De paf a puf

Amanhã é um grande dia para a direita. Vai finalmente perceber que perdeu as eleições de 4 de Outubro. Suspeitar, já suspeitava, mas precisava do desengano final.

Não é tragédia nenhuma, porém. O que custa mais são os primeiros quatro anos.

 

30 thoughts on “De paf a puf”

  1. Vem aí uma guerra. Valeu tudo contra Sócrates, e vai valer tudo contra Costa. A direita liberal que nos governa (ainda) fez saber, para que não haja ilusões, que os MERCADOS só aceitam governos liberais. Socialismos e democracias à maneira das últimas décadas não têm mais lugar no mundo que agora é deles. Portugal (depois da Grécia) vai ser a segunda demonstração de que o mundo virou a página? Já se diz na Europa que vamos ser a segunda Grécia. Isto é, metam as políticas sociais de esquerda no cu e façam exactamente o que queremos. Se o Syriza vergou, o Costa tem alguma possibilidade de aguentar? Portanto, se nada mudar de fundamental nesta Europa do euro, podem começar a estender a passadeira vermelha, novamente, para Pedro % Paulo. A fúria da direita vai ser assustadora. Hoje foi apenas uma pequena amostra. As televisões arrasaram a pessoa de Costa. A pessoa. O ódio passou direitinho de Sócrates para Costa. Isto vai ser feio. Já está a ser. Quem, de facto, detém o controlo económico do país e da comunicação social (e da justiça, não esqueçamos) vai impor as suas leis. Tenho poucas dúvidas sobre isso.

  2. O ARCO da governação continua.

    PS/CDS ouCDS/PSD, ou PS ou PSD … os outros MRPP, PCP, UDP, Bloco etc. continuam sem governar, ora porra!

  3. Agora “o acordo não é sólido” !

    Eu acho que nesta Legislatura vamos ter porrada no Parlamento, como na Rússia e na China. Deputados a irem aos focinhos uns dos outros, em directo, ao vivo e a cores.
    O João Galamba vai às fuças deTelmo Correia, Luís Montenegro, Pedro Adão e Silva e mais uns quantos.
    A Rita Rato vai aos focinhos à Teresa Leal Coelho e à Paula Teixeira da Cruz. E por aí adiante.

  4. Maria Abril, depois de ler o teu comentário, estava quase a ficar com medo, mas depois desisti.
    Acho que os tempos que se aproximam são inspiradores, ou deviam ser, para a esquerda. A direita está completamente histérica, que novidade. Mas se quer luta, é dar-lha. A esquerda portuguesa sabe lutar sem comunicação social e até contra a comunicação social. O que era muito suspeito era que elogiassem o Costa.

    campus, também acho. Esses gajos que queriam governar contra o parlamento só podem ser uns miseráveis batoteiros de bisca lambida.

    Catrina, o Bloco e o PCP é que quiseram ficar com um pé dentro outro fora, não é?

  5. Talvez esta direita liberal vá ter de se preocupar muito em breve com muito mais coisas, e de muito maior impacto, que dão sinais de estar a começar a acontecer por aí.
    E forçar a ajoelhar uma Grécia depauperada poderá ter parecido fácil, mas talvez se revele difícil de repetir perante algumas, ou mais pesadas, “Grécias”.
    Veremos se não surgirão por aí surpreendentes consensos nos próximos 2 anos.
    Os acontecimentos seguem dentro de momentos.

  6. Pois é ó Júlio, essa de um pé dentro outro fora, é que é perigoso.

    António Costa, pelo menos ao PCP da CGTP devia encaixa-lo e trazê-lo sempre visível

  7. Maria Abril, quantos anos tens? Neste como noutros temas só vês ciclones, terramotos e tsunamis e sempre aparentemente contra os teus desejos. Será que já andas de bengala? Se assim for, usa-a de cima para baixo se for preciso. Nos ceguinhos não!

  8. Porque será que não me sai da cabeça que irá haver pressão sobre o Cavaco, nem que seja com recurso a uma “maioria silenciosa” ? ´Dada a forma como jornais, TV’s, comentadeiros , redes sociais, etc. , se estão a pronunciar, não me admira nada que isso aconteça. A estória das sondagens trás água no bico. A história não se repete mas…

  9. Tanto quanto me apercebo, a esperança do Centeno e do PS é que o consumo interno juntamente com uns multiplicadores mágicos Keynesianos milagrosamente faça os números baterem certo. Fica também demonstrado que o PS nada aprendeu com a crise de 2010/2011 em que apesar de um aumento brutal da despesa (e da dívida), o país foi deixado na iminência da bancarrota. Já dizia Einstein: a definição de insanidade é fazer a mesma coisa várias vezes e esperar resultados diferentes.

    Caso um governo do PS venha a tomar posse, o primeiro teste quer a este cenário macro-económico quer à própria frente de esquerda, parece-me ser o chumbo em Bruxelas deste orçamento.

    Enfim… parece que vamos ter um “grupo de sábios“ a quem eu não confiava a gestão do meu condomínio a gerir os destinos do país. Boa sorte lá com isso!

  10. Ó Júlio achas mesmo que a Intersindical (cada vez mais o braço armado do PCP) vai mesmo deixar que o eventual Governo do Costa, dure 4 anos?
    Se calhar nem 4 meses…

  11. Grupo de sábios é na coligação pafiosa, olha lá a equipa é o vigarista da tecnoforma que tem o loureiro do BPN como guru espiritual, o corrupto dos submarinos, o caniche da merkel, o relvas da farinha amparo, o cavaco da coelha, o loureiro do BPN, o isaltino das rotundas, a miss swaps, o mr swaps, o lima mata velhas enfim… é só sabedoria e gente chique!

    Dignos da gestão do condominio do palerma do Abreu.

  12. ah e não me posso esquecer destes claro: o macedo dos vistos gold, a peixeira do citius, o avô 50 mil pentelhos por mês, e o lomba dos briefings.

  13. Júlio, há muitas Marias na terra como se diz. O Adão [e] Silva de que fala a Jasmim não é o Pedro mas chama-se na realidade Adão José Fonseca Silva e ficou conhecido por ter provocado um dos momentos verdadeiramente fantásticos no final da última legislatura. Sim é esse, o tipo do PSD que enquanto discursava repetia que «Portugal precisa de um bom governo» perante os aplausos em uníssono da oposição da/s esquerda/s. A frase completa saiu à quarta ou quinta tentativa e era «Portugal precisa de um bom governo, mas precisa também de uma boa oposição!». Profético simplesmente, aqui no Aspirina B e noutros lugares do estilo poderiam recuperar esse momento para aumentar a azia dos direitolas e direitolos da falecida PàF.

  14. Júlio

    O Eric tem razão. Era a esse cromo do PSD que eu me referia. Além da palhaçada que o Eric refere fez outra tristemente célebre figura de mandar bocas ao Sócrates enquanto se metia com o Pedro Silva Pereira. Este último obrigou o malcriadão a engolir um chá de boa educação que foi um mimo.
    E hoje lá estava outra vez a besta aos berros histéricos.
    Aliás hoje foi o dia dos cromos: este Adão, e duas loucas (a Paula Teixeira da Cruz e a Teresa Leal Coelho). Tudo casos de internamento. Um por imbecilidade e duas loucas furiosas !
    Ah, e mais um desvairado chamado Pedro Mota Soares a quem uma deputada comuna chamou muito a propósito de “Ministro da Pobreza, do Desemprego, e da Caridade Social” !

  15. Sobre os submarinos, podes acrescentar o Jaiminho Gama do PS…, esse sim, enterrado até ao pescoço no esquema de subornos.
    O Paulinho das Feiras só foi acalmar a coisa já montada!!!

  16. Estão loucos pela TAP

    A TAP para quê? mas que cancro salazarista/colonialista/saudosista/inútil/prejudicial tinhamos que herdar!
    A TAP ninguem a quer, nem dada!

    Que estúpida esta gente!

  17. @Nuno Abreu

    O aumento descontrolado da despesa no orçamento do PS é outra mistificação da direita. O impacto das medidas orçamentais vai ser relativamente diminuto. O aumento do consumo das famílias será essencialmente provocado pela subida consistente, durante uma legislatura, do salário mínimo. Em termos orçamentais, essa medida tem impacto positivo (pois aumentará a actividade económica). Também a descida do IVA na restauração terá esse mesmo efeito.

    Não convém desprezar o efeito que a subida do salário mínimo terá no consumo. Eu estava nos Estados Unidos, em 1993, e verifiquei in loco como a recessão provocada pelo crash da bolsa de 1987 (que se prolongou durante todo o mandato de George Bush pai) foi rapidamente resolvida por Bill Clinton com uma subida apreciável do salário mínimo. Isto apesar de todos os protestos dos republicanos, que afirmavam a pés juntos que essa subida iria provocar ainda mais desemprego e recessão. O resultado foi que o desemprego caiu para níveis historicamente baixos, e a economia começou a crescer a um ritmo impressionante.

    A médio prazo (no caso americano, foram 4 anos) houve uma consequência negativa que derivou da valorização do dólar e subida relativa do nível salarial, sem que isso fosse compensado com uma protecção da economia americana contra as manobras do capital financeiro. Em vez de uma política proteccionista, que se impunha, o 2º mandato de Bill Clinton foi marcado por políticas neoliberais de desregulação financeira e acordos ditos “de comércio livre”. Isso deu azo a uma onda de especulação financeira e de deslocalizações, que esteve na origem das crises subsequentes e da decadência da capacidade industrial do Ocidente.

  18. Nuno Abreu, o País está na bancarrota ( parcial e selectiva ) a soberania está alienada .
    Vamos esperar pelo BANIF, um outro BPN em menor escala, e o banco privado das loucuras madeirenses .
    O Millenium BCP talvez vá a seguir .
    E depois irão todos os restantes .

  19. Ohoh…
    Então o futuro ministro das Finança$ trabalhou pró homem que disse que dava emprego ao eng. da mula ruça que ostenta diploma datado de dia santo de descanso dominical, emprego esse que seria na secção de frescos mas que depois o despedia porque numa das visitas surpresa mais que certo o apanharia a jogar futebol com as couves ?
    Interessante : defende que os trabalhadores mais antigos têm privilégios a mais, o que é mau, que os mais novos têm a menos, o que é aceitável, e que idealmente, deveria haver um contrato único, em que uns e outros, teriam o razoável, que é ainda menos ?
    Chama-se a isto progresso social de esquerda, não é ?

    http://www.esquerda.net/artigo/quem-e-o-economista-que-prepara-o-programa-laboral-do-ps/36317

  20. FORÇA COMUNAS. Continuem. Não precisamos de voltar aos recentes tempos gregos…mas se isso é bastante para ACABAR com esta ESQUERDALHA….a VERGONHA. TOUNI, pá, confirmas o que sempre te apontaram…mas não vai ser por muito tempo.

  21. @Vicente Mais ou Menos de Souza
    Será muito bom termos o Mário Centeno nas reuniões do eurogrupo. Além disso, a flexibilização das relações laborais foi uma das coisas que caiu, no acordo com o BE e o PCP.

  22. @Joaopft, a flexibilização das relações laborais é um eufemismo que esconde sinistros desígnios : salários o mais baixo possíveis e possibilidade de despedimento por qualquer motivo ou seja, por dá cá aquela palha .
    Como sabe, do antigamente, existiam despedimentos com justa causa, despedimentos sem justa causa, e nas palavras irónicas do Pina, foram criados por este governo, ora defunto, com forma legal, despedimentos com injusta causa .
    Uta que os ariu . Já não era sem tempo . Ufa, que alívio!
    Nota : relações implicam duas entidades, ou pessoas, como interlocutores, logo, de um lado, patronato/empregadores e do outro, trabalhadores/empregados .
    É uma relação bilateral .
    O governo ora derrubado, sempre entendeu que as relações laborais se deviam pautar pelo unilaterismo, qual seja, que o patronato tem todos os direitos e as classes laborais apenas têm deveres . E que se deveriam mostrar muito gratas pela caridadezinha da concessão de um posto de trabalho .
    Uma vez mais, uta que os ariu .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.