O candidato rasca

Paulo Rangel, o re-candidato que em nada se distinguiu no Parlamento Europeu pelo que de positivo lá tenha feito, decidiu baixar o nível da campanha ao patamar mais baixo – o da abjeção. Para além das mentiras e do ódio disparados contra o anterior executivo, pelo simples facto de tudo ter feito para evitar o atual descalabro, tende a falar com base no disparate e até xenófobo se apresenta.

Acham que é melhor para Portugal ter à frente da Comissão Europeia um alemão, que é o candidato apoiado pelo Partido Socialista português, ou um português? O que acham que é melhor para Portugal? Esta resposta é que eles têm de dar”, afirmou Paulo Rangel, referindo-se ao apoio dado pelo PS à candidatura de Martin Schulz, pelo Partido Socialista Europeu, à presidência da Comissão Europeia.

Acontece que Schultz não concorre contra nenhum português – não há nenhum nome português falado para presidente da Comissão Europeia, pelo que a contraposição é absurda e demagógica. Há, para já, um luxemburguês, Jean-Claude Juncker. Em segundo lugar, Durão Barroso, o conhecido português que por lá se passeou durante dois mandatos e uma crise financeira internacional, e que felizmente vai largar o cargo, não fez mais do que obedecer às ordens da Alemanha, podendo por isso ser considerado completamente alemão, tal como os seus camaradas do executivo português. Para disfarçar e aparentar ter uma visão “comunitária” da Europa, Durão aliviava-se de vez em quando de uns discursos totalmente inconsequentes (e muito menos para Portugal, o seu país) sobre solidariedade e outros conceitos atualmente ocos. O facto é que nos lembramos bem das ameaças proferidas por este português que está à frente da Comissão a propósito do último chumbo do Tribunal Constitucional português a cortes decididos pelo Governo: que a alternativa seriam medidas ainda mais duras. Mais duras, porquê? Ninguém lhe perguntou.

Se esta portugalidade é a que Rangel aprecia e defende, estamos conversados. Que venha um alemão. Pelo menos este tem a vantagem de ser adversário político de Angela Merkel.

Quanto ao desafio que lança ao líder e aos candidatos do PS às eleições europeias para que corroborem as críticas de Sócrates sobre Barroso, mais uma vez não mostra grande esperteza nem boa leitura política. Espero que tenha a resposta que merece. Ninguém ama Barroso. Ninguém já precisa de Barroso. Nem dentro nem fora do país.

18 thoughts on “O candidato rasca”

  1. Coitada da Alimária!Para bem da qualidade do ar cá no Burgo,a desgraçadinha,já ostenta um aspeto tipo borges (não falo do José Luís),será que chega a 25 de Maio? (…)

  2. O “pézinhos de garrafão” Rangel, como carinhosamente os
    amigos o tratam, há muito que não diz coisa com coisa, des-
    de a famosa asfixia democrática o seu desempenho tem sido
    sempre em queda e, a emulação, com o seu número dois da
    lista só o piora! Até o cherne borroso lhes veio dar uma mão,
    o “sobrinho” do cónego já tem um tema para a campanha
    nada menos do que o BPN … e o “bombo” Constâncio vai ser
    a vítima por não ter travado os burlões do PPD/PSD!!!

  3. Gente do tipo Rangel, deveria ser escarrada quando circulasse em via pública: penitencio-me porque um destes dias passou por em Santa Apolónia e eu nada fiz; mas seria bom recordar em quem votou o PSD (e outros) quando Mário Soares se candidatou a Presidente do Parlamento Europeu.

  4. constâncio está na europa por não ter travado o bpn. os portugueses estão na merda por terem votado no passos coelho!a direita é efectivamente a “biblia” dos augustos deste pais para atacar o ps.saõ todos iguais dizem eles.só que os que se pareciam com o louça e o jeronimo já foram todos com a puta que os pariu.o ps se não jogar ao ataque com o pcp e o projecto que eles defendem, terá certamente um grande enterro. mario soares pôs o socialismo na gaveta os comunas puseram-no na merda!falam do alto da burra e esquecem um passado ao lado do social fascismo sovietico muito mais tenebroso do que o fascismo que a alguns só fez cócegas na cadeia mas com comidinha garantida ao almoço e ao jantar… mordomia que em liberdade milhoes de portugueses não tinha.haja um pouco de pudor.os portugueses têm memoria e por isso dão guarida a milhares de imigrantes vindos do leste do paraiso! mas hoje integrados na europa que o pcp odeia por ser democratica!

  5. com a conversa até me esqueci do pés de garrafão.espero que ande a fazer dieta para correr este pais na campanha com os garrafões menos cheios.está a ser mais direitista do que antes,para agradar ao baríteno dispensado pelo laféria! os portugueses não perdoam ao revisteiro laféria,o não ter proporcionado uma carreira a passos coelho !

  6. É deixar a alimária a falar sozinha.

    Espero que ninguém no PS caia na asneira de comentar o que este idiota anda para aí a disparatar.

    Há é que discutir a europa e o problema das dívidas soberanas.

  7. Para comentar este aprendiz de feiticeiro bastará recordar as suas posições, no tempo em que o PS estava no governo, em relação à mobilidade na administração pública, à lei das finanças locais, à lei das finanças regionais, ao sistema de avaliação para a FP, à lei de bases da segurança social, à criação do indexante para as novas pensões, para além de à época querer baixar os impostos que considerava excessivos, queria mais incentivos para as PME’s, pretendia apoios extraordinários para as vinhas do Douro, etc. Ou seja, tudo o que fosse gastar tinha o seu acordo, do mesmo modo que se opunha a tudo que se destinasse a poupar ou reestruturar o estado!
    É por causa de pantomineiros destes que este país vai de mal a pior enquanto eles engordam as contas e acumulam património.

  8. O Rangel nada fez de significativo no Parlamento Europeu, e o Francisco Assis, fez algo de relevante?

    Nada , e no entanto o PS coloca-o como cabeça de Lista, e retirando de das Listas a Edite Estrela e o Capoulas Santos, que trabalharam a sério.

    Então em que ficamos, que moralidade têm para criticar o Rangel, se apoiam um Range II chamado Assis.

    Vejam-nos a discutir na televisão, a tentem encontrar diferenças.

    Duas perfeitas NULIDADES.

  9. “Vejam-nos a discutir na televisão, a tentem encontrar diferenças.”
    Este Augusto, além de arrastadeira, resta saber se do Relvas, se do tio Jerónimo, ainda deve ser surdo e cegueta.
    Ó Augusto, vá cagar que isso passa, homem.

  10. Não me parece que Assis seja igual a Rangel, ou a Barroso.

    Rangel defende a revogação da Constituição da República Portuguesa, que seria trocada pela “Constituição Europeia” recusada em vários referendos nacionais; este último texto Rangel considera “uma constituição, não escrita mas em vigor, como a dos ingleses”.

    Pacheco Pereira, que talvez conheça melhor Paulo Rangel do que nós, tem isto a dizer sobre as suas ideias:

    http://www.abrupto.blogspot.pt/2014/03/se-fosse-votos-votaria-favor-da-uniao.html

    Apesar de o PS, depois do fiasco da “Constituição Europeia”, ter dado uma ajudinha — por via do Tratado de Lisboa — a fazer entrar a malograda “constituição” pela porta do cavalo, creio que o fez sem pensar muito nas consequências desse acto.

    O PSD, diferentemente do PS, representa uma elite nacional a quem hoje lhe falta, no país, base social de apoio. Por isso, pretende governar respaldada em interesses estrangeiros. Não me parece que o PS, dada a sua natural base social de apoio, possa optar por defender a posição extremista do Paulo Rangel e do PSD, sem com isso vir a sofrer danos eleitorais importantes. Essa posição, repito, extremista, visa a revogação da nossa Constituição. Esse foi sempre um objectivo confessado das nossas elites económicas, que se habituram, durante demasiado tempo, a viver sob a protecção de regimes semi-feudais e autoritários. Como se pode depreender, de todo este infeliz episódio, tais elites estarão dispostas a, em troca desse objectivo, oferecer de bandeja a independência nacional a interesses estrangeiros.

    Interessante é constatar que as elites nacionais já haviam tentado exactamente o mesmo, em duas ocasiões anteriores: 1383-85 e 1580-1640.

  11. O PS aprovou o Tratado Orçamental, e toda a politica que vier a desenvolver estará condicionada aos ditames desse tratado.

    O PS no governo será o Hollande, e vejam ao que conduziu as promessas não cumpridas do PS Françês.

    Afinal o que é preciso é ALTERNATIVAS, e não alternância, que é o que nos propõem PS-PSD.

  12. “Afinal o que é preciso é ALTERNATIVAS, e não alternância, que é o que nos propõem PS-PSD.”

    bora lá reconstruir o muro de berlim, o pcp contribui com 10% de trolhas e a merckla entra com o creme.

  13. A Merckla dava-se muito bem com o Socrates e agora dá-se muito bem com o Passos, e já lança a escada ao Seguro, são todos muito amigos, pois nenhum dos 3, teve tomates para contrariar a senhora.

    E porquê, o exemplo é dado por Vitor Gaspar, depois de ter seguido as ordens do FMI, toma lá 30.000 por mês de beneficio.

    A vida está dificil, e os Rangeis e Assis cá do burgo têm de pensar no seu futuro…

  14. tatas,os teus argumentos saõ desonestos.até com a segurança te metes.já agora questiona sns e a escola publica que o ps defende com convicção.trabalhei no privado e não estou muito virado para apoiar funcionarios com regalias até à pouco tempo de sociedades de partido unico. se for preciso entrar nos pormenores estou disponivel!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.