As saídas ou a saída de Maria Luís

Maria Luís, Ministra das Finanças, decidiu afinal apresentar-se antes das férias na Comissão de Inquérito. É evidente que, depois de rebentada a polémica com as suas sucessivas afirmações e acusações e o consequente contraditório, a ideia será atalhar o mal enquanto é tempo para o Governo poder rearrancar na máxima frescura (coloco-me na perspetiva deles, os que se proclamam frescos e que, como sabemos, pretendem também que o caso Rui Machete seja esquecido). Assim, restam-lhe quatro opções:

1. Pedir desculpa pelas “imprecisões” e corrigir as declarações. Solução menos má, mas altamente improvável. Arcará mesmo assim com a responsabilidade pelo agravamento das perdas potenciais com os ditos contratos.

2. Atirar a responsabilidade para outros membros do Governo, como Vítor Gaspar, ou Moedas, um elemento menos exposto, que poderá ter dado instruções para não se começarem as negociações dos swaps de imediato. Neste caso, este seria chamado à Comissão, mas já não seria a ministra que estaria em causa. Porém, as mentiras proferidas não seriam apagadas.

3. Persistir na mentira com novas mentiras. Totalmente desaconselhado. Fonte poderosa de instabilidade para o Executivo. Seria a demissão certa, mais mês menos mês.

4. Contra-atacar com acusações ao Governo anterior, ou aos gestores envolvidos. Opção arriscada atendendo ao cargo que ela própria ocupou na REFER. Também teria de basear-se em argumentos muito sólidos e estar preparada para a abertura de uma guerra com elementos do PSD, muitos deles gestores das empresas em causa. Além de não esclarecer a questão da demora na tomada de medidas.

Nenhuma destas opções é boa para Maria Luís. Também não me parece que vá à Comissão para apresentar a demissão. Assim, tudo indica que a polémica não vai morrer hoje. E, se não morrer, recomeça com mais força em setembro.

A ideia da nomeação desta senhora para o cargo de ministra das Finanças saiu da brilhante cabeça de Passos, possivelmente enquanto se penteava.

5 thoughts on “As saídas ou a saída de Maria Luís”

  1. vai desculpar-se com semântica e estudos aprofundados do assumpto que para serem sérios levam anos a fazer e o argumento é que se o ps teve 6 anos para alterar a lei e ela só levou 2. enquanto técnica andou a fazer merda, como governante pede responsabilidades ao governo anterior pela merda que fez. se investigarem como é que o psd se financiou durante 6 anos de abstinência do poder, lembram-se do menezes querer vender a sede por não haver dinheiro para pagar a luz, descobrem porque é que estas luminárias das boutiques financeiras e consultores da treta, broges, moedinhas, ratos, marilús e quejandos foram todos promovidos com a vitória do psd nas últimas legislativas. portanto não vai acontecer nada, continua a dizer que não mentiu e as conclusões da comissão de inquérito, redigidas pela irmã do mini-mendes, vão atestar que a ministra é boa para consumo público, decisão contrária abriria precedentes para machetes, branquinhos, passos, tralha envolvida no bpn e chatices ao insolúvel possóilo. correriamos o risco de ficar sem laranjada nos próximos 30 anos.

  2. A propósito da Sra.Maria Luís de Braga,Ministra das Finanças deste desgraçado País,militante das missas dominicais do falecido representante da extrema direita fascista(no clero Português) chamado de Melo,acabei de ver e ouvir o Sr.Vitor Gaspar,em plena Comissão de Inquérito no Parlamento,numa tentativa de ensaio de representação do número patético do pequeno imbecil.
    No que à senhorinha diz respeito,nada há a acrescentar tendo em consideração a profundidade da COVA que ela mesma CAVOU.Quanto ao cavalheiro,mais uma vez,fez-me recordar um velho ditado popular muito utilizado por estas terras do NORTE:” Cretino Uma Vez,Cretino A Vida Toda.”
    De facto,há muito cretino à solta.No Governo e em muitas outras instâncias…

  3. bem visto, Carlos B. Oliveira, mas na canção pedia-se licença à marilú. No episódio real ela vai-nos ao cú sem licença e ainda diz que foi ao contrário. Tás a ver que esta marilú mete a outra num chinelo.

  4. “A ideia da nomeação desta senhora para o cargo de ministra das Finanças saiu da brilhante cabeça de Passos, possivelmente enquanto se penteava.”

    Discordo. Esta ministra é ministra unica e exclusivamente porque mais ninguém neste país foi IDIOTA o suficiente para aceitar o cargo no estado em que este desgoverno colocou o país.
    Endireita-lo com gente com cabeça é tarefa quase impossivel, com gente do calibre dessa Marilu não vai mesmo acontecer. De todo.
    Como posso avaliar da incompetencia desta ministra com tanta segurança?
    Uma idiota chapada que inventa a mentira mais mal amanhada do século única e exclusivamente para lixar um governo opositor, e que LEVA COM O TORPEDO DE VOLTA NOS CORNOS Á FRENTE DE PORTUGAL INTEIRO, não pode ser uma pessoa competente. Ponto. E facto indiscutivel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.