Uma história das arábias

Era uma vez um chefe guerreiro sanguinário nascido em 1880, que em 1932, com muitas atrocidades, manhas e a ajuda dos ingleses, fundou um reino a que deu o seu próprio nome. Teve pelo menos 45 filhos varões e não se sabe quantas filhas. Sucedeu-lhe em 1953 o 2.º filho. Sucedeu a este em 1964 o 3.º filho. Sucedeu a este em 1975 o 5.º filho. Sucedeu a este em 1982 o 8.º filho. Sucedeu a este em 2005 o 10.º filho, que reinou até ontem, 22 de Janeiro de 2015. Sucedeu-lhe hoje o 25.º filho, de 79 anos de idade e saúde fraca. Na linha de sucessão ficou agora o 35.º filho, aparentemente o último ainda vivo, com 70 anos.

10 thoughts on “Uma história das arábias”

  1. Júlio, a história dessa tribo – no sentido clássico, claro – não foi feita, apenas, de procriação “ao desbarato” como pareces fazer crer. “Nós”, e não só os ingleses, temos muita culpinha naquilo que é, e sempre foi, a Arábia Saudita.
    “Demos-lhe” demasiada corda e complacentes vamos sendo a troco de uma “coisinha” que vale imenso mas vai acabar um dia.
    Culpa toda nossa, Porque cá pela Europa lidamos lindamente com a hipocrisisa,

  2. julius, amigu, depois da contare tanta ginialugia e de fazeres tanta arbore, debes tare cansadu e cançaste o maralhale, tás a bere? oqueie.

  3. “Os nossos amigos ditadores o que têm de bom é o serem nossos amigos….”

    eheheheh… só se for pelos financiamentos que fazem à jiahd.

  4. Mas não é o Irão que é governado por um regime teocrático déspota assim à laia dos tempos medievais?

    Raramente ouço os órgão de informação criticar o regime Saudita (tenho dúvidas se é regime ou uma coutada familiar) o Irão é quase diariamente zurzido, por aquilo que os parlantes cá do burgo apresentam o Irão se não for o inferno na terra é reside paredes meias.

  5. Assim reza a história e a explicação por que os regimes sanguinários nunca terminam. Está nos genes desde os tempos piramidais. Convém seguir as pisadas do pai mesmo que ele seja um filho da mãe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.