Quem são os seus inspiradores? Os portugueses, Fátima!

Com tanto amor fraterno para dar, do alto do castelo de Penamacor, Seguro teria feito melhor em abraçar a carreira eclesiástica. Voz de pregador até tem. Só faltou vermos, e não iremos ver nunca, porque amor, amor, negócios à parte, uma declaração de perdão a quem o ofendeu tão profundamente ao desafiá-lo no seu remanso. Mas seria uma atitude nobre e cristã, por cujo ridículo, aliás, mal se daria, embalados que estávamos na toada daquele lamento, igualmente ridículo, que foi parte da entrevista. Desculpa, Seguro, mas não pude deixar de achar que a bênção e o perdão do alto do monte estariam plenamente enquadrados. Quanto à conceção que este homem tem das lideranças políticas, estamos esclarecidos. Para ele, não é legítimo contestá-lo porque tal é uma ofensa. Deviam deixá-lo chegar às eleições. Deixá-lo perder ou empatar, caramba. Isso é que era de socialistas. Socialistas e solidários. Já o facto de a sua candidatura em 2015 se arriscar seriamente a deixar o país ingovernável ou nas mãos dos mesmos desvairados e incompetentes que por lá andam por São Bento há três anos não teria importância nenhuma. Importante seria não o terem ofendido.

Não se pode dizer que Seguro seja um poço de surpresas. A referência final a Nelson Mandela – “inspiradores internacionais?” “Olhe, o Nelson Mandela!” – foi como a resposta das misses Universo. O que deseja para a humanidade? Paz e acabar com a fome no mundo.

4 thoughts on “Quem são os seus inspiradores? Os portugueses, Fátima!”

  1. este moço tem mêmo jeito para isto, gramei bués aquela cena no castelo, a solidez inspiradora do calhau com o slow vai-e-vem do gainsbourg, mas tamém ouvia pink floyd e rebolava stones entremeado com beijinhos, não na ex-futura primeira dama, mas na primeira ex-namorada, que pelos vistos já não mora lá. tão cumovente, que me fui assentar na sala do lado.

  2. 1. Vou reindustrializar o país pela agricultura e pelo turismo.

    2. E pelas impressoras 3D.

    3. E vou fazer isso sem promiscuidade entre política e negócios.

    Meus caros, asseguro-vos que quem me chamou a atenção para isto foi a minha filha de 11 anos.

    E dizem mal de Seguro

  3. Daquelas origens serranas de Seguro sairam sempre portugueses muito importantes.

    Foi de outro castelo ali bem perto de Panamacor que saíu um dos maiores, Pedro Álvares Cabral.

    Bem perto, daquelas serranias pastoreava Viriato.

    Foi daquelas serranias que saíu o grande republicano e anti-clerical, Afonso Costa.

    Seguro só verga se o genes já estiver adulterado.

  4. Pois são os portugueses que o inspiram. Tem uma família desempregada, tem os jovens a deixar os pais para emigrarem, tem os recibos verdes que para além de serem já proibidos em casos de emprego certo o próprio Estado viola a sua própria lei. O ordenado mínimo nacional, grandes inspirações que os portugueses lhe dão. Mas já agora para quê? Ele esqueceu-se de dizer e a jornalista esqueceu-se de perguntar! Isto é que vai uma açorda.!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.