“A Dança das Horas”, pela Companhia de Bailado de Pequena Instância

Um juiz do Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa (TPICL), apropriadamente chamado António da Hora, decidiu declarar extintas, por prescrição dos factos, as nove contra-ordenações que visavam o ex-presidente do BCP, Jardim Gonçalves, num dos três processos que lhe foram interpostos pelo Banco de Portugal. O tempo para este julgamento tinha começado a contar em 2005, altura em que o banqueiro da Opus Dei abandonou a presidência do BCP.

O Banco de Portugal explicou agora, em comunicado, como foi possível ter-se chegado a esta prescrição do processo contra-ordenacional. O julgamento deveria ter arrancado em 2010 (já com 5 aninhos no papo), mas só em 2011 foi possível dar-lhe início. Tinham já decorrido 38 sessões quando, em Outubro de 2011, o nosso juiz do TPICL, António da Hora, apesar do adiantado da Hora, se lembrou de interromper a audiência e anular o julgamento, alegando que teria havido violação do sigilo bancário logo no início do processo.

O Banco de Portugal recorreu então para o Tribunal da Relação, que, passados uns milhares de Horas, devolveu o processo ao juiz António da Hora e determinou o reinício da audiência de julgamento que tinha sido interrompido.

Seguiu-se então uma sucessão de recursos de Jardim Gonçalves para o Tribunal Constitucional, o qual, passados mais uns milhares de Horas, acabou por determinar o regresso do processo à Relação de Lisboa e, depois, ao juiz do TPICL que tinha conduzido o processo desde o início, António da Hora.

Em Outubro de 2013, António da Hora ainda alegou que não lhe competia prosseguir a audiência, dado ter sido transferido para outro tribunal, não se sabe se a seu pedido. Apesar disso, mais de dois meses passados, a Relação determinou que a elaboração da sentença teria mesmo de caber a António da Hora.

Mas, entretanto, as Horas tinham estado sempre a contar, como toda a gente envolvida no processo sabia perfeitamente. Só restava, pois, ao nosso juiz emitir o despacho a declarar a prescrição do processo, o que ele acabou por fazer, na Hora.

O advogado do réu declarou ao Dinheiro Vivo estar muito contente com esta “vitória”, acrescentando que o seu cliente só lamentava que o processo tivesse sido “ganho na secretaria” e não na sala de audiências, pondo as culpas deste facto no Banco de Portugal, que não terá mostrado “capacidade” para o caso ser julgado em tempo útil…

 

12 thoughts on ““A Dança das Horas”, pela Companhia de Bailado de Pequena Instância”

  1. Isto só vem demonstrar que a JUSTIÇA não precisa
    de ser remendada … tudo corre pelo melhor e, será
    caso para incentivar o investimento cá no Quintal!!!

  2. Será que agora a senhora ministra da justiça não tem nada a dizer? E o CSM? Também não? Curiosa justiça esta. Não se arranja por aí uma lista das prescriçõezinhas?

  3. impunidade acabou…. não foi isso que a ministra da justiça disse ?
    Ora a í está…. Submarinos, furacão, bcp e outros que aí virão ( pandur, bpp,bpn, vargem fresca and so on). Tudo nos conformes…

  4. isse da justiça ó homme de pau-feito estar rota e nã precisar de remendos é mesmo gay

    mim arrespondia-te mas tou ó cu capado a arrespondere a mim mesmo

    a mim mesmo elle próprio diria sou ares

    Hyun Song Shin9:22 AM
    Ugo Panizza gave me this reference from War and Peace. Here, Tolstoy is describing General Pfuel.

    “The German’s self-assurance is worst of all, stronger and more repulsive than any other, because he imagines that he knows the truth- science- which he himself has invented but which is for him the absolute truth.

    Pfuel was evidently of that sort. He had a science- the theory of oblique movements deduced by him from the history of Frederick the Great’s wars, and all he came across in the history of more recent warfare seemed to him absurd and barbarous- monstrous collisions in which so many blunders were committed by both sides that these wars could not be called wars, they did not accord with the theory, and therefore could not serve as material for science.

    In 1806 Pfuel had been one of those responsible, for the plan of campaign that ended in Jena and Auerstadt, but he did not see the least proof of the fallibility of his theory in the disasters of that war. On the contrary, the deviations made from his theory were, in his opinion, the sole cause of the whole disaster, and with characteristically gleeful sarcasm he would remark, “There, I said the whole affair would go to the devil!” Pfuel was one of those theoreticians who so love their theory that they lose sight of the theory’s object- its practical application. His love of theory made him hate everything practical, and he would not listen to it. He was even pleased by failures, for failures resulting from deviations in practice from the theory only proved to him the accuracy of his theory.”

    Reply
    Replies

    Noah Smith9:39 AM
    Excellent quote.

    root_e9:46 AM
    thanks!

    São Canhões? Sabem mesmo a manteiga…3:59 PM
    yes they quote the evil powers …the germans the russians the chink’s

    the german or the american or the spartan assurance?

    all imperial powers or imperial-to-be have the same failures

    the germans before the Prussian wars are very low esteem…..

    ergo the quote is a bust…

    Cumartesi misquote…quasimodo quote quasi mod….

    THE GREAT TREK WAR’S – THE GDP IN SIMPLEX TO SIMPLETON’S IN THREE ECONOMIC TREK WARS – FROM ZULULAND TO KRUGER BY MAXIM
    the SPARTANS LIKE SOME ANTS HAVE TREK WARS FOR SLAVE SAKE….IN JAP FOR SAKÉ….

    the noble spartans fighting for freedom of work …wage war’s to have free slaves to work the spartan

    lands and the spartans have free time to fight for slaves

    is the simplest thing …..they don’t work to have plenty of time to fight for slaves that are fighters for the economic freedom of the spartans

    confuse? i fuse some con’s

    the war with democratic credentials, is always a good and sound war, a trek war for economic slaves or consumers as the locals of Coca-Cola country like to call it, a particularly virulent strain of ruskiephobia runs through Western( or is Westeros? )society.
    This is revealed in the absurd newspaper and media story proposed for BOTH sides, the job of minister for Propaganda is not the solitary workbench for the Goebbels of this XXI century fox , but a corporative chorus line of questioning the evil russians and the feedom fighters or in russian the freedom fighters for the new economic patriotic war, in both cases a melodrama that was steeped in self-righteous economic comic hypocrisy.

    The freedom fighters-to-be, stout good warrior’s with a disarming smile, are generally good and nice, and the others are pure evil, they agreed to be repugnant and not democratic at all
    condemning the good freedom fighters it simply unacceptable.
    economic war is a societal issue which I believe
    we should discuss, debate and deliberate upon and come to a conclusion as to whether we want to accept it or not, for the good sake of GDP…..

    And now, the pride of Westeros or Western society, the most popular weekend destination for chineese, a haven of unabashed consumerism, is seriously under threat…..and from chinks and roshian’s
    the yellow peril is on

    heil the kaiser….
    Gönderen
    the myth of the noble american yes we can fighting for economic freedom is just comic like the germans are a monolithic nation with self-assurance like werther n’est pas….

    oh vous ne parlez pas le lingco

    imperial self-assurance in neo-latin? Senatus populusque….SPQR you know?

    no you don’t….

  5. Se ainda restavam dúvidas aqui temos mais um exemplo de como em
    Portugal há uma justiça para as pessoas comuns em que vale tudo desde a aplicação retroactiva dos cortes das pensões ao famigerado enriquecimento sem causa (como se demonstrou no passado há sempre um juiz ansioso de protagonismo pronto a atirar-se a um qualquer adversário político). Quanto aos membros da elite que frequenta os corredores do poderacabam sempre por encontrar uma saída airosa..

    Onde estão os resultados das grandes reformas que a ministra (por sinal ex-esposa dum dos arguidos) não se cansa de propalar?

  6. well as grandes reformas são aquelas vitalícias

    e as das fundações as dos institutos

    dos observatórios do risco ao meio

    dos professores universitários que tiram a licenciatura em 1988 com 34 anos d’edade e sem ter feito merda nenhuma além de emborcar e morfar e obviamente fodere que é cavar a terra com um pau
    os amigos da famiglia arranjam-lhe um emprego para a vida e para a morte
    no caso de quinar em 2014
    ou reformar-se
    como a palmeloa que começou a trabalhar dois anos antes dele em 1986
    e agora com 48 anos tá reformada há dois com 2900 eurros uma miséria
    e que paga bué em IRS

    já ele de 1954 até hoje trabalha duramente apesar de ser sex agenário ou agenarium?

    lembra-me sempre o pateta alegre que tirando desertar do SMO nunca mais fez nada na vida além de caçar e sentar o cu em assentos e acentos vários

    reformas ó pá fizeram-se muitas reformas

    THE Musca domestica FINAL STAND – CHINEESE ARE THE NEW GOOD AND GERMANS ARE THE OLD FAITHFUL EVIL IS THE SAME OLD LAME STORY…..IN DOUBLE DIP DEPRESSION’S GOOD QUOTES ARE IN NEED,,,reformas are in need

    SUBSIDIAR O ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS A BEM DAS FAMIGLIAS SEM GARANTIR ÀS FAMÍLIAS O PLENO EMPREGO DADO ÀS FAMIGLIAS FOI MAU NEGOTIUM QUE NEGA O OTIUM EM BAIXO LATIM

    nã sey se precebeste ó percebe….mas ê comecei a trabucar em 1981 com direito a cartão da insegurança sucia all

    e inda nã tou arreformado….arreforma-me aí qu’eu tenho umas dores nas cruzes
    e nã posso pedir baixa que a gandaia nã tem baixas, quem leva baixa vai logo do caixão à cova

  7. Já não bastavam as arrastadeiras ao serviço da ‘gente ónesta’, agora também temos que aturar estes c@g@lhões que por aqui dão à costa? Já não há ninguém neste blog a moderar a entrada de tr@mp@ de coelho a modos que arrelvada?

  8. ó filha quando as tuas corporações dizem que não sobem porque não querem

    ou cortam relações com um ministro que é puro corporativismo

    é banal que o coelho enforcado ande a passo de anão ou de ganso

    os gamas só gramam a cruz gamada

    por vezes não a sabem é desenhar e sai a martelo….

    a con tece

  9. A esta hora da manhã – a bem dizer nem a qualquer outra -, a minha avançada idade não permite ver estes filmes…pornográficos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.