Descoberto o programa secreto do Coelho

Para os próximos anos o FMI quer “mais cortes nos salários e pensões” em Portugal para melhorar a competitividade. É que a chamada “racionalização” que houve desde 2011 não chega. É “demasiado modesta para levar o produto e o emprego para os níveis anteriores à crise“, disse o FMI hoje.

Ou seja: a recuperação só pode começar quando tivermos descido ao nível de vida do Bangla Desh.

Na campanha eleitoral que já começou o Coelho vai falar de tudo, menos disto. A ver se engana parvos outra vez.

10 thoughts on “Descoberto o programa secreto do Coelho”

  1. A realidade é uma chatice, borá la continuar a acumular divida paga pelos alemães e restantes parceiros europeus, eles que aguentem a barra.

  2. Eu acho que isto só ia ao sítio se nos pudéssemos declarar ricos, uma nova Noruega. Isto de ter um problema de finanças publicas passava logo a ser coisa do passado, já não tínhamos que ouvir o fmi, os gajos são uns chatos do cxralho e não percebem nada da poda. Deviam fazer é um estágio com os doze sábios, aqueles que fazem agendas para a década que acabam passados 3 anos.

  3. Anda por aqui uma fauna com tal sarna que não há pachorra! O melhor é pôr-lhes a coleira desparasitante e mandá-los foder. Já que abandoná-los na autopista não é coisa que se faça.

  4. estoiraram com a agricultura, acabaram com a pesca, venderam a industria ao desbarato, assaltaram a banca e agora os mesmíssimos cavacos, lóreiros, portas & passarólas vêm dizer-nos que andamos a viver acima das nossas possibilidades à custa dos alemães.

  5. Gosto dessa narrativa pá, enquadra que nem uma luva num país que nunca teve um superavite orçamental desde o 25 de abril e que já foi à falência três vezes desde esse dia histórico da “liberdade”.
    A culpa está-se mesmo a ver e dos alemães ou da Europa que esbanjou billioes de euros em Portugal para ver o país do cu da Europa convergia a média europeia. Infelizmente, é o que eles não sabiam, e que o hospício comunista que dá pelo nome de Portugal, não só não reconhece as benfeitorias de quem tanto lá investiu, como acha que tem de fazer muito mais para que possam passar a vida nos cafés e tirar fins de semana no Algarve.
    Haja paciência para um povo tão burro é incapaz de assumir a responsabilidade do seu destino.

  6. yeah meu, vê lá se te decides sobre o período a investigar. pareces o superalex cola tudo, não tarda foi no tempo do egas da riba douro quando o afonso henriques recusou o péquequatro a castela

  7. é evidente que enquanto houver distúrbios do género Ignatz e toda a fauna que esta figura ilustra, temos que portugal é e será um covil de mãos cheias de nada que só vivem para lançar pedras e destruír. não se compreende que os ignaros de portugal possam continuar a votar, pois os gajos não entendem e contentam-se com uma canetinha e um bonézito do partido.Oos gajos acionam-se como as máquinas, basta falar-lhes dos direitos que lhes enchem os bolsos e ei-los na rua de punho em riste, gritando. Este é o país em que o cidadão prefere ficar em casa a receber fundo de desemprego em vez de ir trabalhar. É que fazendo contas, ele ganha o mesmo trabalhando e ficando em casa. Que se lixe a terra e a empresa.Tribunal para a frente, para reclamar créditos, salários, borrifando-se para a saúde do todo. São estes gajos que votam e mal sabem ler, que nada fazem, mas criticam como se muito soubessem. Alguns gostam muito de se cultivar em fontes dúbias, apresentando-as como se fosse a última doutrina. no meio de impropérios inqualificáveis e outras comparações que nos dizem da pequenez da figura que as profere. São portugueses que misturam a história, como se esta fosse um pacote qualquer de algo que pode dissolver-se no discurso. São, porém estes idiotas, mais estultos em boa verdade do que ididotas, que pululam e, porque não têm trela, geram a trampa da comunidade em que se está.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.