Fernanda Câncio e a reprovação ética

Embora discordando do calor posto nalgumas causas que defende, gosto muito da Fernanda Câncio como jornalista. Reconheço-lhe competência e coragem e, ultimamente, muita coragem na resposta às acusações de que é vítima. Mas acontece aos melhores. Estatelou-se um bocadinho no esclarecimento concedido à revista Visão. Depois de longas e substanciais linhas de argumentação impecável, clara, certeira e bem redigida (como sempre) a propósito das acusações que lhe foram feitas de envolvimento e cumplicidade em crimes no âmbito da Operação Marquês e depois da denúncia do papel revoltante, frustrante, discriminatório e criminoso do Ministério Público nesta charada, Fernanda Câncio resolve dizer que, se soubesse da “relação pecuniária” de Sócrates com o amigo, teria feito perguntas por considerá-la, no mínimo, eticamente reprovável.

Aqui está o que não percebo. Como pode ser eticamente reprovável uma chamada “relação” pecuniária entre dois amigos que mais não pode ser, na prática, do que um acordo? Sobretudo quando não existe evidência alguma de esse amigo ter sido favorecido durante o mandato de Sócrates como primeiro-ministro e, logo, evidência alguma de pagamentos feitos a Sócrates? Evidência alguma.

Para classificar a relação pecuniária entre os dois amigos de, “no mínimo, eticamente reprovável”, Fernanda Câncio teria que saber mais do que aparenta.  Por exemplo, saber não só os termos exatos do acordo entre os dois e os seus motivos (que teriam de ser sujos), mas também que o dinheiro de Santos Silva era ilícito. Ora, tudo indica que a Fernanda não sabe e tudo indica que não é. Se ao menos soubesse de fonte segura que o dinheiro emprestado por Santos Silva tinha proveniência ilícita e que Sócrates tinha disso conhecimento, ainda teria alguma lógica o que diz e deveria até ir mais longe, embora aí pudesse ser acusada de sonegação de informação relevante e de cumplicidade. Como tal não é o caso, deveria guardar os juizos morais para mais tarde.

É que, se a Fernanda não sabe nada dos termos, das condições e das razões do acordo entre os dois, como eu não sei nem quem lê o Correio da Manhã sabe, não tem que reprovar nem aprovar. Era isso que devia ter dito. Ou evitar dizer o que disse. Eles lá sabem. Carlos Santos Silva não foi seguramente obrigado a nada. Deste modo, a Fernanda está pura e simplesmente a dar crédito às insinuações do Correio da Manhã que, no seu caso, tanto repudia. Também não quero acreditar que, se a Fernanda soubesse que quem pagara o aluguer da casa de Formentera fora Santos Silva, não teria ido passar férias com Sócrates. É que a Fernanda diz ter acreditado que era Sócrates que pagava a sua (dela) parte das despesas de férias. Afinal quem pode e quem não pode ser graciosamente convidado para férias (e dispor de uma casa emprestada)? Só a Fernanda e o Marcelo?

Neste processo Marquês, a única coisa que interessa verdadeiramente é se houve corrupção ou se Carlos Santos Silva fez fortuna de forma ilegal. Se não houve nem se provar nada disto, o que cada um faz ao dinheiro é consigo.

46 thoughts on “Fernanda Câncio e a reprovação ética”

  1. penélope,concordo com os seu argumentos.li as gordas da visão na tabacaria,e confesso que não percebi o porquê desta entrevista! a que título? e´acusada? apetece-me perguntar: zangou-se com sócrates? ou quanto valeu este depoimento?

  2. Penélope, não fale em evidências mas em provas. Não existem provas e as evidências do Correio da M não são provas. Felizmente.

  3. Qual entrevista, “tozé”?!

    Não percebes nada disto, porra (qual duplo estúpido ao estilo do Ignatz, uns tipos que se vão espraiando por aqui nas sua imensas ignorâncias).

  4. Muito bem Penélope ! É isso mesmo.
    Ontem o Valupi zangou-se comigo por eu ter criticado a FC por causa desta frase assassina.
    Mas hoje, eu continuo a pensar o mesmo que pensava ontem. Que só há duas explicações para tamanho espalhanço: um erro ou um frete, ou ambos. Em qualquer dos casos a FC ficou mal.
    Quanto a Sócrates, depois de tantos ataques, a pele já é tão dura que balas destas fazem ricochete.

  5. Penélope, o que diz a Fernanda Câncio está assinado e não me parece que a tua interpretação seja a correcta.

    O assunto sobre a «ética reprovável», repetindo-me, tem que ver com a persona que Sócrates construiu (de PM, ex-PM ou ex-futuro qualquer coisa) o que, no caso vertente, apresenta dois planos que parecem ser distintos mas que na sua vida pessoal (a dela, pelo menos) a seguir se confundem. Ou seja, Sócrates/Santos Silva e Fernanda Câncio/Sócrates. Como disse e reafirmo, «a “avaliação” ética que os indivíduos isolados, que os grupos e grupinhos ou que a opinião pública fazem sobre a generalidade das amizades pessoais não podem esquecer este facto». Claro, cristalino para mim.

    O que dizes, o que alegadamente não percebes tem que ver com o facto de estruturalmente te propores a analisar erradamente o problema (e nesse caso o que vem a seguir pode, por sua vez, não estar errado mas é enganoso para ti, para quem tem parabeniza e, eventualmente, para quem te lê apenas).

    Nota, de espanto. Quando unes numa pergunta assassina a Fernanda Câncio com o Marcelo Rebelo de Sousa, respectivamente sob um sombrero de um gajo qualquer que ele seja e de uma sombra brasileira e distante do Ricardo Salgado, isso parece-me ser típico de um machismo larvar e de um ferrete sobre os doravante «inimigos de classe», do pior.

  6. Que lástima!

    Jornalista e mulher interesante.
    Tão interessante que José Sócrates se apaixonou.
    Gostava de imaginar o par de valentes e boas cabeças amigos depois do romance.
    Um não conseguimento de entrevista.
    Divórcio litigioso a lembrar outros escarrapachados na imprensa cor-de-rosa.
    Para quem é tão ética com dinheiros, casas emprestadas e convites de férias devia ter pago a sua parte.
    Não tinha hoje de vir dizer que o namorado, tal como ela, teve uma banais férias de convite.
    Nada mais será como dantes para FC havendo forte probabilidade de a vermos com felícia cabrita debatendo a ética da calúnia.

    Este país mete medo.

  7. No melhor pano cai a nódoa. Mas afinal o que é que Fernanda Câncio quiz provar? Mas afinal a quem é que Fernanda Câncio se quiz justificar e sobre o quê? Quanta consideração Fernanda Câncio vai perder com esta sua entrevista.

  8. Eric: Talvez se fores mais claro eu te perceba. Assim, népias.

    Primaveraverão: Mas não foi uma entrevista. Foi um depoimento. Está excelente, esclarece muita coisa sobre o modo de agir do MP e da comunicação social. É um meio perfeitamente legítimo de se defender contra as insinuações e calúnias de que foi alvo e que, aliás, a levaram já a agir judicialmente. A sua impotência perante a Justiça está na base deste esclarecimento público. Não discuto a sua decisão de o fazer. Se lhe pareceu bem , está bem. Contesto apenas um aspeto das suas declarações.

  9. “Como pode ser eticamente reprovável uma chamada “relação” pecuniária entre dois amigos que mais não pode ser, na prática, do que um acordo?”

    Algumas dúvidas:
    -Configurará esse acordo uma doação (http://www.notarios.pt/OrdemNotarios/PT/PrecisoNotario/Doacoes/)?
    – Considerando os montantes envolvidos e o regime fiscal aplicável a doações, haveria lugar ao pagamento de imposto de selo?
    – O facto de as transacções terem ocorrido através de dinheiro vivo (ao contrário de cheques ou cartões de crédito), indiciará o propósito de iludir as autoridades fiscais?

  10. anonimo: Boas perguntas. Acrescento outras:
    Configurará esse acordo um empréstimo informal? Um empréstimo que escape a bisbilhotice? Um adiantamento de futura remuneração?

  11. Mas é ao “um aspeto” dessas declarações que me refiro.
    Repetidas vezes em mesas redondas eixos do bem e do mal, noticiários, etc. como os factos para a desejada condenação não aprecem repete-se até à exaustão a santa ética como justificativo de suspeita.
    Ora o tal “um aspeto” de que bem fala não parece depoimento mas sim juízo de valor.

    Para quem também andou de férias à conta do namorado não me parece válido.
    Parece que afinal o problema ético se levanta por o namorado ser convidado do amigo.
    Então a FC podia ser convidada do namorado não pagar e tudo OK?
    Em que difere a ética dum convite para outro ?
    Porque não é ético um amigo de décadas, bem instalado na vida, convidar amigos com quem gosta de estar?

    O que lamento é que FC (que considerava e muito) com todo o seu peso profissional repita o modo intoxicante à la mãnha &m.p. não havendo mais nada há :
    – “no mínimo falta de ética”.

    Percebi bem o seu separar de águas Penélope mas a comunicação sedenta de abater o Ex. Primeiro Ministro José Sócrates só percebeu o “um aspeto ” que FC validou de forma lamentável!

  12. Penélope: boa pergunta. Acrescento outras: se é tudo tão lícito e normal, porquê mentir à namorada? Porquê uma versão para a namorada e outra para a justiça? Já escolheu o pavimento da casa de algum amigo? Quantas pessoas conhece que compram milhares de exemplares do mesmo livro?

  13. ò érico, atão não respondes à senhora? telefona à bimba que ela ajuda-te a redigir uma cena com bué da vírgulas, hieróglifos e demais sinalética ortográfica de pôr o desencriptador a fumegar.

  14. ò putaquetepariu, quem é que mentiu à namorada? qual foi o crime que o sócras cometeu para ser investigado? ao fim de 15 anos 15 de cusquice do manhólas e com cobertura judicial ainda não passaram do pavimento e do livro, como se fosse crime escolher mosaicos e comprar livros.

  15. Eu digo outra coisa:
    – Mas qual é o homem que diz a verdade à namorada ?????? … exemplo: sou um teso, não tenho dinheiro para mandar cantar um cego, estou crivado de dívidas !
    – E quantas são as namoradas que estão interessadas em ouvir a “verdade” ? … exemplo: tens um ganda nariz, és feia !

    Estão a ver a relevância criminal de tudo isto ?
    Pois, é o que acontece quando se acaba a nitroglicerina !

  16. Muito bom post. Eu só queria perceber uma coisa. Se FC acha eticamente reprovavel a descoberta que fez a posteriori da fonte pecuniária de Sócrates, porquê não devolveu o computador?

  17. A Pelélope, se tivesse um namorado querido (se não fosse querido não era namorado!) e visse catadupas de notas de banco financiando vossas fartas despesas vindas emprestadas por um amigo do seu querido, ia com certeza achar estranho e perigoso, meio caminho andado para sentir que reprovava tanto empréstimo sem pagamento à vista… para usar em consumo e não em investimento.

    Na melhor das hipóteses começava a desconfiar da relação entre esses dois homens… negócios escuros ou amor?

  18. “conselho com s”se não foi uma entrevista é um depoimento o que ainda é pior! para teu bem é bom que não “entres de pés juntos” pois é jogo perigoso!

  19. eu tamém gostava de perceber umas coisas. se escreveu o artigo porque a vida privada andava a ser devassada, não se percebe porque é que revelou cenas privadas que eram desconhecidas do grande público, cujo interesse de defesa pessoal é nulo, só serviu para aumentar o voyeurismo e especulações manholinianas. qual o interesse prático de escrever um artigo destes? se era chatear o manhólas, acabou por botar mais gasolina na fogueira. até agora só vi a direita a bater palmas e uns idiotas que têm a mania que são de esquerda a gabar-lhe a coragem de ter vergado ao peso da calúnia. não foi bonito de ver, mas dá para entender as exibições públicas de amizade com aquele escroque do tavares.

  20. “tozé” das 9:54, pois é. É um depoimento, aleluia.
    Mas leste-o, organicamente, ou continuas a dar palpites?

  21. A maior parte dos comentaristas não percebeu as meias palavras de FC e então tece comentário depreciativos falando em divórcio, em zanga de comadres, em folhetim cor de rosa etc, etc.
    A minha opinião modesta, é que Fernanda Câncio diz claramente embora de forma que só alguns entendem que nunca existiu nada daquilo que o CM publica a torto e direito para incriminar José Sócrates e os seus amigos, porque se tivesse existido ela tinha visto e tinha questionado.
    FC não está a fugir com o rabo à seringa como soi dizer-se, nem está a descartar-se das suas responsabilidades.
    FC está simplesmente a dizer que nunca aconteceu nada do que as acusações dizem, E que aquilo de José Sócrates é acusado é pura e simplesmente um corropio de mentiras forjado pela direita com o apoio da imprensa comprada e paga por essa mesma direita fascistoide, reacionária e golpista.
    Abram os olhos que já é dia, porra!…

  22. consenso,disse no meu texto inicial,que li na tabacaria as gordas da entrevista. é um depoimento? pergunto,é motivo para entrares no insulto? chamando até á colação o ignatz.sabes que mais vai á merda,para não te mandar a sitio pior!

  23. ò sôr adelino carvalho, o que é que interessa aquilo que a fernanda quis dizer? o que interessa é o que passou para a opinião pública, aquilo que as pessoas perceberam. a fernanda é jornalista e como tal não se pode queixar da merda que fez.

  24. Bom post: Mas a F.Cancio confirma que a postura de atacar colegas, Felicia Cabrita e MMGuedes anos atras , quando elas mostraram o que era ser jornalista de investigação, não foi fruto dum acaso de coração , mas faz parte da genese, que como realçou, se manifestou e mal.

  25. Em matéria de direitos civis e agentes da justiça primários, estúpidos ou corruptos (e provavelmente tudo isso ao mesmo tempo) o que não se sabe não é o mais importante; o mais importante é o que se sabe.

    E sobretudo o que se sabe de ciência certa. Ou seja, que alguém teve de cumprir uma pena de cadeia sem julgamento prévio, sob pretextos «preventivos» falsos ou frívolos, e foi condenado na opinião pública sem acusação precisa através de habilidades e subterfúgios mediáticos indignos da justiça de um estado de direito.

    Comprar ou mandar comprar livros próprios não é mais crime do que mandar afixar meias-verdades em cartazes de propaganda política, e não partilhar completamente todos os aspectos da vida com namoradas autónomas e anti-machistas, também não. Prender ou mandar prender sem justificação cabal e acusação bem definida é que é.

  26. antonio cristovão, de quem se foi lembrar! fale-nos de gente séria! já agora, por andam essas duas pérolas do atlântico ?

  27. Aquela coisa de não perguntar de onde vem o dinheiro quando é o outro a pagar é correcta, mas fico com a sensação que mais correcto ainda seria não aceitar sem pagar metade, em vez de policiar os bonecos sexuados dos MacDonald’s em nome da revolução, querer promover os piropos idiotas a crimes etc..

  28. António Cristovão: «Felícia Cabrita e MMGuedes anos atrás , quando elas mostraram o que era ser jornalista de investigação»

    António Cristovão, aliás (se me não engano) «o Estripador de Lisboa», obrigado do fundo do coração pela anedota do ano. Andamos precisados de desopilar.

  29. Pipupi
    “Quantas pessoas conhece que compram milhares de exemplares do mesmo livro?”

    Porque você desconhece não quer dizer que não existam quer só dizer que você é um ignorante.

    Ora vejamos, por exemplo o escritor de romances para dona de casa da RTP, o boneco neo-fascista que escreveu um pugrama de governo… poderia continuar.

    Vou lhe dar uma novidade que não é assim tão nova: TODOS os livros que são best-seller, especialmente num mercado do tamanho de uma noz como é o português, usam este truque.
    Sai mais barato do que gastar dinheiro em publicidade!

    É assim com LIVROS, com MÚSICA e com FILMES. As tabelas são fabricadas!

    Dou um exemplo:
    Um disco de ouro em Portugal são 7500 exemplares. Um lugar no TOP custa assim cerca de 75mil euros.
    Em 10 concertos pós-truque está pago!
    Eu conheço um artista que tem uma garagem cheia dos seus próprios CDs e como ele há vários!
    E isto não é só em Portugal é a prática corrente há mais de 60 anos.

    Podemos agora voltar a falar da TOTAL ausência de provas contra José Sócrates e do absurdo deste “depoimento”?

  30. [Jasmim, copio para aqui que ninguém nos ouve: não sei de que forma seria recebida uma resposta-tipo como a tua num eventual interrogatório do super-Juiz do super-super-TIC com o seu vassalo do MP mas, confesso, para mim é desarmante. Sabes, nomeadamente, o que está em causa no file do ex-PM com o amigo Carlos Santos Silva? Sim, ou nem por isso?…]

    Jasmin
    Não Eric, é de uma senhora que paga sempre as suas contas, e não aceita presentes que não venham devidamente embrulhados e com um laçarote irrepreensível.
    12 de Maio de 2016 às 20:13

  31. Não consigo ter uma ideia sobre o texto da FC porque ainda não o li, e passo bem sem o ler, mas quanto à frase em questão escrita consciente ou inconscientemente parece ser uma CTA, call to action, para a direita. Uma CTA é uma frase ou pedaço de texto que apela ao leitor que tenha um comportamento que conduza à compra de um produto/serviço.
    https://www.campaignmonitor.com/blog/email-marketing/2016/03/75-call-to-actions-to-use-in-email-marketing-campaigns/
    Os textos da maior parte dos artistas condicionados têm disto, frases ou paragráfos para agradarem ao “patrão”, ao status quo ou ao leitor imaginário, geralmente um reaccionário de direita, por exemplo ” o sistema de justiça pode ser mau mas tenho a íntima convicção de que Sócrates é culpado” PPereira, ou esta dos salta pocinhas de esquerda”O Lula e a Dilma deram muito ao Brasil mas são corruptos e como tal…” etc… ora as causas dificeis e dignas e muito mais uma defesa nunca se assumem senão com inteireza e quem trabalha em comunicação deve saber que o texto deixa de ser seu depois de o ter publicado, é torcido, retalhado e remontado segundo os mais diversos interesses e perspectivas e a partir precisamente das CTA’s dirigidas aos diversos grupos alvo da mensagem/texto. Foi o que sucedeu, perdeu-se o texto ficaram meia-duzia de frases. Ou defesa ou venda, não há meio termo.
    A cena do normativo ético também é pertinente. Em Portugal só pode ser aspiracional. Temos comentadores que escrevem em jornais em que os irmãos são directores, amigos e casados inter-jornais é mato, apelidos jornalisticos coincidentes com politicos muitos e comentadores filhos de pessoas que já tiveram cargos relevantes em escritorios de advogados é apenas banal, isto sem mencionar “conhecidos” de almoços.
    É mais ou menos o que diz este ganda jarda, sobre o Brasil, mas para pior porque é tudo manso;

    http://expresso.sapo.pt/cultura/2016-05-13-Gregorio-Duvivier.-Os-golpes-hoje-em-dia-nao-precisam-mais-de-militares

    Quanto ao mais só posso perceber uma grande fragilidade, fruto da pressão (peer pressure?) e do incómodo de que se quer libertar.

  32. Jasmim, pedes-me para olhar para onde?

    Joe, confessas-te um palpiteiro portanto
    (não tens amigos que te reencaminhem o .pdf, o Valupi?).

    MAKE-A-WISH, CrowdFundundig.pt?

  33. Schiii, com um nick desses falas sério (e estes rapazes, antes da morte do Prince)?

    Mick Jagger enjoys an evening with his stunning protege Ana Moura

    Heading to Cadogan Hall in Chelsea, the 72-year-old Doom and Gloom singer looked to be in high spirits as he saw the Portugese Fado star, 36, perform in the heart of the capital.

    Read the full story:

    http://www.dailymail.co.uk/tvshowbiz/article-3549365/The-Rolling-Stone-s-Mick-Jagger-enjoys-evening-stunning-Portuguese-protege-Ana-Moura.html

    20 April 2016

  34. Eheheh esse gajo é um malandro e tem um crush pela Ana Moura. Um rolling stone nunca ganha musgo:)

  35. De resto não gosto de Pop Stars também por causa do meu nick. Precisas de unas lições de música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.