A hora de Costa mostrar o que vale

O presidente da República ainda em exercício veio dar recados ao PS para que se curve às políticas da firma Coelho & Portas, agitando papões vários, até o da NATO! O fulano de Belém parece que está borrado de medo. Pede ajuda externa, não sei se mísseis e drones, para pressionar o PS…

O PS precisa de dar uma resposta dura a esse discurso de merda.

A única resposta possível é esta: se a direita imagina que vai poder continuar com a mesma política, apenas enfeitada com uns laçarotes cor-de-rosa, então vá fazendo as malas. No parlamento há agora uma alternativa – ainda que, por enquanto, apenas teórica.

É preciso que o PS deixe um aviso sério a esse bando que saltou para o poder há quatro anos. E começar, no mais breve prazo, a ouvir o que o BE e o PCP têm a dizer (se é que têm algo a dizer de novo…).

Perder as eleições ainda pode ser desculpável. Não saber gerir o período pós-eleitoral que agora começa será certamente o fim para António Costa. E não sei se para o próprio partido.

29 thoughts on “A hora de Costa mostrar o que vale”

  1. Não houví o discurso.
    Não votei nele e nunca o considerei Presidente do País a que também pertenço .
    A partir do momento em que um tribunal qualquer decidiu que os cortes não se aplicavam a funcionários do Banco de Portugal – nem activos nem aposentados – desinteressou-se completamente pelas arbitrariedades governamentais praticadas em relação aos demais . Foi ressarcido mediante devolução das quantias previamente descontadas, acrescidas de juros de 4% . Nada mau, nos tempos que correm.
    Perdi completamente o respeito pela criatura.

  2. És um optimista, Júlio, tal como eu. A avaliar, porém, pelas diatribes que aqui temos visto nos últimos dias, com furiosos defensores da “esquerda a sério”, da “esquerda com vocação de poder”, com lugar cativo no famigerado arco da governação, a despejar raios e coriscos, macumbas e vudus sobre os mafarricos da famigerada “esquerda pura e verdadeira”, as razões para optimismo não são muitas.

    Abro a boca de espanto com a fúria que por aqui tenho visto de gente que julgava sensata e moderada. Os malandros dos eleitores desfeitearam-nos, tiveram o desplante de não entender a mensagem, que se fodam os eleitores! E vá de apontar furiosamente o argueiro no olho do vizinho, sem conseguir ver o barrote que têm enfiado no seu. Esta autoproclamada propriedade da “esquerda útil” faz-me lembrar os tempos da luta pela unicidade sindical, que deus nosso (deles) senhor a tenha em descanso. Oremos.

  3. Acho que nem o Tó Zé agora gostaria de estar no lugar do Costa…
    Nem o próprio Costa seguramente gosta de estar onde está e como está…

  4. O Costa está a esquecer o MRPP, os portugueses também votaram nesse partido, Vivam as esquerdas. Syrizas de todo o Mundo Univos.

  5. Não sei se Costa estará á altura do desafio. E se conseguirá pensar primeiro no melhor para o país, antes do melhor para ele…

  6. o juju anda excitadissimo com a altermativa que existe agora no parlmento. o problema é que seita comuna e o bando bloquista terem algo a dizer sobre a governação. é

  7. é evidente que partidos que querem que portugal se retire da nato e que lutaram durante décadas para que pt pertencesse ao p. varsóvia não deviam sequer ser autorizados a ir a eleições. nunca o ps deveria fazer acordos com essa escumalha que alias e como se nao bastasse toda a traicao do pasaado foi determinante na entrada da troica.

  8. Tudo seria mais simples se o PS pudesse governar com uma abstenção do BLOCO e do PCP.

    Não sendo tal possível , qualquer acordo à esquerda é impossível.

  9. É agora ou nunca.

    O povo entregar à esquerda novamente os bancos, as herdades alentejanas e ribatejanas, já não há lisnave nem cuf nem melos nem champalimaud, mas substituem-se pela praia e o sol que a esquerda também gosta.

    Isto um aninho, para ver quem aguenta o arrocho!

  10. gostei de ouvir antonio costa.pôs o homem de boliqueime no sitio.na extrema esquerda o unico partido que se vai se chegar à frente é o bloco.o pcp ,não pode pois perdia o seu braço armado (cgtp).aguardemos.

  11. Insisto, amigos da Aspirina B: as coisas mudaram radicalmente na Europa e no país. Democratas cristãos e social democratas foram engolidos pelo neoliberalismo radical. O discurso do PS já não pode ser feito contra democratas cristãos e social democratas, porque estes foram banidos do PSD e do CDS tradicionais. Escandalizando-vos: a voz apropriada contra os “PaFs” ´tem de ser algo com o a de Catarina Martins, aprendendo com a ingenuidade do Syriza. Não foi dito, porque Costa não teve discurso algum, mas devia ter sido gritado mil vezes na campanha eleitoral, que Portugal não era, nem de longe, a Grécia de 2010/2011, mas bastaram 4 anos de Paf, para aproximarem perigosamente o país da tragédia grega. O que temos agora é uma situação, de facto, de bancarrota, que está a ser sustida apenas pela intervenção do BCE desde Agosto de 2012.
    Era uma história simples de contar, mas Costa decidiu que O PS de Sócrates destruira mesmo o país, tal como cantava diariamente a direita na sua comunicação social (toda).
    A história era esta: no final de 2010 (2011 só deu governo PS até ao chumbo do PEC IV; desde aí foi a balbúrdia criada pela coligação negra da esquerda verdadeira com a direita radical) o deficet era 7%, a nossa dívida de 94% do pib, e no final do primeiro trimestre de 2011 crescíamos 1,9%. E, mais importante, a Merkel e o BCE estavam ao lado do governo português e de Sócrates.
    O que Merkel e o BCE não sabiam é que o presidente Cavaco, Passos, Portas, Jerónimo e Louçã estavam dispostos a tudo para “ir ao pote”, cada um a seu modo. A este grupo miserável juntaram-se os banqueiros, já sabedores de que os seus bancos estavam, eles sim, na bancarrota.
    Costa não quis contar e repetir esta história verdadeira, nem quis lançar na cara da coligação negra contra o PEC IV as consequências devastadoras na sociedade portuguesa: empobrecimento, meio milhão de emigrantes, um exército de desempregdados ou semi-empregados, venda de património valioso, negociatas criminosas etc . Como pagar uma divida de 130% do pib, que nos leva em juros o orçamnro do minsit’erio da saúde, com um crescimento anémico? Quais as hipóteses, a prazo, se não for radicalmente alterada a arquitectura da união monetária e da própria união europeia? Isto não é o mesmo que dizer, simplesmente, “sair do euro e da UE”. Nada disso. Tsipras tinha razâo, mas não soube agir dentro das normas da UE. Costa soube disso, esteve p’raí virado, mas depois perdeu-se, quando o Syriza começou a meter os pés pelas mãos. Claro, acabou por ser acusado por Passos Coelho de pretender “syrizar o país”.
    E agora? O PS vai descer ao inferno para onde Seguro e Costa o encaminharam? Depois de desaparecer a democracia cristã e a social democracia, dando lugar a uma direita radical, é hora de vermos esfumar-se o socialismo democrático para dar lugar a uma esquerda radical. A luta dos próximos tempos será entre dois campos radicais. Tese e antítese. O que virá como síntese?

  12. algures na internet,descobri que há poucos anos a junta de freguesia de parede (cascais) liderada pelo psd/cds não teve um rombo… deu um rombo de 450000 euros.gente seria é outra coisa.

  13. julgo que no cenario actual, a maioria dos socialistas vai escolher sampaio da novoa para seu candidato.a camarada maria de belem,é como o outro: não tuge ,nem muge.passam-se anos que não diz nada aos socialistas e muitos menos aos portugueses em geral.abriu agora a boca para dizer que é candidata, talvez a pedido do “tozero seguro”

  14. a propósito das declaraçoes do advogado de jsocrates contra o ministerio público,por ter mantido o prazo por mais uns dias do segredo de justiça,no msn,vem uma serie de comentarios de uma escumalha, que merecia uma resposta à altura do pessoal do aspirina b.

  15. Concordo em absoluto. Eu não sou filiado em nehum partido , trabalho por conta própria e votei PS. Mas não votei PS para que agora o meu voto sirva para darem uma mão à direita. E a esquerda do PS também vai ter que se chegar à frente.

  16. A ideologia de Cavaco Silva, resumida em três designações: irracionalismo económico, fetichismo europeu e chauvinismo do antigo regime.

    1. Irracionalismo económico: aquilo que Cavaco Silva defende para Portugal, que consiste em empurrar o problema económico e financeiro com a barriga para a frente, é materialmente impossível.

    2. Fetichismo europeu: o conceito das alianças de Portugal (Zona Euro, UE e NATO) é por ele completamente fetichizado. É bem diferente do que diz o mainstream do PS, que aspira a reformar a EU e a Zona Euro no sentido da social-democracia. Cavaco Silva, ao invés, aceita o status-quo neoliberal da UE como um fetiche. Mesmo que a continuidade de Portugal nesta aliança acabe por matar o país, haverá que continuar no euro e na UE de bolinha baixa, sem levantar ondas.

    3. Chauvinismo do antigo regime: em Portugal, a revolução liberal ficou a meio; parte da nobreza (D. Pedro) percebeu que arriscava perder tudo e, por isso, promoveu a fusão entre as elites do antigo regime (clero e nobreza) e da burguesia liberal. Muitas das desgraças do Portugal dos séculos XIX, XX e XXI devem-se à meia solução de D. Pedro. O corporativismo de Salazar é filho enjeitado deste imbróglio social, e Cavaco Silva é originário de um dos grupo sociais (os pequenos comerciantes) protegidos pelo corporativismo.

  17. Cavaquismo (conclusão)

    A concepção política mais perigosa e insidiosa do cavaquismo é a última: o chauvinismo. Perigosa porque sobrevive fora do seu tempo. O chauvinismo só pode hoje ser enunciado de forma criptográfica. Nunca poderá Cavaco Silva dizer publicamente que “Salazar faz cá muita falta!”. Mas pode o cavaquismo comentar que “Salazar foi um grande político”, a pretexto de uma comparação com Vítor Gaspar.

    Ora, a falta de apoio social ao chauvinismo do antigo regime obriga-o à procura de aliados externos. Daí o fetichismo europeu. Por sua vez, esse fetichismo coloca o cavaquismo numa posição de vassalagem perante os seus suseranos europeus; que assim podem forçar, sem oposição, uma política económica que os favorece a eles mas destrói a nossa economia. É daí que decorre o irracionalismo económico.

  18. Camacho
    Quando defendo que o PS deve de imediato começar a ouvir o BE e o PCP, não me iludo quanto ao resultado de tais reuniões. Sobretudo da parte do PCP (embora sem ele não possa haver maioria de esquerda no parlamento). Da parte do BE, espero mais pragmatismo e menos dogmatismo do que da parte do PCP. Estarei enganado?

    A direcção comunista veio já dizer publicamente que se o PS formar um governo, o PCP não apresentará nem aprovará nenhuma moção de rejeição do programa do governo. SE É SÓ ISSO O QUE O PCP TEM PARA OFERECER (não derrubar um governo PS no parlamento), então ficará tudo como dantes nos próximos 4 anos. É um presente envenenado, que nenhuma direcção socialista, por mais estúpida que fosse, iria aceitar. Mas sabemos que os comunistas se acham mais finórios do que os outros e que têm uma irresistível tendência para fazer do PS o seu bombo de festa. Com esse espírito, A DIREITA CONTINUARÁ A GOVERNAR POR MAIS 4 ANOS. É isso o que o PCP no fundo quer?

    O PCP teria de negociar uma plataforma de entendimento com o PS e o BE, comprometendo-se a apoiar globalmente, durante o quadriénio, o governo PS, o qual, como sabemos, não quer sair do Euro, nem da UE, nem da NATO. O PCP tem as posições que tem e ninguém lhe exige que as deite fora ou que diga o contrário do que pensa. Mas teria que meter essas posições na gaveta durante um hipotético governo minoritário do PS, com vista ao fim comum de afastar a direita do poder. Seria capaz?

    O PCP não poderia nunca juntar os seus votos à direita para chumbar diplomas importantes. Seria capaz?

    O PCP não poderia mandar constantemente a CGTP para greves e para a rua com o fim de desestabilizar o governo. Seria capaz?

    É isso que é preciso saber.

  19. Ora bem, ora bem, que fazer às baratas tontas? Hum? Que fazer?

    Qual é o vosso problema? Hum? Até parece que quem governa Portugal são…os Partidos! Ao que engraçados….

  20. «Não saber gerir o período pós-eleitoral que agora começa será certamente o fim para António Costa. E não sei se para o próprio partido.»

    bem, isso não é preocupante. De todo. O que é PREOCUPANTE é que os TIJOLOS da catarinazeca e da filha do Batata, se «avancem para a frente». Caramba, aquilo é comunismo do pior, esquerdalha.

  21. O joaopft vai para o inferno, invoca o nome do Maior em vão.

    O Gigante está em Santa Comba serenamente à espera de um panteão naquela terra.

    Para Cavaco não seria suficiente Peniche era mais ao lado, Berlengas.

  22. poizé, tá na hora do costa os convidar a formar governo, economia para o louceiro, educação para a catrineta, administração interna para o jeropinga e o gajo da mota para o lugar do lambretas. pegar ou largar, não querem vão chatear outro.

  23. ignatz, estás na caricatura a traço grosso, bastante indigesta para a hora que corre.

    Não se trata de convidar ninguém para o governo, mas de o PS ouvir o que a restante esquerda — em que votou perto de um milhão de portugueses — está disposta a fazer para afastar o governo da direita unida.
    Com que condições o BE e o PCP apoiariam (mas teriam de apoiar mesmo) um governo minoritário PS?
    Na situação criada por estas eleições, que é completamente inédita desde que há democracia, é preciso recomeçar do zero e fazer de conta que não se sabe o que o Bloco e o PCP defendem.
    Querem esses representantes de um milhão de portugueses realmente afastar o governo da direita?
    O que estão dispostos a fazer para isso?
    E o que é que exigem do PS?

  24. IGNARALHO, e como a ESQUERDALHA ganhou as eleições, penso que sócrates faria um bom ministro da justiça. Tu, em contrapartida, poderias ficar com uma direção – geral – a da Educação. Claro está que ias abolir a Religião e Moral, mas certamente a substituías pela moral fálica e nhanhosa em que és um expert…

    Diz-me: o que achas? Hum?

  25. o único processo de os amarrar a um compromisso é levá-los para o governo e serem responsáveis pela merda que fizerem, caso contrário é vira-o-disco-e-toca-o-mesmo, só assumem a paternidade do que resulta e atriram com as desgraças para os xuxas. o costa quando for chamado a belém deveria já devia levar um papel com o futuro governo ps+be+pcp ou então dizer ao mono que depois se verá.

  26. Ignatz, não há modo de varrer o atrasado mental do numbejonada destes comentários? Que vá para Santa Comba chorar na lápide do seu líder… ou para o Bunker de Berlim limpar o pó…. comentários ao nível de uma cloaca ulcerada, e só conspurcam este excelente blog…..

  27. Costa tem que fazer oposição, mas ardilosamente, logo, sem deixar passar a imagem de que está a obstaculizar a acção governativa .
    Como se faz isso ?
    Desde logo, jogando na antecipação, e, por outro lado, também mentindo.
    Se o governo é useiro e vezeiro no embuste, na mistificação e na mentira porque motivo o PS não usa as mesmas armas ?

  28. “Ignatz, não há modo de varrer o atrasado mental do numbejonada destes comentários?”

    não ligues à merda, mas se por acaso tropeçares, lembra-lhe uma paneleirice do mariconso que o gajo fica 1/2 hora a cuspir ignaralhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.