Vinte Linhas 444

O terramoto do Haiti tem réplicas em San Sebastián

O truculento bispo de San Sebastián, monsenhor José Ignacio Munilla (n.1961) está nas bocas do Mundo depois das suas infelizes declarações sobre os mortos do Haiti: «es mas grave la situación espiritual de España que la tragédia que viven los haitianos».

Dito de outra maneira: «nuestra concepción materialista de la vida».

Considerado pela imprensa espanhola em geral como «reaccionário, conservador e antinacionalista» o ex-bispo de Palencia foi contestado por um abaixo-assinado de 131 presbíteros locais (Guipuzcoa) e é considerado praticante de um catecismo «obsoleto» embora se reclame defensor do catecismo de 1992 ou seja do Concílio Vaticano II.

Nada tem a ver com o seu antecessor Juan Maria Uriarte mas pede aos jornalistas que não lhe façam perguntas sobre o passado da diocese. Perante o ruído à volta das suas palavras inesperadas sobre o Haiti recua e, além de dizer como dizem todos, que foi mal interpretado, torna-se, de súbito, humilde: «Yo tampoco soy el obispo ideal».

Mas, ao cabo e ao resto, afinal, do mal, o menos; a Caritas de Guipuzcoa (que depende da diocese) enviou para o Haiti uma ajuda de 100.000 euros. A festa de São Sebastião a 20 de Janeiro pode aumentar essa ajuda aos sinistrados. Boa resposta foi a de um missionário local: «Es verdad que hay grandes males en el mundo, pero no es oportuno compararlos ahora com una tragédia tan enorme y dolorosa».

Depois de um terramoto verdadeiro no Haiti surge um terramoto de palavras no País Basco. Embora nascido em 1961 parece que este controverso prelado basco parou no tempo em que os jornais chegavam no dia seguinte.

22 thoughts on “Vinte Linhas 444”

  1. “este controverso prelado basco”

    Não é vasco. O nome não é vasco. É oriundo de outra parte da Espanha. Aliás, anteriormente foi bispo de Palencia, que fica em Castela e Leão.

  2. Nasceu en San Sebastian (segundo o El Pais) mas o que eu escrevi está certo sendo prelado no Pais Basco é prelado basco pois exerce o munus em Guispuzcoa. Não tenho que saber onde nasceu mas sim onde exerce a sua actividade – junto do povo basco e com sacerdotes bascos.

  3. Este «mct» faz lembrar os homens da República que em 1910 julgavam que a religião ia acabar dentro de duas gerações. Estas coisas não são sujeitas de palavras de ordem…

  4. Mas é pena. Eu sei disso muito bem, mas palavras mansas é que eles não merecem, por todas as razões e mais uma! Não sou nenhum “mata-frades”, mas que a igreja já matou muitos milhares e “ajudou a matar” outros tantos, lá isso é verdade! Só não sabe quem não quer saber, ou julga que pela caridadezinha fica absolvida, para mim, antes pelo contrário! Mas cada um na sua! Abaixo os padrecas!

  5. A asneira não poupa ninguem . Quando ela ataca ,qualquer pessoa põe a pata na poça. Mesmo os sacerdotes , e principalmente eles deviam ter um cuidado redobrado no que debitam cá para fora. São como os politicos, mas esses teem desculpa, passam a vida a fazer asneiras, portanto é natural que debitem algumas . Mas o Monsenhor já deve ter resado umas centenas de Páis Nossos e de Avés Marias para se redimir do pecado da estupidez.

  6. Desculpa Dixit, se te feri alguma susceptibilidade. Isto é assim mesmo. Eu devo ser assim porque já fui católico e até catequista aí pelos meus 17/18 aninhos, anos sesenta e tal, tinha como meu director espiritual no Liceu D. João de Castro, o padre Alberto, que caíu morto muitos anos depois às mãos de drogados & cª que tentava ajudar. Mas depois a gente abre os olhos e quando vê, de ver, fica raivoso por ter acreditado tanto em tantas mentiras…. Mas cada qual com as suas crenças, tu deves crer, e querer dormir o sono eterno em paz lá para o paraíso celestial; eu terei de me contentar em arder para sempre nas chamas do inferno – terrível, não é! Já muitos arderam cá na terra pela vontade do deus em que acreditas, talvez (!?) e estão a arder novamente lá para esses lados obscuros, mas bem reais para certos crentes. Assim seja, para vocês!

  7. Voltando ao princípio – o que eu quis foi apenas mostrar uma coisa que nem todos tinham lido (o jornal EL PAIS) divulgando um facto que teria passado ao lado da nossa comunidade de comentadores. Nada mais. Agora as leituras são múltiplas e ainda bem; mal de nós se fossemos fotocópias uns dos outros.

  8. MCT,

    Sim, penso que seria deveras ‘terrivel’ teres de arder para sempre nas chamas do inferno. Mas tal nao acontecera, fica descansado. Primeiro terias de resolver um pequeno problema – o de continuares a arder depois da combustao total que, a temperatura desse local tambem sujeito ao aquecimento global, imagino eu, deve efectuar-se em menos de meia hora.

    Quanto ao teu video dos instrumentos de tortura da Inquisicao, e preciso realmente ser-se credulo ou nescio para se acreditar naquilo. Para que uma coleccao infinda desses apetrechos para obrigar um herege ou um cristao novo a confessar? Qualquer homem ou mulher dessa epoca, ou desta, arrepiar-se-ia pelas pernas abaixo so a vista de um deles e confessaria logo, nao achas?

    Tens aberto os olhos desde que deixaste de ser catequista? Duvido.

    Nota: Pelo meu livro, a Inquisicao nao torturou nem matou porra de ninguem: os ‘hereges’ de todos os tipos eram entregues aos governos locais e eram essas autoridades que procediam a torturas e queimaduras. Aos desfiles e exposicoes em pracas. Um caso flagrante de mais papistas que o papa.

    Nem tudo o que luze na Torre do Tombo e oiro. Digo eu.

  9. É tudo mentira, são todos santinhos, fiquei reconvertido caro Dixit e mais aliviado por ir arder só um momento e não é no inferno claro,

  10. que também é mentira, a porra da religião, os seus dogmas,a riqueza incomensurável da igreja (para ajudar os pobrezinhos coitadinhos que terão sempre de existir ou então inventados)… PQP! Amén!

  11. MCT,

    A Religiao nao e mentira – e nao apenas a enorme seccao catolica que tinhas em mente quando comecaste a vociferar contra os padrecas – e apenas Religiao, anda por ai, e motivo para procissoes, missas matinais e de fim do dia, na casa de Deus ou al fresco.

    Quanto aos dogmas, pois, esses tambem nao sao mentira nem sao verdade. Sao apenas isso, dogmas. E nao e so a religiao que se encosta a eles. A eles encostam-se tambem os marxistas, os ateus, os humanistas, democratas, e centenas doutros istas e atas. Ate dermatologistas, oncologistas, e montes de anti-dogmaticos. Um horror!

    Se essa incomensurabilidade da riqueza da Igreja (catolica) fosse um facto em vez de ser cassete ja ha muitos anos que a Igreja tinha comprado por atacado os partidos politicos ou os politicos dos partidos que governam as nacoeszinhas de maioria catolica neste mundo. Ora isso, com tu sabes, ainda nao aconteceu, apesar de me parecer que estas convencido que sim.

  12. Que confusão. Quando dá jeito para argumentar o melhor, de facto, é pôr tudo no mesmo saco e já está. Não retiro uma palavra do que disse, depois de ler esse arrazoado de coisas sem nexo que é o comentário acima. e por aqui me fico, arre! Mas, para acabar, mais um “abaixo à padrecada toda!” – The end!

  13. There is no End, my dear!

    Tu e que poes tudo na mesma sacola de marxismo (pret a manger, mesmo murcho e sem molho) e tu e que dizes coisas sem nexo, e por ai te ficas sem esperanca a espera dum milagre qualquer que restaure a tua faculdade de pensar. Que nao te falte a paciencia e que nao te deixes dormir em pe, sao os meus votos.

    Viva a santa e incomensuravelmente rica padralhada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.