Vive la France!

Vive-la-France!-Wolinski

Islamistas cobardes mataram hoje, aos 80 anos, o grande Wolinski. E também Cabu, Charb, Tignous e mais seis colaboradores do velho Charlie Hebdo. Em nome  de Alá, disseram.

Não sei que caralho de Alá é esse, mas se em nome dele se matam humoristas, deve ser uma merda muito ruim.

43 thoughts on “Vive la France!”

  1. Júlio, nunca pensei alguma vez estar completamente de acordo consigo. O livre arbítrio ou ainda a liberdade de discordarmos um do outro terá de ser defendida até ao limite.

  2. Não acho bem chamar merda e caralho ao deus de certas pessoas – ainda que algumas delas pratiquem atos em seu nome hediondos. Acho que isso contribui essencialmente para o ódio e não é assim que se exprime o direito à liberdade de expressão.

  3. Enapa, está com medo? Foi assim que os Judeus quase foram exterminados, sempre politicamente correctos, sempre crédulos, sempre submissos. É preciso não recuar mais. Na Europa mandam os europeus. Os islâmicos que querem vir para a Europa , ou submetem-se à democracia e à liberdade de pensamento ou não tem lugar entre nós. Basta de fechar os olhos ou melhor, basta de não querer ver.

  4. oube júlio, saves, só perdes a razãoe numa couza, pá. deus muda de nome cumu muda de nome noça sinhórra, tás a berre, purtantu, pá, alá num teie colpa.agorra tenze razão cuandu xamass cuvardess aus canallhas de carra tapada ca mattarrao, tás a berre.

  5. O Enapa tem toda a razão.
    Mas a Europa – França, Reino Unido e Alemanha em particular – têm de começar a pensar seriamente no enquadramento de outras religiões na Federação em tempos idealizada.
    O que nasce torto tade ou nunca se endireita, dizemos nós cá no nosso pacífico cantinho.
    bac

  6. Enapa, guarda as tuas lições. Se sabes ler, eu escrevi: “Não sei que caralho de Alá é esse”. Porque possivelmente haverá mais Alás.

    Deus ou Alá, que é a mesma entidade dita de maneiras diferentes, tem um significado muito variável, consoante quem o invoca. Para muitos é uma entidade castigadora, intolerante e terrorista. Para outros é uma entidade misericordiosa, infinitamente terna e compreensiva. Chame-se Deus ou Alá, se for uma entidade vingativa e terrorista, não me merece qualquer respeito, nem ela nem quem acredita nela.

  7. Era completamente escusado chamar à colação a palavra Alá nesse post que afinal segundo dizes o que pretende é insultar o deus dos terroristas. mesmo que essa reinterpretação das tuas palavras vingasse, teria que dizer que insultar o alegado deus dos terroristas é a coisa mais parva que há para dizer num momento destes.

  8. o julius praciza da serre cunbertidu, num podess falarre açim de DEUS, ó cagamelo. Deus crió-te pázinhu, respeita-o ó herejjjje.debe casstigarre çim, os ca ça portaao male, pá.
    enapa, meue, tenze razãoe, praçebu-te.

  9. Violência em nome de Deus sempre houve, infelizmente.
    Mas, sem qualquer espécie de dúvida, o mundo civilizado tem que ser absolutamente intolerante para com estes grupos. sabendo distinguir entre o trigo e o joio, entre quem tem uma religião e, pacificamente a pratica e todos aqueles que em nome de uma religião cometem actos duma barbárie intolerável. Assim aconteceu, também, com a Igreja Católica, até há não muitos séculos atraz e foi ultrapassado perante a liberdade de pensamento que o século das luzes e a Revolução Francesa nos trouxeram.
    Repito, isto é um acto terrorista e como tal deverá ser tratado e devidamente punido, sem contemplações.

  10. júlio, tem calma foi só um post de merda. tens de domar esses instintos e não confundir a árvore com a floresta. é que qualquer dia não se distinguem as tuas palavras das dos neonazis que já andam por aí a ser citados pelos “jornais de referência”. essa gente agora vai ser vista como os profetas que já tinham visto isto tudo a acontecer há mais de 50 anos. eles vão subir ainda mais nas eleições por essa europa fora e vamos ter que levar com eles. e depois da perseguição ao islâmico virá a perseguição ao democrata e por aí fora. portanto acalma lá essa ira e não metas o Alá ao barulho seja lá em que aceção da palavra for.

  11. enapa, jornais de referência são aqueles que se ajoelham ao fundamentalismo? Caricaturar a religião só pode ir até ao cristianismo / judaísmo?

    Mas afinal que é que sugere enapa? Um regulamento para a caricatura e o humor? Que não se caricature o papa com um preservativo no nariz? Ou isso já se pode?
    Concretize. Vamos. Demonstre maturidade intelectual e esboce a sua opinião de forma clara.

  12. Ó Júlio, e que “caralho” de humorismo é esse que defendes, que baseia o seu humor na ofensa à religião dos outros.
    Lembras-te por acaso do que aconteceu ao António quando meteu um preservativo no nariz do Papa? Olha que éramos um país democrático, o Papa era europeu, e que eu saiba o António não era terrorista.
    Achas por acaso muita graça quando outras religiões são ridicularizadas? E se fosse a tua também gostavas?

  13. Carlos Sousa, ofensa a qual religião? À religião dos terroristas? És totó se pensas que estes assassinos tem outra religião que não seja o assassinato. O Deus-Alá deles, que pede sangue e não gosta de liberdade, nunca poderia ser o meu Deus-Alá, se eu tivesse algum. Felizmente, não gasto disso.

    Acho que TUDO deve ser ridicularizado, já que perguntas.

    E diz-me lá o que “aconteceu” ao António, estou curioso do teu raciocínio.

  14. Eu não sei se os assassinos têm outra religião que não seja o assassinato, o que eu sei é que são pessoas diferentes e como tal têm direito à diferença. Acho é que não podemos normalizar a pratica da religião. Se reconhecemos o direito à diferença, temos de reconhecer que há povos que praticam a religião de forma diferente da nossa.
    Estamos tão horrorizados por terem morrido 12 jornalistas/caricaturistas às mãos de três extremistas? Então e os que morreram nestes últimos dias, em Portugal, nas urgências dos hospitais, por culpa única e simplesmente do governo e da sua politica. Não será isto também terrorismo?

  15. Carlos Sousa, o islamismo nada tem a ver com isto.
    Quem mata pode fundamentar o acto numa religião, numa ideologia, num patriotismo. Ou numa cagalheta de uma ovelha. Mas isso não significa que a culpa seja da cagalheta da ovelha.

    O islamismo não é radical. Radicais são as pessoas: desde islâmicos, cristãos, judeus ou ateus. O islamismo foi instrumentalizado. Tal como o catolicismo foi instrumentalizado quando d. Fernando II de Aragão se aproveitou da Inquisição (criada para combater os fundamentalistas cátaros) para correr com os judeus. Não o fez por uma questão de fé (que quando a Igreja se opôs aos interesses – tanto dos portugueses como dos castelhanos – foi sempre posta no lugar) mas por interesses estratégicos.

  16. Ó Júlio ainda bem que me deixas ter direito à diferença, e ainda bem que tens poder para isso, olha se fosses um estúpido dum ditador que metesse velas num Jesus preto.

  17. É isso, vamos foder os muçulmanos todos onde quer que eles estejam!
    Não é que este atentado veio dar um jeitaço aos palestinianos, agora que se fala no reconhecimento do estado e pretendiam aderir ao TPI?
    A treta do estado islâmico ( ou lá o que queiram chamar a esse bando de mercenários ocidentais) não chega rápidamente aos objectivos pretendidos ? Então vamos acelerar o processo com umas palhaçadas à holywood que a borregada embarca toda na cruzada.
    Temos descernimento para entender o que se está a passar com o Sócrates, mas ficamo-nos por aqui?
    Já sei: Teórico da conspiração anti-semita, não é?
    Não abram os olhos que não vale a pena…

  18. Deus, Alá, o Enapa, o papagaio e o seu alter ego mais as arrastadeiras fascistas que vêem aqui hoje para fazer a comunhão podem mesmo é ir todos mas é para o caralho!
    E tu Carlos Sousa podes meter o teu Deus, a tua muleta psicológica e a tua seita de palermas na peida da tua prima. DARWIN para vocês todos filhos da puta.

  19. …e tudo gravado em vídeo, gentilmente cedido, pelo editor do canal 1 Israelita Amichai Stein que, por acaso (mas só por acaso), se encontrava numa posição previlegiada para filmar o acontecimento.
    Para além de serem tão estúpidos que só sabem hostilizar a opinião pública e, com isso, garantir a aprovação de medidas que só prejudicarão os muçulmanos em toda a parte, ainda têm o azar de serem filmados por um israelita em Paris. Foda-se! What are the odds!
    Logo agora que a França votou na ONU contra Israel e a islamófoba da Marine está tão bem lançada. Um pequeno boost vem mesmo a calhar.
    Isto já começa a ser um gozo.

  20. O maior prodígio que os malucos de Alá conseguem é fazer um orgão semi-oficial muito bem visto pelo poder [1], devido aos seus ataques, não tanto às religiões constituídas, mas sobretudo aos que resistem na adversidade à actual religião de estado do Holocaustismo [2], passar por um orgão iconoclasta e anti-religioso.

    Mas o efeito da indignação na opinião pública é positivo, uma vez que ela não distingue as subtilezas e acaba por se concentrar na condenação de princípio da censura, sem perceber de todo quando é que essa condenação é autêntica ou fingida por parte dos governos hipócritas. É um daqueles casos em que o mais importante é a ideia básica impressa na mente colectiva das massas intelectualmente deslavadas: «Liberdade boa, Censura má». No actual estado da civilização, nem tudo o que o Grande Irmão se vê obrigado a imprimir nas mentes é asneira.

    Um outro aspecto picaresco, visível por exemplo no Portugal católico, apostólico e romano, sublinha a longa marcha (por vezes a rivalizar em heroísmo com a da malta do Zedong) dos cristãos que hoje se indignam, e muito bem, com as tentativas de proibir a ridicularização pública do profeta cameleiro das arábias (e obviamente restantes profetas, ídolos e fantasmas, uáu!), mas… ainda ontem apedrejavam os cinemas que exibiam o filme «Je Vous Salue Marie» e exigiam a interdição de exibição de obras-primas como the “Life of Brian”.

    Próximo passo: os que ainda hoje assinam peditórios públicos pela limitação da liberdade de expressão (alheia) e se congratulam com as prisões preventivas sem culpa formada (dos seus contrários), vão ser os que amanhã vão começar a perceber a indivisibilidade da coisa e se vão juntar à luta pela liberdade?

    Há esperança, pessoal! Os olhos sonolentos, ainda colados pelos resíduos dogmáticos, acabam por se abrir, as velhas fés larvares iniciam as suas metamorfoses ou apodrecem, a verdadeira fé vai acabar por triunfar. As boas surpresas acontecem.
    ____________________________________________________

    [1] Fartei-me de rir com os hinos que, na sequência do atentado, a Caroline Fourest, ex-jornalista no Charlie Hebdo e entusiástica defensora da Lei Fabius-Gayssot, cantou à liberdade de expressão…

    [2] Um credo judeo-cristão tenebroso inventado para conciliar os anseios de humilhação e penitência com os de suprematismo e tributo sonante.

  21. Até me ia esquecendo, com o entusiasmo da indignação: agora que já gritaram «VIVE LA FRANCE», só vos falta acrescentar «LE PAYS DE LA LOI FABIUS-GAYSSOT». Mas cuidado, que o pai do céu está atento.

  22. Não deixa de ser curioso que o desaparecimento de Cabu, Charb, Tignous e restantes vítimas de Mafoma, no meio de gritos e tiros, tenha indignaram todos os governos do planeta, enquanto que o misterioso desaparecimento do seu colega Konk, possivelmente raptado por extra-terrestres, não tenha suscitado a mínima curiosidade.

  23. Para terminar, por agora, recordação de um «apelo pioneiro» do Charlie Hebdo, proclamado destemido defensor da liberdade pelo governo de la belle France:

    En huit mois, 173 704 personnes ont répondu à l’appel ‘pionnier’ de l’hebdomadaire pour demander l’interdiction du Front national”

    É verdade que 173 704 em 8 meses, num país do tamanho da França, nem sequer chegam a bater o apelo contra a liberdade de expressão do cidadão Sócrates em Portugal, mas a intenção é que conta, não é verdade?…

  24. oh nhanha, já que falas no sócras, os carlos hebdomanários não são primos ou sócios do libération, aquele pasquim françiú que publicou a versão correio da manhã da prisão do sócras e mais umas ordinarices que o fernando rosas escreveu sobre o assunto.

  25. FRANGU ATTIRRADORE, praçebu a tua frustrassãoe, todoss os diass éze cumidu nas lojinhass da guia. há quem goste meue, mas aquilu é çó óços pá, çém cuntaúdu meue.

  26. Não sei ao certo, mas acho que não. Julgo que o Charlie é uma cooperativa de cartoonistas, ou coisa que o valha. E tens razão quanto ao Rosas que nem sedos limões

  27. @ Ratolas Ignatz:
    A anterior saiu cedo demais porque estou com pressa. Não sei ao certo quanto ao Charlie, mas acho que é uma cooperativa de cartoonistas, ou coisa que o valha. E tens razão quanto ao Rosas que nem sequer se coibiu de ir buscar a «pseudo-licenciatura». Acho que se converteu ao adventismo do 7º dia ou pior ainda…

  28. Quem se passeia despreocupadamente pela estepe alentejana vestindo uma camisola encarnada corre o risco de levar um valente cornada de um touro ou de uma vaca tresmalhada…
    É natural. É como aquelas mulheres que chamam o marido bêbado de cabrão ou coisas piores e depois estranham levar umas arrochadas valentes…

    Os países democráticos só têm o direito de viver a sua democracia em paz, nomeadamente no que diz respeito à liberdade de expressão, se souberam criar mecanismos democráticos eficientes que dissuadam os cidadãos residentes (e não só) de desrespeitarem as liberdades democráticas.

    O Sr. Lá Palice falaria assim se por cá andasse, e não deixava de ter razão.

  29. Esses assassinos fazem lembrar aqueles católicos que, pronunciam o nome de Deus em vão; pregam uma coisa e fazem precisamente o contrário. Não fazem isso porque o Deus deles os mande fazer, mas tão só, porque têm o coração carregado de ódio e um horizonte carregado de negrume.

  30. Manolito cheiras demasiado a vinho. por que não beberes em alternativa cházinho de camomila antes de vires aqui dizer disparates? Puseram-se a jeito, foi? E tu, vais-te pôr como, quando eles te baterem à porta de sabre em punho por entenderem que a tua renitência em rezares como eles é um insulto? Rastejas suplicante e borrado de medo?

  31. o alá e a liberdade de expressão têm tanto a ver com isto como a tundra alenteja, não aproveitem para viabilizar xenofobias e teorias securitárias direitolas. houve um atentado terrorista e como tal há que prender e punir os gajos, é válido para os senhores de lá police e para os policias de cá.

  32. Enapa, vai vestir o colete de explosivos e vai fazer-te explodir dentro de uma mesquita. Não percebes que não se combatem fascistas com rosas e cravos no cano das espingardas, ou com cartoons produzidos para vender a indigentes de barriga cheia a viver à custa de paises miseráveis… Se isso fosse possível não tinha ocorrido a 2ª GGuerra.

  33. “Só há um pequenino problema,…é preciso ter a certeza de quem eles são.”

    compreendo que a polícia tem de dar uma resposta rápida para tranquilizar os françiús e arrefecer os ânimos ou veleidades de alguns malucos, mas acredito que os alexes & texes franceses não andam a prender sócras para agradar ao presidôncio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.