Atenção pessoal, o governo perdeu os travões

Primeiro foi a história da TSU. Foi preciso encenar aquela coisa do Conselho de Estado para que Passos Coelho parasse e fizesse marcha atrás.

Agora é a história da privatização da Caixa que, segundo o Expresso, foi “travada” in extremis por Belém e pelo… Banco de Portugal (não estou a delirar).

O governo dá cada vez mais a impressão de ser inimputável, necessitando ter sempre alguém à perna para se evitar o pior. Filme de terror, não é?

8 thoughts on “Atenção pessoal, o governo perdeu os travões”

  1. Quais travões, quais carapuça. O (des)governo apanhou a garagem aberta e sentou-se num carro para o qual não tem habilitação mínima para conduzir.
    Este (des)governo que nem para um carro a pedais está credenciado, pretende obter o primeiro lugar no campeonato europeu de ralis, e, ainda por cima concorre num carro artesanal do século passado e com a assistência de habilidosos que percebem tanto de mecânica como eu de calcetamento marítimo.

  2. Sobre os problemas da privatização da CGD aconselho-te, ó básico, a leres o que disseram sobre essa questão seis ex-presidentes da CGD em entrevistas a Pedro Lains (vê post de ontem no site dele). O que menos me interessa é o que diz o subempreiteiro Borges, uma besta quadrada despedida do FMI e a quem nenhum empresário português daria emprego.

  3. Basico,a privatização é um problema que tu não entendes.Pergunta ao Presidente da República e ao governador do Banco de Portugal que eles explicam-te por que razão mandaram por travão na ideia de Passos Coelho.A estra tegia começa a ser conhecida.A cada medida gravosa,de imediato lançam para a rua uma medida” maluca”,para o povo se distrair com a discussão! Entretanto vem outra a serio.É uma especie de coelho à caçador,comprado no supermercado dos preços ultraliberais.

  4. Se lesse a porcaria do texto do Lains, repare, um historiador de esquerda, nem sequer um economista, via que todas as vezes que os ex-administradores afirmam que nao se devia privatizar, as condicoes a que se referem nao se aplicam agora. Voces, burros, ao menos podiam ler o lixo a que se referenciam.

    Num pais sem moeda propria, onde a banca segue racios internacionais e vai ser supervisionada a nivel europeu, a Caixa tem relevancia zero, nao pode resolver coisissima nenhuma em Portugal. Resolve tanto a Caixa como pode resolver o BPI ou o BES. So voces, que pensam pela cabecinha do genio do Antonio Jose Seguro, e que podem achar que um pais falido nao deve tentar vender alguns dos seus activos para tentar estancar o crescimento da divida para poder entao apoiar a economia.

    Aquilo so nao interessa privatizar a corja dos partidos que la metem os Boys todos.

  5. oh experto de mercados e analista de taxas de juro! a caixa é do estado e o estado somos nós, o governo foi eleito para governar de acordo com o programa que sufragou em eleições do qual não consta a privatização da caixa e o broges não é jocker que substitua o referendo. percebeste ou andas armado em mário crespo?

  6. O ignoratz,

    “a caixa é do estado e o estado somos nós”

    So se e dono de alguma coisa quando essa coisa nao esta penhorada. A divida portuguesa ja ultrapassa o valor de toda a riqueza gerada pelo pais num ano. Quando somada a divida publica, a privada e a das empresa, entao o multiplicador sobe para 4x.

    Tu nao tens nada, nao es dono de coizissima nenhuma, os teus activos sao inferiores aos teus passivos, tas falido.

    A tua unica hipotese para tentar ganhar espaco para eventualmente poderes continuar a cumprir o pagamento de juros e vender activos, e isso que se esta a fazer.

    Como o PS (e o PSD) durante muito tempo se entretiveram a vender e a privatizar o patrimonio do estado, infelizmente ja nao ha muito para vender. Sobre a Caixa dos taxos e prejuizos, e pouco mais.

    Vai descansar um bocadinho enquanto os que mandam fazem o que tem que fazer. Tu limita-te a mandar aqui uns bitaites aos saudozistas do Ze.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.