Vinte Linhas 471

URBAN MAN – Profética não é provecta nem táxi tem a ver com tacho

No passado dia 2 de Abril fui ver o Sporting-Rio Ave e, para além dos cinco golos «leoninos», da expulsão envenenada de Izmailov e da não-expulsão do jogador do Rio Ave que derrubou Yannick à entrada da sua grande – área quando seguia isolado em direcção à baliza, houve outra coisa que aconteceu no jogo: a oferta de um exemplar da revista portuguesa para homens com o nome bem inglês de Urban Man.

Na página 41 da dita revista surge um texto sobre Silva Lopes: «Será que estamos tão mal de gestores que temos sempre de recorrer aos suspeitos do costume, mesmo quando já têm a profética idade de 77 anos?» Ora bem. A idade de quem tem 77 anos de vida não é profética mas sim provecta que vem do latim provectu e significa avançada ou adiantada em anos. Profético é outra coisa – tem a ver com predizer o futuro ou fazer profecias. Mais abaixo surge um outro texto sobre Maria de Lurdes Rodrigues a propósito da Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento: «os taxistas são sempre os mesmos». Ora bem. Tacho como significado de ter um emprego chorudo (ter um bom tacho) nada tem a ver com táxi ou com taxímetro nem com taxista, profissional do volante. Tacho não tem a ver com táxi.

Na terceira coluna da página refere-se Francisco Loução como autor de artigos de economia e de física teórica. Aqui já é mais uma dúvida. De economia sabemos da economia política e da economia social mas de física só sabemos da física atónica e da física nuclear mas será que existe mesmo uma física teórica e que Francisco Louçã é especialistas mesma sem a gente saber? E fazemos figura de urso?

63 thoughts on “Vinte Linhas 471”

  1. Muitos pontapés se dão na gramática.
    Fica a pergunta: Como é possível gastar dinheiro na edição de uma revista com estes tipo de erros? Haja mais seriedade.

  2. Bem apanhadas, excepto que têm razão quanto ao Francisco Louçã: a física teórica lida já com a possibilidade de universos alternativos, área em que Louçã é especialista. Daí a referência.
    Já agora, física atómica e nuclear não é a mesma coisa?

  3. a física teórica existe mas não me parece que um economista seja especialista disso, que em regra é área para doutoramentos em Física

  4. Que patética figura a tua ao vires ao Aspirina vangloriares-te de um lanche, de um jantar e de uma salsa com o Nik. Na tua desgraçada inocência, não sabias tu que outra também lia o comentário… Controlou-se um mês. Grande feito! Porém, todo o silêncio tem um fim. Ficaste a saber que tens corninhos e que haja quem se passeie com ele também, principalmente quando não andas ao pé dele, quando vais dar aulinhas e o esperas como uma santa esposa à hora do jantar. Bom apetite, adelaide! :-)

  5. (mas afinal quem é que anda a comer quem e quem foi comido e quem quer comer e não pode? é que a malta já começa a ficar com curiosidade, estamos a assistir à ópera mas não nos deram o libretto…)

  6. tereza,

    O Nik comia a adelaide, a santa esposa, mas um belo dia, decidiu comer a claudia e passou a comer a adelaide e a claudia. Só que a claudia fartou-se do trio. A claudia, ressabiada, com a bílis efervescente, veio dizer à adelaide o que sempre lhe quis dizer, desde há um mês, quando viu o comentário dela no “Podendo”.

    The end.

  7. Post scriptum – Enfim, falta saber se a adelaide é a esposa ou outra ainda. Teríamos um quarteto e quem sabe se não haveria quinteto. Que partitura amorosa!

  8. O primerio comentário é o meu pedido de desculpas a todos – de facto o «n» e o «m» estão lado a lado. Foi lapso.

  9. então agora descansa e esquece os restantes 7%. Eu só hoje, 5 meses depois, é que tratei deles o que, tendo em conta que estava com dores nas costas, deu imenso jeitinho…

  10. Mais esclarecida, mas só um piqueno reparo – qualquer gaja que ande com um gajo que tem uma esposa merece tudo o que de pior lhe possa acontecer. Uma esposa? Ele tem uma esposa? E ele é esposo de uma esposa? Peço desculpa mas é mau demais…

  11. Repito para quem não tenha percebido – o jogo foi Sporting-Rio Ave, nada teve a ver com outros clubes.

  12. claudia,

    desculpa mas estou um pouco perdida e já que vieste para aqui publicar as tuas intimidades, explica: nesse post Podendo, a tal adelaide diz, respondendo ao Val, que escolhia para “date” o Nik, do qual, pelos vistos, é esposa.

    O que te levou a responder logo no post ( e não passado um mês) que ele te andava a comer…

    E continuas enfurecida porque a esposa foi jantar com o esposo??

    Estou a falar a sério: não percebo. Mas pronto, não precisas explicar. Isto foi apenas um ponto de interrogação mais desenvolvido :)

  13. edie, lol.

    Quanto à história, está mal contada efectivamente. Lá está quando tudo é mentira e só para chamar a atenção dos blogueiro(a)s, acabamos sempre por ser apanhados com a boca na botija :-)

    Não se esqueçam que estamos em Abril e, como não contei nenhuma de gigante a 1 de Abril, decidi “burlar” a malta uns dias após :-) E pelos vistos toda a gente se acreditou :-) Não conheço nem Niks, nem adelaides. Poderia ter-me metido com outros. Decidi escolhê-los. Todos os pormenores foram retirados e deduzidos de comentários aqui postos por eles.

    Fico contente por ver que as pessoas confundem o real com a ficção. É a prova de que sou uma excelente contadora de estórias. lol.

    As minhas intimidades? Quais intimidades se tudo inventei? LOL

  14. De passagem, contar estórias é do pé para a mão e o plano virtual permite isso à maravilha – tudo testadinho aqui mesmo no Aspirina pela adesão massiva à história. Só que após esta peta do caraças – ainda bem que não foi com o Valupi ou já me teria banido :-), têm que me deixar descansar, pois a imaginação precisa de repouso.

    edie, essas não. São para as crianças. Eu conto histórias que ponham os adultos em pulgas como nas revistas sensacionalistas. Nunca pensei ter tanto jeito pelos comentários e perguntas curiosas a respeito de algo completamente inventado. Dá-me um gozo.

  15. De passagem, é a reacção típica de quem estava a gostar da história e nega agora que possa ser tudo tanga. Em psicologia, chama-se a isto “negação”. Mas isso passa-te. Isto só demonstra que a minha história era realmente boa.
    Sinto-me preparada para o concurso de escrita criativa :-) Aliás, aconselho a toda a gente que vem para aqui comentar.

  16. edie, uma menina na cama com um lobo e a ser comida por ele… Pensando bem, tens razão. E costuma haver bruxas e tal.

  17. De passagem, o jcf e o Valupi disseram-me que iriam para a cama comigo. Não é uma bela prenda? E os dois juntos! Sempre sonhei com isso.

  18. Porra, isso ainda é mais assustador do que aquela parte em que a carochinha põe o namorado joão ratão a cozer vivo no caldeirão. Má!!!

  19. Só te fica bem essas fantasias Lol.
    Qual será a opinião deles em se tornarem personagens nesse teu fetiche?
    será que vales mesmo a pena? ou será só penas tuas? LOLLLLLLLLLLLLLL

  20. De passagem, tomara eles! Eu valho muito a pena. Agora, claro, dado que sou boa a contar histórias como a famosa Sheherazade, eu não sei se se atreveriam a querer algo sério comigo, pois quem conta um conto, acrescenta um ponto. :-)

  21. letras ao que consto não te faltam, que tal aproveitares para fazer uma canja, de preferência de galo velho, dispensa os miudos :)

  22. Sinhã, passar ao segundo capítulo, não. Tenho que escrever outro livro!

    De passagem, lol. Não te esqueças do acento em miúdos. Só te fica bem.

  23. És assim com todos os pormenores ou é só para dares um ar intelectual?
    Experimenta usar óculos (fundo de garrafa) quem sabe! Chames mais a atenção :D)
    Assim tão loira e indiscreta, ficas banal.

  24. E já agora, mais uma sugestão: que tal umas meias pretas rotas procura ai na desarrumação da tua pocilga) LOL

  25. Não é uma pocilga. É um recanto onde a ordem não impera. O meu quarto é um hino à liberdade. Umas meias pretas rotas podem sempre dar jeito :-) Se forem quentinhas então… Só é preciso é dar-se ao trabalho de coser os buracos. Se tiveres tempo, fazes-me isso, ok? ***

  26. Buracos de outros? Só tenho tempo disponível para os meus, nunca se constipam, sempre quentinhos e bem tapados.

    Quem quer ser livre luta pelos seus objectivos e ao que parece as meias são tuas, não delegues nas mãos dos outros o que te compete a Ti fazer…

  27. De passagem, cosa-me as meias se faz favor. Eu nunca falto ao pagamento. :-) Preciso delas para hoje à noite. Se não puderes, é favor avisar. Estou com pressa.

  28. Pourquoi pas, De passagem? O teu corpo deve andar a desagregar-se ou é realmente feio para te vires – ui, desculpa – com semelhante comentário. LOL

  29. E agora vou dormir. Uma escritora, com tanta imaginação e cheia de letras, precisa realmente dormir.

  30. Querida! o meu corpo não é para a tua dentadura.
    E o que tu queres está murcho, usa o vibrador, como é teu hábito :C)
    odeio vacas com cio! E com esta me despeço.

    ciao :)

  31. Take it easy, isso é faladura de quem quer e não pode. Tens ciúmes por eu saber narrar histórias no Aspirina, mas toda a gente sabe que os escritores atraem muitos invejosos :-P Não levo a mal.

  32. o insecto, faminto, hesitava. via-lhes o sangue palpitar e não lhe caíam bem aqueles falsos pudores. oh, pudera mais a libido que a pudicícia e o sangue jorraria!… enquanto assim pensava aliviava a alma, desolada, zumbindo em crescendo

    zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    o insecto, não sendo mosca, tinha, ainda assim, a capacidade de observar em simultâneo cada lugar esconso daquele antro. e sentia, tanto quanto o seu insipiente sistema nervoso lhe permitia, o pântano avançar. notou que lhe fora concedido ver claramente quão húmidos e lascivos podem ser os sonhos no mais denso breu.

    zzzzzzzzeeeeheeehláááá!!!zzzzuuuummmmm…iiiiiihhlálaááá!!!…

    o zumbido tornou-se extravagante, desagrilhoado.

    zzzzzzzzeeeeheeehláááá!!!zzzzuuuummmmm…iiiiiihhlálaááá!!!…

    e o insecto zumbia, já com prazer.

    zzzzzzzAAAAHHH!!!!ZZZZZZZZZAAAAAAAAAHHHH!!!!!!
    não havia lugar na casa onde a melga, o grande insecto voyeurista, não zumbisse inquisidora.

    na ausência de repelente, os humanos disputavam com selvajaria o único lugar onde o diálogo era a arma: o confessionário. ali o grande oráculo meneava a longa cabeleira dourada ao sabor de não se sabe que ventos.

    o oráculo sorria feliz. a melga zumbiu-lhe entre dentes num olhar breve e raiado: zzzzzrrrrr

    viu os humanos estrebuchar no pântano imundo. via-os deslizar pelas paredes e tombar ruidosamente no charco de fezes. armou o ferrão de um rol de pragas e esteve tentada…

    entediada, agarrou o comando… fez zapping.

    Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzap

  33. como é que tudo isto tem a ver com «taxistas» e «profética» idade é um mistério. Afinal quem fez figura de urso? não se esqueçam do urso que está no princípio…

  34. jcfrancisco,

    acho que esta caixa de comentários continua a justificar a “expressão” do urso lá de cima… Por isso, tudo está perfeitamente ajustado.

  35. O Sr. Google sabe tudo!

    Duvida? (diga: sim). Então faça o seguinte teste:

    Vá ao site http://www.google.com e digite na caixa de texto: Político honesto, em seguida clique em “estou com sorte” logo abaixo, e tire sua dúvida cruéll!!

    LOLOLOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

  36. Mais uma made: http://www.google.com

    As conversas são como as cerejas

    Há momentos que podem ser únicos… Muitas vezes iniciamos uma conversa banal com alguém que depressa se pode tornar muito interessante. Acontece até no momento que nós conhecemos alguém. Nunca sabemos muito bem por onde começar, mas aos poucos, vamos arranjando motivos e temas a explorar: desde experiencias de vida, a afinidades, gostos, conhecimentos. E aos poucos, vamos descobrindo as outras pessoas que estão do outro lado. Aliás, não há melhor maneira de conhecer uma pessoa senão com uma boa conversa. Esse momentos podem ser de verdadeira descoberta… Mas essas conversas são como as flores: têm de ser regadas e cuidadas para que dêm flôr. De uma pessoa que julgamos desinteressante, pode-se tornar uma agradável surpresa. Podemos até nem sempre falar com as pessoas maravilhosas que se vai conhecendo, mas não se deve deixar morrer esses momentos, ainda que se vá perdendo a ligação. Quantas vezes isso nos acontece… Porque será que isso nos acontece? qual a razão para que se perca o contacto? eu não sei. Tenho pena que muitas das vezes isso me aconteça. Também sou culpado de não manter o contacto.
    Hoje recordei-me de algumas conversas e bons momentos que passei à conversa com algumas pessoas. desde conversas sérias, a conversas divertidas e disparatadas, a conversas de pura troca de conhecimento e de partilha… todas elas foram pautadas por algo de bom… Ou então temos o reverso da medalha… Aquelas que são realmente uma seca, que são enfadonhas. Também fazem parte…

    Publicada por muitas palavras

  37. Muito obrigada, De passagem, pela correcção.
    Concordo com a sua reflexão, principalmente quando diz que se perdem oportunidades de boas conversas porque não somos capazes de conservar o contacto. O problema maior, penso, é o facto de sermos muitos comodistas e nem sempre estamos disponíveis para a partilha com outros. O que, de facto, é pena porque as relações entre as pessoas se não forem cultivadas definham depressa.

  38. Não dou uma para a caixa, deve ser do adiandado da hora.
    A última frase do comentário deve ser: O que, de facto, é pena porque as relações entre as pessoas são importantes para o seu desenvolvimento e se não forem cultivadas definham depressa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.