Danado prá brincadeira

“Eu preferia a solução do Partido Comunista, que era a nacionalização do banco [BES], essa tinha sido melhor para nós”, declarou ontem Fernando Ulrich na Quadratura do Círculo.

De facto, se o BES tivesse sido nacionalizado, o Estado é que ia lá meter os sete ou oito mil milhões. Assim é uma grande chatice: o BPI teve que arriscar 700 milhões no Novo Banco e o negócio pode dar prejuízo, que é o mais certo. (Se der prejuízo, o Ulrich diz que vai processar o Estado e o Banco de Portugal, pois então! Trapézio, para ele, só com rede.)

Claro que o PCP não pensa que a sua solução seja a melhor para os banqueiros. O Ulrich, que é danado para o pagode, estava a brincar, como sempre.

A solução do PCP tanto para o BES como para o sector financeiro, incluindo o BPI, é o célebre “três em um”: não pagar a quem emprestou dinheiro a Portugal, saída do Euro e controlo público dos bancos (eufemismo para nacionalização do sector financeiro e estatização da economia, como em 1975).

Assim, os banqueiros, incluindo o Ulrich, tinham que fazer as malas e ceder os seus lugares ao Octávio Teixeira, ao Eugénio Rosa e a outros eu-génios da finança soviética. Se se portasse bem, o Ulrich poderia ir fazer de palhaço no Circo do Estado, onde a progressão na carreira seria automática. Não lhe confiariam a bilheteira, mas, dada a sua experiência, sempre podia dar uma mãozinha no trapézio. Com o Coelho a fazer de rede.

18 thoughts on “Danado prá brincadeira”

  1. a vocação do ulrich é mesmo de palhaço ao serviço do governo e ontém foi a cavalgadura do circo, portantes tudo ok e se não acreditas vai rever os broches que o gajo fez orçamento, ao pedrocas & colegas de pinaopeito.

  2. Lembro à juventude que,em 1975,toda a banca portuguesa foi nacionalizada,com responsabilidades do PCP. E o que aconteceu? Pois bem,nenhum faliu,não veio o FMI,continuaram a trabalhar e,quando a situação política o impôs,foram entregues às antigas admnistrações mais fortes e mais saudáveis que nunca! Perguntem a quem lá esteve e não minta!

  3. Nuvorila

    “nenhum faliu” – pudera, só se falisse o Estado!

    “não veio o FMI” – mentira, vai lá ver os anos 1983-1984, quando a primeira missão do FMI aqui esteve

    “mais fortes e saudáveis que nunca” – mentira, estagnavam e começaram todos a perder mercado para o único banco privado português que havia, o BCP, fundado em 1985. Se os bancos do Estado não tivessem sido privatizados, a maioria deles fechava.

  4. Têm por ai um quadro macroeconómico a mais ? Preciso de um que sirva pra minha trotineta … Please!

  5. Até já tentei a Brigada do Resgate, mas eles nao eles estavam super ocupados a fazer mais um manifesto na aula magna …

  6. Disseram – me que isto dá divida era simples, como limpar o cu a meninos, ou fazer manifestos de renegociação, e que eu podia agora já começar a acelerar e a cagarolas umas lindas promessas … mas o Cagao do Ferro agora diz que ainda vão estudar e arranjar uma comissão pra ver como nos podemos livrar do monstro. !

  7. oh bosta! andas a copiar as piadolas do pires miraculoso. continua que tens futuro a legendar a banda(lheira) desenhada da popota amorim.

  8. Eh pá assim não me ajudas nada ! Preciso é que procures o tal do raio do quadro macroeconómico favorável e lustroso, com as cores da moda e ao gosto da comunicação social, livre de impostos e taxas, porque, para piadolas, já me basta o Ferro Cagao!

  9. Não me digam !!!! O Ulrich foi inscrever-se no PCP ???? Eu logo vi……!! O homem foi sempre um perigoso esquerdista !!!

  10. Querido Júlio; Estude mais e seja mais sério! Os Bancos foram privatizados em 1981 ! O FMI chegou cá 3 anos depois! O BCP arrancou em 1984,ajudado por todos os liberais e só nos anos 90 começou a ter alguma relevância. Oh Júlio, para a mentira calar fundo tem que ter algo de verdade! Afine as artes,ainda chega a assessor…

  11. Dear Júlio : já vi que és um expert em assuntos bancários e história recente, com provável tirocínio no último governo do nosso amado guru! Percebes alguma coisa de quadros de bicicletas com aplicação à macroeconomia ???

  12. oh bosta, quadros de bicla macro!… nantou a ver, procura no olx ou pergunta no pcp, nesses gajos éké tudo macro e acaba em quadro patriótico de esquerda.

  13. Oh Ignatzinho no OLX já tinha esgotado … o Seguro tinha comprado o resto que havia em terceira mão e os gajos da Brigada do Resgate limparam o resto, mais as histórias de Embalar e de Encantar no País das Maravilhas ! Nem o Pai Natal me garante um quadro desses como prenda para este ano!

    Se calhar tens razão … talvez só mesmo o PCP me possa safar, porque os gajos oferecem sempre quadros fabulosos com montes de extras, constitucionalmente garantidos, pra vida inteira! Obrigado pela genial sugestão. És um Querido!

  14. Nuvorila, deves estar a brincar comigo. Estás atrasado com a leitura do Militante. Levas um zero e vais fazer serviço cívico na próxima festa do Avante.

    Quando o BCP foi criado, em 1985 e o BIC, em 1986, toda a restante banca portuguesa era do Estado (não considero os três bancos privados estrangeiros que estavam em Portugal). As privatizações dos bancos que tinham sido nacionalizados em 1975 começaram no segundo governo do Cavaco em 1989 e só se completaram nos anos 90. Vai estudar, camarada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.