Quando se quer um ditador

Na segunda-feira almocei num restaurante à beira-rio, onde fui servida por um rapaz brasileiro a quem perguntámos pela situação no Brasil e o que achava de Bolsonaro. A resposta foi que não votou (já não sei porquê), mas que votaria tranquilamente em Bolsonaro. E então porquê? – quisemos saber. Devo dizer, antes da resposta dele, que o rapaz não tinha ar nem de gorila, nem de ignorante, nem de agressivo nem de nada disso. Era o rapaz mais cordial, bem disposto e bem parecido que se pode imaginar em figura de “garçon” mais ou menos atento ao linguajar das televisões. Estava em Portugal há cinco meses e de bem com a vida. Vinha do Paraná. Mas sim, adivinharam, votaria Bolsonaro. A razão, disse ele, era a violência que existe no Brasil e a necessidade de pôr os criminosos na ordem, ou seja, na prisão ou no cemitério. Além, claro está, das razões anti-PT, ao qual associou, graças à campanha Lava Jato, digo eu, toda a corrupção política existente no país nos últimos 30 anos. O PT tem estigma. A avaliar pelas suas palavras, pouco interessa o que Bolsonaro diz ou não diz, ou até se diz alguma coisa, se balbucia apenas ou se desaparece até ao dia da votação final sem dizer palavra. O rapaz não fazia a mínima ideia de quais os restantes programas de Bolsonaro para além da repressão. O que lhe interessa, a ele e a largos milhões de brasileiros, é que está ali um que é militar e que diz que vai pôr tudo na ordem. Mais nada.

 

E eu fiquei a pensar, ou melhor, fiquei pensando que um Pinochet é mesmo o que o povo brasileiro deseja. Acontece que o Bolsonaro está, mesmo assim, alguns furos abaixo, em “status” e em coerência,  do Pinochet e o Brasil não é o Chile. Pelo que tudo é uma incógnita. Mas parece haver momentos na história em que os povos pedem um ditador (o Pinochet não foi pedido, eram outros tempos). Este fenómeno deve ter explicações interessantíssimas e provavelmente simples.

É certo que o candidato alternativo Haddad é pouco carismático e com um discurso pouco cativante e algo desastrado e essas características não ajudam. E está muito ligado ao Lula, essa fonte de todos os males, segundo propalou e decretou a Justiça. E que ninguém parece atribuir importância ao factor “30 partidos representados no Parlamento” como fonte de negociatas e compra de votos para evitar impasses. Nada disso pesa verdadeiramente. O povo quer mesmo é o chicote. E está convencido de que é para os outros.

8 thoughts on “Quando se quer um ditador”

  1. A pirâmide das necessidades de Maslow explica a razão da tendência de voto, a atenção ao linguarejar televisivo explica a tendência de voto, moda. O boneco fisico-psicológico explica que o fascismo não é nem nunca foi maioritariamente apoiado pelo lumpen mas sim pela burguesia . Se olharmos para estes resultados vemos que Haddad e o PT se aguentaram muito bem apesar do terrorismo institucional a que todos os poderes os sujeitaram. Lula, mesmo preso, ganharia as eleições, como aliás todas as sondagens previam. Não desistam de lutar já.

  2. Só uma adenda para dizer que a caracterização fisico-psicologica do rapaz nos quer fazer cumplices de uma relação, ou de uma certa previsibilidade, entre uma estética e um consequente posicionamento socio-politico. Neste como noutros e em cada vez mais casos os estereótipos não ajudam ou melhor não funcionam. Eyes on the ball.

  3. Para mal dos brasileiros e do Mundo,o Bolsonaro parece bem posicionado para ganhar as eleições presidenciais do Brasil. O homem é do jaez que conhecemos,a gente que o rodeia tem provas dadas,ali não há surpresas!
    E no entanto,este Bolsonaro da direita pura e dura,fascista ao que se ouve,terá a coragem e a pouca vergonha de,depois de eleito,tirar o 13º mês e o subsídio de férias,os feriados e os dias Santos aos brasileiros? Terá despudor para tanto? Será possível? Não acredito e fico atento para ver se o Passos Coelho é ou não é o que sabemos! Em caso de dúvida ainda temos os cortes nos ordenados,nas pensões,os congelamento de carreiras,a emigração forçada,etc.,etc.. Bolsonaro vai tirar os inimigos da zona de conforto? Os números da Economia vão comportar-se como os nossos,no tempo do Gaspar e C.ª ?

  4. A extrema direita brasileira é uma boa aluna dos nossos tenores direitistas! Vejam o juiz Moro e a justiça do Brasil a evoluir,o modo como a imprensa tuga,e agora a brasileira manobra,a utilização das notícias falsas… apesar desta prática de falsear notícias têr aguçado de tal modo os olhos dos leitores atentos que levou a imprensa às tiragens de hoje e ao baixar de volume da TV quando dos telejornais e comentários!

  5. Um palhaço indigente, uma histérica que despeja diariamente ódio e escánio nas redes sociais, um actor pornô-gay, um filho de Bolsonaro, estão entre os candidatos ao Congresso mais votados no Estado mais rico e escolarizado do Brasil. São Paulo. 4 anos a martelar tramóias mediático-judiciais, todos os dias, escangalharam as instituições e deram este lindo resultado. Consola saber que a direita moderada que iniciou o golpe foi reduzida a escombros e que a Globo que lhe deu guarida e os ministros do STF que o permitiram estarão entre as primeiras árvores a cortar no Governo do lunático. Roma não paga a traidores.

  6. Conseguira Bolsonaro,se eleito,a maior vaga de emigração. da História do Brasil? Esse triste record,em Portugal,está no bolso do Coelho e do Ppd…

  7. “E está muito ligado ao Lula, essa fonte de todos os males, segundo propalou e decretou a Justiça”

    a pessoa que escreveu esta frase é apoiante do PS? ai, que ainda me vou rir tanto.
    nmho, a culpa dos bolsonaros é também daqueles que à esquerda, acham que o que o Robles fez foi especulação imobiliária do mesmo calibre da dos fundos imobiliários.
    Uns tansos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.