Compre o que é nosso

Depois das lasanhas com carne de cavalo da Roménia, das alheiras de caça com frango de aviário e de mais mil coisas travestidas, com ou sem bactérias e metais pesados, agora andávamos a comer um “bacalhau com natas” feito de peixe-caracol, uma porcaria que vem da China, a que se chama snailfish (peixe-caracol) ou, para enganar, bacalhau azul (blue codfish), e cujo nome latino é Liparis tanakae. O peixe-caracol pescado no Pacífico, depois de salgado e seco, é vendido a 3.000 euros a tonelada por companhias chinesas e é transformado por firmas portuguesas do ramo alimentar em pratos congelados de “bacalhau”, que até há pouco eram vendidos nas nossas cadeias de supermercados trazendo “Compre o que é nosso” escrito no rótulo. De que alimárias serão feitos os hamburgers e os patés aux fines herbes que nos oferecem por aí? Nem digo, para não perturbar o vosso almoço.

“Compre o que é nosso” fez-me lembrar os pins com a bandeira de Portugal que os gajos do governo Coelho puseram nas lapelas. Acho que a ASAE deveria ocupar-se da fraude e mandar retirar do mercado este governo-caracol.

5 thoughts on “Compre o que é nosso”

  1. o Compro o que é nosso é um projecto do universo da AEP que arrancou há já alguns anos e tem objectivos bastante nobres. se é transformado em Portugal – por empresas e mão de obra portuguesa – é nosso e se a rastreabilidade, da não conformidade, do produto nos leva à china haverá aqui más, e intencionais, práticas na produção primária. misturar o projecto com o governo não é razoável. mete aqui o link da informação, por favor.

  2. Procura tu, se quiseres, está tudo na net, em vários sites.
    Não misturo o programa da AEP com o governo, estás com alucinações. O governo é que é uma mercadoria com rótulo fraudulento.

  3. ó Júlio, se não te sentes bem a prestar um serviço público e se és apenas pelo cartão de ponto podias não esperar a chegada de um governo destrambelhado para te mandar pastar.
    (além do mais és indelicado e parvo – não te falta nadinha. :-))

  4. É bacalhau (cod fish significa bacalhau – se tem bacalhau no nome porque é que dizes que é para enganar a malta? Azul, preto, amarelo… what ever, é bacalhau), é pescado no Pacífico e é transformado cá… qual é o problema desta vez?
    Agora depende do que é que o “nosso” do “compre o que é nosso” implica. Acho que só se pode embirrar com isso….

  5. Akuma, o nome internacional do peixe é snailfish, peixe-caracol. Reparei que o nome que alguns lhe dão, blue codfish, só é utilizado para pôr em embalagens, para enganar o consumidor. A venda de peixe-caracol nem sequer é autorizada em Portugal. Para contornar as leis, alguns chamam-lhe bacalhau azul.
    O peixe-caracol não tem qualquer semelhança morfológica com o nosso bacalhau. A única semelhança é ser previamente salgado e seco, mais nada. Daí só ter sido vendido em Portugal em pratos pré-cozinhados em que o peixe fica irreconhecível, como o “bacalhau com natas”. Ninguém compraria aquilo se o peixe aparecesse inteiro.
    Os pratos de peixe-caracol são confecionados em Portugal, por isso seriam “nossos”. Se calhar são, mas são uma fraude “nossa”. Está bem assim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.