Uma vez sem exemplo

Há hoje dois artigos no Público, dois, com os quais estou inteiramente de acordo. Um, de um embaixador reformado de nome Fernando d’Oliveira Neves, intitulado “O museu das ex-descobertas”, trata, obviamentre, da momentosa problemática do (censurado) nome do Museu das Descobertas. O artigo está claro, num estilo bem disposto e certeiro. Podem ler aqui. No fim, é caso para nos interrogarmos se haverá liberdade para dizermos que Lisboa está a ser descoberta (e Portugal). Parece que já ouço alguns dizer: “Por amor de deus, não!! Não digam isso. Nós já cá estávamos.”

 

Um pequeno excerto, do início:

 

“Não sei como alguém teve a ideia de chamar Museu das Descobertas a um museu sobre as Descobertas, que parece que afinal não  descobrimos, pois quem estava nos sítios que nós descobrimos já se tinha descoberto. Não é caso único. Lembro-me, quando se preparava o bicentenário da descoberta da América pelo Colombo, de ver na televisão um mexicano, loiro de olhos azuis, a dizer que a América não tinha sido descoberta, porque eles já estavam na América e por isso não precisavam de ser descobertos. Como chegaram loiros de olhos azuis ao México, antes do tonto do Colombo chegar à América, a pensar que tinha chegado à Índia, ele não explicou.”[…]

 

E do fim:

 

“Agora parece que, como o mar já existia, não descobrimos nada, e portanto não temos nada de que nos orgulhar nem lembrar no Museu das Descobertas. Eu pensava que sim, pois até historiadores estrangeiros, e todos sabem como é perfeito o tal estrangeiro, achavam ímpares os nossos extraordinários feitos, como o americano Boorstin, librarian da Biblioteca do Congresso, um dos mais prestigiados cargos do país, que considerou a saga da procura do caminho marítimo para a Índia como o primeiro empreendimento científico moderno, que marcou o mundo para sempre, ou o inglês Toynbee, por muitos considerado o maior historiador do século XX, que dividia o mundo entre a época pré-gamica e pós-gamica, ou seja, antes e depois da viagem do Gama. Viagem que, como é óbvio, deu ao Ocidente cinco séculos de domínio do mundo, que os Estados Unidos estão a destruir com afinco e os chineses, que sabem de História, querem marcar o termo com a simbólica viagem inversa da nova rota da seda. Mas é claro que o prestígio do Boorstin e de Toynbee caiu a pique em Portugal, por atribuírem mérito aPortugal e aos portugueses, o que é por cá muito mal visto.
Mas lá que andámos por todo o lado e por todo o lado deixámos monumentos, orações, comércio, tradições e comunidades com ligações a Portugal, da foz do Amazonas às ilhas das Flores, lá isso é verdade. Para não falar da língua, a quinta mais falada do mundo, num país continente e em todos os continentes. Proeza só equiparável à das então três maiores potências europeias e sem paralelo em países da nossa dimensão.
Fizemos o impossível. Por isso o melhor é chamar ao Museu das Descobertas Museu da Descoberta de Portugal. Porque só percebe Portugal quem conheça essa nossa História.”

 

O segundo, daquele escriba que vê Sócrates em todo o lado, sonha com ele, escreve sobre ele, mente e calunia dia sim, dia não (e por isso é pago e bem pago pela SONAE), e que persegue com a tecla, e com qualquer microfone de que disponha, tudo o que é socialista, o João Miguel Tavares, hoje merece um elogio. Escreve ele sobre a estúpida decisão da ERC de reconhecer ao canal Panda Biggs o direito de censurar um beijo lésbico numa série para jovens. É ler aqui (“Censura, beijos lésbicos e desenhos animados”). Por uma vez, nada tenho a objectar.

 

Excerto final, para quem não tem acesso:

“[…] Alguém achar que a homossexualidade ainda é fracturante em 2018 é puro preconceito, sem nenhum argumento lógico atendível (até a Igreja já tem vergonha de defender a tese contranatura em voz alta), e graças a uma falta de visibilidade que o Panda Biggs apenas reforçou com a sua opção. Portanto, caro Paulo Côrte-Real, não percebo qual seja a dúvida nesta matéria: como o próprio nome indica, os defensores ardentes da liberdade de expressão não gostam que censurem coisas. Não gostam que censurem desenhos animados. Não gostam que censurem cadernos cor-de-rosa e azuis. E não gostam que censurem o uso da palavra “princesa”. Mais simples do que isto não há.”

 

2 thoughts on “Uma vez sem exemplo”

  1. Mas que porra de complexos.

    Ora se se descobriu e definiu e localizou em mapas o “Estreito de Magalhães” algumas centenas de ilhas no Pacífico, e desenhado em mapas o inimaginável percurso marítimo à volta do mundo, se já se tinha feito o mesmo com o Caminho Marítimo para a India, e vice-versa, se antes disso, Pedro Álvares Cabral já tinha pé-ante-pé, sem os índios saberem que no Brasil não havia índios, numa viagem de ida e volta sem se perder no caminho…o que foi isto se não “descobrimentos”?

    “Descobertas” mostradas ao mundo em mapas, e lá que os indios não soubessem ler os mapas para saberem onde se localizava a sua aldeia, a culpa não era dos portugueses dos espanhois e dos portugueses.

    Descobrimentos sim!

  2. Também no “púbico”.
    https://www.publico.pt/2018/06/13/culturaipsilon/opiniao/o-magnanimo-museu-da-mitologia-colonial-1834059/amp?__twitter_impression=true

    A estátua do general Custer.
    Não me revejo totalmente na opinião da autora mas é uma reflexão reveladora do que verdadeiramente se deve discutir e não transformar tudo numa questão de liberdade de expressão/censura. O olhar não deve ser museológico, estático e estético. Deve ser dinâmico, atualizado e com mais gente dentro. Discuta-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.