Os argumentos histéricos da direita

A direita proclama que o PS não pode aceitar o apoio dos partidos à sua esquerda para inviabilizar o governo da coligação PSD-CDS. A coligação que “ganhou” as eleições acha que o PS está a infringir uma “regra básica” da nossa democracia com 40 anos, segundo a qual governa o partido mais votado. Em torno deste tema tenho ouvido os maiores dislates de uma direita histérica e desesperada, desde as idiotices de Santana Lopes sobre a “Constituição não escrita” até às acusações de “golpe de Estado”. Hoje foi a vez de Rajoy (com o cuzinho muito apertadinho em Espanha) vir imiscuir-se nos assuntos internos portugueses com argumentos iguais aos que temos aqui ouvido da direita.

Ao longo de quatro décadas de democracia, a verdadeira regra foi o PCP não se unir à direita para inviabilizar a formação dos governos minoritários do PS – como o governo de Soares em 1976, os de Guterres em 1995 e 1999 e o segundo de Sócrates em 2009. (O que não quer dizer, é certo, que em outros momentos o PCP não tivesse ajudado a direita a derrubar governos socialistas, como fez em 1977 e em 2011.)

Logo nas primeiras eleições, em 1976, o PPD e o CDS obtiveram conjuntamente mais deputados (115) do que o PS triunfador das eleições (107), enquanto o PCP conquistava 40 mandatos. Ou seja, se o PCP se tivesse conluiado com a direita em 1976, o PS não teria então governado nem um dia. O primeiro governo de Mário Soares assentou, pois, numa “coligação” tácita do PS e do PCP, que impediu a direita de, com os seus 115 deputados, tomar imediatamente o poder após o fim da revolução. (O que não obstou, é certo, a que os comunistas em Dezembro de 1977 juntassem os seus votos aos da direita para derrubar o governo de Mário Soares.)

Durante este 40 anos, o PS pôde, pois, contar em vários momentos pós-eleitorais com uma “aliança” tácita do PCP para barrar o caminho à formação de governos alternativos da direita – e apenas para esse fim, diga-se. Ora a direita nunca teve essa hipótese, porque o PCP não lha deu. Sempre que o PS ganhou eleições com maiorias relativas, nunca o PCP se uniu à direita para inviabilizar a formação de governos minoritários socialistas. Rejeitaria, por seu lado, a direita tal apoio do PCP para inviabilizar governos socialistas? É para mim absolutamente certo que não rejeitaria! Se isso nunca aconteceu, foi porque o PCP nunca o quis – e exclusivamente por isso.

No fundo, é este tratamento “desigual” por parte do PCP (e agora também do Bloco) que a direita proclama como um atentado às tais regras democráticas, já que não pode governar contra uma esquerda em vias de se apresentar aliada e maioritária. Mas aquilo de que a coligação de direita agora se queixa, além de ser perfeitamente legítimo, não é novidade nenhuma. Desde 1976 que o PCP e, mais recentemente, o Bloco têm inviabilizado, no seu pleno direito, a formação de governos da direita. E ainda bem que o têm feito!

26 thoughts on “Os argumentos histéricos da direita”

  1. HISTÉRICA está a ESQUERDALHA que quer POLEIRO, custe o que custar.

    A esquerdalha portuguesa reconfigurou o sistema eleitoral e afins…caramba, o sporting nunca mais ganha um jogo, se a maioria que assistir ao jogo for a carroçada do benfica…

  2. O porta voz, da direita, acaba de falar , e a dizer que tudo ficaria mal, se tudo não continuasse a ser como até aqui.
    Disse também para os Portugueses, de belém não levam nada,” nem as nossas reformas”.
    Conclui, sem nada falar do que já tinha proferido, Portugal precisa de estabilidade, e de consenso, desde que seja à direita.
    Faltará mais alguma linha, para que esta personagem seja afastada da nossa vida, serão os 92 dias que restam suficientes para abrir os olhos dos Portugueses ?

  3. ò joão, o que lhes vale é serem militantes do partido socialista, se fossem comunistas já tinham os carros incendiados e estavam escondidos no sotão do guterres.

  4. Cavaco “A Múmia Fascista” acabou de expressar todo o seu ódio e deitou cá para fora todo o seu veneno !
    É caso para dizer que se o homem morde a língua morre envenenado!
    Aliás, eu acho que se o seu governo direitolas cair na Assembleia da República (como parece altamente provável), ele vai morder ostensivamente a sua própria língua para morrer envenenado e assim não dar posse a um governo de esquerda.
    Eu acho mesmo que ele VAI MORRER de propósito para não ser obrigado a dar posse a tal governo !

    Neste momento deve estar a espumar-se todo no chão, aos berros !

  5. Pois PORTUGUESES abram os OLHOS. Já viram que coma COMUNALHA toda, o que acontece ao País. Os gajos querem poder e não o querem largar…Dúvidas? Leiam um pouquinho de história. No meio verão os ESQUERDALHAS atuar como se fossem ADORADOS pelo Povo….
    Hum…lembrei-me de Salazar…. o tipo também tinha uma tendência para mudar resultados….e manipular situações. Todos os adoravam e cantavam a Mocidade…

  6. A Psiquiatria explica isto.
    Chama-se “estado de negação”.
    E das duas uma: ou acaba evoluindo para o “estado de aceitação” ou persiste transformando-se numa ferramenta de auto-destruição.
    Por mim, para esta gente, prefiro a segunda hipótese. Que continuem a negar a realidade e partam a tromba contra o muro de cimento.

  7. «Neste momento deve estar a espumar-se todo no chão, aos berros !»

    A BURRA! A BURRA! Esta gaja pensam que todos procedem como ela….Escoiceia, baba-se, zurra palavrões, um hematoma purulento com eczema à mistura.

    BURRA, volta a a prender-te à parede, pá….

  8. Uma síntese do que o cadáver presidencial disse hoje antes de se esponjar em formol, novamente: o que a personagem acabou de espumar no seu discurso constitui uma blindadagem aos dirigentes do actual PS e, por maioria de razão, aos drigentes e eleitores do BE e do PCP é de que, todos ou ambos ou de per se, nunca chegarão a fazer parte de uma solução parlamentar e, muito menos, de um governo durante o final do seu consulado. Dizer isso a 32% + 20% dos portugueses, e ter a coragem de o dizer quando está de pés para a cova, não é coragem política mas é um traço de desespero porque sabe que a esquerda está a um passo de passar para a outra margem.

  9. Jasmin Silva
    22 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 21:21
    Cala o bico fascista cego.
    Tu serás dos primeiros a marchar pro Campo Pequeno.»

    BURRA. Olha, se isso acontecesse, minha BURRA, ficavas muito mal….
    Fica aí presa à parede, que é o teu lugar, COMUNA. Mudas as cuecas e os ténis, pá, por causa das viroses….

  10. Vivam as ideias, vivam as pesoas, mas desrespeito , ou falta de civilidade, Nao.
    Julgo comecar a existir ,,, a falta de moderacao ,,,, que se exige, de quem sabe dizer b a = ba

  11. Cala a pia e tem vergonha na cara, ó fascista!!

    (vai pró estábulo, olha em teu redor e põe-te a contar burros e carneiros)

  12. ignatz,
    “afinal o panasca sempre toma posse, o rabobank pode suspirar de alívio.”

    O Rabobank é o vice primeiro ministro?

  13. “ò joão, o que lhes vale é serem militantes do partido socialista, se fossem comunistas já tinham os carros incendiados e estavam escondidos no sotão do guterres.”

    Reformulo.

    Cavaco, Assis, Sousa Pinto e Ignatz – a mesma luta.

  14. As memórias dos políticos são muito selectivas.

    ….Soares dizia do PCP que queria uma ditadura, os maioistas, tipo MRPP, o do Durão Barroso e Crato acusavam o PCP de ser ter aburguesado por não querer partir para a luta armada…

    Histerias mesmo, umas de facto e outras para manipular o povo.

  15. O João pontinho está em concorrência com o Rui Ramos. O que só prova que estamos na presença de um social-fascista. O hemiciclo devia ser um circulo completo, pois claramente os extremos encontram-se.

  16. Os argumentos da drtª são tão falaciosos que dão asco. Mas encontram =constroem os denominados “sound bites” que entram e ficam nos ouvidos dos mais dasavisados como por exº esta aberração da “maioria negativa”. Algo políticamente impossível. Mas quantos de nós, portugueses, se interrogam o que é que isto significa?

  17. o inconseguimento da eleição do presidente da Assembleia da República é o argumento mais eloquente da Direita

  18. Zr
    22 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 23:13
    Vivam as ideias, vivam as pesoas, mas desrespeito , ou falta de civilidade, Nao.
    Julgo comecar a existir ,,, a falta de moderacao ,,,, que se exige, de quem sabe dizer b a = ba

    A sério? mas a sério, mesmo? Querem ver que «o mais do mesmo» vai indicar-me como o que precisa de moderação? Hum….

  19. Camarada Vasco
    22 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 23:59
    Cala a pia e tem vergonha na cara, ó fascista!!

    (vai pró estábulo, olha em teu redor e põe-te a contar burros e carneiros)»

    Ó BURRA, na porqueira estás tu, desejando que te levem para o estábulo…
    Mas posso contar burros e carneiros e começo no dispensário, tu encabeças a lista….

  20. Na pinha destes fascistas, à esquerda do PS só há criminosos e “comunas”. Não contam, nunca contaram para nada, desde o 25 de Novembro (tirando, pontualmente, para reeleger Eanes e para eleger Soares e Sampaio…) e DEVIAM ERA SER TODOS PRESOS! Por isso é lógico que pensem que têm a “maioria” na Assembleia…

    Mas parece que desta vez se consegue o milagre de ver toda a Esquerda unida, como em 1974, e isso será como um NOVO 25 DE ABRIL EM PORTUGAL!

    E já é mais do que tempo de o 25 de Abril se vingar, definitivamente, do 25 de Novembro, como este manhosamente se vingou, durante quarenta longos anos, do primeiro 1º de Maio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.