Vinte Linhas 59

Os cuidados intensivos

Desde sempre se tem discutido o que é a poesia e o que é a literatura. Para muitos de nós a poesia vem antes da literatura pela simples razão de que a primeira poesia era cantada de terra em terra pelos antepassados dos trovadores. Por outro lado a literatura só começa a existir quando aparecem os primeiros livros. Ou seja, quando a poesia começa a poder ser repetida. Cada livro é como se fosse um trovador que vai cantar de terra em terra, de casa em casa. Já não vai a voz mas sim o seu registo gráfica, não vai a temperatura mas sim o seu desenho nas letras. Tenho para mim que a poesia é a mais pura modulação da voz do homem. Cheguei a ter uma série de versos que citava de cor. Por exemplo de Carlos de Oliveira: «A noite é a nossa dádiva de sol aos que vivem do outro lado da terra». Ou de José Gomes Ferreira: «Viver sempre também cansa!» Ou ainda de Carlos de Oliveira: «O sal é o mar servido nas nossas praias domésticas de linho».

Hoje gostaria de compartilhar convosco um breve poema dum autor grego (não sei se homem se mulher) que assina S. Kharkianákis e que a mão amiga de Maria Estela Guedes me ofereceu. «A poesia, irmã, não é nem canção nem reflexão. Poesia é cuidado intensivo aplicado à criação em sangue. E sobretudo registo de como a vida conduz à morte». O que estas crónicas pretendem ser é também isso mesmo: o intervalo possível entre canção e reflexão, entre a simples narrativa e a complicada filosofia a tentar compreender o que somos. Mas como o que fazemos não passa de uma apoteose efémera lá voltamos, mais uma vez, teimosos, a ver se, com o nosso sangue pisado, conseguimos escrever para não morrer.

9 thoughts on “Vinte Linhas 59”

  1. Mas como o que fazemos
    não passa de uma apoteose efémera
    lá voltamos, mais uma vez, teimosos,
    a ver se, com o nosso sangue pisado,
    conseguimos escrever
    para não morrer.

    Sugiro um nome: Equimose.

  2. Caro José do Carmo Francisco,

    A tua prosa é tão intensiva que malhaste forte e feio no texto. Transcrevo:

    “Por exemplo de Carlos de Oliveira: «A noite é a nossa dádiva de sol aos que vivem do outro lado da terra». Ou de José Gomes Ferreira: «Viver sempre também cansa!» Ou ainda de Carlos de Oliveira: «O sal é o mar servido nas nossas praias domésticas de linho».”

    Quiseste demonstrar que as tuas citações iam para além de um par de autores e acabaste com redundâncias excusadas. Há leitores que não dormem, jcfrancisco.

    Vamos lá remodelar a tua gabarolice literária:

    Por exemplo de Carlos de Oliveira: «A noite é a nossa dádiva de sol aos que vivem do outro lado da terra» ou «O sal é o mar servido nas nossas praias domésticas de linho». Ou de José Gomes Ferreira: «Viver sempre também cansa!»

    Assim, não enganas ninguém.

  3. E quem é que te disse que eu queria enganar quem quer que seja??? Tu é que estás a ver mal o assunto. A ordem das citações nada tem a ver com a ideia de enganar. Mas que preconceito mais mal amanhado… Já agora Manuel da Fonseca: «ALDEIA» Sete casas / duas ruas / no meio das ruas um largo / no meio do largo um poço de água fria

  4. Se não quiseste burlar ninguém, meu caro, isso denota uma absoluta falta de lógica no encadeamento das frases. Falta de lógica. É sintomático.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.