21 thoughts on “Obrigada, Marinho Pinto!”

  1. voilá… alguém que compreende a sofisticação de votar no zé povinho, aos outros recomendo que estudem rafael bordalo pinheiro.

  2. Vou ficar assentadinho e a dormitar doce e profundamente para ver o momento em directo em que vão correr com o SEGURO … estou pra ver quantos corajosos vão aparecer, depois deste intermezzo em que os roedores, lagartixas, abutres e demais calculistas e demais cobardes oportunistas providenciais (desconfio que correspondem quase todos àquela maioria que elegeu o Pinóquio) que tomaram conta da Xuxaria – já para não falar dos cadáveres ambulantes que dão missas magnas – e aguardam que a barriga e o destino lhes entregue o Poder de bandeja.

    Vou ficar a contar … quantos de tomates, senhores de algumas ideias a sério-realistas e coragem vão aparecer.

    Acordem-me, PLEASE

    PLEASE

  3. oh jorze, a ganda vitória por mais 3% dá-lhe direito ao discurso de vitória e mais 3 meses de vida, depois das férias o tózero vai aviar pílulas para a botica da mulher.

  4. A Penélope faz parte do grupo que acredita que o Costa é que vai salvar a pátria.
    …é melhor acordar.
    O Costa não se mexe, porque isso dá trabalho. Alem disso tambem não tem nada para dizer. Basta ouvi-lo todas as semanas na quadratura do circulo.
    Desengane-se, estamos entregues aos bichos.

    miguel

  5. Esperem todos sentados, para verem alterar a liderança do PS. Se houvesse assim tantos coma horta bem tratada, tinham avançado em 2011. Nessa altura estava tudo com os tomates mirrados à espera de fritar 1 ou 2 Secretários Gerais. Como viram não deu. Trataram mal da horta. Temos pena. É a vida. E Seguro, gostem ou não é mais Seguro do que os amigos Socráticos gostariam.

  6. com deputados importantes (silva pereira ) eleitos para o parlamento europeu, a alternativa a seguro não vai aparecer.estes resultados são um autêntico desastre para o ps e para o pais.o psd em eleiçoes, com a falta de vergonha qu exibe,e com dinheiro para distribuir nessa altura duvido que as perca.esqueçam antonio costa,pois ele não quer sair de lisboa,com este cenario pela frente!

  7. nuno cm tem calma e usa com ardor e paixão o nariz enorme do Pinóquio, com vaselina aquecida e dentro do prazo de validade, para te ajudar a dormir com a chupeta e a tapar esse intestino falante a rebentar de … cm (cagamerdas)

  8. Este Jorge Dias, além do amor incontido, que deixa perceber, pelos seus pinóquios de predilecção, desde Cavaco, Machete, Relvas, Luis Albuqerque, Portas e Passos (todos apanhados em flagrantes mentiras) cultiva a paixão pela linguagem de sarjeta, na qual, pelos vistos, nasceu e foi educado. Sobre a vitória curtissima do PS e a dispersão dos votos de protesto, são quase o que eu mesmo esperava. O nosso povo não é “prático”. Diria mesmo que é lírico. Vai votando ao sabor dos seus humores e alguém providencial há-de vir salvar a nação, quando tudo estiver bem apodrecido. É a velha fé messiânica, cultivada em cada missa de domingo, segundo a qual, quanto mais apodrecida estiver esta vida nesta terra, maior será o Redentor e a Redenção. Não foi a troika, como se deixaram tão facilmente convencer, será outra Providência, com certeza.

  9. Em geral pela europa, a corja levou na tromba.

    Parece que só na grécia e na periferia ibérica é que foi ao contrário.

  10. Enquanto o PS tiver que continuar a pôr Keynes (e a social-democracia) na gaveta, não terá outra hipótese senão a via de Seguro: de tentar preservar a sua posição de 1ª força do arco do poder afastando-se… de ocupar o poder.

    Continuando na oposição, escapando ao peso de ter que gerir o Portugal do euro (isto é, a concessão neoliberal lusitana) retém o PS a possibilidade de continuar a existir, embora reduzido a partido de protesto. Uma existência numa situação análoga ao PCI de Berlinguer: com uma votação significativa, mais afastado do poder executivo. Desta forma, o PS evita cair catastroficamente para os 14%, como já aconteceu na Grécia e, agora, na França. Mas — se aos próprios comunistas italianos foi impossível evitar as divisões internas — não é claro que a militância socialista consiga evitar envolver-se em lutas internas fracturantes.

    A única hipótese para o PS seria a reindustrialização, do país e do Ocidente, feita em moldes keynesianos e social-democratas. Nisso, Seguro tem razão. No entanto…

    Rudolf Hilferding, famoso social-democrata austro-alemão, e membro da ala esquerda do SPD, vaticionou em 1910, no seu livro “O Capital Financeiro”, aquilo que hoje observamos: a (então nascente) tendência para uma concentração cada vez maior do capital financeiro. Essa evolução — e o enorme poder de decisão política que concede às elites financeiras — bloqueia, no presente, um retorno consistente às ideias de Keynes. As elites conseguiram mesmo, no domínio da luta ideológica, denegrir de tal forma Keynes que, hoje, uma parte importante da opinião pública aceitou a ideia de que o suporte ideológico da social-democracia está decadente.

    Só um enfraquecimento significativo do poder das elites financeiras poderia mudar as regras do jogo. É nesta situação — de bloqueio político — que se pode gerar a necessidade (social) de um processo revolucionário…

  11. joão pft,josé seguro não tem perfil politico e carisma para protagonizar uma mudança mesmo numa situaçao politica e economica mais favoravel na europa.

  12. Mas ainda ninguém veio aqui apontar os dois factores decisivos que mantêm o CAOS no nosso país : um é a iliteracia de grande percentagem da população e outra é a comunicação social – sobretudo a televisão! Contra estes factos não há argumentos que valham!

    E mais não digo…pois estou em depressão profunda com os tempos que vivemos…e quer em Portugal quer na Europa…a caminhar assim ainda chegaremos à 3º guerrinha “só para experimentar os brinquedos que as empresas americanas de armamento continuam a produzir”…!

  13. @ignatz
    Acho que (infelizmente, neste caso) percebo o que escrevo.

    @nuno cm
    Concordo. Seguro poderá não ter perfil para isto, pela simples razão de que tempos como estes exigem um Winston Churchill, não um Neville Chamberlain.

  14. Alguns “comentadores” deste e outros posts recentes demonstram que o spin do Miguel Relvas voltou em força à blogosfera. O estilo é inconfundível, os rapazelhos estão a tratar da vidinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.