Vinte Linhas 697

No dia do Fado uma Missa em Fado na Basílica dos Mártires

Quem (como eu) sempre ouviu dizer que a Missa tem duas grandes divisões (Catecúmenos e Fiéis) ou quatro (leituras, ofertório, consagração e comunhão) pode começar a pensar noutra divisão: a missa em Fado. Desde o passado domingo dia 27-11-2011 que o Fado, aceite pela UNESCO, entrou de pleno direito no espaço da Liturgia. O Grupo da Missa em Fado é originário da igreja do Santíssimo Sacramento na calçada do mesmo nome mas, por razões logísticas, a missa em Fado aconteceu na Basílca dos Mártires na Rua Garrett. Fazem parte do Grupo: José Campos e Sousa (voz e viola), Filipa Galvão Telles (voz), Bernardo Couto (guitarra portuguesa) e Ricardo Mota (violoncelo). Por uma feliz coincidência esta missa cantada aconteceu no primeiro domingo do Advento e o celebrante usou paramentos roxos. Tal como na Quaresma ou nas Vigílias, esta cor do crepúsculo exprime penitência, purificação e humildade.

Desta vez não havia aquela frase do Diácono como nos primeiros tempos do Cristianismo: «Quem não é baptizado saia, quem é indigno ou culpado sai também!». Tal frase surgiu nesses tempos iniciais depois do Credo. Ainda bem que tal já não acontece, ninguém aponta a dedo os impuros. Curiosamente é de alguns desses (como eu) que se soltam as lágrimas mais salgadas porque a comoção de estar dentro de uma missa em Fado é enorme, é imensa, é ilimitada. Eu fui um dos muitos que se deixou envolver na grande emoção das palavras e da música – em todas mas em especial no «Aleluia», no «Credo», no «Pai Nosso», na «Avé Maria» e no «Senhor eu não sou digno». Uma curiosidade última. A palavra Missa vem de Missio em latim que significa despedida mas neste caso foi uma chegada. A Missa em Fado chegou em muito boa hora à Liturgia da Missa. O Grupo está de parabéns pela música e pela emoção.

2 thoughts on “Vinte Linhas 697”

  1. passaste bem a tua emoção e a beleza, se não partida, da chegada. mas custa-me entender porque precisa o Homem de muralhas de pedras e santos gelados para viver em missa.

    (quero dizer, não custa mas fico a pensar nisso.)

  2. Obrigado pela leitura atenta. O engraçado é o conjunto de coincidências naquele dia, logo naquele dia. Nasci numa família de músicos e sou sensível a essa arte…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.