E siga a farsa

Depois de tanto Passos como Gaspar terem dito que o programa de austeridade para a Madeira seria conhecido até final de Setembro, portanto ainda antes do dia das eleições, Miguel Relvas declarou ontem que não, que não garante que tal aconteça. Muito bem. Já estávamos a estranhar. A operação “Comédia em três actos” prossegue de acordo com o plano. A revelação das medidas penalizadoras para os madeirenses (esperemos, ainda que também duvidemos) antes de Jardim ser eleito era uma nota dissonante na escala. Foi agora corrigida.

Mas diz ainda o jornal:

Relvas lembrou ainda que, “ao contrário do que aconteceu no passado”, foi “o Governo que divulgou” o problema financeiro da Madeira, garantindo que para o executivo “não há dois tipos de agenda, a pública e a não pública”. “A realidade é pública e é esse o caminho que temos seguido nesta e noutras matérias. O trabalho que está a ser feito é técnico e não me cabe a mim e ao Governo impor prazos.”
Fonte

Ó José Relvas! Ministro! Foi o governo que divulgou? Em Setembro? A um mês das eleições? Com os candidatos no terreno?
E depois: Trabalho técnico? A gente queria só as linhas gerais, o plano geral, entende? O que foi prometido.

Que queiram proteger um correligionário prevaricador já é lamentável, ainda mais em tempos alegadamente de grande rigor. Que queiram proteger concretamente o Alberto João depois de confessadas ilegalidades e à custa de uma austeridade acrescida para toda a população portuguesa e que de outro modo não seria necessária é demais.
De facto, a chantagem que Jardim exerce sobre esta gente é impressionante. Têm medo de quê, afinal?
Já nem pergunto, como alguns, com que cara pedem sacrifícios aos portugueses. A cara com que o fazem está à vista. É tranquila. É a tranquilidade do descaramento.
A protecção a Jardim passou há muito os limites da decência.

15 thoughts on “E siga a farsa”

  1. Quando ouvi o Relvas só confirmei o que há muito sabia. A estrutura do PSD de topo sabia de tudo, por isso, muitos deixaram-se ficar no aconchego dos empregos ou das reformas douradas não dando a cara no governo até estourar a bomba.
    Agora que estourou, e só o sabemos porque foram estrangeiros que o descobriram, atiram com o manto das declarações para inglês ver, sabendo que nada do que dizem é real ou próximo sequer da realidade.
    AJJ, deve tê-los bem seguros pelos seus segredos que de vez em quando chegam à luz do dia para rapidamente caírem na voragem do esquecimento cumplice.
    O Relvas não anda com rodriguinhos, está-se borrifando na imagem pública e no público que o ouve. Para ele o País não passa de uma imensa discoteca que frequenta para se divertir e ir gerindo a seu bel-prazer, pois se o gerente até foi antigo camarada de copos…

  2. Estou de acordo com o Teófilo (cá estou a fazer o que tantos engulhos causou há dias ao jcfrancisco, isto é, a comentar, não o texto principal, mas um comentário) quando escreve:

    “AJJ, deve tê-los bem seguros pelos seus segredos que de vez em quando chegam à luz do dia para rapidamente caírem na voragem do esquecimento cumplice.”

    Li há dias, algures por aí – a informação é tanta, que sem tomar notas nos perdemos – que o trabalho de bastidores (com eventuais aldrabices à mistura) do Alberto João, na eleição do então apagado Cavaco, na Figueira da Foz, justifica muitas das mansas atitudes de figurões do PSD que parecem de difícil entendimento para o comum dos mortais.

    Mas, ainda que isso não passe de suposições, julgo que ninguém duvida de que ele sabe muito sobre os rabos de palha que por aí andam.

  3. O problema já nem é sabermos da verdadeira onda de bandidagem laranja que varre este país há décadas. O problema mesmo é o silencio dos honestos! As instituições faliram em bloco porque, na prática, já não há gente de bem para as integrar e sustentar. Veja-se a justiça politizada, veja-se o lamaçal das secretas, veja-se a degradaçâo a que chegou a presidencia da república e os conselheiros dela. Sampaio ou Eanes convivem bem com Alberto João, Dias Loureiro ou Marcelo Rebelo de Sousa. Todos aceitam, por “inerencia de cargo”, conviver com a negaçâo da legalidade e com a mais desbragada demagogia.
    Ao que chegou este país alaranjado. Chegamos mesmo à Madeira!

  4. Quem é o Relvas?
    Quem é Cavaco?
    Quem é Sócrates?
    Quem é Soares?
    Quem é Sampaio?
    quem é Jardim?
    etc.etc.etc.,
    são pigmeus que vegetam ecrustados como era trepadeira à carcaça de um povo velho e ferrugento e preguiçoso à espera de um salazar ditador que raspe essa era até ao osso.
    Esse salazar tem que ser o povo a inventá-lo.

  5. “…são pigmeus que vegetam ecrustados como era trepadeira à carcaça de um povo…”
    Chiça, eu tb quero disso que andas a tomar

  6. Sportinguisra ateu: Explica aí a composição dessa lista (?).

    Aclara lá as ideias, porque se houve pessoa que quis tirar a ferrugem e a preguiça deste povo foi Sócrates.

  7. Todos os Madeirenses sabiam que a dívida da Madeira jamais se poderia quantificar, e que Alberto João bebado no Chão da Lagoa gritava anualmente “que alguem pagará”.

    Todos os anos a mesma irresponsabildade e veem agora dizer que ninguem tinha conhecimento da dívida.

    Só quem se “governa” neste lodaçal, é que pode ter fé em qualquer político pós 26 de Abril, porque o 25 não é responsável!

    A lista desses políticos? desde os irresponsáveis aos ignorantes aos espertalhões e aos criminosos e corruptos, mortos e vivos, vai ser a história a contá-los e abrange toda a sociedade portuguesa.

    A Madeira é apenas o climax do orgasmo nacional: todo o mundo gozou!

  8. Quando falamos deste PSD de Passos e Relvas, mas também já era assim com o da Manela e do Pacheco, igualmente com o de Menezes, estamos a falar de políticos do “vale tudo”. O único critério é o da conquista e manutenção do poder. Por isso tão depressa fazem campanhas de assassinato de carácter para derrubar um Governo como mentem debochadamente em campanha eleitoral. Apanhando-se a governar, vão repetir com outros meios, e numa outra escala, o que têm feito até agora.

  9. Ao fim de dias de governo, já se percebia: Relvas é o asneirento-mor do bando. Tem protagonizado as maiores argoladas da governação coelhina. É o coelhudo do grupo, sempre à frente na fanfarronice e no atrevimento. As aldrabices mais coelhosas saem-lhe de enfiada, relusentes como as salsichas na fábrica.

  10. Sapo Cocas: Relvas é antes o rosto desajeitado das trafulhices, mentiras e encobrimentos a que se dedicam todos os outros, PR incluído. Não te esqueças que a estratégia de reeleição de Jardim apesar do rombo nas finanças públicas não é só, ou possivelmente nem é, do Relvas.

  11. O Relvas fez o tirocínio no Brasil com os seus amigos intimos do mensalão,chefiados por José Dirceu.Leiam a Visão de há três semanos e esta o curriculum completo desta ave rara.
    Quanto á Madeira há uma forma de pressionar: Ou apresentam o programa de austeridade para a Madeira até final do corrente mês ou no próximo ano ninguem preenche o IRS.

  12. depois de se saber o que se sabia e bem sabido de fio a pavio (sublinhe-se o sabido)…e colocaram lá (sim colocaram – os jornas; seus pasquins; seus patrões) esta quadrilha (no sentido bem popular corja; súcia; malta; turma)…o relvas; o coelho – coitadinhos – só moços de recados…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.