Um péssimo sinal

“O PS tem condições para formar governo, apresentar programa e entrar em funções. Quanto aos desenvolvimentos futuros, eles resultarão da identificação da política que for possível fazer. Como sempre, quer esse governo, quer os trabalhadores e o povo, em particular, poderão contar com a nossa activa participação para assegurar todas as medidas que correspondam aos direitos, interesses, rendimentos, salários dos trabalhadores, reformados. Tudo o que não corresponda, contarão com a oposição do PCP – Jorge Cordeiro, membro do secretariado e da comissão política do PCP.

Jorge Cordeiro é um dos comunistas que mais se tem destacado nos ataques ao PS. Eles são todos muito parecidos, mas este é talvez mais insistente, para mostrar trabalho.

Ora não basta que o PCP apoie a formação de um governo liderado pelo PS e se recuse a votar moções de censura da direita. É preciso que os comunistas apoiem esse governo ao longo do quadriénio. Se resolverem fazer oposição em tudo o que os separa das posições do PS, teremos rapidamente o caldo entornado. Supondo que Costa está bem atento, nesse caso nunca poderá haver um governo da esquerda.

Com o resultado do voto da emigração, que deu três deputados ao PSD e um ao PS, o PCP maximizou o seu poder no parlamento, ao tornar-se no partido com deputados suficientes para aguentar, ou não, um hipotético governo liderado pelo PS. Se os socialistas tivessem conquistado três deputados da emigração, bastava-lhes o apoio do Bloco de Esquerda. Depender só do BE já seria incerto e arriscado. Depender a todo o momento do arbítrio do PCP seria excessivamente temerário, como o demonstra bem toda a experiência passada do PS com o PCP, desde 1976 até hoje. Os comunistas (e se calhar até os bloquistas…) não se ensaiam nada para voltar a ajudar a direita a conquistar o poder, como já várias vezes fizeram. Os comunistas, muito em particular, estão programados para actuarem sempre como até agora. Os socialistas, para eles, sempre foram uma espécie de inimigos. Não há milagres.

25 thoughts on “Um péssimo sinal”

  1. Se o PS tem idiotas a dizerem disparates porque é que o PCP não os pode ter ?
    O ideal não existe. É um objectivo a alcançar.

  2. O Jerónimo tem aquela cassete bem gravada que daqui a 100 anos ainda a vamos ouvir:
    “SÃO TODOS FARINHA DO MESMO SACO”

  3. Homens sem escrúpulos encontro-os sobretudo à direita, que já várias vezes se valeu dos comunistas para derrubar governos PS e agora têm a lata de vir agitar o papão do comunismo. Puta que os pariu!!!
    No PSD e CDS actuais só há reles vendedores de banha da cobra e gente incompetente em todos os domínios. São a escória da política portuguesa.

  4. “Com o resultado do voto da emigração, que deu três deputados ao PSD e um ao PS, o PCP maximizou o seu poder no parlamento, ao tornar-se no partido com deputados suficientes para aguentar, ou não, um hipotético governo liderado pelo PS.”

    Se o link no Negócios é do dia 13 e o resultado da emigração foi conhecido a 14 não podia ter influenciado o teor do comunicado. Ou não será assim?

  5. Ninguém ajuda mais a direita a chegar ao poder do que a constante aproximação do PS ao PSD e CDS por oposição ao PCP-BE. O PS é, em sua praxis, uma campanha permanente pela ideia de superioridade da política de direita sobre o socialismo.

    É que uma coisa é o PCP fazer oposição ao PS, como o PS faz ao PCP também, outra coisa é fazer oposição ao socialismo, como faz o PSD e o CDS.

    Quando o PS realmente existente afirma continuamente a sua maior proximidade com o PSD ele afirma a sua maior proximidade com políticas e partidos que desprezam o socialismo.

  6. “a direita precisou do pcp,para chumbar o pec4 e para viabilizar governos nas autarquias.”

    O PS de Sócrates não era fundamentalmente diferente do PS de Assis – apenas Sócrates era mais guerreiro. De resto, preferiu negociar os PEC com o PSD. Além disso exibiu como troféu o acordo de Merkel com o PEC IV, ou seja, o acordo de uma conservadora de direita, como se isso fosse algum bom sinal para uma política de esquerda.

  7. Que raio de contas as do articulista! Só há maioria com os três que não querem o puf. Dificuldades com a aritmética ou as merdas do costume ?

  8. O Costa está-se cagando para formar um governo duradouro neste momento.
    Além disso está-se cagando para o estado em que o país se encontra.
    Ele só tem um objectivo que é governar com o BE e eventualmente o PCP e passado uns meses vitimizar-se de modo a canibalizar o eleitorado destes dois “aliados” de circunstância.

    Olha, o Varoufakis diz hoje no Público que Portugal está tão falido como a Grécia.
    Grande novidade…

  9. Era de ouvir os palermas que por aqui circulam a criticar explicarem bem explicadinho na óptica deles o que é que o Costa devia fazer. Isso sim era um serviço à comunidade. Expliquem lá para a gente se rir. Diz lá ó campónio como é que era se o costa tivesse escrúpulos, como é que fazia e quais as consequências de agir de tal forma? Anda lá não poupes nas linhas. Solta a franga.

  10. para isso precisava de ter aquela coisa que se chama inteligência, que pelos vistos está em falta lá para os lados do campo.

  11. Um péssimo sinal é continuar a escrever que o PCP e o BE ajudaram a direita a conquistar o poder. Isso era o mesmo que eu escrever que o PS tem servido ao longo dos anos de bengala,de andarilho e de apêndice da direita. Governos do Bloco Central, governos PS-CDS, sem falar recentemente no acordo que António José Seguro quis fazer com Passos Coelho na altura do episódio trágico-cómico do irrevogável. Pode a ESQUERDA confiar no PS? Veremos!

  12. campus, avivo-te a memória.

    1976-1977: PCP, com 40 deputados, declara não apoiar governos minoritários do PS. Em Dezembro de 1977, PCP junta os seus votos aos do PSD e do CDS na AR para derrubar governo minoritário do PS.

    1978: PCP, com 40 deputados, não apoia formação de governo minoritário do PS. Vêm os governos de iniciativa presidencial e depois, em 1979, a vitória da coligação de direita (AD).

    1983-85: PCP, com 44 deputados, não apoia governos minoritários do PS. Após queda do governo do Bloco Central, há eleições e vai a direita para o poder, com governo minoritário do PSD (Cavaco). Começam 10 anos de direita no poder.

    1995-2002: PCP está na oposição aos governos de Guterres juntamente com a direita. Para não ser chumbado um orçamento, o governo minoritário do PS tem de conseguir o apoio de um deputado rebelde do CDS. Há eleições em 2002 e vai a direita para o poder.

    2005-2011: PCP faz oposição cerrada juntamente com a direita aos dois governos de Sócrates. Em 2011, junta os votos dos seus deputados aos da direita e do BE para chumbar o PEC IV e derrubar o governo. Há eleições em 2011 e vai a direita para o poder, até hoje.

  13. Augusto,
    em 40 anos, o PS esteve 2,5 anos coligado com a direita, e isso em parte porque o PCP sempre lhe negou o seu apoio no parlamento ou fora dele.
    A oposição do PCP a todos os governos do PS serviu sempre magnificamente a estratégia de conquista do poder da direita. Os resultados estão à vista
    Em 5 de Março de 2011, reconhecendo o valioso apoio sempre prestado pelo PCP à direita, Bagão Félix encarou mesmo a possibilidade de um governo PSD/CDS/PCP, com ministros comunistas e tudo. O objectivo expresso era afastar Sócrates a todo o custo.

  14. se a esquerda “radical” não pode governar ou fazer um acordo parlamentar, porque é que não propõem a sua ilegalização? pelos vistos os votos do bloco e pcp são bons quando favorecem a direita e dividem a esquerda mas são considerados golpe de estado quando a unem. à direita tudo é permitido, o cds votou contra a constituição, quis ilegalizar partidos extrema esquerda, opôs-se à entrada do euro, defende todas as causas reaccionárias e sanguinárias do marialvismo bacoco às touradas ou da panaleirice encoberta aos abortos em vão de escada e pelos vistos nada disto incomoda a direita moderada e democrática portuguesa, antes pelo contrário, complementa-a para não sujarem as mãos.

  15. «ou da panaleirice encoberta» DIZ O BROCHIGNATZ

    O gajo fica tão excitado que até fala de «panaleirice»…hum, ele que conta os «t´s» da Garrett, confunde o «e» com o «a»…Quer isso dizer que és um panaleiro?, hum?
    A preocupação deste gajo é de rabos, paneleiros, ou seja, panaleiros, e outros dislates fálicos. O BESTA foi proibido de entrar no ZOO. Da última vez que lá foi, abancou ao pé dos macacos e dos gorilas…foi expulso.
    Parece que reside aqui novamente, pois para já, esta é a melhor via que o gajo tem de se alimentar…não o deixam estar ao pé das vacas nem dos bois…

  16. Júlio,

    O PS sempre afirmou de sua livre e expontânea vontade ser mais próximo do PSD do que do PCP. Porque razão se admira que não haja uma história de colaboração do PCP com o PS?

  17. Júlio,
    Tudo que aponta é verdade, mas não toda!
    Poderia colocar já aqui um link para o comprovar. Não estou interessado em dividir o que deve ser unido, para retirar os pantomineiros que destruíram e querem continuar a destruir, com a ajuda do pantomineiro mor. Deixo-lhe no entanto a opinião que os acontecimentos descritos devem estar situados no tempo e no espaço; que em nada se assemelham à gravidade dos tempos hoje vividos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.