Será notícia em 2015

A Roménia vai comprar 12 caças F16 a Portugal por 78 milhões de euros. Quer dizer, 186 milhões, mas com um custo prévio de 100 milhões para preparar os aviões e fazer formação. Os 8 milhões que faltam nestas contas e que as notícias não referem devem ser a taxa laranja.

Se for tão bem esgalhado como o negócio dos submarinos, ainda vamos perder dinheiro. E alguns encher a mula, as usual. Daqui a dois anos, veremos.

Já agora, os romenos não quererão levar também o ministro da Defesa, a custo zero?

Ainda há dois submarinos em estado quase novo, com a rodagem feita, faróis de nevoeiro e pintura metalizada. Como brinde oferecemos o gajo que os comprou à Merkel.

11 thoughts on “Será notícia em 2015”

  1. “Uma das particularidades do negócio é que três dos 12 aviões foram comprados aos Estados Unidos da América (parceiro neste negócio) e vendidos à Roménia para contornar questões burocráticas entre os EUA e Bucareste.”
    A particularidade melhor é que esses três custaram-nos 108 milhões, mais do que vamos embolsar pelos nove…
    http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=82862
    Ganda negócio, bora celebrar, aproveitando aí essa ideia final do Júlio ;). Fica como clip de promoção dos ditos:

    http://www.youtube.com/watch?v=Yhh8ROiiCag

  2. os 8 milhões em falta são despesas de financiamento e velas à virgem para que não caiam, portugal paga a pronto aos americanos e a roménia em suaves prestações durante 5 anos.

  3. pois, de facto esses aviões não conseguiram vender, mesmo baratuchos. E ainda bem.

    quanto a isto “é desta vez que vamos saber o verdadeiro motivo da demissão do relvas”, só tenho a dizer que és um mestre das piadas. Segue com isso, para a malta se rir.

  4. estava aqui a pensar com os meus botões, enquanto espero pelo 2º golo de Portugal, em cenários utópicos: “e se…”. E se a sociedade portuguesa tomasse uma atitude? E se fosse violenta, tipo grego dos tempos idos? Népia. Não entra. Sociedade civil em revolta, em Portugal? hummm. E se se tratasse de uma sociedade com suficiente consciência cívica de que enough is enough e por meios de boicote pacífico, pusesse este governo paralisado e de mãos e patas, tipo: ninguém paga a factura de electricidade, ou ninguém paga os transportes colectivos, ou ninguém liquida devolução de irs porra nenhuma ou tudo junto…mobilização pelas redes sociais e tal. Também não. Fica tudo com medo de ir preso.

    E subitamente lembrei-me. Espera! Esta sociedade já se mobilizou todinha de corpo e alma pela defesa da liberdade e dignidade…de Timor. Moveu montanhas. Moveu o poder diplomático, moveu os US of A. Por Timor. E por nós? Nós não valemos o mesmo? Melhor, nós não somos o Timor actual? Ó que caraças: puzzle sociológico a resolver. Enquanto isso não acontece, vou ver se ganhámos na bola.

  5. pois, nem na bola.
    ó povo que lavas no rio, perdão, ó povo que passas os serões na casa dos segredos dos “vips”, mesmo na noite das tuas eleições, retiro todos os meus devaneios. Tens a realidade que queres. Eu é que estou a mais.

  6. edie,por timor,os manipuladores estavam a mais de oito horas de diferença. aqui,entram pelas nossas casas sem pedirem licença!

  7. nuno cm, não creio que se trate já de manipulação, trata-se de agressão aqui e agora como então, lá, com armas diferentes. As pessoas percebem perfeitamente a agressão, por muito bem embrulhada que venha, (e esta já nem sequer se dão ao trabalho de a embrulhar em papel bonito). Mas ao perceber, tomam decisões quanto à sua resposta. Actualmente estamos na alienação e passividade. ainda se fosse a resistência pacífica, como disse lá atrás. Mas não, é mesmo nil. campo aberto. e não é a manif na ponte que vai mudar as coisas, ambora possa desencadear umas bolhinhas nos dois dias seguintes.

    Estaríamos a lutar contra gigantes? So what? Seria a primeira vez??? (E não me refiro ao Adamastor).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.