Utilizador? Pagador?

Depois do regresso em força das hostes a reclamar pela aplicação do famoso princípio do “utilizador/pagador”, sempre a propósito das SCUTs, lembrei-me de uma modesta proposta: porque não inventamos o princípio do Pagador/Utilizador?
Aplicada ao ramo das vias de comunicação, a coisa funcionaria assim: cada euro apurado com o Imposto sobre Combustíveis, com o IVVA e demais alcavalas que já atacam os automobilistas seria usado exclusivamente no financiamento de estruturas e serviços que lhes facilitassem a vida. Ao diabo com as escolas, com o fundo florestal, com os doentes e outros deserdados da vida moderna. A partir de agora seria assim: pagou, desfrutou. E mais nada.
Disparatado, não é? Mas não mais do que este súbito fervor justiceiro contra o tal “utilizador”; a seguirmos por aí, no limite, cada um poderá vir a exigir que os seus impostos sirvam unicamente para melhorar a sua vidinha.

PS: Já uma vez solicitei que me isentassem de pagar impostos destinados a financiar as incontáveis obras públicas da Madeira, sempre levadas a cabo por amigalhaços do Alberto João. Até à data, ainda não deram provimento à minha justa pretensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.