“Enquanto do lado da acusação há um deserto” – diz este ridículo

A propósito da advertência do juiz Ivo Rosa aos advogados sobre a utilização dos telemóveis nesta fase de instrução do processo Marquês, o Tavares, João, do Público, não perde tempo a extrapolar e diz hoje que o Sócrates andou estes cinco anos a ser defendido em tudo o que era órgão de comunicação social por ambiciosos advogados, os autores indiscutíveis das fugas de informação, e que, da parte da acusação … nada. Nada, ouviram? E insurge-se e delira. Como é que a acusação se deixou comer assim? É que nem ele próprio, João Miguel, disse nada este tempo todo, porque, coitado, só dispunha das versões dos advogados.

Mas como é que esta criatura escreve num jornal que se quer sério? (É verdade que já anda com uma perna, ou as duas, no Observador)

 

Ler para crer:

 

“Como os advogados não têm grandes limitações para discutir processos na televisão — ao contrário dos juízes ou dos magistrados do Ministério Público —, a paisagem mediática está empapada de gente que ganha a vida a defender acusados (e a autopromover-se dessa forma), enquanto do lado da acusação há um deserto. Isso produz um enorme viés quanto às responsabilidades pelas fugas de informação, invariavelmente retratadas como maldades cometidas por polícias ou magistrados que querem fazer justiça nos jornais (porque lhes faltam provas em tribunal, claro), como se os advogados não se fartassem de furar o segredo de justiça e os seus deveres de sigilo.

Espero que a sabatina do juiz Ivo Rosa tenha tido ao menos o mérito de mostrar que os advogados de defesa, sobretudo em casos desta importância, são os primeiros interessados na manipulação da opinião pública.”

 

O felizardo do Sócrates. Tanta gente a defendê-lo. Ficou com uma imagem óptima e nem ele sabia. Pasquins em Portugal? Programas de humor? Hã, surpreende-se o Tavares. Mas que pasquins? Que programas de humor? Que Tânia, que Felícia? Elas nem estão agora nos interrogatórios! Mas que farsante.

 

Já agora, só para esclarecer: procuro ser objectiva em relação à questão Sócrates, de cujo governo fui apoiante, e por isso me tenho mantido calada. Não gostei, e não gostei mesmo nada, das entregas de dinheiro vivo, que ele não negou, e que eu gostaria de ver justificadas, nem que fosse com candura, o que não tem de todo acontecido, mas, quanto ao resto, nomeadamente as luvas mirabolantes que o procurador diz que ele recebeu do Ricardo Salgado, ou por via dos negócios da CGD, da PT, ou do grupo Lena, gostaria que quem acusa provasse o que diz, porque são acusações demasiado graves. Até agora, não consta que o tenham feito. Não basta uma narrativa fazer sentido, até porque esse é, entre outros, o trabalho de romancistas, não de agentes judiciários. E por acaso até penso que a narrativa da acusação não faz muito sentido, porque há nesta história um amigo que é, e já era, objectivamente rico mas cuja riqueza, por algum passe de mágica, passou a ser do Sócrates, o que o deixa sem nada. Eventualmente um caso de maus romancistas. Haveremos de saber.

Se se quer mandar um indivíduo para a cadeia, convém que se demonstre a prática de crimes. Pode até ser que sim, que o Sócrates fosse mesmo um génio e conseguisse habilidosamente conjugar as funções de primeiro-ministro, ainda por cima em período muito conturbado, com a de inventor de esquemas complicadíssimos de circulação e ocultação de dinheiro e a toda a hora e com cumplicidades em todo o lado. Parece-me difícil, mas, lá está, há pessoas geniais e sobredotadas. O juiz Ivo Rosa tem “o bicho” à frente e a papelada toda. Tem muito que avaliar. Eu fico à espera. O Tavares devia fazer o mesmo. Só que lhe pagam para fazer o contrário. Conspurcar. E depois são os advogados.

 

 

10 thoughts on ““Enquanto do lado da acusação há um deserto” – diz este ridículo”

  1. Apesar da excessiva carga de trabalho a que são obrigados os procuradores, alguns
    ainda arranjam tempo para se dedicarem às letras, escrevendo romances com a ex-
    periência ganha no dia a dia, na sua labuta contra o crime!
    Recordo que, ao mesmo tempo que rebentava a famosa “operação face oculta” o mano
    da ex PGR J. Vidal lançou o seu segundo romance, no seguimento do atentado contra
    o Estado de Direito cometido por por José Sócrates isto, na sua arguta visão só que,
    não conseguiu convencer o PGR e o Presidente do STJ que mandaram destruir as escu-
    tas … pelo nome desta “operação” se pode intuir que o objectivo era mais uma vez
    atingir o tal malévolo que tira o sono ao jmt o designado para o 10 de Junho pelo o
    agora restabelecido Presidente Celito!
    Já agora, empréstimos entre amigos é frequente veja o caso dos largos milhares de euros
    emprestados por um procurador já julgado, a um juíz de instrução criminal que se
    gabava de não ter amigos … logo onde está o crime???

  2. Debitou uma alegada “repórter” da TVI no Jornal das 8 de há bocado: “Também sabemos que José Sócrates se mostrou mais nervoso durante o interrogatório do dia de hoje do que nos dias de segunda, terça e quarta-feira.” (sic)

    Tá-se mesmo a ver que esta importantíssima informação foi obra da defesa do mafarrico, não tá-se?

  3. É tão estúpido o jmt que propõe que os procuradores acusadores deviam vir defender-se nos media fundamentar as narrativas acusatórias.
    Mas ele não leu as entrevistas dadas pelo tolo de Mação?
    E não ouviu o que, instado a falar aos repórteres na rua, logo saiu da boca do tolo do procurador Teixeira, “no final é que se fazem as contas”.
    Não vê o tolo-mor do jmt que tal gente mal abrem a boca acerca deste “processo” logo ressalta à inteligência de qualquer pessoa normal o total espírito vingativo de ajuste de contas?
    Ora eles querem o “delator premiado” para terem a papinha toda feita e estar de cu sentado no cadeirão do gabinete ou do bom restaurante o tempo que for preciso e o “cabrão” do Sócrates queria pô-los a trabalhar e ainda retirar-lhe mordomias!
    Ora toma lá; protesta, barafusta, clama pelas provas e prova até tua inocência que nós no fim ajustamos as contas contigo. E se não for com este “processo” levas com outro em cima.
    Mas se calhar era isto mesmo que o carrasco jmt queria ouvir no seu programa de radio ou tv.
    Força jmt que ainda o vais conseguir.

  4. bem, tendo em atenção que o zézito gasta à razão de mais ou menos 500 euros ( dito pelo próprio), as luvas só podiam ser mesmo mirabolantes, não é ? não me custa nadinha a acreditar, custa-me é acreditar que não as recebia. pronto, pode ter feito como fausto e é a fada dos narizes a mando do demo que lhe deixa a massa debaixo da almofada.

  5. na altura o zézito gastava um salário mínimo por dia. um orgulho para os portugueses em crise, este ex pm , socialista como nenhum, solidário , poupador de dinheiro dos seus súbditos, a alma gémea do salazar.

  6. Yozita, compreendo a inveja que te rói as entranhas: o equivalente à tua pensão de invalidez por imbecilidade é gasto num único lauto jantar pelo tal Zezito. A vida tem estas injustiças.

  7. Coitadinho do Sócrates! Ele só queria ajudar o amigo a escolher o melhor chão para a sua casa de Paris! Ficou a dever mais de meio milhão ao amigo mas vai pagar tudo. Como? Não se sabe bem, mas vai!

  8. Ah, é um blog de esquerda! :-) O que não significa que não tenha avença do Sócrates, ele tem graveto para isso e muito mais.

  9. inveja do pato bravo zézito, Riacho seco ? passo ao largo de luxos, não sou pobre de espírito, e muito menos luxos com dinheiro roubado. adoro pechinchas e fazer coisas giras com pouco , aliás, procuro gastar o mínimo de Natureza, que amo.
    inveja terás tu, ser da 3ª dimensão. e vê lá se aprendes alguma coisa, se não estás lixado, não passas de nível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.