Aviso aos pacientes: este blogue é antianalgésico, pirético e inflamatório. Em caso de agravamento dos sintomas, escreva aos enfermeiros de plantão.
Apenas para administração interna; o fabricante não se responsabiliza por usos incorrectos deste fármaco.

Os novos cães de guarda

their master's voice.jpg

Leio com espanto, como sempre acontece quando espreito as obras de João Carlos Espada, o anúncio da revista “Nova Cidadania”. A dita publicação, é, com a “Atlântico”, uma das duas revistas de ideias distribuídas e apoiadas pelo jornal “Público”, facto que expressa claramente a imensa pluralidade que grassa na cabeça de José Manuel Fernandes. Garante o anúncio: “6 anos politicamente incorrectos”. O meu comentário vai ater-se apenas a essa declaração, até porque, contrariamente à “Atlântico” que compro com alguma regularidade (revista a que o Rainha pediu emprego), só comprei uma vez a dita “Nova Cidadania”: não por razões políticas, mas por motivos estéticos. O grafismo desta publicação é uma clonagem, feita certamente por um designer maléfico, com vista à criação de um híbrido de uma revista da Coreia do Norte e de uma publicação de catequese.
Mas o que me interessa é o anúncio: “6 anos politicamente incorrectos”, quer dizer o quê?
– Opõem-se aos poderes estabelecidos? Estão contra os governos? Não têm lugar nas universidades? Contestam os banqueiros? Ameaçam a moral dominante? São perseguidos?
Nada disso! Limitam-se a ser uma espécie de “voz do dono”, ainda por cima querem silenciar outras vozes, garantindo que essas é que são politicamente correctas e hegemónicas. Olhando para a sociedade portuguesa: entre dinheiro, universidade e acesso a publicar a opinião, são os Espadas desta vida que são hegemonicamente ditatoriais.
O slogan mais conforme à “Nova Cidadania” seria: “6 anos a lamber botas”.

G’anda cena!

No Guardian estão ainda em exibição os resultados de uma interessante sondagem cinéfila: quais os momentos mais memoráveis do Cinema? Quais as imagens-chave que, ao longo dos tempos, foram ficando sedimentadas nos aluviões em technicolor da nossa memória?
A lista proposta arranca com o momento de revelação de “Os Suspeitos do Costume” e só pára pouco depois da “Música no Coração”. Pelo caminho, ficam algumas peças exóticas que talvez digam mais ao público britânico do que a nós.
Por falar nisso: quais seriam as vossas três primeiras escolhas?

Pneumáticos

[…] Muitas experiências são impedidas quando haja agarramento a uma linguagem que não é adaptada ao caso (subjectivo, de alguém). Não me venham falar, nem a mim nem a qualquer um de nós, de incorruptibilidade e de corrupção. Falem antes da permanência do fim e do carácter efémero dos nossos inumeráveis “eus”. Não falem de imortalidade da alma se não tiverem tido a experiência sequer de um desejo que, de facto, constitua uma força material na vida interior. Não falem da carne; falem da resistência ao orgulho: do engano próprio, da imaginação, da dispersão da energia de atenção. Não falem de Deus, falem antes do estádio seguinte de presença e compreensão; porque, para vós, isso é “Deus”. Não falem de misericórdia e de perdão dos pecados; falem antes de uma atitude de interesse em relação a si mesmos tal qual são. Não falem de culpabilidade. Não se atemorizem consigo mesmos, nem façam do amor algo consigo próprios. […]

Nota marginal do P. Silvano
“Instrução prática”

Enquanto alguns fogem da religião por estarem ofuscados pelos comportamentos de homens sem fé que nela me(r)dram, ou por não desenredarem o novelo historicista, confundindo culto e cultura, a humanidade resfolega igual a si própria – uma ponte entre o animal e o divino. Os ateus e os cínicos, os cépticos e os ideólogos, todos têm razão; ah, se têm! Mas, nem que eles continuem a ladrar à Lua até que o inferno gele terão a razão toda. O fenómeno religioso, aqui tomado em sentido abrangente, não se abole por decreto ou silogismo. É uma inevitabilidade intelectual, consequência da complexidade neuronal que supera as limitações do espaço e do tempo através da linguagem. O que nos leva para o maior fracasso das actuais religiões, a dita linguagem dita.

Continuar a lerPneumáticos

Os Quadrados

romains.gif

As cerradas fileiras do Quadrado começam a mostrar algumas rachas inconvenientes. Hoje mesmo, Inês Pedrosa desceu do seu elevado pedestal — onde voga a grandeza estelar do Bardo Alegre — e tratou de puxar as orelhitas a um colega infractor: “vejo-me obrigada a intervir de novo neste blog para chamar a atenção de outro dos seus autores – neste caso o Carlos Brito – e para dar testemunho público da minha discordância relativamente a alguns posts aqui publicados, atacando outras candidaturas (foi a de Francisco Louça mas até odia ser a de Cavaco Silva), que julgo não serem consentâneos com o carácter civicamente exemplar que queremos dar a esta candidatura.”
O visado, quiçá temendo a imposição de uma coima ou castigo mais cruel, como ser obrigado a ler algum livro da acusadora, teve este débil assomo de defesa: “talvez pudesse ter-me dito directamente a mim o comentário que escreveu mais acima, mas adiante: quero dizer-lhe que o meu intuito era apenas polemizar e nunca agredir”.
Aliás, os comentários deste blogue mereciam, sem mais acrescentos, ser coligidos numa antologia de prosa poético-política. Desde coisas que eu, ao que parece, lá escrevi sem por tal dar conta (estão explicadas as olheiras com que tenho acordado ultimamente), até tesouros como “Louçã e Alegre são farinha da mesma saca divisionista”, da nossa estimada Margarida (tamanha produtividade, repartida por tanta paragem, deve dar emprego a tempo inteiro) e “como é que pode ser de ‘esquerda’ um candidato como o Louçã que nem uma única vez usou as palavras Constituição ou Abril”. Sem esquecer, claro, o último episódio da saga Luís Maria: “EU É QUE SOU O VERDADEIRO LUÍS MARIA, TODOS OS OUTROS NÃO PASSAM DE IMITAÇÕES FÚTEIS. FASCISTAS! EU NÃO ME CALO! EU NÃO ME CALO! COMIGO NINGUÉM BRINCA! COMIGO NINGUÉM BRINCA!”

Reivindicar mortos?

Diz o Nuno que Alegre reivindicou o nome de Álvaro Cunhal. Depreende-se daqui que o candidato terá mencionado o falecido líder comunista como que invocando um possível apoio post mortem.
Pelo que ouvi e consigo agora ler, não estou a ver que este rapto seja assim tão óbvio: Alegre afirmou que “durante muitos anos ninguém foi tão livre como os homens que aqui estiveram presos, venho aqui buscar a inspiração da sua coragem, da sua determinação, do seu inconformismo e da sua rebeldia”. A propósito de Álvaro Cunhal “e de muitos outros que resistiram aos maus-tratos, às torturas, à violência e nunca se renderam”, deu destaque a um episódio específico: “evadindo-se do Forte de Peniche, infligiram ao fascismo uma estrondosa derrota”. Francamente, não leio aqui esse intento de “reivindicar” Cunhal “contra o partido que ele ajudou a construir”. Aliás, o contra-ataque de Alegre foi certeiro: “não há donos de personalidades históricas, mesmo que tenham sido secretários-gerais”.
Não está aqui em causa a óbvia mitomania de Alegre. Desde que li a sua “Arte de Marear”, palpita-me que ele tem grande dificuldade em distinguir a realidade das suas fantasias de glória pessoal. Quando ele diz que conheceu Guevara, não duvido que esteja mesmo a acreditar nisso; sempre que o ego incha sem tino, acaba por nos obstruir a vista do mundo.
E atenção, que Alegre já fez, sem margem para dúvidas, aquilo de que o Nuno o acusa, mas com outra vítima defunta. Sem qualquer amostra de pudor, garantiu ele ontem: “sei que o Salgueiro Maia gostaria de me ouvir dizer o que estou aqui a dizer”. Isto aproveitando-se do apoio e da presença da viúva do capitão de Abril. Vergonhoso.
Mal no meio desta história, fica também a reacção de Jerónimo Sousa. Dizer que Alegre já tinha “insultado” Cunhal, “por via do seu projecto” é um disparate que hoje prosseguiu: “Manuel Alegre falou tão mal de Álvaro Cunhal e do seu projecto que também não teve uma atitude decente”. Discordar veementemente de um “projecto” passa assim a ser um insulto pessoal.
Neste lapso estratégico, o candidato comunista deixou cair a máscara de avôzinho simpático — ainda que com umas ideias vagamente destrambelhadas — revelando pela primeira vez, mas com toda a clareza, as linhas duras do político sectário e intransigente.

Melhoras na Imprensa

O Diário de Notícias de hoje parece irreconhecível: está francamente melhor, tanto em termos gráficos como em conteúdo. Era muito bom que finalmente houvesse uma alternativa informativa ao Público. Vamos ver se a qualidade se mantém. Não resisto à tentação de passar um diálogo, recolhido pelo jornalista Pedro Correia, na campanha de Manuel Alegre:
” – Olha vamos aparecer na televisão logo à noite.
– Mas tu percebeste bem quem é o homem?
– Sei lá, é um político.
– É um ministro!
– Chama-se Jerónimo de Sousa, acho.
– E esse é ministro?
– Isso não interessa nada. O que interessa é que vamos aparecer na televisão.
– Eu queria aparecer na TVI. Porque dá os Morangos…

Já o Expresso está ligeiramente melhor: não vi a crónica da Bomba Inteligente, espero continuar a ser poupado.

Alegres mentiras

pinoquio.gif

Manuel Alegre tem uma concepção de si ligeiramente exagerada. Nas suas palavras, foi “a” voz, “o” fundador e o primeiro responsável da rádio “Voz da Liberdade”; garante ter convivido longamente com Che Guevara; “relembra” ter encabeçado e preparado audazes acções de luta armada e, por último, em resposta a Jerónimo de Sousa, afirma ter vivido com Álvaro Cunhal e poder reivindicar o nome do comunista, por ter conhecido Cunhal antes de Jerónimo.
Sejamos claros: Alegre só reivindica Cunhal porque ele está morto e não lhe pode responder. Acerca do resto, há muita gente viva para o corrigir, só não têm provavelmente vontade de perder tempo. Por isso, aqui ficam algumas “precisões” que Alegre necessita para reavivar a memória. Manuel Alegre participou na Rádio Voz da Liberdade, foi uma das suas, muitas, vozes, não foi fundador da emissora de Argel, nem sequer na Frente Patriótica de Libertação Nacional era o responsável da rádio; nunca encabeçou nenhuma acção armada e “conheceu” Che Guevara, entre croquetes a aperitivos, numa recepção na embaixada de Cuba em Argel. Sobre a sua longa convivência com Cunhal, o facto pode resumir-se ao seguinte: Alegre ficou largos meses na casa do PCP em Argel, onde vivia o responsável do PCP (Pedro Ramos de Almeida) e família, e que acolhia os dirigentes do PCP, quando de visita à capital argelina, mas isso não lhe dá o direito de “reivindicar” o dirigente do PCP contra o partido que ele ajudou a construir.

Metamorfoses de Janeiro


Quem hoje em dia visite o conhecido Afixe leva com uma surpresa. No seu lugar está um blogue de novo nome — De Vagares — e com uma filosofia que não podia ser mais distinta da do frenético Afixe: poucos posts, todos bem matutados e delongadamente maturados. A coisa promete; pelo menos à vista é já bem agradável. Os nostálgicos do Afixe em estado de crisálida podem sempre voltar ao passado.
Esperemos para ver. E que metamorfose terá sofrido o imarcescível Monty desta vez?

As imagens assassinas

jornais.jpg

Mário Soares sabe bem que vai perder estas eleições. Mais: deve desconfiar que se arrisca mesmo à derrota maior: ficar atrás de Manuel Alegre. À laia de primeiro discurso de admissão do descalabro, já suspira que entrou na luta “tarde demais”. Mas a culpa não poderia ser só dele, claro; a Imprensa continua por certo no seu diabólico “exercício de falta de independência e isenção absoluta que certas televisões e certos grupos económicos têm tido a propósito de um candidato que querem entronizar a Belém”. No sítio do costume, as “provas” amontoam-se: agora é o Expresso com uma foto desagradável de Soares na capa, sendo que no interior do mesmo jornal assistimos a um contraponto doloroso: “Cavaco Silva em todo o esplendor, Manuel Alegre vigoroso, Soares amparado a sair de uma carruagem”. É demasiado, conclui o Ivan, preferindo ignorar que a caixa mesmo ao lado dessa foto aleivosa nos anuncia que Soares tem demonstrado uma “energia estonteante e uma lucidez que parece reavivar-se em cada dia”.
Há dias, João Miguel Tavares recordou o episódio, hoje já disseminado por milhares de dowloads, em que Soares se confunde ao falar de Ribeiro e Castro, “numa atrapalhação mental tão grande que ao pé dela até a gafe do PIB empalidece. Pergunta: porque não passaram essas imagens mais vezes? Porque é que elas, como aconteceu com Guterres, não foram repetidas até à exaustão?”
Muito boa pergunta, com efeito. E a resposta é simples: a comunicação social continua a proteger Soares. Mas de forma diversa da do passado. Hoje em dia, protege-o de si mesmo, finge não reparar nas suas gaffes — ou menoriza-as — e olha para o outro lado quando os sinais de menor agilidade mental sobem ao palco. Em off, os jornalistas gozam o espectáculo e divulgam episódios cómicos pelos amigos; face à sua audiência, reprimem as histórias, omitem os pormenores, fazem de conta de que pouco se passou. Por isso o lapso de Guterres foi notícia, por isso o de Soares circula quase clandestino pela net. É que a idade de Mário Soares continua a ser o interdito absoluto de todos os comentários à campanha eleitoral; não devemos apontar muitos holofotes para um deslize pois tal pode ser visto como crueldade ou, pior ainda, como uma referência velada à idade avançada do candidato.
Aos soaristas, no entanto, esta cosmética por omissão já não basta. O que eles gostariam mesmo é de manter um filtro rosado permanente sobre o seu candidato: Soares surgiria sempre confiante na vitória, enérgico e a dispensar amparos, fluente, heróico e quase sobre-humano nas suas virtudes.
O pior é que as máquinas fotográficas continuam menos submissas a decoros, pudores e outras subjectividades. Dia após dia, elas teimam em dar-nos — com a anuência de editores implacáveis, é certo — o retrato de um ancião triste e consciente da aproximação de uma derrota anunciada.

Frei Espada vs. Elton John

João Carlos Espada continua a ser o comic relief que anima o leitor, cansado depois de passar os olhos pelos milhões de caracteres de mais uma edição do Expresso. Hoje, ele aproveita o seu cantinho para pregar contra o casamento entre homossexuais.
Eu até o entendo um pouco. Ver a sua adorada Albion tombar sob o assalto das tribos gays, carregadas de pó-de-arroz e sedentas de novos direitos, deve custar ao homem. Imaginar os corredores dos seus queridos clubs — onde ainda consegue cheirar a presença tímida do afável fantasma de Sir Karl — pejados de parzinhos de homens de mão dada ou de mulheres a lambiscarem-se… deve ser mesmo demais para uma alminha tão frágil e pequena.
Mas ele até se entreteve a congeminar uns argumentos para concluir que não existe qualquer discriminação no acesso exclusivo dos pares “normais” aos casamento. O primeiro é o do “proverbial slippery slope (declive escorregadio)”: se permitimos esta aberração, quem sabe o que virá aí a seguir? A poligamia? A poliandria? O incesto? Começaremos a testemunhar enlaces matrimoniais entre robustos agricultores beirões e voluptuosas vacas mertolengas? (Atenção, que só inventei a última hipótese.)
Eu, por acaso, sempre tive como certo que a culpa do alcoolismo recai sobre os ombros do primeiro fulano que se lembrou de beber água; depois, vieram logo o capilé, a cerveja, a aguardente e as cirroses. Não se está mesmo a ver?
Para Frei Espada, é a mesma coisa um par homossexual querer casar e não poder ou um homem ser impedido de desfilar numa passagem de lingerie feminina. Com efeito, outra aplicação do princípio do “proverbial slippery slope (declive escorregadio)” é que nunca deviam ter estendido a alfabetização aos tontos; estava-se mesmo a ver que ainda íamos dar com eles a encher páginas no Expresso.
Por fim, ele argumenta que o casamento, sendo uma convenção social, só poderá ser alterado com a conivência da maioria. É que “em democracia resta saber se a maioria considera ou não que o sexo dos parceiros é relevante para a definição do casamento perante a lei.” Olha… tinha eu ideia que é mesmo isso que se pretende: que os poderes da nossa democracia representativa tomem essa decisão. Mas parece-me excelente a ideia de ter a maioria no papel de guardiã dos direitos das minorias. Na realidade, julgo que os direitos dos judeus, na década de 40, estavam mesmo bem entregues ao arbítrio da populaça alemã; e que ninguém poderia decidir melhor qual o lugar dos negros americanos do que as lynching mobs do Alabama.
Cada vez que leio uma prosa deste senhor, até fico convencido que o João Pereira Coutinho é dono de opiniões ponderadas e civilizadas.

Um mistério a menos

Ao folhear as últimas páginas do Austerlitz deparei com pormenor insólito: uma assinatura a deslizar orgulhosamente sobre uma página que se esperava em branco. Primeiro, rebobinei de cabeça a compra daquele exemplar: como é que na Feira do Livro alguém conseguira profanar a minha compra? Depois, pensei que se tratava de um genial estratagema, prescrito pelo autor: que melhor forma de fechar este livro (sobre um homem que a páginas tantas descobre que o nome que sempre usara não é o seu) do que com um truque capaz de nos pôr a questionar o seu caminho até chegar às nossas mãos?
Vá lá que me lembrei de me informar com quem sabe destas coisas. Afinal, trata-se de uma mania de editor. O senhor da Teorema acha-se no direito de mandar imprimir a sua assinatura em obras alheias. Está bem. É capaz de ser coisa normal.

Eu até já vi uns filmes sobre essas coisas…

chestburster1.jpg

Soares não está só, em termos de gaffes. No jantar de campanha de ontem, em Torres Vedras, um dos oradores saiu-se com esta funesta tirada: “Mário Soares tem uma pessoa dentro dele”.
Note-se que isto não foi um deslize de um espontâneo nervoso; José Augusto Carvalho já foi secretário de Estado da administração local. E estava a ler o brilhante (e assustador) discurso.