OMG!

A esta hora, Trump ganhou e é o próximo presidente norte-americano. Como já foi dito, estamos perante uma espécie de segundo Brexit. Bastará agora Trump abrir a boca nas próximas horas, dias e semanas, à semelhança de Boris Johnson e Nigel Farage, para começarmos a ouvir muitos dos seus votantes a dizerem que não era a sério. No entanto, tal como na Grã-Bretanha, os dados estão lançados e não há outro caminho se não seguir em frente, não há volta a dar. Nas aterragens de emergência verdadeiramente arriscadas dizem aos passageiros em pânico: “brace for impact!” Os passageiros fazem-no com um misto de terror e de esperança de sobreviver. Assim se devem sentir 60% dos americanos e 70% do resto do mundo neste momento.

Uma coisa é certa: aquela poupa loira no alto da cabeça vai cair nos próximos dois anos, o que será provavelmente a única coisa boa a que o mundo vai assistir. A que preço iremos ver Trump a compreender que a vida não é um “reality show” sempre divertido?

7 thoughts on “OMG!”

  1. e se Camões sonhasse, um dia, com o obscurantismo da humanidade diria assim:

    aos amalucados, a glória vã
    ai! que pensamentos meus tristes
    diz-me tu mar salgado do globo
    que és rio doce e qu’existes
    prefiro os olhos sós
    e as palavras da garganta cortadas
    mão, pés, fanados membros,
    almas rasgadas
    do que viver o que digo como vivido
    lá longe na bengala do tempo,
    tantae molis erat,
    sequer quero pensar
    sai má fortuna!, escafede-te!
    mata-me a ideia de Trumpar

  2. A América tem aquilo que merece: agora AGUENTE-SE!

    Uma certa América, pelo menos.

    A outra, não seja piegas, ou então “saia da sua zona de conforto e emigre”, como dizia um pateta brutoguês em tempos não muito distantes…

  3. Trump NÃO PENSA que a vida é um “reality show” sempre divertido. Trump é um aventureiro milionário falido, que fez uma fuga para a frente usando argumentos políticos construídos a partir do conhecimento que tem das aspirações da ralé, dos americanos incultos educados no “bib brother” ou nas “tardes da Júlia” lá do sítio… Como se deu bem e ganhou milhões a enganar o fisco agora atreveu-se a candidatar-se a presidente. E não é que ganhou!? também por falta de comparência de oposição que se veja!?

  4. Uma pessoa ( pelo menos ) que o conhece bem, disse que, para ele, a corrida presidencial era algo que encarava essencialmente, se não apenas, como um mero objectivo de afirmação pessoal, ou seja, derrotar a adversária. Em suma, os clichés, success e looser .
    Isso era basicamente o que ele queria. Uma vez ganha a presidência, em boa verdade, a seguir, nunca lhe passaria pela cabeça trocar nos dias seguintes, o pequeno mundo dele ( os negócios pessoais ) pela presidência.
    Agora vai ser bonito … Resulta claro que o homem não tem ideias, – tudo o que vociferou até agora, a ser levado à prática, conduz à destruição – e o mais provável é rodear-se de muita gente que, esses sim, sabem muito bem o que querem e por onde ir . O que é ainda pior .
    Claro que os votantes que julgavam que podem voltar à America dos fifties e sixties vão ter uma terrível desilusão. A indústria caseira e muitas outras coisas, nunca mais voltarão. Foi tudo destruído pela globalização, de que o sr. Trump foi um dos protagonistas, e beneficiário.
    O que é aterrador, é que se deixaram iludir pela demagogia e pelo populismo, senão, o que é ainda mais aterrador, que fizeram uma opção clara, consciente e deliberada, a de que estão dispostos a tudo, mesmo a ir à luta contra o resto do Mundo, para ficarem eles com os beneficios do progresso . Isto, num Mundo em que através de acordos e tratados internacionais, já se tinha estabelecido um consenso de que teriam que existir concessões para que o progresso fosse repartido . Vai ser mau para todos, mas, alguns dos países emergentes, vão levantar-lhe problemas . E ainda bem .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.