Vinte Linhas 99

Saudação breve a Ana Carolina

Eu te saúdo oh! Ana Carolina, menina pequenina envolta em cor-de-rosa numa alcofa de ternura entre o olhar doce da tua mãe e a força do teu avô, entre o frio da tarde a anunciar hipóteses de chuva e a minha pressa em te conhecer. Tu não sabes mas, minutos depois de te ter conhecido, eu comprei uma embalagem de beijinhos e fiz-me à estrada a caminho de Lisboa. Tu não sabes mas nessa tarde choveu muito. As terras finalmente encharcadas fizeram deslizar essa água fértil para as valetas. Passei pelas Gaeiras, pela Ponte Seca, pela Sancheira Grande, pela Palhoça, pelos Carreiros e pelo Cercal sempre debaixo de uma chuva que nos anunciava e nos trazia de facto a fertilidade. E tu dormias descansada nos braços do teu avô dando à tua mãe um pouco de descanso nas rotinas e nas tarefas diárias perante um recém-nascido. Tua não sabes ainda mas a fertilidade começa pela água e eu já não via chover assim desde 2003. Aquilo a que chamamos «vida» começa com um momento que se define como «o rebentar das águas». Pequena e indefesa tu, oh! Ana Carolina não sabes como gostei de te conhecer e de fazer esta viagem entre as Caldas da Rainha onde ficaste e Lisboa onde te escrevo esta saudação breve e emocionada. Vejo naquela chuva que caiu poucos minutos depois de te conhecer um anúncio de vida e de alegria contra a aridez hostil da seca do ano que passou. As valetas da estrada velha entre as Caldas e Lisboa ficaram cheias de água nessa tarde em que te vi pela primeira vez. E os meus olhos cansados ficaram com uma neblina de alegria. Graças a ti oh! Ana Carolina e à tua alegria cor-de-rosa dentro de uma alcofa de ternura. Porque o teu rosto envolto em rosa foi uma presença efectiva no espelho do meu velho Citroen, cinzento e cansado. E cheirava a maçãs no pequeno habitáculo entre a pressão da chuva e o negro do asfalto da estrada velha das Caldas até ao Cercal.

9 thoughts on “Vinte Linhas 99”

  1. “Saudação” também para si, poeta, e obrigado pela beleza do seu poema .
    Ou melhor, “bem-haja” , como aprendi a dizer na minha aldeia no tempo em que a chuva era benção de adultos e crianças porque era a garantia do pão.
    Felicidades para Ana Carolina, para a mãe e para o avô e, já gora, por onde andava o pai da criança ?
    Jnascimento

  2. parabens bonito texto,
    cheio de poesia e sentimento,,,

    que

    nossos netos sintam, apreciem, continuem
    cheiro e lógica nossas lutas e objectivos

    cultivem eles valores de solidariedade
    amor patrio e não só,

    amizade sã
    na lealdade hoje cada vez mais complicada
    quotidianamente desprezada por alguns “maiores”-menores…

    Ana Carolina, bonito nome
    Parabens José do Carmo Francisco

    luta continua!!!

  3. o pai deu de frosques para não aturar o avô da criança, para detalhes pergunta na zaira ou no central

  4. É óbvio que na cartografia do poema só estão presentes a mãe e o avô da criança mas o pai devia estar a trabalhar como é claro. Mas isso não interessa nada para a organização do poema. Safa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.