Lá como cá…

A ânsia de «ir ao pote» justifica todas as piruetas. Aquela oposição grega de direita, que há mais de um ano berra contra as sucessivas medidas de austeridade, mal vê uma hipótese de poder, dá uma volta de 180 graus no discurso.

Chegámos aqui com a política do governo (socialista), o novo acordo para a continuação da ajuda à Grécia é inevitável e é preciso garanti-lo”, declarou aos jornalistas Samaras, que até agora se tem oposto às medidas de austeridade adoptadas na Grécia e a qualquer ideia de um governo de união nacional. Apelo à formação de um governo temporário de transição que tem como missão exclusiva a organização de eleições (legislativas antecipadas) e a aprovação do acordo da UE”, acrescentou Samaras, citado pela Lusa.

O acordo sobre a nova ajuda à Grécia “não deve ficar pendente” e a sexta prestação do empréstimo de 110 mil milhões de euros concedido pela UE e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) “deve ser entregue o mais rapidamente possível para que as eleições decorram em condições normais“, afirmou.”

Fonte

Neste caso, imagino as pressões externas, dos EUA à Alemanha e à Grã-Bretanha, sobre uns e sobre outros, de uma intensidade garantidamente equivalente às veladas ameaças de morte sobre dirigentes da América latina que, há uns anos, não respeitavam os cânones nem os interesses da alta finança. Tiveram um triste fim. Como no Equador: http://www.youtube.com/watch?v=G9SaiKfKC8c&feature=player_embedded

Agora os tempos mudaram e, afinal, isto é a Europa, não é?
Não escondo uma certa revolta. Refiro-me também ao abandono do referendo, um expediente dilatório que, penso, não vai impedir que as coisas acabem mal. Até quando vai o povo grego aceitar ser transformado em Sísifo? Eles conhecem bem demais a sua mitologia.

6 thoughts on “Lá como cá…”

  1. Não gosto de fazer de bruxo, mas já se ouviu mais que uma vez que se a Grécia sair do euro, terá auxílio de Inglaterra e EUA.

    O Zorba é louco e vende-se por um dracma furado ou dez dracmas de mel coado!

    É tudo mais complicado do que do que uma linha no cotão dos nossos bolsos.

  2. Pobre povo, que se vê metido numa camisa de onze varas para as quais não contribuiu, na medida em que os povos apenas se limitam a seguir os caminhos que os deixam trilhar.
    A direita que os esfolou, volta a disponibilizar-se para rapar o que ainda por lá anda, com um apetite que faz inveja ao mais voraz dos animais.
    Chamar Europa a isto é um insulto!
    Falar em líderes europeus, só por graça ou por gozação, pois os que ostentam o título ou são loucos fugidos de algum hospício que há muito deveria ter sido emparedado, criminosos de colarinhos brancos e mãos sebosas ou apenas tolos a quem muitos de nós consideramos espertos ou terem capacidades que vão para além das do trivial vendedor de banha-de-cobra com banca montada em locais de luxo.
    Pobres europeus, que ainda andam ao ritmo do canto das sereias e continuam a pagar as estroinices de quem leva vida farta e bem gozada às suas custas.

  3. depois do video só quero dar um murro na parede, amte a impotência de ser sabido de tuda ista armadilha.
    Quanta merda junta. Diz-se no video, numca houve tanta escravitude no mundo como há hoje em dia, pode parecer um exagero, embora tenho concordancias . Caminho vamos em Europa, na Europa povre na que vivemos, na outra será diferente.
    A direita na Grecia quer ir o pote, como ja foi em Portugal, e vai ir agora na Espanha. Que é isso de apoiar nas medidas de união do pais, isso fica para quando eles estejam no poder, acusar os outros de falta de apoio.
    O que faz falta e avisar à malta, o que faz falta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.