Tudo à batatada

Seguem-se notícias dos últimos dias sobre o que se vai passando na Justiça. No pior dos casos todas as acusações serão verdadeiras:

Governante chama mentirosos aos dirigentes sindicais dos juízes e dos magistrados do MP

O secretário de Estado da Justiça, Costa Moura, diz que “há uma tendência para a mentira” por parte da Associação Sindical dos Juízes e do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público. “Não podemos deixar de estranhar o tom destes recém-empossados dirigentes.” 2015.07.15

(Nota: os actuais dirigentes sindicais dos juízes e dos magistrados do MP foram ambos eleitos com o apoio das direcções cessantes.)

Dirigente da Associação Sindical dos Juízes chama mentirosa à ministra

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses, liderada por Maria José Costeira desde Março, acusou a ministra da Justiça de ter feito afirmações falsas no Parlamento. 2015.07.15

Sindicato dos Magistrados do Ministério Público acusa governo de querer “controlar politicamente” o MP

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) acusou hoje sexta-feira o governo de querer “controlar politicamente” o MP. Em conferência de imprensa, o presidente do SMMP desde Março, António Ventinhas, considerou que a versão do estatuto do MP elaborado pelo MJ “tem soluções inconstitucionais, ataca frontalmente a autonomia do Ministério Público e visa o controlo deste pelo poder executivo”. O MJ “passaria a ter o poder de aprovar os regulamentos que disciplinam a actividade do MP, inclusivamente os regulamentos internos da PGR e do DCIAP, com competência para investigar a criminalidade económico-financeira mais complexa”, afirmou Ventinhas. 2015.07.17

PGR acusa governo de querer controlar investigação criminal  

O Conselho Superior do Ministério Público, liderado por Joana Marques Vidal, emitiu um comunicado que fala de “ostensiva falta de rigor técnico” nas alterações aos estatutos dos juízes e dos magistrados do MP. O diploma prevê que o governo passe a aprovar os regulamentos internos de funcionamento do MP, ameaçando frontalmente a autonomia do mesmo. 2014.07.15

72 thoughts on “Tudo à batatada”

  1. “dependência do poder político” deve ser o novo termo técnico para “grande aumento salarial”, que há uns tempos atrás se designava por “garantir a isenção dos magistrados”, aqui no bairro chamamos-lhe falta de vergonha na puta da cara dos magistrados e mais uma bubadeira da menistra mentirosa e ordinária.

  2. Vocês vêm atrasados. Isso já tem barbas e eu já aqui abordei essa matéria mais de cem vezes, os senhores é que fizeram de contas que não liam.

    A batatada que agora interessa é a do cegueta!

    O cegueta é que vai levar!

  3. PASTO PRUNES, oube, pa começo de cumbersa, pá, sugiro-te, pequenote frustrado, que ponhas uma dentadura no teu rabo pá, vulgo BURACA. Tu faz o curso primeiro, ó burrito, e depois atreve-te a discutir comigo. Já te abisei, ó rabo desdentado, que o que tu dizes não se escreve.

    VAI PASTAR, BADALHOCO.

  4. E, portantos, ó JULIO, pá, isso só acontece com os gajos do Psd. Oube lá, queres que te conte umas histórias dos xuxas ( e comunas) e nota que moi não se identifica com a democracia partidária marreca.

  5. Júlio,

    Quanto a essa coisa de andar tudo à batatada, estranho que não tenha mencionado também a Bastonária da Ordem dos Advogados, ela própria eleita também com o apoio do ex Bastonário, Marinho Pinto.

    Em suma, são coisas do foro do corporativismo, e tentativas de controle.

    No âmbito do, digamos assim, corporativismo, acho lamentável, para dizer o mínimo, que se venha alegar com o perigo de falta isenção e perigo de tentações monetárias, vulgo corrupção.
    Isto é simplesmente inacreditável, e completamente, inaceitável, vindo de onde vem.
    Mais razões, a existirem, teriam os polícias e os empregados camarários, para invocarem esses perigos, e não o fazem.

    No tocante às tentativas de controle, mais do lado do poder político, que é a entidade pagadora, e usa isso quando lhe convém, já referi aqui que compreendo que tenha receio das magistraturas, mesmo com a lei em vigor, que é no dizer da ex procuradora Cândida Pinto, castradora (a lei, seja para investigar, seja para punir).
    Eles lá saberão, entre eles, quantos e quais estão com o rabo trilhado.

    Continua

  6. Júlio
    Continução

    Parecendo estarem com o rabo trilhado – mesmo com a lelislação vigente – muito menos entendo que invoquem tantas dificuldades para elaborarem leis moralizadoras e de combate à corrupção, nas suas várias facetas.

    Por exemplo, no caso do enriquecimento inexplicável, ora objectam uns, os socialistas, que seria necessário inverter o ónus da prova, e que tal seria inconstitucional, para além de violar o Princípio da Igualdade, por só se aplicar a cidadãos detentores de cargos políticos, como reajem os outros, o PPD por exemplo, ao anunciar a intenção de corrigir no sentido de não inverter o ónus da prova, mas de de aplicar a todos os cidadãos, para não violar o Princípio da Igualdade. O que obviamente não faz qualquer sentido, pois que poderes políticos de decisão detem o cidadão comum, digamos, o electricista ou o sapateiro.
    Ora o que uns e outros querem, é pura e simplesmente não fazer lei coisíssima nenhuma.
    E, a fazerem, irão elaborá-la de modo a não poder passar no Tribunal Constitucional.
    Depois, dirão : ” nós queríamos mas eles não deixaram “.

    Já disse e repito, do que eu tenho receio, é de uma república de advogados.
    Que é o que temos. Advogados-legisladores-deputados.
    ,

  7. o pimpaunspeidos está com receio que o ministério público deixe de ser orientado pelo cavaco via vidaleiros e que a corporação perca o poder de chantagear a classe política, fazer o que quer em proveito próprio e não prestar contas a ninguém. como está, é que está bem, trabalhamos quando nos apetece, não há prazos para nada, investigamos quem queremos ou nos incomoda, os mega processos e a especial complexidade servem para encobrir a mega e especial incompetência dos investigadores que nada investigam e se divertem com efabulações sobre escutas telefónicas, arredondamentos de ordenado livre de impostos com venda de merchadising de peças processuais ou seja traficância segredo justiça e quando tudo falha a culpa é do legislador, da falta de meios e de dinheiro para traduções. o que nunca falha é o ordenadinho ao fim do mês.

  8. Isto é o Estado a que se chegou!
    Ainda bem que isto começa a vir para a praça pública e deixa de estar escondido nos entrefolhos!
    República das Bananas (ou dos bananas) é o que me ocorre!

  9. ó pá, vai-te foder, não sabes dizer nada, só desconversas, pareces o Manuel Serrão da blogofesfera. Pior ainda, és o emplastro da bloga.
    Temos o esparregado do costume, embrulhas coisas sem nexo com demagogia e palavrões à mistura.
    Parece o samba do crioulo louco.
    Vai dizer piadas prá galeria do jardim-escola Moderno, e volta prá play-station.

  10. puta que pariu. era congelar as contas a essa gente toda do poder político e judicial e disponibilizar apenas, durante meio ano, o ordenado mínimo. tenho a certeza de que o sentido das vidas deles mudava logo rumo à verdade.

  11. Ó Olinda, não é nada das bananas, é pior que isso, é uma República dos Advogados, veja que Sá Carneiro PPD era advogado, Mário Soares PS era advogado, Freitas do Amaral CDS é licenciado em Direito, o mesmo sucedendo com Cunhal PC.

  12. Bem… eu estou aqui por causa do cegueta e respondo ao pimpampolas ou pimpasejóquefor para malhar e descarregar o pau no cegueta.
    O que eu quero, na realidade, é ir ao focinho e partir os cornos ao cegueta. Dirão os senhores que isto já é mania e que eu sou esquisofrénico. Seria uma hipocrisia, como se ninguém tivesse visto o cegueta a insultar aqui e toda a gente e a desafiar tudo e todos com ameaças, explícitas e veladas.
    Portanto, o meu propósito último é partir o focinho ao cegueta.
    Para lhe partir o focinho, tenho que saber quem é, se assim não for posso, por precipitação, partir o focinho ao Inácio.
    O Inácio assegura que conhece o cegueta. Devia colaborar.
    Bem… mas acerca deste assunto, para dar uma resposta curta ao pimpampolas e tentar uma vez mais uma precipitação do cegueta, é imperativo dizer que esta questão está a ser obscenamente distorcida, para fazer de contas que existe alguma dissidência de fundo, que tenha a ver com questões orgânicas, com mais ou menos autonomia e mais ou menos independência, entre a ministra, a procuradora geral e os sindicatos.
    A única dissidência que existe é acerca dos privilégios salariais e da blindagem salarial que juízes e procuradores têm exigido, sob chantagem de oferecer ou não mais ou menos independência.
    O lamiré foi dado por Mouraz Lopes enquanto presidente do SINDICATO com particular incidência desde o início de 2014, mas sobretudo a partir de um célebre congresso no fim de 2014. Mas já vinha muito de traz e, sob o tópico das regalias pretendidas no calendário judicial, já indispusera os sindicatos contra o José Sócrates, por mero acaso.
    O resto são vidros fumados.
    Um dia destes os membros do governo e os deputados vão também exigir compensações salariais para poderem garantir a sua independência relativamente ao poder judicial.
    Ó cegueta! Por mais que o queiras não consegues contagiar os outros com a tua cegueira manhosa!
    Vais levar no focinho!

  13. Ó Castro deixe-me ficar com a minha ilusão ou ingenuidade, como queira, se não ainda acabo como você …
    Trabalhei décadas na Administração Pública e a esmagadora maioria das sentenças dos tribunais tributários, eram favoráveis aos contribuintes.

    Tenho pendente na Câmara Municipal da Maia, no âmbito duma herança indivisa, um requerimento para passagem de um imóvel, a prédio em regime de propriedade horizontal.
    Está pendente desde 1997.
    Portanto, cerca de 18 anos.
    Até agora, já custou 400 contos (arquitecta da autarquia que ia mexer cordelinhos e nada fez) 700 contos para o advogado (que se deslocava em BMW Z3 e que também nada fez) e mais 700 contos para o funcionário camarário (que realmente fez, isto é, tratou da papelada, mas que deixou passar o prazo, e queria mais 700 para recomeçar tudo de novo. Acabou por se conformar apenas com os 700 mas diz que o processo empanca em cada departamento por onde passa; todos querem o seu quinhão).
    O Delegado do Ministério Público e o Juiz, nada receberam.

  14. oh peidum, o quéquecrias duma autarquia psd? só um tanso é que recorre a um advogado para pôr um prédio na horizontal, se levasses o prédio ao veterinário era capaz de sair mais barato e o resultado era o mesmo. não pagaste nada à justiça porque não chegaste lá, queixa-te à vidaleira, depois admira-te se te apreendem o prédio e ficas arguido de branqueamento de cimento ilícito e fraldas fiscais. diz o otário que trabalhou décadas na administração pública, pois… e deve ter sido a fazer de preto da casa africana à porta do urinol público da rua de contumil.
    http://videos.sapo.pt/ezZgozWUGZwjOLbSPa8m

  15. Se o cegueta fosse o pimpampolas, do que cheguei a suspeitar, ficávamos a saber que era da Maia. Ainda bem que não é, porque a Maia fica muito longe e é uma terra inóspita. E eu, quando partir os cornos ao cegueta, quero beber champanhe.
    Desculpa lá, pimpanolas, este ”à parte”.
    Voltando ao caso, pimpanolas, acho que não percebeste nada. A revolta dos juízes até se entende.
    Eles eram os únicos funcionários da administração pública que não podiam receber luvas para serem independentes. A independência de todos os outros funcionários tinha um preçário. O problema colocava-se drasticamente quando os outros funcionários não tinham que alegar a sua independência para poderem receber compensações, pelo contrário, tinham que patentear que eram dependentes, por isso até podiam exibir na lapela o emblema do partido
    Ora… o que os juízes e magistrados podem vender é a sua independência. Não podem vender sentenças, uma sentença favorável cinquenta euros, uma sentença desfavorável, oitenta euros. Um arquivamento cento e vinte.
    As compensações à independência dos juízes e magistrados tem que assumir a forma de salário.
    Bem… muito haveria a dizer acerca deste negócio. Mas pensa no que aconteceria se os médicos, os enfermeiros, os bombeiros de súbita começassem a gritar nas ruas: Se não nos pagam um salário superior ao do Primeiro Ministro, doze vezes o salário mínimo, não conseguimos garantir a nossa independência.
    É sempre obsceno quando os funcionários públicos misturam as questões salariais com os requisitos mínimos eticamente aceitáveis para o exercício da sua profissão, simulando estarem a reclamar um em dois.
    Temos visto como os professores o fizeram dramaticamente durante décadas, tornando-se progressivamente cúmplices do sistema.
    Não, pimpanolas, não vamos por aí.
    Os juízes e magistrados têm que garantir a sua independência e apresentar claras demonstrações dela em sede de escrutínio público.
    Depois, num horizonte de justiça, equidade, mas também de justo reconhecimento do seu papel na sociedade, a sua condição salarial deve ser sujeita a rigorosos debates.
    O resto são vidros fumados.

  16. o que se está a passar nas justiça,nem no bordel mais rasca deste pais há tanta bagunça.em 42 anos de democracia,nunca vi uma ministra tão desqualificada e uma corporaçao justiceira de taõ baixo nivel. se o meu primo fosse vivo não deixava de dizer: que os pariu a todos!

  17. AMADOS,

    Por aqui há um que padece ostensivamente de esquizofenia, o pateta do PASTO PRUNES – PATO. O gajo diz que Maia é longe, o que significa que deve estar mais perto de Lisboa.
    Eu «cá» continuo à espera dele – do maluquito – que se diz portador de um nome (civil), e que escarrapachará aqui o meu nome. Bem, vamos aguardar serenamente que chegue a Lisboa e pelos resultados. Para já o personagem, que se diz de direito, não pesca nada do assunto, considerando as patacoadas que por aqui escreve. E depois fala muito num Inácio – hum, ó 45 deves ser o mesmo e sofres do mal de «pensares» que os outros são…parvos.
    ..Mas…dizia eu…, o maluquito é bobo dele próprio e «patacoa» sobre «patacoa», frustradinho como só ele…ó pá, arranja outra testemunha para atestar a tua esquizofrenia, assim «a gente podemos» rir mais um pouco da tua (falta de tino e acerto, num é?).
    Oube, já te disse, quando apresentares aqui o teu atestado médico que estás controlado, tomas regularmente a tua medicação e COMPROVARES que lavaste a boca com lixívia ( ou outro desinfetante potente, atento as batérias que tens nessa bocarra NOJENTA, por ordinária ser), eu pensarei se te dispensarei a atenção de, pelo menos, ler quatro linhas seguidas do que escreves e se estas merecem ser comentadas. Btw, podias ter logo indicado o teu nome desde início, porque agora só te descoses cada vez mais como o vestido numa gaja gorda e feia que tenta enfiar um outfit elegante…

    PARA O PASTO. Não te esqueças de levar a injeção nas patas para te poderes manter de pé. Compraste a dentadura para pôr nesse teu rabo esburacado, conforme te disse para o fazeres, ó IGNÔNCIO JÈ BICOS IGNARALHO pá?

  18. Tadjinha da JOANA RETRETE, mais uma qui dériva da mentche détorpada de PASTO PRUNES – O PORCO PATETA PÉDÉ. Isstáze di servisso, minha chapa, todo o tempo aqui, né? Olhá aí, vai tomá na ótica cerrrteirrra, e compra sua dentadura prá pôr nesse rabo reles e badalhócu, pra, pelo menus, podererres dar um pum à sèrrrio, tá vendo? PASTARRR bem.

  19. Controlo, meus caros,controlo, sabeis o que é? Ou destes pelo controlo agora, hum? Parece-me que é uma realidade multi-secular, que todos encaram. Até o ..Tsipras, num é? E a morrreirita – a que está sempre a ralhar.

  20. E…e …como é que é no «bordel mais rasca»? Fale quem tem experiência desse tipo de …gestão comercial.

  21. Ai o PAREXERE do IGNATZARALLHO, o gajo continua com a bolinha de cristal turva. Ó pa, deixa de comprar nos chineses amigos do teu chefe, o tony bosta, pá. Ou então, corresponde-te com a Isapele Moreia, quem sabe pá, ela se abriga num acórdão do TC e tisplica, ó asnoconsulto. Que achas? Hum?

  22. O Pimpaumpum

    Você diz que o delegado do MP e o juiz nada receberam? Como e que você sabe ? Os outros intervenientes receberam, você nunca poderá saber como é que supostamente eles iriam actuar para fazer o que você pediu. O dinheiro podia ser, pelo menos em parte, para corromper terceiros! Que sabe você ? Isto é tudo muito complicado.

  23. Bolas, bolas, ó jaspum pimba, talvez se bocê fosse pensar o porco, talbez pudesse pensar melhor como ler as opiniões do estimado PIMPAUMPUM. Beba uma pouco do licor de M, por ele doutamente prescrito – certamente, com um pouco de irrigação adequada ao seu desentendimento, conclua algo.

  24. oh nunes, se queres saber quem é o gajo só tens que fazer arqueologia nos arquivos da casa. vais ao sitemeter do aspirina, conferes os ips dos comentários e descobres quem usa o mesmo ip para comentar com nick diferente. se o gajo é castro ou bernardette, já é um assumpto diferente, mas com jeito chegas lá. ah!!!… só mais uma coisa, se não encontrares o site meter, talvez o gajo já tenha reclamado ou o dono da chafarica o tenha escondido para ser só ele a saber.

  25. És um artolas, cegueta!
    Vamos colocar a coisa ”teoricamente”.
    Suponhamos que sim, que estou mais perto de Lisboa do que da Maia.
    Mas eu sou pobre e tu és rico. Eu não tenho dinheiro para ir a Lisboa partir-te os cornos.
    Tu não queres vir aqui, sabes bem onde, andas a fingir que não sabes onde me podes encontrar.
    Vamos fazer assim:
    Tu pagas-me a ida a Lisboa, faço-te aqui o orçamento.
    Orçamento.
    Viagem de ida e volta, Fátima Lisboa e regresso, vinte e dois Euros (22,00 Euros)
    Café, sessenta Cêntimos (0,60 Euros)
    Almoço, cinco Euros (5,00 Euros)
    Tabaco, quatro Euros (4,00 Euros)
    Mão de obra e pau, oferta da casa.
    TOTAL, trinta e um Euros e sessenta Cêntimos (31.60 Euros)
    Nota: Os cornos removidos transitam, como salvados, para a propriedade do executor do trabalho.

    Vamos agora colocar a coisa sem teoria, rasteirinha como é, com toda a propriedade.
    Tu cometeste aqui um lapso e estás identificado. Corre o histórico e repara na referência que fizeste ao Carvalho.
    És um artolas!
    Com que cara ias aparecer aqui de novo se eu publicasse aqui a tua foto? Não paro de me rebolar a rir.
    Vou evitar pôr aqui a tua foto, porque depois disso não te podia partir os cornos. Seria injusto e todos aqui diriam: ”Ah!!! Era este? Grande façanha, partir os cornos a este xoninhas!”
    É por isso que vais continuar anónimo até levares com o pau.
    Enquanto fores anónimo és o gajo que já partiste o focinho ao Carvalho. Metes respeito.
    Quanto à independência dos juízes, dos magistrados, dos polícias, a verdade é esta:
    Portugal teria que pedir um novo resgate para assegurar a independência da justiça, com cada juiz dos tribunais das instâncias de recurso e do ”topo da primeira instância” a ganharem mais de sete mil euros por mês e os polícias equiparados.

  26. O cegueta xoninhas parece que não se vai safar de levar nas trombas…
    Será bem feito! Vem para aqui insultar toda a gente, armado em carapau de corrida , cá por mim já as tinha mamado…

  27. AMADOS,

    MEUS AMADOS, a paz de Cristo convosco. Ao PATO MALUCO PASTO PRUNES, vemos, evidentemente, que é um case nut, pois mesmo perto de Fátima, não consegue imbuír-se dos ensinamentos da VIRGEM MÃE.

    (Oube, ó PATETINHA, devias ter pensado no orçamento antes de marcares o encontro em Lisboa, tás a bere? Pois não é teu interesse «partires-me os costados»? Então, tu é que deves arcar com as despesas de viagem e, uma vez cá, farás outras, que continuarás a pagar, num é? Diz-me: na FDL não aprendeste algo sobre …responsabilidade, hum? Concedo que com a tua falta de acerto, continues a «patacoar», mas faz um break e aprende comigo.

    Portanto, ó salaud, és patinho, escorregas, e pões-te a jeito. Olha, vem a pé. Sempre irrigas a cabeça e te acertas na vida, ó bobo blogueiro. Se for ler a tua BOSTA, tenho a certeza que vou encontrar mais uns preguinhos para te pôr aí nessa cabaça, mas bá, isto chega. Oube, sempre podes pedir a algum XUXA COMUNA tipo outdoor de Bragança que te pague a biagem, pá. É só uma questão de aplicares as «dótrinas» pá… pede aí aos camaradas que dividam por ti. NÃO ME DIGAM QUE CARLOS SANTOS É SÓ UM – O DE SÓCRATES E MAIS NENHUM, hum?).

    O KAGASENTENÇAS, suit yourself, pá. Conta aí, saíste da buraca do PASTO PRUNES e o que pateaste, de imediato, é em jeito de testemunho abonatório do rabo daquele ou és o resultado de algum dente artístico que começou a ser instalado na Buraca, pá? Bá, fica apenas pendurado, que o gajo traz-te com ele.

    JÁ prá PALHOTA ( mas é a dos burros, oqueie?!)

  28. Cegueta
    Paixraix lendervaixrenders nouver faixltaix pouvercouver. Ouverlhaix sentprender penderlaix jaixnenderlaix

  29. IGNARALHO, IMPOTENTATZ, outro PAREXERE teu. Donde és, conta aí? És de cá, ou teleportas-te do Rato para aqui, hum? Bora aí, descobrir qui suis-je!
    O PATETA do PASTO, o teu derivativo, pá, até diz que põe uma fotografia. Hum. BORA! Bá lá, não façam este pessoal sofrer, estão todos curiosos. I

    IMPOTENTATZ, já que sabes tanto de (des) informática, deves saber como desvirtuar o virtual, num é? Algum site, pá? Esqueceste-te de publicar sites, pá. Bora, a «gente tamos todos à espera».

    Pau de cabinda pra ti. Meia dose antes do serviço, que não terá resultado imediato, mas te ajudará a ambientar-se à coisa. Depois, aumentas gradualmente. Atenção, pára de usar o anel chinês, e não acredites em tudo o que o TONY BOSTA te diz sobre o comércio chinês.

  30. Ó ADELPASTONUNES, tens um sentido de oportunidade tremendo. LOL. Para ti também.

    Já te mandei prá palhota e não te dei autorização para saíres de lá, pá.

  31. Que achas, Artolas?
    A nado também atravesso o mediterrâneo e vou aí ao estado islâmico.
    Mas diz-me. Vieste de férias com os emigrantes?
    Quando partiste o focinho ao Carvalho também estavas longe.
    Ai Toino!
    Continua. Depois queixa-te…

  32. Ouve ó 31 de boca, este é a last food que te dou pá. És maluco e frustrado. Escreve o que quiseres. Last warning: publica o meu nome, a minha foto, já que dizes que me conheces ( LOL) e depois «a agente bemos» essa história de «partir o que tu por confissão própria tens patente nessa testa de pequenote sem tomatinho»). E chega de vez a Lisboa, pá.

    Continua a implantar os dentes na buraca que arranjaste em Angola quando trabalhavas para a malta a soldo de SALAZAR ( e prós outros que faziam fila em frente à tua palhota).

    Toma nova injeção, tás a ficar sem força. PASTO, já.

  33. Tu não estás em Lisboa cretino!
    Conheces a fábula do lobo e do cordeiro?
    Huuummm….
    Acho que estás a por em perigo a integridade física do alheio…
    Artolas de merda!

  34. Já te dei a resposta e o warning…

    Volta a ler o que te escrevi ( e olha que agora estou a ser condescendente com a tua doença.)

    Põe-te na sombra, estás a ficar com as hastes amarelas. Meio caminho para as galhadas te caírem e o duelo não ter o resultado que antevejo.

    E PASTA. Estás sem força, pá.

  35. Estás a ameaçar-me outra vez, cretino!
    Põe-te a pau! E agora é o último aviso!
    Recapitulando:
    Tenho uma repulsa visceral por covardolas anónimos, fachos, que coberto do anonimato desafiam toda a gente, insultam, difamam.
    Mas tenho ainda uma maior repulsa visceral por aqueles que o regime convenceu que andam a coberto do seu estatuto e das solidariedades do poder.
    Não é a imunidade do teu cargo de merda que te vai defender os cornos!
    Porra, tu conheces-me! Passei dias inteiros a ouvir as tuas basófias!

  36. Tenho um vizinho que não sai daqui desde que eu nasci que, outro dia, a propósito da Grécia, dizia: ”Eu também estive nas Termópilas”.
    Agora digo-te eu: ”Eu também estive em Dili! Põe-te a pau, porque eu também estive em Dili!”
    Cretino!

  37. Os senhores desculpem mas eu tenho que partir os cornos a este cretino!
    É só mais um bocadinho.
    Eu seja ceguinho!

  38. É muito bonito, Olinda. Mas não pense que isto vai safar o artolas do cegueta de levar.
    Até parece que a Olinda só vê violência de um lado…

  39. LOL. O gajo esteve nas ex-colónias, e tem« Amor a pédês» tatuado no braço, não bate com o baralho. Ó PASTO, pá, não deves dizer «eu seja ceguinho», sabes porquê? Porque és ceguinho e estás em dor porque estás a instalar dentes arqueológicos na buraca de trás pá. Então, queres ajuda prá camineta para bires a Lisboa, hum?

    De joelhos, já, ACABOU A RAÇÃO.

  40. Começas a ser patético, Toino!
    Não recordas do onze de Setembro, quando te telefonei para Nova Iorque?
    – É Toino! Vai à janela e espreita para as torres gémeas!
    – O quê? O WTC? O que tem?
    – Estavas a dormir! Vai ver, estúpido!
    – (…) Ah!!!!
    – Ah mas são verdes, cretino! Desta vez estás f(…)ido! Ficas aí refém até mais ver, os voos estão todos cancelados!
    Agora, estás convencido de que por teres ascendido a cônsul honorário entre os cafres gozas de imunidade.
    És patético, Toino!

  41. Fogo, pá, eu pensei que tivesses morrido. Então pá, não eras tu um dos que se atirou desesperado da janela? OK, safaste-te mas ficaste afetado da cabeça. Compreendo, compreendo. Já percebi o teu desacerto.
    Pronto, volta lá à pastagem, pá, mas deixa os bezerros em paz.

  42. Knock out!
    Agora só falta o resto.
    Dorme bem, Toino.
    Mas vai espreitando pela janela.

  43. ó João Malheiro, volta lá pró PinceladasGloriosas.
    Apanhei-te, ó Cona de Aço.
    O teu léxico ” urinol de Contumil ” e outros atributos literários como coinos, conas e
    outras conices, descobriram-te a careca.
    Volta para Vila do Conde e já agora leva contigo o teu conterrâneo Fernando Gomes, que tocou nos Condes, ainda é possível que saiba pegar numa
    guitarra e dedilhar (mal) tu podes sempre exercer o teu talento e a tua natural inclinação profissional, a de ESTIVADOR, carregas o material acústico, o amplificador e as colunas.

    Ignorante, o advogado foi necessário porque uma das partes, a viúva de um tio meu, exigiu mais do que tinha e o resto dos herdeiros não concordou, logo, acabou em partilha litigiosa, em tribunal.
    O advogado foi contratado por um dos herdeiros, não eu. Um habilidoso que tentou que o juiz proferisse um despacho a colocar o prédio em propriedade horizontal. Claro que o juiz não foi na treta. O prédio tem que ser colocado em propriedade horizontal para que a tal herdeira receba o andar que quer. E na Câmara Municipal, que por sinal na altura dos pagamentos era dirigida pelo Vieira de Carvalho, do CDS, e não do PSD, era preciso tratar, como condição previa, da regularização do espaço do rés-do-chão, que estava ocupado por um restaurante, quando havia sido licenciado para comércio.
    A proprietária do restaurante disse que tratava de tudo mas não tratou de nada. Pior, fez obras de ampliação e depois subornou os fiscais da Câmara. Mas tudo isso só se soube muito mais tarde.
    Isso é que deu azo a toda a carga de trabalhos.
    Licenciar um local para restaurante é uma burocracia de doidos, até testes de nível sonoro têm de ser feitos, e por entidade externa à Câmara.

    Dessa papelada toda, ocupou-se o funcionário da Câmara. Cobrou mais ou menos o que cobraria uma entidade externa, e com a vantagem de estar inserido no meio, ser conhecedor dos meandros, e portanto poder funcionar como desbloqueador.
    Pelos vistos não consegue, porque por cada departamento em que o processo passe, há sempre um engenheiro ou arquitecto que quer mamar.

    O advogado aconselhou a ir-mos para partilhas judiciais para que a outra parte perdesse e nós
    ficassemos com a totalidade do prédio para nós. Isso implicava que não houvesse acordo, e o prédio fosse vendido em hasta pública. Uma das partes, licitaria baixo, e ficaria com tudo. Isso implicava um risco. E depois, no tribunal, quando ví um gajo com ar sonolento e com um telemóvel na mão, utensílio não muito vulgar naquele tempo, desconfiei. Seria da parte contrária, a viúva que também não era trouxa ? Ou seria jogada do advogado, que por intermédio de um cabeça de turco ficaria com o prédio para ele ?
    O que é certo é que ele entrou para a sala de audiências e por alí ficou. Só saiu quando nós saímos.
    A questão findou por partilhas amigáveis.
    Mas persiste a questão de colocar o prédio em propriedade horizontal.
    A viúva do meu falecido tio, pelo sim pelo não, já ocupou o andar, e alugou-o.

    Não és o Malheiro ?
    Então és o Ignatz, numa das suas várias modalidades.
    Pelo sim pelo

  44. No meu post anterior, referia-me ao comentário de Joana Latrina.

    A autoria do post tanto pode ser do Malheiro, como do Lello, como de, por todos, Ignatz.

    O estilo ordinareco adapta-se bem a qualquer um deles.

  45. TOINO és tu, ó amputado de miolos, pá. Tens esterco a mais nessa coisa sobre os ombros, pá, impressionas pela trampa que jorras, pá, és feito de trampa, pá. Ficas a ser o MANEL PORCARIA PÁ da FOLEIRA IGNARALHO PASTO PRUNES – o trampas.

    DE JOELHOS, JÁ. SEM RAÇÃO.

  46. Não… afinal não vou…
    Ele já os partiu.
    Tem calma, homem!
    Ficamos assim, missão cumprida.

  47. Ó pimpampolas! Essa história é do carilho!
    Conta lá outra vez!

  48. Porra! O gajo partiu-mos mesmo!
    Cabrão!
    Fui à janela e levei uma calhuada na testa!
    Já copiei isto tudo, é a prova! E vi-lhe bem a silhueta a fugir no escuro!
    IGNARALHO de merda! COMUNA!
    O gajo é doido! Pensa que ainda está em Angola com os TURRAS!
    Vais dentro, PÁ!!!

  49. ??????????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    O homem é xanfrado! Esquizofrénico!!!!
    Ouve, artolas! Não terá sido um UFO?
    O gajo nem sequer cá está, está na Argélia!

    Mamã!!!! Papá!!! Olh’ós comunas!
    Grande anormal!

  50. Pois…
    Não cuidem, não…

  51. oh pimpanóias! eu é mais malhadinhas para parolos do norte como tu, nem sei se acentue, que só vêm futebol à frente dos cornos. a tua estória de vida em que partilhas de prédios ilegais com viúvas oportunistas de tios falecidos mediadas pela sociedade de advogados z3 transporta-nos para uma ambiente de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais. se contratares o rosarinho para guionista e o calex para escritor és capaz de patrocinar um best seller. entretanto não mijes fora do penico e valoriza o patrimóino da tua região, quem sabe se agora reformado não poderias fazer uma perninha como guia da bacia mijográfica do porto.
    http://portoarc.blogspot.pt/2013/07/caracter-genio-e-costumes-dos.html

    nota: gostei da grafia “ir-mos”*, cá em casa vir-mos-nos todos com a tua ivaginação.
    *”O advogado aconselhou a ir-mos para partilhas judiciais…”

  52. engraçadinho …
    julgas que não vi essa merda
    pra quem é bacalhau basta.
    estórinhas, eu ?
    ó creatura, estonrinhas é o que não falta por aqui.
    olha por falar em mictórios, quando o condecoré de la france bater a caçuleta dáme as coordenadas que eu quero ir lá mijar na campa.
    não te esqueças de comprar um fatinho preto que é gente da burguesia alta, socialista mas é só de nome, meteram o socialimo na gaveta e o prémio de consolação na carteira.
    então ristete muyto com a família, foi ?
    família assim a modos que typicamente socialista, pois ? Género, pai qualquer coisa de badameco de junta de freguesia, filliado no partido, e zás, eleito pra qualquer coisa, mulher professora primária e com curso de catequista, a propósytho já inscreveste o primogénito no parthido? cuida da creação que a coisa tá má e fora dos parthidos do alterne não há trabalho pra ninguém.

    Ioda-se, este quer corda

    http://m.ebay.com/itm/221814965638?_mwBanner=1

    este faltamlhe os ponteiros, é como tú vais ficar quando eu encarregar o acaro russo de me fornecer o teu address e a morada, vai te preparando

    http://m.ebay.com/itm/321795767567?_mwBanner=1

  53. Ioda se então agora roubaram a identidade do Numbejonada ???
    Eu bem me paressia que o imoderado moderador não primava muito pelo rigor.
    Bem, pode dar-se o caso de padecer de dupla, digo multipla personalidade, um caso grave de pathologya, e ter várias máscharas assim a modos de muleta.
    Pode ser que quando se zangue ou queira proferir umas bacoradas, saia do pedestral e venha como ignatz.
    Eu sei lá, já estou por thudo.

  54. queria eu dizer, quando tem aceços de furor histérico, mais um lápis terrivel.
    e depois num tenho culpa, nasci remediado, num estudei no colégio da senhora da fundação pró digitate.

  55. Agora entendi.
    Quem criou aqui os cromos todos para gozar comigo foi o Inácio.
    Põe os cornos de molho, Inácio! Põe os cornos de molho.

  56. Agora entendi.
    Quem criou aqui os cromos todos para gozar comigo foi o Inácio.
    Põe os cornos de molho, Inácio! Põe os cornos de molho!

  57. se não fosse o ignatz esta merda não existia, do valupe ao cegueta, passando pelo pimpapolho com paragem no júlio de matos, eu sou tudo e o charlie que se ajoelhe. dáss… só me saem cromos com a mania da perseguição ou cenas tristes. o que vale é a vidaleira já ter acabado de dizer “O Ministério Público português não deixará de investigar todos os factos com relevância criminal que cheguem ao seu conhecimento”. bem visto, tudo o que envolva direitolas não terá relevância criminal ou não chegará ao conhecimento.

  58. Esses biltres convenceram os portugueses de que a justiça cai do céu e de quem nomeia os juizes é deus todo poderoso.
    Leituras travestidas das crónicas e dos profetas.
    Nunca lhes foi oportuno interpretar o desabafo do messias: ”Dai a deus o que é de deus e a césar o que é de césar”.
    Concluem sempre: ”Irmãos! Já o messias vos advertia de que me deveis entregar o que é meu.”
    ”Ai sim? Se assim é, porque usas tu umas palas nos olhos e andas a fazer número de cegueta?”

  59. olha ó Ignatz, se não foste tú, alguém foi, e colocou sob a tua fachada. Tu ou esse alguém quando fôr confrontado com o que disse, nomeadamente, broches feitos ( por juízas ), não se vai sentir nada bem. Ou vocês pensam que podem insultar cobarde e impunemente a coberto do anonimato ?

    Vai ser bonito vai, ou pensam que passa despercebido ?
    Basta uma queixa na Polícia Judiciária, se é que ela já não anda aqui a observar, e até pode ser que já ande até o SIS, e qualquer dia acordamos todos de manhã com a notícia de que foi detido um blogger e apreendido o material informático para averiguações.

    Vamos ficar todos a saber quem é Valupi, a menos que cubra a cabeça e esconda a cara.

    Eu acho que se pode usar o anonimato com responsabilidade, e manifestar uma opinião ou mesmo fazer valer pontos de vista sem qualquer necessidade de injuriar com gravidade, máxime, brioches e brochantes.

    Nota: máxime não tem nada a ver com o cabaret.

  60. numbejonada
    20 DE JULHO DE 2015 ÀS 1:36
    numbejonada
    20 DE JULHO DE 2015 ÀS 2:03

    Fácil é de ver que não fui eu quem escreveu os posts acima identificados, que de resto, podem ser confirmados pelo Sr. Valupi – à semelhança do que fez com a usurpação que um tal Enapa fez há uns tempos, pois publicou sob o meu identificativo.

    Não tenho por hábito ( não faço) expressar-me em moldes ordinários como o faz este usurpador Manuel Pasto Prunes, que o faz pela real dor de cotovelo e/ou desacerto que tem vindo a demonstrar recorrentemente neste espaço.

    Nota-se, ainda, que a figura fala com ela própriae que tem estado presente desde o começo – é fácil analisar o espírito da «escrita» daquela.

    Tudo isto, evidentemente, só pode ser confirmado pelo dono do blogue…

    Quanto a ti PASTO PRUNES, só revelas o que és. Como és profícuo em invetivas e caraterizações, aproveita aí uma das tuas para aplicares a ti mesmo. Mas olha que se o dono do blogue fizer o mesmo que fez com um tal Enapa, é tipo para te «expôr». LOL.

  61. E, claro, o anonimato só o é relativamente, pois até o anónimo que tem um IP, sabe que a origem de onde emite é, pelo menos, conhecida de quem administra o espaço. Por isso, o anónimo também pode alegar danos contra o indivíduo que usurpou a identidade. Por isso, PASTO PRUNES, se fosse a ti, tu que dizes que frequentaste Direito em Lisboa, só agravas mais a tua posição e olha que, em princípio, estarás formado para analisar a escrita de quem aqui publica e tu invetivas. Como dizes saber muito… sobre processo penal e penal…deves saber que os crimes se agravam quando dirigidos a alguém de cujo saber profissional se suspeita e/ou afirma.Vê lá. Pensa um bocadinho e não te ponhas mais a jeito. Não queres pensar, ó «dótorre da mula ruça»? Pensa, faz o que te digo. É só uma pequena sugestão…

  62. Hum…e depois vamos ver quem é o biltre e em que fase de crescimento está o cálcio que ele teima em colocar na testa de alguém para …partir. Na verdade, ele diz que já partiu. Bem, afirmações muito curiosas, dignas de perseguição penal, sem dúvida. Não achas, ó PASTO PRUNES? Eu tenho a certeza que a resposta é: sim.

  63. mas alguém falsifica esferográficas bic? patenteia a merda do nome, o teu camarada asnô tem um negócio desses, depois podes fazer queixa à asae dos gajos te imitam e pedir para fecharem o blogue como sugere o idiota do pimpanóias. já agora tamém se poderia averiguar e escarrapachar o teu nome original, quando aqui aterraste em outubro do ano passado de identidade ao léu, só faltava o número de contribuinte.

  64. é só parvos, o que se gaba de bater em todos diz que se vai queixar à justiça, o que promete porrada diz que não pode cumprir a promessa e o paranóico ofendido ameaça com a secreta, pide, fbi, nsa e provávelmente com o z3.

  65. Ó IGNATZ, olha que brincadeiras à parte está coisa de usurpação de identidade, seja por que forma fôr, conforme a reacção do ofendido, pode dar chatisse e da grossa.

    Eu por exemplo, neste momento, ando confuso.

    Existe uma pessoa identificada como Manuel Castro Nunes, Manuel Castro Guimarães Nunes, e um outro Castro Nunes com um nome comprido e uma vírgula antes do último nome, Silva.
    Existe informação e até fotos, com relação ao primeiro nome, inclusivé, textos em blogs, outro tipo de informações mais ampla, quanto ao segundo nome, e não encontro material quanto ao nome mais comprido.

    Este do nome mais comprido disse que ia embora mas anda por aqui.
    E se realmente se foi embora e alguém lhe usurpa a identidade?

    E se Manuel Castro Nunes, nome com três palavras, viu a sua identidade roubada por alguém que anda aqui?

    Cuidado, que são pessoas e reputações que estão em jogo !

  66. Ó cegueta anormal!
    Vens agora ver se aproveitas a lorpice dos crmos que aqui andam para meteres medo, com o MP, com o SIS, ou com a tua imunidade ou impunidade diplomática.
    É óbvio que a mensagem em que apareces a berrar porque já tens os cornos partidos fui eu que a pus com a tua identidade. A tua identidade? De quem?
    Essa é boa! Agora, o gajo que aqui veio insultar toda a gente foi o único que não é anónimo. Eu vim aqui para responder a um tal cegueta, anónimo, covarde, facho e basófias que andava por aqui a insultar toda a gente.
    Tens o teu anexim de cegueta registado na SPA? É que eu tenho o meu nome registado na conservatória.
    És um artolas.
    Mas já agora, tu que és licenciado em direito, ainda andaste pela venda da banha da cobra e sabes muito de código penal, diz-me. Se eu sugerir aqui uma suspeita, sugerida pelas pontas soltas que as tuas manhas vão deixando no véu, e declarar aqui o nome do anormal que por aqui anda há muito tempo, muito antes de eu aqui chegar, estou a incorrer em que modelo penal e de ilícito criminal?
    És um artolas! E estás a servir-te da lorpice dos crmos que aqui andam para espalhar o pânico e poderes aqui continuar a insultar toda a gente.
    Pois vou dizer-te e pela última vez.
    Eu estou aqui com o meu nome. Se tu, a coberto do teu anonimato covarde, voltares a citar o meu nome da forma como o tens feito, eu exponho aqui a tua identidade e parto-te os cornos! Olha que estou a falar a sério!
    Não penses que te podes fiar na tua convicção de que os cunhados são da família.
    E, de uma vez por todas, tem vergonha e tento na língua. Se, por acaso, estivesses convencido de que tinhas razão, vinhas aqui com o teu nome, expunhas as tuas ideias e opiniões e sujeitava-las ao escrutínio dos outros.
    Chama agora a polícia, a mamã ou o papá.

  67. Ó MAnÈ PASTO PRUNES, estás avisado. Covarde é o que se dá ao trabalho de usurpar a identidade ( virtual) de outros, pois revela problemas de vária ordem, inclusive pessoal.

    Quanto ao meu nome, CONVIDO-TE NOVAMENTE a PUBLICARES AQUI O MEU NOME. SE ME CONHECES, COMO ALEGAS, FÁ-LO. Vamos, então, medir a tua FORÇA (LOL).
    Quanto ao resto, estás AVISADO. Quanto ao NOME, VENHA ELE, ó fortalhaço.

    No aguardo.

  68. Até agora, basófias, não tinhas identidade para usurpar, és um boneco de palha, um espantalho.
    Quando eu intervim aqui, pela primeira vez, com o nome Manuel Maria Sá Nogueira de Carvalho Freitas Guimarães de Castro Nunes, tu respondeste: ”O gajo tem o nome de outro gajo a que eu parti o focinho por ter falado no meu nome”.
    Ora vamos então a ver duas coisas.
    Tu partiste o focinho a um gajo por ter falado no teu nome. Eu nunca falei no teu nome, porque cegueta não é nome de ninguém. Mas tu falas no meu. Concordas em que é então legítimo que te parta o focinho.
    Mas isso é irrelevante, concordes ou não eu parto-te o focinho.
    O que é relevante é que não vou partir o focinho ao cegueta. Vou partir o focinho ao gajo que partiu o focinho ao Carvalho e recebeu o Guterres talvez em Timor. Recebeu o Guterres… essa é boa. E recebeu o Bush em Nova Iorque.
    Vou tentar investigar que foi o gajo que partiu o focinho ao Carvalho, porque é a esse que eu vou partir os cornos.
    Metes dó, artolas!

  69. Cegueta! Imagina só o cegueta de que falo. Se calhar não estamos a falar do mesmo gajo.
    Imagina-o a chegar à PORTUGÁLIA do Cais do Sodré, pequenote, gingão, vermelhusco, dirigir-se a uma mesa cheia de comensais à espera e dizer bem alto, com voz aflautada de varina:
    ”Desculpem o atraso mas tive que receber o António Guterres.”
    Olha em volta para ver a reacção dos circunstantes e senta-se, deixando-se cair estenuado sobra a cadeira.
    A gravata mergulha na malga da sopa.
    ”Caralho! A gravata que me custou quase mil euros! Ó garçon!”
    Alguém, olhando a reacção dos circunstantes, diz entre dentes.
    ”Por amor de deus, toni! Está toda a gente a olhar para ti.”
    O toni vira-se para a circunstância.
    ”Papalvos! O que foi? PASTAR PÁ! Plebe imunda!”
    A circunstância encolhe os ombros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.