Gente feliz, sem lágrimas

Arrastados na enxurrada de medidas que visam tornar-nos mais pobres, é sempre reconfortante constatar, quando se levanta a cabeça, que alguém anda contente. Assim:

Paulo Portas – Realizado o sonho da sua vida, ser ministro, é vê-lo a viajar por todo o lado numa actividade que, se não é, parece totalmente autónoma do governo e cujos resultados práticos não se vislumbram. Mas anda feliz.

Passos Coelho – Queria tanto ser primeiro-ministro e dar cabo do Estado e dos serviços públicos, tendo para isso construído uma narrativa de mentiras como nunca visto, que hoje deve sentir-se muito próximo de realizado. Qualquer outra solução para a crise que não o desmantelamento dos serviços, a oferta, em fatias, do sector público ao privado e a redução dos salários deixá-lo-ia altamente frustrado. Por isso, a bem da sua felicidade, esperemos que a crise se mantenha, ou mesmo que se agrave. Ele bem segreda à Merkel.

Cavaco Silva – Feliz por ter corrido com Sócrates que, em 2009, ousou ganhar as eleições à sua amiga Manuela. Feliz por ter sido reeleito. Feliz por ter os da sua cor no governo e feliz por ver os seus amigos do BPN a safarem-se com a máxima serenidade e a conivência da imprensa.

Seguro – O homem anda feliz porque o seu actual estatuto lhe permite reunir com imensa gente – desde a CIP às organizações sindicais, o PR e o PM e, no estrangeiro, com Zapatero, Delors, Hollande, Barroso, PE, enfim um privilégio! De volta à Assembleia, enche de vez em quando o peito, afina a goela e mostra-se indignado, mas, cá para mim, nem sabe bem porquê.

16 thoughts on “Gente feliz, sem lágrimas”

  1. Ahhh! Nada como uma boa dose de azia socrática para alegrar a manhã :-)
    Fear not my friends! Daqui a 4 anos há mais eleições :-)

    P.S.: Espero os habituais comentários ofensivos para aumentar ainda mais a minha alegria ;-)

  2. O pessoal da aspirina: anda feliz porque isto está cada vez pior e ainda têm esperança que o Sócrates volte como salvador da pátria num dia de nevoeiro.

  3. Dos melhores retratos que já fizeram sobre os quatro estarolas que ocupam, actualmente, o palco do poder em Portugal.
    Feliz síntese, que subscrevo por inteiro, e vou linkar lá para a minha rua, com a devida vénia.

  4. brilhante súmula, penélope! parabéns! muito bem observada e bem descrita a felicidade irradiante e irritante do quarteto: portas, o sacaninha esperto; coelho, o aldrabão ‘simpático’; cavaco, o grande sonso triunfante; seguro, o idiota (in)útil.

  5. Está bem observado. Podem vir defender estes 4 calhordas mas quando lhes forem ao rabo sacando o 13º. mês e o subsídio de férias se não forem parvos devem dar saltos de contentes. E o mais que adiante se verá. Costuma dizer-se que pela boca morre o peixe e infelizmente estes pepeidocas nem sabem nadar. Vão todos para o fundo com o Passos.

  6. Oh Portuga Comuna, tu pelo palavreado reles de energúmeno decerto nadas águas bem mais turvas. A diferença entre os pulhas que nos governam e a gentalha que se exprime como tu é tão curtinha que vcs nem dão por ela. Quase nem existe…

  7. OH mais outro já te disse para ires para a puta da tua mãe mas, se calhar, ela trabalha de noite e de dia tem a casa cheia de gente. Sendo assim, vai fazendo ginástica nos cornos do teu pai, até te passar essa comichão que tens no cu.
    Se não passar volta cá para eu te dar uma enrabadela.

  8. Teofilo M.: A verdade é que vejo o Relvas como um stressado. Logo, com pouca tranquilidade para grandes felicidades. Vejo-o mais em grandes jogadas e negociatas de bastidores, um “obreiro”, constantemente atarefado e, quando aparece em público, a ideia que me dá é que está num intervalo breve entre tanta azáfama; no entanto, o tempo suficiente para denotar uma certa má consciência. Porventura é feliz assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.