Entretanto, na capital do império

A carta enviada pelo director do FBI aos congressistas norte-americanos após triagem e análise dos novos e-mails de Hillary. O que tenho a dizer? Que não estamos nos Estados Unidos, que , por lá, parece estar tudo à beira de um ataque de nervos e que também eu estaria ansiosa se fosse votante. E que há quem deva manter a serenidade e a isenção e não consegue.

 

 

Nada de importante a assinalar. Conclusões anteriores mantêm-se: não há motivo para investigação criminal. E assim se interveio na campanha, se gerou um alarme desnecessário e se conferiu uma vantagem inesperada a um palhaço. Será que esta carta ainda vai a tempo de repor as intenções de voto? “Buddies”, acabem lá com este sufoco. Anda meio mundo nervoso e o pior é que o outro meio anda divertido.

7 thoughts on “Entretanto, na capital do império”

  1. Pois é, vão-nos atirando areia para os olhos com o estardalhaço do folhetim do server privado, e se a garina devia ter feito assim ou não devia rebeubéu assado, e com tal chinfrim distraem o pagode das sacanices que dão a conhecer melhor a mafiosa e sua quadrilha, evidentes nos e-mails divulgados pelo Wikileaks. E, é claro, amplifica-se o ruído até à surdez com a treta de que é tudo manobra de hackers russos, e que o Wikileaks está ao serviço de Putin (vade retro!), na velha táctica de apontar o dedo ao mensageiro para esconder a mensagem. E o que dizem os e-mails?

    — Que o comité do Partido Democrático que tinha por obrigação manter equidistância nas primárias em relação aos vários candidatos andou a fazer, pela surra, trabalho de sapa da candidatura de Bernie Sanders, com o objectivo, bem claro nos e-mails, de favorecer a Killary Klingon. Enfim, uma não-notícia.

    — Que uma das acções de sabotagem seria realçar o facto de Sanders ser judeu, mas, ao que parece, crítico da política israelita em relação aos palestinianos, o que, como sabemos, é crime na América. O objectivo óbvio era sapar-lhe o apoio do eleitorado judeu americano.

    — Outra vertente era sublinhar a idade do homem, convencendo o pagode de que seria demasiado velho para presidente, em contraste com a óbvia e radiante juventude da sua concorrente.

    — Que o grande herói Bará Kobama, supra-sumo da honestidade política, mentiu descaradamente em recente entrevista televisiva quando disse que só tinha sabido da utilização do server privado pela Killary através da televisão, ao mesmo tempo que o resto do pagode, quando afinal trocou e-mails com a mafiosa através do bendito server marado. O Wikileaks divulga e-mails em que o director de campanha da Killary e os seus principais assessores discutem a melhor maneira de lidar com a situação, caso chegue ao conhecimento público, mas analisando, simultaneamente, a possibilidade de esconder a existência dessa correspondência, apagando os e-mails e qualquer rasto da sua prévia existência. Mais uma não-notícia.

    — Que o director de campanha da Killary e sua matilha mafiosa tentaram convencer o FBI a alterar a classificação de documentos secretos enviados pela patroa através do server privado, reciclando-os como desprovidos de classificação, favor que seria recompensado com a possibilidade de alargamento da rede de instalações do FBI noutros países.

    — Que a decisão de começar a martelar publicamente a tecla do alegado conúbio Trump/Putin resultou do conselho de um jornalista do “The Hill” a John Podesta, director de campanha da Killary, que sugeriu vivamente que a patroa do segundo deixasse de martelar continuamente uma propalada quase aniquilação do DAESH em que ela teria enorme mérito, dado que quando houvesse mais um (segundo ele inevitável) atentado em solo americano tais declarações a desacreditariam e se virariam contra ela. A tecla Trump/Putin, de acordo com o homenzinho, era, e passou a ser, o sound byte substituto. Fácil, barato, e dará milhões, de votos… e de tostões.

    Ver, por exemplo, aqui:

    https://www.rt.com/usa/365672-dnc-leaks-emails-clinton/

    e aqui:

    https://www.rt.com/usa/365699-wikileaks-podesta-election-eve/

    e aqui:

    https://www.rt.com/usa/352752-dnc-leaks-clinton-collusion/

    e aqui:

    https://www.rt.com/usa/352710-wikileaks-dnc-hillary-email/

  2. Ontem à noite, assistindo estoicamente ao “Prós e Contras” da RTP-1 sobre as eleições na América, e ouvindo os bitaites idiotas e pretensiosos da Clara Ferreira Alves e restantes participantes, sem esquecer a moderadora Fátima Ferreira e seus gloriosos dois neurónios, só me ocorriam as imagens finais de “Apocalypse Now” e as últimas palavras da personagem Kurtz/Marlon Brando, no momento em que Martin Sheen o despachava à catanada: “THE HORROR! THE HORROR!”

    Só que, ainda que a entoação fosse igual, eram ligeiramente diferentes as palavras que me martelavam as meninges: “THE STUPIDITY! THE STUPIDITY!”

  3. Escolher entre a Killary Klingon e o Donald Trampas é como optar entre o Al Capone e o Mike Tyson. Só que a este, se lhe der vontade de comer a orelha a alguém, sempre lhe podemos pôr um açaime. Quanto ao Al Capone, foi apanhado, como reza a história, por via indirecta, através do fisco, o que será difícil com a sua descendente espiritual, que tem o aparelho judicial no bolso.

  4. essa cena dos emails é o quê? tudo espremido dá quanto em crime e corrupção? cambada de néscios, pensam que os estados unidos são a bandalheira judicial portuguesa ou brasileira e que o estado de direito é o alex a ter visões lucianas do sócras.

  5. Clara Ferreira Alves, no “Prós e Contras” de ontem:

    “[Donald Trump] muda de opinião conforme os ventos (…), incluindo sobre os Clinton, que ele se fartou de elogiar numa determinada época.”

    Bueno, se isso é defeito, parece evidente que, distraída como é, não ocorreu à despachada e esclarecida Clarinha o igualmente pecaminoso currículo do (seu) heróico casal Obama, que a seguir reedito.

    Barack Obama sobre Killary Klingon… em 2008:

    https://www.youtube.com/watch?v=H6f4tZFZ_-g

    https://www.youtube.com/watch?v=JVS8-1KwS2c

    Michelle Obama sobre Killary Klingon… em 2008:

    https://www.youtube.com/watch?v=mESHzW0arRo

    Killary Klingon sobre Barack Obama… em 2008:

    https://www.youtube.com/watch?v=psd0RGGVVNI

    https://www.youtube.com/watch?v=5ZXUkyFH8Xk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.