Portugal e a questão ucraniana

O apoio de Portugal aos golpistas da Ucrânia e o alinhamento do governo português com os interesses expansionistas da NATO e da Alemanha no Leste europeu é algo que nunca foi objecto de verdadeiro debate em Portugal. Nesta questão, como noutras, os portugueses estão a ser tratados como gado descerebrado pelo governo e pela comunicação social. A oposição portuguesa, tirando os russófilos profissionais do PCP, não parece ter opinião própria sobre o que se tem passado na Ucrânia desde que o presidente democraticamente eleito foi derrubado na rua. Tudo se passa como se houvesse aqui matéria incontroversa, sem lugar a qualquer análise ou discussão. Como se não tivéssemos outro remédio senão alinhar com a estratégia germano-americana da NATO. Como se Portugal não fosse um país independente e não tivesse interesses próprios nem direito a ter uma política externa qualquer. Vamos alinhar nas sanções contra a Rússia como imbecis obedientes, ainda que isso prejudique o nosso comércio externo.

Este fim de semana, Barroso, o velho militante anti-soviético que ainda é presidente da comissão europeia, deu o mote e logo o aluno Passos Coelho começou, automaticamente, a debitar declarações: que a UE não pode “assobiar para o lado” na questão ucraniana, etc. O PS de Seguro parece estar à espera de que uma posição sobre o assunto lhe seja soprada pelos socialistas europeus. Nada se pode esperar da cabeça do líder da oposição.

A histeria anti-Putin grassa livremente, há décadas, no Ocidente. A questão ucraniana é só mais um capítulo dessa novela. Putin foi eleito com mais de 60% dos votos? Pois foi, mas é um “ditador” – diz-se. A sua política em relação à Ucrânia tem o apoio de mais de 80% da população russa? Pois tem, mas o regime russo “não é democrático” e Putin “governa com mão de ferro” – acrescenta-se. A sagrada integridade territorial da Ucrânia, de que a UE e os EUA agora tanto falam, afinal é o quê? Esse país, que nunca tinha existido autonomamente nem nunca tinha tido fronteiras certas, foi criado pelos bolcheviques sem perguntarem nada aos vários povos que lá viviam. A Crimeia foi oferecida à Ucrânia em 1954 por Khrushchev, completamente à revelia dos russos e dos outros que lá viviam. Quando da desagregação do regime soviético, todos os povos tiveram direito a fazer valer os seus direitos, excepto os russos da Ucrânia do Leste. A maioria dos eleitores da Ucrânia independente e democrática elegeu, mesmo assim, os pró-russos Leonid Kuchma e Viktor Yanukovitch para presidentes? Não interessa, eram “ditadores” e “corruptos”… porque eram aliados da Rússia e não da NATO. É esta palha bafienta que até agora nos têm dado de comer.

35 thoughts on “Portugal e a questão ucraniana”

  1. julio,confesso que não tive paciencia para ler o seu texto ate´ao fim.a ucrania é um pais independente e com tal não pode aceitar que uma cambada de desordeiros pró russos queira virar aquele pais de pantanas.já não gostei de ver o referendo na crimeia (territorio oferecido ucrania no tempo da união sovietica) com as ruas cheia de tanques russos,para o referendo ser o mais” livre possivel”! julio a ucrânia é um pais de gente com caracter e por isso morreram seis milhoes,repito seis milhoes de ucranianos por serem contra a integraçao na união sovietica. eles têm o direito de escolher o seu destino! putin não é um politico,mas o lider de um bgangue de mafiosos!não esqueça que era da kgb (uma policia politica que espalhava o terror) a pide comparada com esta gente eram uns meninos do coro.por ironia os presos da pide defendiam os patroes da kgb.dá para entender?

  2. Porquê o horror à História? Porquê,antes de comentar,não ganhar uma tarde lendo o que se passou naquela zona europeia desde,pelo menos,o sec.XV até hoje? Dá arrepios a ligeireza,o completo desconhecimento da História da região da Ucrânia… Pode parecer que a ignorância comanda, mas não, só faz rir, sr.Júlio.

  3. Este é de longe o texto mais ignorante e mais estúpido que li nos blogs que habitualmente visito e fico muito surpreendido ver uma infâmia desta magnitude publicada no Aspirina.

  4. Excelente. O melhor texto que já li sobre o tema. A Russia sem um Putin correria o risco de se tornar uma Libia sem Kadafi ou um Iraque sem Saddam. Desde o bombardeamento de Belgrado à baderna de Maidan, não se entende ver tanta gente, aparentemente inteligente, desejar e trabalhar para que isso aconteça.

  5. pergunto: o presidente eleito democraticamente, disse em campanha , qual era a sua posiçao face à russia e à possivel e desejada pelo povo adesão união europeia?

  6. Esta questão para mim é pertinente: que temos nós a ver com o que se passa na Ucrânia? Ou na Palestina? Ou no Iraque? É evidente que eu não gosto do neo-expansionismo russo, nem da virulenta e macabra administração do Hamas em Gaza ou sequer do inexplicável surgimento de radicais islâmicos e de tudo o que eles representam no crescente fértil.

    Mas Portugal não tem de se por em bicos de pés e combater uma guerra que não é a sua, muito menos se isso o fizer perder negócios e prejudicar as nossas empresas.

    Devemos manter-nos tão neutrais quanto possamos porque se nós não aproveitarmos o jeito que temos para estabelecer contactos com todo o tipo de sociedades – repudiando os mais radicais e selváticos -, na Europa alguns encarregar-se-ão de fazer os negócios com as partes que mais lhe convierem e, depois, far-nos-ão perder, como é hábito também, a possibilidade de negociar seja com que parte da contenda for.

    A real politik tinha as suas virtudes. E eu que tanto gosto do caixeirismo-viajante Alemão de finais do séc XIX, aprecio-a mais do que tudo…

    http://pensamentoliberalelibertario.blogspot.pt/

  7. o anti-comunismo primário cega e os artolas que se escandalizam com o avanço político e militar do putin na ucrânia ainda não descobriram que russo já não quer dizer comunista. nem salazar era tão cego e burro como as brigadas fanfarronistas que cagam postas de pescada sobre a evidência: quem-se-meter-com-os-russos-leva-nos-cornos. ganhem juízo, entretanto se quiserem divertir-se podem inventar estórias de aviões comerciais abatidos, jornalistas decepados, humilhações de prisioneiros e se faltar matéria, consultem o zé milhafres.

  8. @ enapa – 31 DE AGOSTO DE 2014 ÀS 22:46
    “Este é de longe o texto mais ignorante e mais estúpido que li nos blogs que habitualmente visito e fico muito surpreendido ver uma infâmia desta magnitude publicada no Aspirina.”
    — Alem da má língua e péssima educação naum desseste nada rapaz! Entretanto fica sabendo que além do autor há muitos mais burros e estúpidos a pensar a mesma coisa. Mas como és um iluminado certamente que vais ter a paciência de acrescentar argumentos à retórica de sarjeta que aqui meteste… Explica, explica…

  9. Lendo este texto, e alguns dos comentários publicados, pergunto-me se eu quero continuar a seguir este blogue. Não tenho dificuldade em conviver com quem pensa de um modo diferente do meu, mas recuso-me a ver-me do lado errado da história, seja por cinismo seja por preconceito ideológico.

  10. Nuno cm
    Aquilo que para si era o silêncio do ignatz, não passou de fé. O comentário está aí.Vou aguardar sentado pelo seu novo comentário. Não confunda, não é ao meu que deve comentar é ao ignatz!

  11. ferreira o ignatz,esteve 24 horas a pensar, e não refutou nada do que eu escrevi. cito” o anticomunismo primario cega e os artolas ainda não descobriram que russo não quer dizer comunista.” o ignatz está como aquela velhinha russa,que já o regime sovietico tinha caido há anos ainda pensava que lenine é que mandava no pais. pergunto novamente: e´mentira que o referendo sobre a crimeia,que foi oferecida à ucrania no tempo da união sovietica,teve a condicionar o voto, os tanques sovieticos?é mentira que seis milhoes de russos foram mortos no regime sovietico o que demonstra a capacidade de luta deste povo? nota: os ucranianos acho que já se convenceram que a crimeia foi-se,pois é a unica frente de mar que a russia volta a ter. ferreira sugiro-te que procures um melhor advogado de defesa. nota: putin nunca foi comunista,mas um lider da kgb,ao serviço do socialfascismo!

  12. 100% de acordo com o texto do júlio! É preciso chamar os bois pelos nomes. A propaganda intoxicante dos media cá no burgo já enjoa.Voltámos outra vez à guerra fria. A nato está danadinha para pôr a pata na Ucrânia. A propósito, a nato serve para quê? Já não existe o pacto de varsóvia. Não há ninguêm que comente o facto do governo de Kiev ser formado por fascistas e neo-nazis?

  13. ESTOU ABSOLUTAMENTE DE ACORDO CONSIGO, JÚLIO!A má fé dos EUA e da UE é tanta e tão óbvia, que até a revista “Foreign Affairs” – que não é propriamente da “tal esquerda” – trata o assunto num artigo magistral que pode ser lido indo ao sitio da revista, sob este título:
    Why the Ukraine Crisis Is the West’s Fault,
    The Liberal Delusions That Provoked Putin
    By John J. Mearsheimer .
    VALE A PENA LER PARA TER UMA VISÃO-OUTRA DO QUE REALMENTE ESTÁ EM JOGO…!

  14. Luís FA, acha que eu lhe devo alguma explicação? Acha que eu tenho que fundamentar e explicar as minhas opiniões? Tenho mais que fazer. O senhor, entretanto, trate-se.

  15. @ enapa – 1 DE SETEMBRO DE 2014 ÀS 22:55
    Não, não deves nada. Mas também já explicaste tudo. Já explicaste a todos quanto te leram o burgesso mal educado que és…

  16. Comentários tipo enapa são comuns em caixas do JN ou do Correio da Manhã. Aqui cheiram a corpo estranho.

  17. Lucas Galuxo e Luis FA, desculpem se não usei da fineza adequada à vossa requintada sensibilidade. Penitencio-me, sugerindo-vos, a propósito, o último filme magistralmente protagonizado pelo Seymour Hoffman. É tudo e desculpem qualquer coisinha.

  18. oh enaporra! em vez de apanhares a boleia da má educação para desculpas enaparvas, deverias mazé fundamentar a adjectivação das merdas que escravinhas se queres ter algum crédito. o nuno, especialista em enormidades, fundamenta os disparates que diz com outros disparates e coisas que não vêm a propósito, mas faz um esforço por se justificar, tu cagas umas olindadas e bazas todo feliz, se calhar para mostrar o print screen no partido e amealhar créditos para um curso de verão numa universidade de amblíopes ou ambilopes como dizem os laranjinhas.

  19. Nem mais, Júlio!
    Mas olha só as reações ao teu texto…
    Como é que é possível ser tão borrego?
    Mentiria se dissesse que fiquei desiludido, porque este foi o povinho que chupou 48 anos de Salazar e agora chupa com os idiotas que estão no governo (e presidência, claro) sem emitir um pio. É ( e sempre foi) um povo mal informado e mal formado que espezinha quem estiver na mó de baixo, enquanto cheira o cu de quem esta a dar…ou de quem tem poder, porque é covarde.
    Aqui ninguém procura informação, não a compara para pensar pela sua cabeça e tirar as suas conclusões. Dá muito menos trabalho e parece mais seguro ( para não sermos atacados nos blogues, por ex.) consumir notícias já mastigadas pelos mesmos orgão de comunicação que nos têm feito engolir os roubos que a banca faz aos estados soberanos, entre outras merdas.
    Até dói ver esta borregada ignorante falar de cátedra. Alguém falou na arrogância dos ignorantes…
    É que eu li, um dia, que o Pai Natal não existia e fiquei desconfiado, será?

  20. putin,está muito zangado por que a ucrania não quer dialogar com o pais mais a leste.(russia) coitadinho,não tem com quem coversar! que converse com o padre ignatz,e fica logo esclarecido!

  21. Muito construtivamente sugiro:
    http://www.youtube.com/playlist?list=PL3B22790EBCCAFF10
    Já me fartei de postar links para este vídeo que é um documentário de um jornalista da BBC sobre Edward Bernays.
    Procurei um legendado em português porque embora tivesse estado a dar cascar no inglês do Sócrates, a maior parte da borregada ainda ê pior que o Zézé Camarinha.
    Para pôr as coisas no prato da balança, vejam o canal RT (Russia Today) canal de propaganda do Putin, ou lá o que lhe quiserem chamar. Pelo menos já ficam com duas versões. Mas é em inglês, sorry. Desemerdem-se.
    Agora a sério: Pelo menos vejam o documentário, sff.

  22. ignatz,ainda andavas nos tomates do teu visavô,já eu sabia o que era a vida.és o palhaço rico do aspirina!

  23. sem querer, acertaste. é a educação que prepara as pessoas para a vida e não a vida que prepara as pessoas para a educação, mas não tenho culpa disso e muito menos da bimbalhada que sabe tudo porque começou a trabalhar em idade escolar. tudo isso aceitável e compreensível, porque curável, já a burrice não tem cura e daí ser aceite pelo socialismo democrático, embora com algum transtorno para os praticantes, mas nada que afecte os objectivos.

  24. Alegra-me saber que, sobre este assunto, há muitos que pensam como eu – ou que, pelo menos, não dão prá caixa das esmolas dos órfãos da guerra fria e pensam pela sua própria cabeça. Os que ficaram chocados pelo meu post são de duas espécies bem distintas: os agressivos e mal formados, a quem por regra não respondo, e os indignados que me acusam de ignorância histórica ou de cinismo, se bem entendi. Como os primeiros, também os segundos evitaram rebater as minhas afirmações concrectas, para se estirarem em queixumes, declarações inflamadas de repúdio e até apelos à censura neste blogue. É triste, mas era de esperar de mentes formatadas pela comunicação social dos que nos governam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.