39 thoughts on “Da História: quem também não respeitava o Parlamento”

  1. A wikipedia?!
    Que fonte fiável de conhecimento!
    Para quem está continuamente a colocar em causa a fiabilidade de fontes que não lhe interessam… apelar à wikipédia é de mestre…

  2. hahahahhahahahha ahhahahahhaha ahahahah o gajo está a defender a narrativa nazi sobre o incêndio do Reichstag – um acontecimento visto como crucial para o estabelecimento da Alemanha nazista! – para me atacar hahahahahhahah porra hahahhahaha eu não conseguia descredibilizá-lo mais por muito que tentasse ahhahahahhahahah
    porque é que é sempre “esta gente” a mais fanática na defesa do regime de kiev?

  3. Fernando Merdina, hoje, no Parlamento, neste caso, sem sombra de dúvida Par(a)lamento (ver RTP-1, Telejornal, minuto 20:05):

    “Baixaremos os impostos quando TERMOS a segurança de o poder fazer sem gerar dificuldades futuras.”

    Absolutamente de acordo. Aliás, eu DIZERIA mais: baixaremos os impostos quando SERMOS todos alfabetizados, o que significa, no que respeita a dificuldades futuras, uma carga de trabalhos, já que alfabetizar o umbigo inchado e gorduroso do MENISTRO sabe-tudo e topa-a-tudo Fernando Merdina não vai ser tarefa fácil.

  4. No blogue vizinho (e não na Wikipédia) deves ter saltado esta parte:

    “Os deputados nazis rejubilam, os deputados da oposição, particularmente os sociais-democratas, são intimidados e insultados por inúmeros membros das SA e das SS ali presentes. OS DEPUTADOS COMUNISTAS JÁ NÃO PARTICIPAM NESSA SESSÃO: SEM MANDATO, ESTAVAM PRESOS OU EM FUGA.”

    Escusado será dizer que na missa negra do anticomunismo primário participaram incansável e alegremente, tal como agora, as Penélopes e Valupis da época. E, tal como poderá acontecer agora, tarde acordaram para a merda que “fazeram”. Como é que dizia o outro? “Primeiro, vieram buscar os comunistas (ou os judeus, tanto faz), mas eu não disse nada porque não era nada comigo… etc.”

  5. Ver a realidade pela metade é o que este “post” me sugere. Anda esta pobre gente toda entusiasmada com o apoio bélico que o governo português presta à guerra na Ucrânia! Não se vislumbra que interesses, directos ou indirectos, perseguem com tal apoio. Prejuízos graves conhecem-se alguns, invocados, até, pelo próprio executivo, para justificar as dificuldades da sua governação. E os riscos globais são mais que muitos, não sendo necessário grande esforço intelectual para intuir que quando duas potências nucleares se digladiam com esta agressividade, tudo pode acontecer. Também não se percebe como tal ajuda está a beneficiar o martirizado povo ucraniano, que teve o azar de estar naquela geografia. Hoje, aquele país está muito pior de que há um ano, quando, tudo o indica, houve a possibilidade de chegar à paz. Até podia perceber-se esta insistência insana no apoio ao prolongar da guerra, contra qualquer iniciativa negocial que perseguisse um acordo de paz justo, se, ao menos, apresentassem um caminho, um a ideia que fosse, que desse a esperança de uma vitória da Ucrânia, pois a insistência no fornecimento de armas, sempre as melhores, as definitivas, claramente não está a produzir os efeitos que imaginam. Parece, pois, razoável considerar que a Ucrânia pode ganhar a guerra, mas também pode perdê-la. É verdade que esta última hipótese nunca entra nos cálculos destas cabecinhas; é uma questão de crença, um dogma inabalável, um pensamento mágico, que lhes tolhe as mentes. Ora, uma mente obliterada não tem a capacidade de juntar todas as peças que a análise séria exigiria: quem invoca toda a verdade contida no texto publicado, deveria perceber que a personagem que lhe deu causa, lhe serve de companhia e aconchega bem as sua ideias sobre a questão da guerra. Aliás, toda aquela pulhice teve como alvo um amigo muito especial de Portugal, convidado do país nas comemoração oficiais do 25 de ABRIL. Tudo pela simples razão de achar que devem ser abertos os caminhos da PAZ pra um conflito tão grave e perigoso.
    25 DE ABRIL SEMPRE!

  6. Pois é putinistas, o vosso ídolo também chegou ao poder pela via democrática. Está lá alapado há 22 anos, e prepara-se para fazer aprovar uma alteração à constituição que lhe assegura uma presidência vitalícia com imunidade vitalícia. Grande “democrata” que defendeis.
    Uma ditadura, tenha ela o sinal ou a cor que tiver, é, e será sempre, uma ditadura.

  7. :-( parece mesmo que o progresso inibe os símios de se fazerem gente. como é que ainda permitem que um Chega tenha corpo e voz; como é que ainda não há um mecanismo de aferição, pelas palavras no papel, para defender a democracia – alguém que, com toda a atenção e cuidado do mundo, dissesse: este não, risca. desta maneira nunca haveria um partido que nos matasse o coração da democracia, que nos fizesse recordar a história no seu pior.

  8. Ó Camacho, gostas de quê em matéria de comunismo? Dos comunistas portugueses, fofinhos, que só querem o bem dos trabalhadores (trabalhadores esses que os mandam passear em eleições, porque já perceberam o que querem)? Gostas dos regimes comunistas tipo Cuba, Coreia do Norte? Explica-nos porquê, por favor. Gostas do que o Lenine fez há cem anos, de toda aquela mortandade, do confisco da propriedade privada, do sistema de controleiros e denunciantes? Gostas talvez ainda mais do Staline? Ah, espera, gostas do “comunista” Putin? Vai à luta! Diz aqui à gente o que te seduz e o que te prende ainda aos sofás ocidentais.

  9. Oh D. Penélope, qual é a sua dúvida e a proveniência da mesma?! Claro que me passa pela cabeça, todos os dias. Da mesma forma que, todos os dias, penso nas milhares de mortes acrescidas sem que lhe veja qualquer sentido. Mas, não ignoro, como a sra, quem são os verdadeiros contendores desta guerra. Também não esqueço que logo no início da guerra a possibilidade de alcançar a paz foi frustrada pelos EUA, por intermédio do Sr Boris que, á pressa, se deslocou a kiev para tratar do assunto! Não leu tal informação em imprensa insuspeita de putinismo?! Tem tanta certeza de que aquele povo quis e quer esta guerra? Então explique lá, porque é que o poder em Kiev tem necessidade de ilegalizar tantos partidos? Diga-me ainda se às gentes do Donbass também são ucranianos, nas suas contas? As coisas são bem mais complicadas, e a sra bem o sabe! Como democrata que será, tenho a certeza, deixe-se de dogmas patetas e exija a paz, nada menos que isso.

  10. pessoalmente gosto dos comunistas que estiveram sempre na linha da frente da luta contra fascismo. principalmente no meu país. onde estavas vossa excelência, penálope? se calhar, como diz valupi, a parte principal da sua gente usufruía do poder e benesses da ditadura e é daí quem tanta azia

  11. a penélope sabe a vontade da maioria dos ucranianos porque viu “nos signos” e dizia que nativos de crimeia iam mudar de vida e ter sorte ao amor

  12. “Mito: Há anos que a Ucrânia tem vindo a cometer um genocídio no Donbass e a Rússia teve de intervir para proteger a população. Além disso, a Ucrânia realiza operações de bandeira falsa e encena atrocidades para acusar a Rússia de cometer crimes de guerra.

    Acusar a Ucrânia de cometer crimes de guerra e genocídio é provavelmente uma das mais nefastas mentiras da desinformação pró-Kremlin. Um genocídio é a destruição deliberada e sistemática de um grupo de pessoas devido à sua origem étnica, nacionalidade, religião ou raça. Não existia qualquer plano deste tipo na Ucrânia e nunca houve quaisquer provas que corroborassem as alegações da Rússia.

    Um dos exemplos mais destacados em que a Rússia culpa a Ucrânia dos seus próprios crimes diz respeito às atrocidades cometidas por soldados russos em Bucha. A acusação de que a Ucrânia levou a cabo operações de bandeira falsa para incriminar a Rússia é indigna e mentirosa. Em contrapartida, já foram investigados crimes de guerra cometidos pela Rússia em Bucha, Irpin, MariupolEN••• e em muitos outros locais.

    Além disso, os ataques deliberados da Rússia contra civis e infraestruturas, nomeadamente escolas, hospitais e bairros residenciais, estão bem documentados, por exemplo, em Cherniguive, Mariupol, Carcóvia e outros locais. Segundo o Gabinete das Nações Unidas para os Direitos HumanosEN•••, estes ataques podem constituir crimes de guerra.”

  13. JA: Importa-se de explanar aqui o seu plano de paz? Um dos pontos está já claro: o Donbas fica para a Rússia porque tem muitos russos. Depois é só fazer o exercício de alargar esse princípio ao resto do mundo, começando pelos vizinhos da Rússia. Venham daí os restantes pontos do acordo, please.

  14. !ah! já sei: faz-se o tratado de putinilhas e divide-se o mundo em russos e em quase russos. !ai! que riso

  15. chamam “comunista” ao putin e “putinista” ao pcp
    esta gente não se enxerga
    depois ficam espantados de estarem ao lado do Chega contra as negociações de paz propostas por Lula da Silva
    hehehehhe, como isto vai quem vai acabar por levar o Chega pro governo ainda vai ser o PS

  16. penelope, importas-te de explanar aqui a tua estratégia para vencer a guerra?
    um dos pontos já está claro: matar pelo menos meio milhão de pessoas, depois é só alargar este principio ao resto do mundo e, como dizia o peter sellers, “deixar de se preocupar e passar a amar a bomba”

  17. dr. estranho socialismo: Simples, quem invadiu, retire-se. A bem, podendo o Putin ainda safar-se. Ou a mal, morrendo ainda mais russos.
    Sabes que eu aprovei muito a batalha de Aljubarrota.

  18. pois, assim o putin entra na era dos descobrimentos: a liberdade dos outros não é alienável nem negociável.

    !viva! a Ucrânia

  19. não é simples, penélope. é simplista. a sua estrategia para negociações de paz é esperar que a guerra acabe? morram quantos morrerem? e mesmo que sejam usadas armas nucleares?! enfim, a anti-diplomacia anda a fazer escola. comparar uma guerra como a da ucrânia em 2023 com a batalha da aljubarrota no sec XIV é o grau zero da análise. mas zero absoluto, menos 273 celsius!
    deixo-lhe aqui novamente a posição já com alguns meses de quem estuda estes assuntos:

    https://setentaequatro.pt/entrevista/daniel-pineu-deixamos-literalmente-de-falar-de-paz-fomos-normalizando-que-guerra-e

    ps – já agora, também é a favor disso neste conflito recente no sudão? e na palestina? e em taiwan?

  20. Teste: Por acaso eu também achava que as invasões de territórios vizinhos, com matança e destruição à passagem, eram coisa de séculos passados. Mas não. A humanidade evolui a ritmos muito diferentes.

  21. Que palanfrorio mais estranho este que é o seu. Vê-se que nunca venceu os traumas do “rádio Moscovo não fala a verdade”, do comer de criancinhas ao pequeno almoço, matar velhinhos com injecções atrás das orelhas e do “vem aí os russos.” Ou, então, deram-lhe tal poção, a posteriori, em cápsulas de concentrado! É que, A sua fixação nos velhos fantasmas é tal que nem lhe permite perceber que não existe mais “comunismo”, que a URSS há muito que implodiu e que Putin não passa de um vulgar capitalista, tal como os que parece tanto apreciar. Quanto a isso, acalme-se senhora, que já tem invasores que chegue, por aqui! “Aqui na terra…” também se joga futebol, mas o espaço já está ocupado!… Quanto a planos de paz, não tendo eu qualquer capacidade para tanto labor, posso apenas sugerir-lhe que pesquise sobre aquilo que os os meios de comunicação social noticiaram, á data em que as conversações decorriam.

  22. até o zelensky já abandonou aqui os “entesoados da morte” e aceita os avanços da china por negociações de paz
    cubram-se de vergonha!
    todos!

  23. Penélope, adorava jogar à batalha naval contigo. Afundava-te o porta-aviões num piscar de olhos, mais o barco de quatro canos, os de três canos e todos os submarinos e, enquanto a tua carcaça era comida pelos peixinhos, a minha esquadra navegava alegremente, inteirinha, pelo Atlântico, Báltico, Mediterrâneo, Mar do Sul da China e tutti quanti. É que não acertas uma, rapariga.

    Do que é que gosto em matéria de comunismo? Quem te disse que gosto de alguma coisa? Não sou nem nunca fui comunista, ainda que até 2011 neles tenha votado inúmeras vezes (tal como o Valupi). Com a merda que o Governo tem feito ultimamente, porém, o voto que tenho dado ao PS nos últimos anos voltará, provavelmente, para os comunistas. Chama-se voto útil, mesmo que para ti seja inútil. Quanto ao comunismo como ideal de sociedade sem classes de que falaram Marx e Engels, poderia ser um sonho bonito, mas não mais do que um sonho, uma utopia. As sociedades ditas comunistas do século passado, a começar na URSS, não passaram de formas estatizadas de capitalismo, em que uma classe, ou uma casta, ou outra coisa qualquer que lhe queiram chamar, controlava os meios de produção e se “apropriava” da mais-valia produzida por quem operava os ditos meios de produção, decidindo o modo, ou modos, como essa mais-valia seria utilizada.

    Mas que mal te fizeram os “fofinhos” comunistas portugueses? A mim, nenhum. Lamento os anos em que tiveram como cabeça-de-cartaz aquele pobre Jerónimo de Sousa, ao que parece bom rapaz e ainda melhor bailarino, mas um pobre totó ignorante, que desacreditava as posições correctas do partido quanto à guerra na Ucrânia com aquela relutância idiota em chamar guerra à guerra e invasão à invasão. Mas já te ocorreu que se hoje podes, impunemente, dizer asneiras sem te preocupares com consequências o deves à luta e aos sacrifícios dos comunistas (entre outros)? Duvidas de que a maior parte só quer o bem dos trabalhadores? O que achas então que querem? Comer criancinhas ao pequeno-almoço e injectar os vellhos atrás da orelha?

    Já quando metes no mesmo pacote os “regimes” (brrrrrr!!! vade retro!) de Cuba e Coreia do Norte, rapariga, comparas a Feira de Borba com o olho do cu. A Cuba socialista (e não comunista) poderá ter as suas limitações, a maior parte resultante do bloqueio criminoso que os teus heróis da “nação indispensável” ilegalmente aplicam há décadas, ressabiados por lhes ter sido arrancada das garras uma terra que para eles não passava de prostíbulo e cujos recursos roubavam impunemente com a colaboração dos traidores locais, chefiados pelo ditador Fulgencio Bautista. Mas Cuba, com meios muito mais reduzidos, tem um sistema de saúde que envergonha o nosso (que até não é mau) e um sistema de ensino idem. Eu sei que as televisões só te mostram carros velhos e gente mal vestida, e que milhares se piram de lá em busca de uma vida mais confortável. E depois? Não temos nós também milhares a pirarem-se de cá em busca do mesmo? Se todos os povos têm o direito de escolher o seu caminho, como muito bem achas ser o caso da Ucrânia, quando foi a última vez que protestaste contra a ingerência americana no caminho escolhido por Cuba com a veemência que agora te tira do sério? Todos os ditadores são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros, e está visto que o Fulgencio de Cuba seria para ti uma fofura. Tenho muita pena, mas, por mais defeitos que tenham, prefiro mil vezes gente de espinha direita e vergonha na cara como Fidel Castro, Che Guevara ou Lula da Silva. E o que dizes do milhão de comunistas assassinados em 1965/66 na Indonésia, com a colaboração dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha? Em que diferem eles dos comunistas mortos por Lenine ou Estaline?

    Já quanto à Coreia do Norte, o que tem aquela merda a ver com comunismo? Aquilo é um regime dinástico, pá, uma monarquia, e a sacanagem “ocidental” ao lado da qual te colocas só lhe chama comunismo porque sabe que o condicionamento pavloviano de décadas a que, com milhões, foste sujeita te põe imediatamente a salivar parvoíces. Chamar comunismo àquela bosta desacredita o famoso “espectro” que lhes perturba a digestão e facilita o controlo dos simples no cumprimento da agenda geostratégica do império do bem e sua obediente criadagem. Já quanto ao armamento nuclear da Coreia do Norte, porém, eles sabem bem que se não o tivessem teriam há muito seguido o caminho do Iraque, Líbia ou Afeganistão, pelo que acho muito bem que o tenham, o aumentem e o aperfeiçoem.

    Quanto ao que me prende aos sofás ocidentais, repito o que já aqui disse várias vezes: nada há de errado nos ideais ditos “ocidentais” de liberdade. O que há de errado é que são contínua e estridentemente apregoados por gente que os deitou para o lixo dois segundos antes e volta a fazê-lo dois segundos depois. Exemplos? Quanto à tua (e minha) sacrossanta propriedade privada, onde é que ela fica quando o exemplar Ocidente, defensor indefectível da dita, desata a expropriar os chamados “oligarcas” russos (os ocidentais chamam-se empresários, empreendedores, magnatas, milionários, visionários, etc.)? Só porque russos são? Basta “decretar” que são pró-Putin e prontes, tá feito! Ele é casas, propriedades, iates, empresas, nada escapa. É claro que pena deles tenho nenhuma, a maior parte são ladrões, mas ladrões são também os equivalentes ocidentais cujo sacrossanto direito de propriedade não admites que seja violado.

    E o que dizer quanto ao congelamento (em vias de se tornar expropriação) de 300 mil milhões de dólares das reservas do Estado russo, do Tesouro russo, que se encontram em instituições bancárias ocidentais, principalmente nos EUA? O que, aliás, os EUA já haviam feito com seis ou sete mil milhões do Tesouro do Afeganistão, que agora querem “oferecer” aos descendentes das vítimas dos atentados de 11 de Setembro de 2001. Nada disto foi decidido em instituições ou instâncias internacionais. Saiu tudo das iluminadas cabecinhas e canetinhas de meia dúzia de países ocidentais que continuam, arrogantemente, a comportar-se como donos disto tudo. Conseguirás tu fazer um esforçozinho e aperceberes-te da gravidade do precedente? Da anarquia, insegurança e desestabilização total, a nível mundial, que dele vai resultar?

    Quanto a outra regra do bendito capitalismo ocidental, a da influência da oferta e da procura na formação dos preços das mercadorias, a sacrossanta concorrência, onde é que metes aí o estabelecimento administrativo, unilateral, de um preço máximo para o petróleo russo? “Tá bem, eu preciso de pitrol, costumo pagar 80 a quem o vende, mas a si só lhe pago 60. Porquê? Porque quero e quem manda sou eu. E se alguém tentar pagar-lhe mais, esse alguém está lixado comigo.”

    E o que dizer das liberdades de imprensa e de informação? Neste bendito Ocidente, entre milhares e milhares de televisões, rádios, jornais e revistas a puxar para o mesmo lado, a bolçar as mesmas tretas, havia UMA ÚNICA TELEVISÃO com posições um pouco diferentes, a RT. Pois bem, foi mui “democraticamente” silenciada em menos de uma semana de guerra, com a desculpa de que fazia “desinformação” russa. Porra, pá, e se fizesse? Quem é que nomeou a senhora Ursula von der Lies minha tutora, nossa tutora, para decidir o que temos ou não o direito de ver, ouvir ou ler? Quem deu à D. Ursula o direito de me tratar como atrasado mental, ou criança desprovida de sentido crítico e capacidade de raciocínio, permeável a qualquer propaganda que me enfiem pela goela abaixo, incapaz de separar o trigo do joio? Era A ÚNICA, pá! Haveria motivos para infundir tanto medo? As BBC, CNN e afins continuaram durante muitos meses em total liberdade na Rússia, só agora é que parecem ter algumas limitações, mas a RT, cá pelo liberalíssimo Ocidente, foi completamente eliminada em menos de uma semana! E o tratamento ao Julian Assange, pá? Que crime cometeu ele, além de mostrar ao planeta inteiro os crimes do império? Onde se encaixa aí a liberdade de imprensa e de informação ocidental? E quantas vezes protestaste tu contra isso?

    Reagindo a uma ironia minha em que te classificava como “loura”, disseste aqui, há alguns anos, que eras o “feliz resultado” de miscigenação. Não sei se a tua miscigenação é de origem africana, oriental, índia ou outra qualquer, mas talvez a pudesses honrar perdendo um tempinho a tentar perceber por que motivo a compreensível simpatia e solidariedade para com o sofrimento dos ucranianos nunca existiu quando as vítimas eram, ou são, pretas, castanhas ou amarelas, como no Afeganistão, Líbia, Iraque, Síria e muitos mais.

    O que eu aqui defendo, rapariga, nada tem a ver com comunismo ou socialismo. Trata-se de uma coisa fora de moda que se chama apego a princípios e coerência. Quanto a ti, continuamos todos sem saber o que ainda te prende aos sofás ocidentais e te impede de te juntares aos azoves e ao Mário Machado para matar russos na Ucrânia.

  24. eu acho que o Joaquim Camacho quer a Penélope sentada em uma cadeira de barbeiro, na sede comunista, a ouvir música do seixal enquanto lhe muda a cor do cabelo. !ai! que riso

  25. Pela clareza do texto, quanto aos princípios que defende, devo dar-lhe os meus parabéns, Joaquim Camacho. Se outros méritos não tivesse, salvava-se pela luta que trava contra os novos cruzados.

  26. o grande mérito dos putinistas, e fanáticos em geral, é – ao não se basearem em evidências – crerem piamente nas suas próprias crenças.

    podiam ir comprar cigarros. !ai! que riso

  27. camacho,

    chef’s kiss!
    já era para ter escrito e manhã mas o dia foi ocupado e só agora é que o ja me relembrou

  28. uish!

    “podiam ir comprar cigarros”

    foi o pai ou o marido que lhe pôs isto no subconsciente, olinda?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *