Vinte Linhas 475

Óbidos – «Theatron» na Galeria nova Ogiva

Pedro Valdez Cardoso (n. 1974) expõe regularmente desde 2005 e apresenta em Óbidos (Galeria nova Ogiva) uma exposição (Theatron) patente ao público até 16-5-2010. Trata-se de um conjunto de peças executadas com materiais de uso quotidiano e perecível como tecidos, alumínios, cartão, papel, cordão, adesivo, arame ou atacadores. Com elas o autor questiona o Homem entre o precário da vida e o inevitável da morte. Ou, nas palavras do próprio autor a Hugo Dinis, autor da apresentação do livro-catálogo: «No caso de Óbidos a minha preocupação foi seleccionar peças que pudessem jogar com o contexto da vila medieval de estrutura militar. Interessava-me ter peças que se relacionassem com essa imagética e que jogassem com possíveis leituras historicistas.»

A galeria nova Ogiva merece só por si uma visita: em 1970 na sua inauguração José Aurélio trouxe obras de 35 artistas: Alberto Carneiro, Ângelo de Sousa, António Sena, Armando Alves, Artur Rosa, Aurélio, Carlos Calvet, Charrua, Conduto, Costa Pinheiro, Eduardo Luís, Eduardo Nery, Escada, Espiga, Helena Almeida, João Abel Manta, João Cutileiro, João Vieira, Joaquim Rodrigo, Joaquim Vieira, Jorge Martins, Jorge Pinheiro, José Rodrigues, Lourdes Castro, Manuel Baptista, Maria Velez, Menez, Noronha da Costa, Nuno de Siqueira, Palolo, René Bertholo, Rogério Ribeiro, Sá Nogueira, Vespeira e Zulmiro. Óbidos está muito perto de Lisboa, tem a auto-estrada à porta e a responsável pela organização (Ana Calçada) tem o bom gosto de colocar nos diversos espaços museológicos de Óbidos meninas bonitas, competentes e simpáticas.

8 thoughts on “Vinte Linhas 475”

  1. Aquilo é uma lixeira, não é Arte. Os funcionários da Câmara esqueceram-se de meter essa tralha no lixo.

  2. deve ser bem gira (é quase tal e qual o meu escritório). :-)

    olha, Zézinho, tens a certeza que essas meninas não andam com sorrisos de ginginha em copos de chocolate? :-D

  3. Não Sinhã, elas são «mesmo» muito queridas. Mas naturalmente. Fui a 4 espaços museológicos/expositivos – 3 museus 1 galeria – e todas foram muito queridas. Não tem nada a ver com ginginha, é da própria natureza das pessoas e da sua preparação específica. Fiquei encantado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.