7 thoughts on “Alerta amarelo”

  1. O nosso mundo é realmente estranho. Ou nem tanto? Com a mesma resignação e compreensão, tanto aceitamos as convulsões catastróficas da natureza como a mortandade generalizada um pouco por toda a parte. Aceitamos as desigualdades salariais obscenas entre os craques da bola e os futebolistas “normais”. Faz parte do nosso modo de viver. Na hora de comemorar vitórias pouco interessam os montes de cadáveres que sobraram da batalha. Às vezes dou comigo a pensar que a função social das religiões é fazer-nos aceitar o mundo tal como “Deus o fez” e contrariar tanto quanto possivel a acção criadora do homem. Não “fazer ondas”. Afinal, o que interessa é a vida depois da morte…

  2. Cara Maria Abril: porque acha que Nietzsche ainda é tão contestado ? O seu lado dionisíaco sempre ofendeu e ofende os pobres sacristas… A vida e a força (nunca a brutalidade) são o objectivo de todos os sãos.

  3. Ficando com Nietzshe, não serão exactamente ” a vida e a força o objectivo dos sãos”, mas a vontade da vida toda e da força toda. O homem era um “voluntarioso”. Mas quase apostava que nunca lhe terá passado pela cabeça que a vontade de viver e de poder/conhecer sem limites tende a vencer a morte em todas as suas formas. E se nunca pensou isto, terá morrido como um animal conscientemente encurralado.

  4. É isso mesmo: “a vontade de viver e de poder/conhecer sem limites tende a vencer a morte em todas as suas formas.”
    É por isso que o Homem é a criação mais perfeita de Deus.

  5. Que afirmação mais arrojada, cavaleiro da parva figura! Mesmo admitindo a existência desse deus a que te referes, sabes porventura se, no Universo imenso que é este que pouco a pouco vamos conhecendo, não existirá nenhum ser que supere o atual Homem terrestre?!

  6. Cícero, o autor do “Inicio do Infinito”, David Deutsch, diria que se trata de uma afirmação “paroquial”. Realmente, que conhecemos nós da “Criação” , quando os astrofísicos afirmam ter evidências do Multiverso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.