O Costa do Expresso

Ricardo Costa diz isto no Expresso online:

“Cavaco Silva vai ter que indigitar Pedro Passos Coelho, porque queimar essa etapa seria um absurdo. Qualquer outro Presidente – Eanes, Soares ou Sampaio – faria o mesmo. Com ou sem incerteza, é demasiado arriscado e inexplicável não seguir os passos do guião constitucional. O próximo passo é, assim, óbvio. “

Quando faltam os argumentos lógicos, dá-se corda à retórica.

– Nomear Coelho seria uma etapa obrigatória, que não pode ser “queimada” (em lugar da justificação, entra a sugestão incendiária).

– Seria um absurdo (típica retórica).

– Eanes, Soares e Sampaio fariam o mesmo (é legítimo dizer o que os outros fariam sem lhes perguntar?).

– Com ou sem incerteza, é demasiado arriscado (Ricardo Costa no seu melhor).

– É demasiado arriscado e inexplicável não seguir os passos (ou, para Ricardo Costa, demasiado arriscado não seguir o Passos?).

– Os passos do guião constitucional (ou o guião constitucional do Passos?).

– O guião constitucional (não diz qual é).

– O próximo passo é, assim, óbvio (demonstração retórica).

 

14 thoughts on “O Costa do Expresso”

  1. Pois, isto do PS se meter ao caminho deixou os nossos cabeçudos com as idéias todas trocadas: o Charlie Hebdo publicou hoje uma análise política a sério sobre o exemplo português de alianças dos partidos à Esquerda num jornal humorístico (no Expresso, please); o menos-que-brilhante-ou-assim Ricardo Costa publica hoje no Expresso uma charge humorística num jornal dito de referência.

    Parafraseando o Manuel Serrão, há tempos na SIC. A Noite da Má Língua tinha uma série de pessoas sérias a fazerem de falhaços; o Eixo do Mal tem uma série de palhaços a fazerem de pessoas sérias.

  2. O texto constitucional (Artº 187º, sobre o processo de formação do governo) não é um guião:

    “O Primeiro-Ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais.”

    Mau grado o texto constitucional conferir um poder a Cavaco Silva, o “guião constitucional” de Ricardo Costa (e, quiçá, de Pinto Balsemão) revoga-o liminarmente:

    O Presidente da República nomeará obrigatoriamente o Primeiro-Ministro nomeado pelo partido ou coligação com maior representação na Assembleia da República.

    Para que se tornaria, então, necessário que o Primeiro-Ministro fosse nomeado pelo Presidente se a Constituição o obrigasse a nomear o indivíduo nomeado de antemão pelo partido mais votado? Segundo o Expresso, o PR estará obrigado a seguir uma série de passos determinados inequivocamente pelos resultados eleitorais e, consequentemente, não terá qualquer poder de decisão sobre a matéria.

    Há que agradecer ao Expresso por ter exposto (em demasia) o pensamento “democrático” e “constitucional” da direita nacional.

  3. @numbejonada

    Cavaco Silva tem poder para nomear Passos Coelho ou António Costa. A decisão é dele. Em minha opinião, Cavaco Silva não se deve escudar no “guião” de Ricardo Costa para tomar uma decisão; deverá procurar uma solução célere, tendo em conta os interesses (imediatos) da nação.

  4. Estes comentarista da treta estão completamente desequilibrados mentalmente pelo vislumbre de um possível acordo à esquerda.

    Agora, a urgência de um governo em funções já não é argumento, já não interessa nada, já nem precisamos de orçamento nem nada.

    Ricardo, ridículo.

    Qualquer um com um dedo de testa percebe que, se o Passos não consegue passar um governo na AR, então é completamente inútil nomeá-lo.

  5. O PS de Costa, está de joelhos aos pés da Catarina?
    É melhor do que comer queijo limiano, porra!
    Deve é ficar um pouco mais carote.

  6. Neste caso vou voltar-me a repetir. Nesta fase o PR já só indigita o aldrabão PM porque o PS quer. E talvez os portugueses precisem mesmo dessa aula prática de Democracia Parlamentar. Já “analistas políticos” como o Ricardo Costa, com muito mundo, é só teias de aranha na cabeça.

  7. eu no lugar do homem de boliqueime, fazia o mesmo.eu explico: a popularidade dele está pelas ruas da amargura. ao dar de imediato posse a um governo ps,passava a ter somente como seus apoiantes ,a maria? o seu mordomo,e o cão. o pais fica parado mais uns dias,mas ele não perde os seus apoiantes de direita e vai ganhar muitos à esquerda por dar posse a um governo PS/PCP BLOCO. vejam as sondagens agora e daqui a uns dias vamos conversar.

  8. São tudo conveniências, o ricardinho esqueceu que, no guião
    do Pilatos de Belém foi introduzida a condição de o próximo
    governo ter uma maioria sólida na A.R. mas, por razões que
    só ele conhece não estava a contar com o PCP e o BE por isto,
    não tem como evitar dar posse ao futuro governo de esquerda!!!

  9. joaopft
    21 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 13:27

    Meu caro, a CRP é bastante clara nas competências do PR.

    ( Na verdade, Touni demonstrou, de facto, a sua teimosia ( inadequada e inoportuna) assim como falta de visão, neste momento «pós eleições». E sabe? A Coligação AGRADECE, dá-lhe jeito. Afinal, é a ESQUERDALHA que na esteira do que é sua tradição, está a empatar.
    Havendo novas eleições, muitos abstencionistas votarão na Coligação ( ainda que não a gramem, mas tão só para não ver um mal maior – o socialismo/comunismo).

  10. J. Madeira
    21 DE OUTUBRO DE 2015 ÀS 18:07

    Vai sonhando, vai, com um governo de esquerda…deixa lá ver, a bloquista minorcas de ténis e ganga com camisa aos quadrados a dirigir-se para o ministério e a mandar « ó minha despacha aí a cena das pensões…» ou a macaca da filha do batata, sem soutien e com os bumpers diminuídos, com o charro na boca a receber o ..batata pai.

    Yeah right…..

  11. O Governo do Costa com o PC e o BE, só tem um interesse para o próprio Costa – canibalizar os agora “amigos”.
    Daqui a 6 meses o BE passa para 1/3 dos votos, o PC para pouco mais de metade e o Costa ganha com maioria absoluta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.