Já que não exibem, mostrem

A opacidade na movimentação dos Mirós entre Lisboa e Londres é total.

Depois de uma saída em moldes completamente inexplicados e aparentemente ilegais, é-nos dito agora, pela Lusa, que os quadros já regressaram e se encontram num cofe-forte da Caixa Geral de Depósitos. Regressaram? Sabemos lá. Com este governo tudo é possível.

«Francisco Nogueira Leite (o presidente da Parvalorem, gestora dos ativos do BPN) afirmou, no Parlamento, que exibir as obras ao público era uma ideia que não estava em cima da mesa

Claro, algum entendimento com a Christie’s quanto à venda dos quadros deve ter sido lavrado.

A notícia do regresso das pinturas é, porém, demasiado parca em pormenores. Vieram mesmo? Alguém viu? Como vieram? Como tinham ido? Quem pagou os vários transportes?

Por isso, podendo haver alguma diferença na língua portuguesa entre exibir e mostrar, enquanto público, e não podendo exigir que mas exibam, atrevo-me a exigir que mas mostrem. Mesmo empacotadas. Depois, a ver se algum jornalista lá quer ir investigar.

Nota: Só trago aqui à baila este tema, aliás, porque vejo sempre mal “escarafunchadas” as trapalhadas e manobras obscuras deste governo.

13 thoughts on “Já que não exibem, mostrem”

  1. Oh Campus,

    Pára de querer mandar areia para os olhos das pessoas, pá. A Parvalorem só acabou de recuperar e inventariar os quadros em 2012. Está no relatório e contas da empresa.

    Falta de paciência para estes “Moreiras de Sá”…….

  2. os mirós são activos virtuais das contas parvalorem e bazaram há bués para londres como garantia de umas negociatas manhosas. perguntem ao oliveira casca que ele explica como é que se endrominavam as contas do cavaco’s bank. com um bocado de sorte, ainda apanham algum dos 115, foram comprados 200 e estão inventariados 85, pendurado em casa do cadilhe como garantia de indemnização ou a forrar paredes nas marquises da travessa do possoilo. deixem-se de merdas, aceitem os 35 milhões, menos despesas do leilão fictício e não se fala mais nisso, caso contrário a conta vai ser superior aos proveitos da venda e ainda ficamos a dever dinheiro, porque os mirós já foram ou nem chegaram a ser há muito tempo. em caso de dúvidas contratem o detective campus que viu o socras, entre 2008 e 2011, a embarcar para para londres com a madie pela mão e os mirós a espreitarem por um buraco da mochila prada, obviously.

  3. Ah, é verdade, a da cultura era a Maravilhas. Então os da Parvolandia não tiveram tempo de inventariarem os mirós. Quem criou essa Parvolandia que não funcionou? E no entanto os mirós saíram do país entre 2008 e 2011 sem autorização.

  4. .. cá? Entraram? Alguém os viu alguma vez? E agora saíram em camiões tir, ou nos Tir ia apenas lixo tóxico? Nesta hipótese de saída ler o que declarava ao expresso um transitário especialista em transporte de obras de arte.
    Impossível passar fronteiras e sair do barco para Londres sem autorização. O controlo de fronteira é muito rigoroso. E digo eu, como é que se pode garantir que não é roubo ou contrabando? Mala diplomática, sim sem qualquer problema.

  5. “.. cá? Entraram? Alguém os viu alguma vez? E agora saíram em camiões tir, ou nos Tir ia apenas lixo tóxico?”

    claro, entraram nas contas do banco, mas não foram vistos porque foram guardados numas offchores que entretanto estão a offrir desta palhaçada. agora devem ter devolvido umas fotocópias, que não podem ser expostas por motivos óbvios, para cumprir formalidades e simular uma exportação legal.

  6. O blogue Transparente relata o lado do Caso BPN que poucos conhecem. RELATOS EXCLUSIVOS.
    Claro, ainda mais claro Ignatz, mostrem qualquer coisa: documentos de entrada desde 2008; alguém que tenha visto os quadros mesmo à noite e sem luz; alvíssaras a quem preste declarações com a mão sobre a bíblia em como alguma vez os viu em Portugal; e agora documentos de entrada? faltam tanto como os de saída nos camiões TIR, já que a exigência nas fronteiras é igual. Ou não? É tudo `a balda? Outra coisa. Como é que a Christ´s marca nova data do leilão, de uma coleção que não tem na sua posse? Estão tdos tontos? Ou acham que nós somos estúpidos? Pior que tudo é que os Miró têm funcionado como cortinas de fumo sobre no roubo do BPN. Acho melhor não nos deixarmos distrair.

  7. Mas existirão jornalistas que se interessem por este assunto seriamente? Para além da tentativa de atirar culpas para o governo anterior fizeram os jornalistas algum esforço para investigar qualquer coisa com pés para andar?
    Quantos Mirós tinha o BPN? De onde provieram? Para onde foram? Quantos existem? E quantas mais obras de arte andam a monte neste famigerado processo? Há alguém verdadeiramente interessado para além dos que beneficiam ou podem beneficiar com os negócios?

  8. Ora, ora, os Mirós entraram e saíram a coberto do anonimato, da mesma maneira e do mesmo feitio utilizados pelo chinoca dos 2 milhões de euros. Entraram e saíram, entalados nos bancos traseiros do Jaguar que em tempos foi utilizado pela Moderna, para o Paulinho andar na estúrdia lisboeta.

  9. Não seria já tempo de a esquerda passara a usar os mesmos métodos que a direita utiliza há muito (veja-se o que eles fizeram com o Sócrates)? é que se ficamos à espera que algum jornalista que não se tenha vendido, decida fazer uma investigação jornalistica a sério sobre os Mirós, bem podemos esperar sentados. … Àhh pois já mee squecia… a Judiciária e o MP? Tá bem… abelha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.