tão cegos e raivosos andam, que nos querem vender a sua narrativa: o Sócrates e o PS levaram à bancarrota os States (sub prime), a Velha Albion, a Ireland, a Grécia, a Espanha, a França, a Ucrânia, o Chipre “and so on”. Nada sabem do que falam, e querem tomar-nos como ignorantes.
    Parabéns, Penélope. É preciso que o PS e o seu Secretário Geral, António Costa, enfrentem estes aldrabões com um discurso assertivo, contundente, sem medo nem cobardia. É tempo de clarificar o discurso, ser direto e acusar esta “gente honrada, cumpridora da palavra dada” de deixarem o país na miséria, e de nada terem feito pelo Estado, a não ser cortarem nas reformas, nos funcionários públicos… e arranjarem emprego ara os boys e girls do PSD/CDS.

  21. Ó Ebaristo, bum dia pra ti taméie. Oube, ó Ebaristo, tens cá disto? oqueie.

    oube o 44 é um aspeto, tás a bere? o Bara é outro, prassebes…mas há mais, claro, da direita, tão hunestos quanto aqueles dois, mas oube: comunas e xuxas, NUNCA. tás a bere? Bá, poe lá o punho pra baicho pá, caté parece male. oqueie.

  22. ó FERRA, tooma lá uma dentada no teu rabo anémico escanzelado….ão, ão, ão, o Ferra tá no chão. Keep dreaming, douchebag.

  23. Sócrates pediu dinheiro a Santos Silva por não confiar nos bancos…boa defesa, boa defesa. Credível, credível. E o BES, e o BES? hum, provou isso mesmo, num é? Pois, tão a bere como se faz uma defesa, quando não se tem defesa, hum?

    Que pensarão os IGNORANTEZES acerca disto? Ó pas, bocês acham que o sócrates tameie guarda o dinheiro debaixo do colchãoe, hum? acham? oqueie.
    E o guterres, que quer ser prasidento do país? hum? ainda bamos a tere cá a angilina jólie, a cumere à nossa custa, ele gosta tanto de estar sempre ao lado dela…ai, I am beyond excited..really am, pals.

  24. e o costa que rejeitou o Valls no Congresso Socialista será o mesmo que foi excitado tomar o pequeno almoço com ele ? ? diz:

    António Costa não quis Manuel Valls no congresso do PS. Num acontecimento em que Costa empregou todos os meios para agradar ao coração da esquerda, qualquer sinal da existência de Manuel Valls, o socialista que quer apagar a palavra “socialista” do nome do PSF, funcionaria como um contratorpedeiro. E assim Valls foi apagado do glorioso quadro de líderes socialistas europeus, do italiano Renzi ao espanhol Sánchez, com que António Costa sonha fazer uma “frente” na Europa – naquele contexto, Manuel Valls era evidentemente persona non grata.

    Manuel Valls é a mais completa tradução do fracasso da alternativa Hollande, o homem que ia chegar à presidência de França, acabar com a austeridade e obrigar a política europeia a arranjar uma nova direcção. Valls, detestado pela ala esquerda do PSF, não desiste da sua ideia de abandonar de vez a palavra “socialismo” e instituir reformas parcialmente iguais às que a direita sustenta. O seu modelo é Tony Blair, que inventou o New Labour

  25. Hoje, pegando nas projeções para a economia portuguesa contidas no MoU, é espantoso constatar a disparidade com o que aconteceu. Em vez de um ano de austeridade tivemos três. Em vez de uma recessão não superior a 4%, tivemos quase 8%. Em vez de um ajustamento em 2/3 pelo lado da despesa e 1/3 pelo lado da receita, tivemos exatamente o contrário: uma austeridade de 23 mil milhões reduziu o défice orçamental em apenas 9 mil milhões. Em vez de um desemprego na casa dos 13%, ultrapassámos os 17%. Em vez de uma emigração que não estava prevista, vimos sair do país mais de 300 mil pessoas. E em vez da recuperação ser forte e assente nas exportações e no investimento, ela está a ser lenta e anémica, assentando nas exportações e no consumo interno. A única coisa que não falhou foi o regresso da República aos mercados. Mas tal seria possível sem as palavras do governador do BCE, Mario Draghi, no verão de 2013, ou sem o programa de compra de dívida pública dos países da zona euro? Alguém acredita que teríamos as atuais taxas de juro se não fosse isso, quando as agências de rating mantêm em lixo a nossa dívida pública? Só mesmo quem crê em contos de crianças.
    ler tudo aqui:
    https://rcag1991.wordpress.com/2015/04/11/anatomia-e-dissecacao-de-um-colossal-falhanco/

  26. Escreveste bem, Penélope. O Costa não vai lá, infelizmente. Não tem carisma, não tem rasgo. Faz tudo ao contrário do que devia. O PSD deve convidar os socialistas franceses para virem cá mais vezes e nem precisarão de fazer campanha para ganhar as legislativas. Hollande & Ca fazem a defesa do governo Passos/Portas. Onde é que o Costa anda com a cabeça? Ele desconhecia que o PS de Hollande é um defensor inequívoco da austeridade redentora? Tão redentora que, muito bem aplicada pelo extraordinária governação da nossa direita, como fez questão de frisar o PM de Hollande, tirou o país do abismo e agora respira saúde? Costa vai fazer o enterro do PS, tal como Hollande enterrou o socialismo em França. Por mim, já não tenho dúvidas. Basta que os juizes prendam mais dois ou três ex-governantes de Sócrates e o PS vai a pique, com Costa e a sua troupe a condescender: “à justiça o que é da justiça”. Ingénuos até à burrice. Quase estupidez. Talvez mesmo cobardia.

  27. Profundíssimo o significado, como se pode ver pelas declarações a impressa, o boi. O homem quiz mesmo sublinhar aos jornalistas, tanto a entrada como a saída, alto e bom som, que estava ali a visitar um peso político no novo tarrafal.
    A única mxrda que ele foi lá fazer foi picar o ponto porque estava em Portugal, e tentar manter o animal calmo para não abrir a bocarra contra o PS antes das eleições, lixando as poucas poucas oportunidades que o to chamucas tem de vir a ser o pm.
    “Calma Zé, o monhe ganha a coisa e voltamos ao antigamente, arranja-se uns truques de secretaria para te mete cá fora, como fizemos durante o escândalo do Pedroso.”

  28. Tira o To Zero pá, ele não é da ala socrática, o gajo renega o trabalho do mestre, mete o chamucas, o gajo tem boa imprensa, tem aquelas meias tiradas da quadratura do círculo, isto com o chamucas ta no papo.

    “Em Outubro do ano passado, quando António Costa foi eleito líder do PS, a sua confiança para primeiro-ministro era de 56,2% e a de Passos Coelho 31,1%. Ou seja, em sete meses Costa perdeu 13,5 pontos percentuais.”

  29. “Isto das sondagens está a descambar amigos, vamos acabar com o part time na câmara e meter-nos a fundo nas eleições. Diz ao Medina para anunciar mais umas borlas, qualquer mxrda tipo habitação social, mas para a classe média tas a ver. Eles não topam a contradição, ninguém faz essas perguntas incômodas de porque é que a classe média precisaria de casas a menos de 500 euros. Depois é como de costume, pros amigos do ps, pessoal de punho erguido. O Baptista Bastos precisa dum segundo apartamento? A mim da-va jeito voltar a morar no centro, mas com renda controlada, wink wink”

  30. …. se o Passos não ganhar, talvez venhamos a ter um governo “normal” lá para o final de 2016, princípios de 2017. Entretanto o atual governo estará em “gestão à la Passos” e o país afundará. Altura ideal para quem se proponha outros voos… Se o Passos ganhar (é possível, e está a swer vendido como um sabonete por TODA a comunicação social) , o país vai sofrer como ainda não imaginámos e com todas as consequências que daí virão.
    Os cenários não são risonhos e a s esquerdas, as “verdadeiras”, as “patrióticas”, as de “barriga de aluguer” e todas as outras, já se terão apercebido , mas preferem arranhar-se uns aos outros para lutar por algum estatuto que lhes permita continuar a dizer que “eu é que tenho razão”, a juntar forças, para correr com o Passos…
    Dito isto, será bom que o PS ganhe, nem que seja por um voto. Ao menos haverá barulho e o que suceder não poderá ser escondido.

  31. F Soares, ou seja, tu queres que o PS leve o país em mãos a quarta bancarrota. Bem sei que eles têm já muita experiência acumulada nos pedidos de apoio externo, mas ter os mesmos a assinar pela quarta vez planos de resgate parece exagerado pá. Alternativa democrática, já !

  32. Para tua informação básica, ó Básico, , pois andas tão desinformado que parece teres nascido ontem: PRIMEIRA BANCARROTA: governavam o PS/CDS coligados, após o terramoto de 1974 e do gonçalvismo que se lhe seguiu, destroçando o nosso frágil tecido empresarial; não foi o PS a causar a bancarrota, mas a acudir-lhe. SEGUNDA BANCARROTA: governava o PS coligado com o PSD, após três anos de maioria absoluta da direita com Sá Carneiro, Freitas do Amaral e Balsemão, que deixaram o país na bancarrora. Mais uma vez o PS não causou a bancarrota, mas sim veio acudir ao país destroçado pela maioria absoluta da direita. O estado da nação era tão calamitoso que foi necessário um “governo de salvação nacional” dos dois maiores partidos. Assim se fez. TERCEIRA BANCARROTA: após três anos de uma governação que fez baixar o défict de 6,8 para 2,6 e com as exportação em crescendo como nunca se vira antes, os mercados financeiros internacionais enlouqueceram e destruiram num ano o que havia sido construído ao longo de três anos pela maioria absoluta do PS-Sócrates. Desta vez não deixaram que o PS tirasse o país da bancarrota (importada), chumbando, sem nó nem piedade do povo português, o PEC IV só para a direita se vingar do 25 de Abril e não perder a oportunidade de se lambuzar no pote, que foi o que fizeram em quatro anos. As empresas de rating atiraram Portugal para o lixo e, após quatro anos de sucesso da direita, o país não só continua no lixo como está mais lixado que nunca. Bem se poderá dizer que, a actual, é a mãe de todas as bancarrotas. A de Sá Carneiro e Balsemão foi be mais ligeira.
    Aqui tens, Básico. E vais contestar o quê desta pequena resenha histórica?

  33. Fosga-se, os mastins que o Governo do PSD/CDS largou neste Blogue, estão mesmo a ficar raivosos. Vou providenciar umas cadelas com cio para ver se desandam.

  34. O Maria Abril, tu és o máximo pá.

    Então a revolução socialista de 74 foi um terramoto que destruiu o tecido empresarial nacional ? Lindo pá, ainda bem que reconheces que foi o voluntariado socialista que rebentou a coisa. Para tua informação pá, o camarada Soares pá, estava no poder desde 1976, com funções executivas. Pediu ajuda ao fmi 2 vezes, 1977 e 1978, apertar o cinto.
    O mesmo Soares, o do meter socialismo na gaveta, pediu novamente o apoio do fmi, agora em 1983. Desta vez a razão foi genuinamente o efeito de crises econômicas e os desequilíbrios econômicos, azares duma economia pequena de índole socialista.
    Curiosamente, foi também um socialista que pediu novamente o apoio do fmi, desta vez em 2011, 4 anos após a crise econômica do subprime, quando já tantos países tinham começado a sua recuperação econômica. Convém lembrar que :
    1 – tirando um breve interregno de 3 anos, entre 2002 e 2005, os socialistas tiveram no poder em Portugal desde 1995. Não há mais ninguém a culpar pela falência portuguesa que o ps
    2 – o que enterrou Portugal não foi a crise do subprime, mas sim a escalada da dívida soberana fruto das políticas keinesianistas do 44, que levou a que os mercados deixassem de emprestar a Portugal. O 44 pegou num país de rating AA e levou-o a bancarrota.
    3 bancarrotas, 3 socialistas, mais ps, mais uma bancarrota a caminho

  35. Básico, já reparaste que estás a repetir o que é BÁSICO aos IGNORALHOS de sempre, e que eles não atingem, não já? Eles são adeptos do Sísifo.

  36. os tipos agora estão a fazer brainstorming para sustentarem a desconfiança do ídolo deles – Sócrates – no sistema bancário….

  37. A troupe do 44 ja nao sabe que mais inventor para justificar o dinheiro.

    Eis exemplos de em como ele nao confiava nos manfios da Banca, mas que os burros dos bancarios, aparentemente, confiavam nele, um homem insolvente:

    http://www.abc.es/internacional/20150310/abci-socrates-hipoteca-lisboa-201503101611.html
    http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/sociedade/detalhe/caixa-so-nao-exigiu-garantias-a-socrates-135302307.html

    Tanta facilidade em realizar cash junto da banca, tinha ainda um trabalho que lhe pagava 12,000 euros mes, e cxralho, nao chegava, viu-se na condicao de andar a pedir dinheiro a rodos do amigo, e, curiosidade das curiosidades, sempre em cash.

    Convem recordar que estamos a falar dum homem que tem um mestrado em confianca, que escreve livros sobre a confianca no mundo, mas cxralho, fazer transferencias bancarias nao, para isso nao ha confianca nenhuma, a confianca do mundo do 44 nao chega a essa coisa mundana das transferencias bancarias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.