Haja sentido de humor… e liberais contra a prosperidade das empresas

“Evidentemente não há aqui nenhuma interferência política porque o Governo português não interfere no pernil de porco.”

A revista Sábado e o Correio da Manhã estão entretanto a definir um novo alvo de perseguição: Mário Lino. Que fez ele agora? Está na administração de uma das empresas exportadoras de carne que mais ganhou com contratos de exportação. Não pode? Não pode. Ou não seria notícia.

6 thoughts on “Haja sentido de humor… e liberais contra a prosperidade das empresas”

  1. se o mário lino ganhou malas de robalos , digo , de pernis , por intermediar o contrato entre o maduro e a sua futura/presente empregadora , claro que em termos de ética republicana /democracia representativa/polvo à lagareiro não há problema nenhum , era só o que faltava.

  2. hoje na espanha é o dia dos santos inocentes , uma espécie de 1 de abril português , e as pessoas acham que essa notícia do maduro e do pernil é uma “inocentada” , uma mentira :) :) realmente , esse maduro está mas é podre.

  3. Claro que as empresas podem ser prosperas desde que sejam lideradas por pessoas de direita. …… nota isto é ironia , é melhor dize- lo, não vá alguem pensar que ė para tomar à letra a não ser na cabeca de alguns que até sao capazes de pensar que sim

  4. Um engraçadinho, esse ministro .
    Não interfere no pernil de porco ?
    Não foi o governo de Sócrates, de que ele fez parte, que deu uma mãozinha para a empresa se estabelecer com negócios na Venezula .
    Será mãozinha de vitela, concedo .
    Não interfere no pernil de porco, e interfere em encanar a perna à rã ( caso dos filhos do embaixador iraquiano, que escaparam impunes no caso da agressão em “ legítima defesa premeditada “) .
    O Lino está numa situação em que não se devia ter metido, por parecer aquilo que não devia.
    “ A ética republicana é a que está na lei “ cardeal-vermelho e ex-comuna, dixit .
    Chuchialistas …

  5. A coisa não é simples nem ingénua. O carregamento foi desviado para a Colômbia. Um País é um conjunto de pessoas e de empresas que se regem por normas e quando algo falha o governo serve para exigir responsabilidades ou então para que serve o ICEP?. O descrédito gerado pode custar muitos milhares de milhões a Portugal e o Ministro Santos Silva escusa de fingir que é engraçadinho ao dizer que governo português não tem o poder de sabotar pernil de porco sobretudo quando os contratos começarem a ser rescindidos por ausência de ética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.